Carregando...
Você está aqui:  Home  >  Coluna do Dia  >  artigo atual

O Dom Quixote do Brasil – Por Osmar Silva*

De   /  13/11/2017  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

O crime é altamente vantajoso e lucrativo no Brasil. Em qualquer das suas modalidades. Tudo colabora para que seja assim. A corrupção contaminou o tecido social de tal maneira que, não a praticar é ser burro, besta, idiota.

É HOJE, conduta social aceitável neste mundo capitalista que não aceita perder qualquer oportunidade de ganhar dinheiro. Não importa como e nem de onde venha.Na mesma popularização trafega os demais delitos: o roubo, o contrabando, o tráfico, o homicídio e por aí vai.

As elites, que historicamente governam o país, para se protegerem gestam normas e leis que não punem nem castigam.Encasteladas nos três poderes da República, não dão aos organismosque combatem o crime, as condições de tecnologia, capacitação e infraestrutura adequada para o exercício eficaz de suas missões.

E criaram no Brasil uma casta de cidadãos de 1ª categoria, com privilégios e garantias que vem sendo mantidos, secularmente, por meios de atos e de instrumentos legais inseridos no ordenamento jurídico pátrio,em causa própria.

Assim, resta aos cidadãos de 2ª categoria, o encargo de trabalhar para manter uma classe dominante, criminosamente gananciosa, e uma máquina pública viciada e corrompida.

E ainda temos quechamar de ‘Vossa Excelência’ quando precisamos nos dirigir a qualquer um deles. Seja deputado ou juiz, senador ou desembargador, prefeito ou governador, vereador ou presidente, conselheiro ou promotor público. E ai de quem, nessa interlocução, fizer qualquer referência duvidosa a qualquer deles. O tempo fecha na hora.

Embora a Constituição Federal diga que somos todos iguais perante a lei, e a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmem Lúcia afirme que a maior autoridade do Brasil é o cidadão, sabemos que na planície brasileira, não é bem assim.

Lembram do Sarney cobrando tratamento diferenciado quando foi denunciado na Lava a Jato? E do Lula cobrando dizendo que não era um cidadão comum, diante de um monte de processos que o apontam como o maior ladrão de toda a história do Brasil?

Nenhum dos dois, até agora, passou sequer uma noite na cadeia. Eu e você, não teremos esse privilégio.

Lembram do famigerado ‘foro privilegiado’? Eles criaram essa excrescência, sem consultar o povo, para se protegerem. E não abrem mão de jeito nenhum, nem que chova canivete. Você, cidadão, tem direito a isso? Claro que não!

Eles se dão privilégios sem limites. Aposentadoria integral e até acumulada; planos de saúde sem limites, aqui e no exterior; férias de 90 dias por ano; vantagens financeiras sob todos os imagináveis títulos e justificativas: transformar férias em dinheiro, dinheiro extra a cada 5 anos de serviço, diárias gordas para viajar pelo Brasil e pelo Mundo; ajuda de custo moradia(mesmo morando em mansão própria na mesma cidade em que trabalha), ajuda de custo palitó(pagamos as roupas que usam para trabalhar), ajuda de custo alimentação, ajuda de custo combustível, etc., pois a lista é longa.

Estes senhores, probos e honestos, ainda ganham os mais altos salários da República. E nós, eu e você, temos isso? Claro que não. Ganhamos os mais baixos salários do Brasil. E ainda reduziram o salário mínimo com o qual o trabalhador sustenta a família. E, também, cada um destes barões. Onde é que está a honestidade?

Mas eles não se contentam só com isso. Levam mais, muito mais. E não vão para a cadeia. Um ou outro só.

O que se ver é o STF liderando os tribunais no alargamento ou redução da lei, conforme o cliente e a casta que representa. Até por adesão. Assim, ninguém paga por seus crimes. Aí, a nação copia e, a seu jeito, pratica.

Neste cenário, o juiz Sérgio Moro não passa de um Dom Quixote. O Dom Quixote do Brasil.

Autor: Osmar Silva

    Imprimir       Email
  • Publicado: 7 dias atrás, em 13/11/2017
  • De:
  • Última modificação: novembro 13, 2017 @ 7:37 am
  • Arquivado em: Coluna do Dia, Colunas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também...

Uma frase óbvia que as redes sociais transformaram em puro besteirol

leia mais →