Carregando...
Você está aqui:  Home  >  Destaques  >  artigo atual

Temer anuncia reforma ministerial e quer concluí-la até dezembro

De   /  14/11/2017  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

Pressionado por partidos do Centrão, presidente iniciará mudanças na Esplanada depois do pedido de demissão de Bruno Araújo (PSDB) da pasta das Cidades

Depois de o ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), pedir demissão, na tarde desta segunda-feira, o presidente Michel Temer (PMDB) divulgou um comunicado em que agradece ao tucano “pelos bons serviços prestados” e anuncia que iniciará uma reforma ministerial, “que estará concluída até meados de dezembro”.

O presidente vinha sendo pressionado pelo chamado “Centrão”, que inclui partidos como PP, PSD, PR, PRB e PTB, a mexer na configuração do primeiro escalão do governo. Os líderes do grupo condicionam à reforma ministerial a aprovação de medidas econômicas propostas pelo Planalto, sobretudo a reforma da Previdência em tramitação na Câmara, principal trunfo do legado reformista que Temer pretende deixar.

O principal pleito do “Centrão” era pela saída dos ministros do PSDB, que, até a saída de Araújo, ocupavam quatro pastas. Apesar do espaço na Esplanada dos Ministérios, os tucanos não apoiaram maciçamente o presidente nas votações das denúncias da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra ele na Câmara. Na votação da segunda acusação da PGR, pelos crimes de organização criminosa e obstrução à Justiça, a maioria dos deputados do PSDB votou contra Temer.

O Ministério das Cidades, do qual Bruno Araújo se demitiu hoje, tem um orçamento de cerca de 20 bilhões de reais em 2017 e é cobiçado por políticos por seu potencial eleitoral. Entre as atribuições da pasta está a administração dos recursos do programa Minha Casa, Minha Vida.

– Por João Pedroso de Campos/Adriano Machado/Reuters

    Imprimir       Email
  • Publicado: 6 dias atrás, em 14/11/2017
  • De:
  • Última modificação: novembro 14, 2017 @ 9:54 am
  • Arquivado em: Destaques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também...

Assembleia do Rio ignora protestos e vota pela libertação de deputados presos

leia mais →