Carregando...
Você está aqui:  Home  >  Economia  >  artigo atual

Cooperativas de crédito são opções mais atraentes que bancos

De   /  20 de abril de 2017  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

As Cooperativas de Crédito exercem um papel de destaque no quadro financeiro nacional. Tanto que desde a Constituição de 1988, as cooperativas de crédito são reconhecidas como integrantes do Sistema Financeiro Nacional. A Região Sul do Brasil é a mais envolvida no processo e possui 13,5% da população associada ao Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC). Já em Rondônia, onde o cooperativismo de crédito é relativamente novo, quase 5% da população está associada ao SNCC. O Estado mais que dobrou o número de associados nos últimos cinco anos, alcançando um crescimento de 108%. E grande parte deste crescimento se deve à atuação das cooperativas integradas ao Sistema Sicoob que tem se destacado pela presença maciça em quase 100% do território rondoniense.

Já no que diz respeito à participação no mercado financeiro, Rondônia foi o primeiro estado do Brasil onde o cooperativismo de crédito alcançou a casa dos dois dígito nesta participação. “Hoje, o cooperativismo de crédito é responsável por quase 12% da movimentação do mercado financeiro estadual, e boa parte deste mérito é crédito das cooperativas da Sicoob”, informa Ivan Capra, presidente da Sicoob Credisul (Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Sudoeste da Amazônia),

Mas por que o cooperativismo de crédito tem atraindo tantos associados? Para Capra as cooperativas incentivam o empreendedorismo, criam oportunidades de negócio, asseguram a manutenção de empregos nas comunidades e promovem o crescimento das pessoas e das regiões onde estão presentes. “As cooperativas de crédito, como a Sicoob Credisul, representam a força da união das pessoas em torno de objetivos comuns, e por isso se transformam em agentes de promoção do desenvolvimento econômico e social das comunidades onde atuam”, avalia Capra.

Outro grande diferencial é que as cooperativas de crédito parecem mas não são bancos. Assim como as instituições financeiras tradicionais, as cooperativas oferecem produtos como consórcios, previdência, cartões e poupança. Existem mais de 5,1 mil pontos de atendimentos – ou agências destas instituições – espalhadas pelo Brasil, sendo que quase metade pertence ao Sistema Sicoob.

Mas, embora haja muitas semelhanças, o grande diferencial competitivo das cooperativas de crédito está no tipo societário, uma sociedade de pessoas, cujos resultados são distribuídos na proporção das operações e também no capital integralizado. Por ser uma “empresa” administrada pelos donos para seus donos não precisa ter lucro exacerbado. Esse é um dos motivos para as taxas de juros terem um preço justo. Embora respondam ao Banco Central, as cooperativas de crédito não recolhem compulsórios e não visam o lucro, de forma que podem apresentar opções de linhas de crédito mais vantajosas ao associado, além de produtos e serviços semelhantes aos dos bancos, mas com um custo operacional bem menor, ou inexistente.

“Na Sicoob Credisul, por exemplo, não é cobrada taxa de manutenção de conta. No ano passado o cooperado da Sicoob Credisul teve uma economia de R$ 7.000,00 em relação a um correntista de um banco convencional”, calculou o diretor executivo da Sicoob Credisul, Vilmar Saúgo. Além desta economia direta, os cooperados também têm direito a uma participação no resultado das “sobras” das instituições – nome adotado para o lucro proveniente das operações das cooperativas. E também tem o saldo médio da conta corrente remunerado, o que não acontecem nos bancos. “Ou seja, as cooperativas de crédito são opções bem mais atraentes que os bancos”, ressalta Saúgo.

 – Autor-Fonte: José Antonio Sant’Ana/Jornalista profissional – Assessoria Sicoob

    Imprimir       Email
  • Publicado: 1 semana atrás, em 20 de abril de 2017
  • De:
  • Última modificação: abril 20, 2017 @ 11:21 am
  • Arquivado em: Economia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também...

Transferência de tecnologia para piscicultores

leia mais →