Carregando...
Você está aqui:  Home  >  Colunas  >  artigo atual

Resenha Política – Robson Oliveira

De   /  14 de dezembro de 2016  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

Gafes

ROBSON OLIVEIRARepercutiram muito mais as gafes do cerimonial do Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia do que a diplomação do prefeito e vereadores eleitos da capital, ocorrida na última sexta-feira (9), nas dependências da Unopar. Além da falta de sensibilidade ao barrar a esposa do prefeito eleito ao acompanhá-lo nos assentos reservados aos diplomados, vários profissionais da imprensa se sentiram hostilizados com o rigor desnecessário imposto pelo cerimonialista. Cerimonial, por estas bandas, invariavelmente, provoca mais gafes do que acertos. A forma rude como trataram a futura primeira-dama de Porto Velho revela como convidados comuns são abordados em eventos similares. 

Discurso

Embora irritado com a forma com que trataram sua esposa, o prefeito diplomado Hildon Chaves (PSDB) não perdeu a verve e manteve-se risonho durante todo o evento. No discurso, relevou os embates políticos de campanha e falou poucas palavras do que pretende fazer nos próximos quatro anos. Foi um discurso protocolar e simplista, embora todos esperassem algo mais vigoroso e esperançoso para a municipalidade, visto que há uma enorme expectativa com a nova gestão. 

Melancolia

Os últimos dias do mandato de Mauro Nazif (PSB) na prefeitura de Porto Velho são melancólicos.  Não haverá nenhuma lembrança a ser rememorada para o futuro. Iniciou o mandato acabando com as festas momescas e, nesse final, apagando a última luz da cidade em período natalino. É o fim de uma carreira política de sucesso no parlamento e de muita melancolia no executivo. Não merece retornar ao primeiro numa eventual candidatura a deputado por maltratar seus eleitores no segundo.  O legado deixado é de uma cidade parada no tempo sem brilho, luz ou beleza.

PEC do teto

A proposta de Emenda Constitucional aprovada definitivamente hoje (13), no Senado Federal, afeta vários setores da administração pública a exemplo da saúde, educação e segurança. O reajuste do salário mínimo também é afetado frontalmente, pois o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, avisa que “caso o teto seja violado pelo Executivo em algum momento, existem diversas restrições. E uma delas é que o salário mínimo, naquele período enquanto prevalecer (o teto), não pode ser elevado acima da inflação”. Trocando em miúdos, como nossos governantes são perdulários, o teto vai ser violado e o salário mínimo violentado.

Obituário

Nos últimos dias, a pretexto de ajustar as contas públicas, arruinadas pelos próprios políticos, nossos parlamentares têm aprovado um conjunto de leis que atentam contra direitos dos cidadãos. Uma delas, para ficar no caso mais emblemático, é a nova legislação que reforma a previdência social. Quem ingressar no sistema a partir de agora, aos 25 anos (após a formatura), por exemplo, levará tanto tempo para se aposentar que o único documento possível será o obituário. A atual legislatura no Congresso Nacional está escrevendo nosso epitáfio.

ANAC
A Associação Nacional de Aviação Civil (ANAC) aprovou novo regulamento de direitos e deveres dos passageiros que entrará em vigor a partir de 14 de março de 2017. A nova regra impõe mais obrigações aos passageiros do que direitos. Por exemplo, as empresas passam a cobrar pelas malas despachadas, acolher os passageiros numa estadia somente quando o atraso da aeronave ultrapassar às quatro horas do voo, desde que seja provocado pela empresa. Ora, caso o passageiro esteja numa conexão às três da manhã, e o voo atrase até as seis, será compelido a ficar o resto da noite perambulando pelo aeroporto. E se o atraso completar quatro horas, a acomodação poderá ser feita numa sala VIP. A mudança da nova regra é feita de encomenda para empresa e não para o passageiro.

Insurretos

Os servidores do Poder Judiciário sindicalizados ao Sinjur provocaram uma assembleia para discutir eventual afastamento da atual diretoria. Entre os motivos elencados no edital está o calote a um escritório de advocacia cujos honorários não foram pagos, como adiantou a coluna passada. Acontece que a categoria já havia deliberado, reconhecido a dívida e determinado um acordo para parcelamento. Estranhamente a diretoria se negou a cumprir a decisão da Assembleia. 

Quem paga a conta

Muito pior que tudo isso, o pedido de destituição da diretoria do SINJUR se funda sobre o fato de que a atual gestão não presta contas desde 2014, e já acumula dois exercícios fiscais sem qualquer controle. Neste período foi realizada uma reforma na sede do sindicato e os valores ainda não foram tornados públicos. A sede está penhorada em ação judicial. Os sindicalizados descobriram agora que outra derrota judicial imporá o pagamento de mais de um milhão de reais. Fica uma conta de mais de dois milhões para o sindicalizado pagar.

Regabofe

Está confirmado para sexta-feira, às 20 horas, no Restaurante Caravela do Madeira, o tradicional jantar natalino promovido há dezoito anos pelo senador Valdir Raupp (PMDB), em homenagem aos profissionais da imprensa rondoniense.  

    Imprimir       Email
  • Publicado: 7 meses atrás, em 14 de dezembro de 2016
  • De:
  • Última modificação: dezembro 14, 2016 @ 8:07 am
  • Arquivado em: Colunas, Robson Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também...

Há uma expectativa que a lava jato atinja muita gente em Rondônia – Por Robson Oliveira*

leia mais →