Carregando...
Você está aqui:  Home  >  Colunas  >  artigo atual

“Está tudo dominado”

De   /  01/11/2017  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

Edilson Neves

Ao criticar a segurança pública do Rio de Janeiro, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, disse que existem fortes indícios de ligação de autoridades com o crime organizado e desafiou as autoridades a provarem que ele está errado.

Pezão

Ao ser criticado pelos políticos e comandantes da Policia militar do Rio de Janeiro, Jardim desafiou as autoridades a provarem que ele está errado, além de rebater as declarações do governador Pezão.

Bem informado

“A situação do Rio de Janeiro é caótica e não é possível maquiar com números ou informações surreais”. É muito grave, alias é gravíssima as declarações do ministro, acredito que ele deve saber o que diz, além do mais, deve está muito bem informado para fazer tais afirmações.

Investigação

Infelizmente as declarações do ministro não me surpreendem pelo simples fato de que: as investigações da corporação não são de responsabilidade das autoridades federais, e, sim da Corregedoria da própria Polícia Militar local. Torquato defende ainda uma ampla linha de investigação em todo comando da capital fluminense.

Controle

Na Rocinha o crime organizado controla tudo, energia elétrica, tv a cabo, a distribuição de gás e água, além do narcotráfico. “Enquanto os governantes estadual e federal batem cabeça sobre como reunir as forças de segurança para combater a criminalidade, os moradores da Favela, além de enfrentar a violência, também são vítimas de extorsão por parte dos traficantes de drogas”.

Venda de gás

Na favela, só uma pessoa credenciada pode vender gás, com preço tabelado pelos bandidos: um botijão de gás, por exemplo, custa em media quase R$ 100, praticamente o dobro do que é cobrado no restante da cidade e só ele “pode vender”.

As cobranças de taxas extras atinge também o comércio de água mineral na comunidade. “o galão de vinte litros na favela custa em média R$ 20 pratas”.

No imaginário mundo da sociedade, o traficante de drogas é encarado apenas como um jovem negro, pobre e que mora na periferia, pois esse é praticamente o único modelo de traficante que é produzido e reproduzido, principalmente pelos os meios de comunicação. E ao mesmo tempo se fala também da participação de políticos e empresários no negócio das drogas. Quando você pensa que está tudo sob controle, na verdade, está tudo dominado.

Segurança

O Brasil é um país enorme, desaparelhado, politicamente intimidado; a segurança pública reduzida à míngua pelos cortes orçamentários e à subserviência humilhante há mais de vinte anos de bombardeio difamatório; nossas Forças Armadas não têm a mínima condição de defender o País contra tropas externas, empenhadas apenas em garantir pelas armas a segurança nacional. Nunca na história deste país a soberania e a própria integridade da nação estiveram tão ameaçadas.

Crime organizado

Não há nenhum motivo razoável para duvidar que o crime organizado tenha chegado tão perto do domínio total do Estado. Chego, até, a me questionar se já não está tudo dominado… De uma forma geral, sim.

Influencia

Hoje, nos encontramos em uma situação onde as pessoas se encontram completamente desamparadas – à mercê da classe dominante, de diversas formas – por meio da mídia, na política, da própria criminalidade, e, etc. E, toda essa influencia é imposta de forma inconsciente.

Grupos

Existem, sim, pequenos grupos que são contra essa dominação – são contrários a ela, mas a força que esses grupos possuem é mínima comparada a quem está no poder.

Classe dominante

Essa classe dominante comanda a população com discursos que tornam essa dominação muito natural e pouco perceptiva; é assim que ocorre na televisão, por exemplo. As pessoas assistem à televisão acreditando que é apenas um lazer, mas não sabem que por trás do que assistem existe muito mais que apenas  um lazer; elas estão, verdadeiramente, expostas a toda uma programação com uma enorme bagagem ideológica dessa classe dominante, e, além disso, esse “lazer” desvia o foco das pessoas que poderia ser direcionadas a coisas educativas, mais importantes, como pensar sobre o meio onde vivem.  E além da televisão existem vários outros meios por onde essa alienação é dada em forma de “lazer” como alguns livros, algumas músicas e etc.

Irreversível

Enfim, essa dominação é tão grande que em uma visão pessimista é praticamente irreversível, pelo menos até quando a mesma for recebida inconscientemente pela população dominada (nós). “Quando você acha que está tudo sob controle, na verdade, está tudo dominado…” pelo crime organizado.

O silêncio em torno do perigo real em que vivemos é tão grande, quanto a persistência sistemática do falatório alarmista em torno do perigo imaginário, fantasioso.

(Autor: Edilson Neves, jornalista, diretor e Editor do Jornal Correio de Notícias de Rondônia, Registro FENAJ- DRT/0001047/RO)

    Imprimir       Email
  • Publicado: 2 semanas atrás, em 01/11/2017
  • De:
  • Última modificação: novembro 1, 2017 @ 5:12 pm
  • Arquivado em: Colunas, Edílson Neves

Sobre o autor

Mictmr1964

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também...

Uma frase óbvia que as redes sociais transformaram em puro besteirol

leia mais →