Carregando...
Você está aqui:  Home  >  Colunas  >  artigo atual

Política e ideologia determinam quem pode e quem não pode destruir a floresta

De   /  04/01/2018  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

Ibama, CMBio e várias ONGs, nacionais e internacionais, que vivem em função das questões ambientais da Amazônia, estão denunciando que madeireiros ilegais andam invadindo terras de proteção em Reservas Extrativistas. Mais de 200 quilômetros de estradas teriam sido abertas em plena flores, apenas numa Resex, localizada no Pará. O mesmo estaria ocorrendo em outras reservas da região, incluindo as de Rondônia. Para escapar da fiscalização dos satélites, os invasores estariam mudando suas táticas, construindo estradas menores, menos largas, que não podem ser vistas à distância, pelo ar. Os crimes ambientais são sim repetidos na região, até por falta de fiscalização correta e a ganância de invasores, que querem roubar madeiras nobres, como o ipê, cujo metro cúbico pode ser vendido a até 2.500 dólares (mais ou menos 8.500 reais, ao preço atual do dólar, no paralelo). Só o Pará tem mais de 736 mil hectares de áreas protegidas em 93 parques estaduais e áreas de Reserva Extrativista. Em Rondônia, recentemente, foram criados mais três novas reservas ambientais, além das extrativistas e dos parques, colocando boa parte do território do Estado sob controle do Ibama e de seus amigos das ONGs. O ministro Sarney Filho está preparando a assinatura de projetos que tornarão mais 3 milhões de hectares da Amazônia como áreas de proteção ambiental. Intocadas e intocáveis, portanto. Tudo sob supervisão de organismos internacionais e alguns nacionais, que não querem ver brasileiros usufruindo das riquezas da terra, a não ser em atividades extrativistas que eles controlem, organizem e autorizem. Mesmo com todos os exageros, há que se concordar que a fiscalização é necessário, porque criminosos, se deixados agir ao seu bel prazer, podem mesmo destruir a região em poucas décadas, transformando a Amazônia num deserto. Mas…

Sempre tem um mas… Alguém aí ouviu alguma palavra, protesto, denúncia, ação radical (como por exemplo foi feito com a queima de tratores encontrados em áreas de preservação e nos incêndios provocados por fiscais do Ibama, que destruíram dezenas de balsas e dragas num garimpo do rio Madeira,, recentemente), dos órgãos de fiscalização e das ONGs sobre a destruição praticada em propriedades por invasores de terras alheias?  Claro que não. Porque uma coisa é ir contra as determinações e mandos dos donos da nossa floresta, que vêm de muito longe, para se associar a autoridades brasileiras que transformaram a questão ambiental num tema político-ideológico. Outra coisa é destruir propriedades alheias. Aí pode!

DEPENDE DA CARA DO FREGUÊS

Aliás, não se ouviu uma só palavra nem do Ibama, nem do ICBio, nem do Greenpeace ou outras ONGs que mandam na Amazônia, sobre o grave crime ambiental praticado por centenas e centenas de invasores de fazendas e propriedades rurais. Só num caso, a cerca de 100 quilômetros da área urbana de Porto Velho, na região de Jacy Paraná, a Fazenda que pertencia ao empresário Sebastião Conti, já falecido, foi completamente devastada, durante mais de uma década. É só um exemplo, mas há mais que dezenas deles. Na propriedade de Conti,  os criminosos invasores destruíram toda a área, incluindo dezenas de pés de ipê e outras madeiras nobres, como mogno, que foram plantadas e cuidadas durante anos. Conti morreu também de desgosto, ao ver todo o seu patrimônio destruído e as várias decisões judiciais de reintegração de posse, determinadas pela Justiça, jamais cumpridas. Invadir áreas de proteção, aí tem grito geral. Roubar propriedades alheias e destruir tudo o que há nelas, inclusive árvores nobilíssimas, aí pode! Ou seja, como sempre, o cumprimento das leis brasileiras dependem muito da cara do freguês e da sua ideologia!

À BEIRA DO CAOS

Violência, truculência, milícias armadas pela ditadura atacando o povo; pessoas desesperadas procurando comida em lixos; oposição calada por medidas cada vez mais duras e em desrespeito à democracia; prisões ilegais; desrespeito aos resultados das eleições; desrespeito ao povo e ao país: tudo isso está acontecendo pertinho de nós, na Venezuela, governado por um celerado que implantou um regime socialista à base da brutalidade e da força. Nícolas Maduro preparou a Venezuela para uma guerra civil, que se avizinha, sem pena do que está acontecendo com grande parte do seu povo. Os olhos do mundo começam a conhecer a situação do país, quando as imagens e cenas chocantes da situação terrível por que passa a população, começam a circular pelas redes sociais e na mídia de todo o Planeta. É uma terra onde a ditadura domina. A tal ponto que um brasileiro, membro de uma instituição de direitos humanos contra a fome, foi preso, acusado de estar trabalhando contra o regime de Maduro. Seu crime, segundo o noticiário: estava percorrendo ruas de Caracas, levando alimentos aos famintos que abundam na cidade. Nenhum órgão de direitos humanos, dominados pela ideologia esquerdista, abriu a boca para defender o brasileiro preso ilegalmente. Nem o Itamaraty se pronunciou. Maduro e seu loucura vão começar a envolver a América Latina, caso não seja detido. É que que nos preparemos, porque vem coisa muito pior por aí!

THIAGO FORA DO MDB

Tem novidades na política de Ariquemes! O prefeito Thiago Flores, que tem notabilizado sua administração por uma parceria com a maioria da comunidade, está anunciando que vai trocar de partido. Eleito pelo hoje MDB, ele está analisando o quadro político e deve anunciar para que sigla se mudará até o final do mês. Thiago não comenta as razões pelas quais deixará o partido, mas certamente ele anda insatisfeito com muitas coisas. Em relação a Thiago, uma nova liderança na política do Estado, há também outras certezas, além da troca de partido. Uma delas: ele não apoiará a postulação de seu vice, Lucas Follador, que será candidato a deputado federal. Os dois não estão mais falando a mesma linguagem. Não há um rompimento público, mas o que se ouve nos bastidores é que o Prefeito estaria muito insatisfeito com seu vice, que, segundo Thiago teria comentado com pessoas próximas, “infelizmente faz a política tradicional do toma lá, dá cá!”. A outra certeza é que, mesmo com chances de postular algum outro cargo, como disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa ou até à Câmara Federal, o prefeito de Ariquemes decidiu que vai ficar exatamente onde está e que concluirá todo o seu mandato. Agora, é esperar para se saber para que lado ele vai pender, em termos partidários.

FIM DO ACAMPAMENTO NAS ESCOLAS?

Sobre ações da Prefeitura para esse janeiro, há planos arrojados. Uma das maiores preocupações é aliviar os cofres municipais de uma despesa em torno de 420 mil reais por mês. Isso mesmo! Como fazer isso? Credenciando a UPA e a Casa de Parto Natural (a primeira no Estado, inaugurada no segundo semestre de 2017), junto ao Ministério da Saúde. Com isso, os cofres da Prefeitura deixariam de arcar com essa vultosa despesa, passando à responsabilidade federal. As negociações estão avançadas. Outro desafio que Thiago Flores tem pela frente é evitar que se repitam cenas de vários anos. Ele conta que assumiu o compromisso de evitar “acampamentos” de pais e as filas intermináveis, na luta pela rematrícula de seus filhos nas escolas municipais. A batalha para fazer com que esse drama das famílias acabe, está em andamento. Tem mais: para o prefeito, uma das prioridades deste janeiro, mesmo com toda a chuva que tem caído, é realizar uma operação tapa buracos em toda a cidade. Em duas frentes (na política e no dia a dia da administração), o jovem prefeito de Ariquemes trabalha duro para que consiga alcançar seus objetivos. Batalhador e sem medo, quem o conhece acha que ele conseguirá realizar tudo o que está planejando.

FIM DA DIABETES E DO ALZHHEIMER?

O ano começa com uma notícia sensacional para milhões de doentes mundo afora: uma nova droga, que é testada, por enquanto, apenas em animais, tem mostrado resultados excepcionais na reversão de casos de diabetes 2, até agora incuráveis e, ao mesmo tempo, tem revertido, em ratos, a perda de memória, característica das pessoas com o Mal de Alzheimer. O novo composto é um  coquetel: a droga utiliza a ação combinada de três substâncias, para tentar reverter com sucesso níveis tóxicos de glicose no sangue. Nos testes, os resultados foram tão intensos e positivos quantos os conseguidos em cirurgias bariátricas. Embora a pesquisa não tenha detalhado exatamente como o controle da glicose também melhora a doença neuro degenerativa, pesquisas antiAlzheimer com drogas ‘emprestadas’ da diabetes não são novas: a ciência já sabe que pessoas com diabetes têm maior risco para a demência. Não há ainda previsão para que o novo medicamento seja comercializado, mas sem dúvida os resultados dele até agora acenam para a possibilidade de cura de duas das mais temidas doenças que afetam a raça humana.

MADEIRA MAMORÉ MUDA DE DONO

O ano começou com importante novidade na questão do patrimônio histórico da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. Desde o dia 1º e até 31 de dezembro de 2.067, ou seja, nos próximos 50 anos, toda a estrutura ficará sob responsabilidade da Prefeitura de Porto Velho. Os palpiteiros, os chatos, os que discursam, mas nada resolvem; os que só atrapalham; os que se acham donos e proprietários únicos do que é de todos, enfim, essa gente que faz só barulho, felizmente, ficará fora do novo contexto de domínio do que de mais importante temos, na área da história. Ao assumir o encargo, a Prefeitura da Capital também se responsabiliza por várias ações, como um amplo projeto de revitalização; incluindo obras portuárias; melhorias urbanísticas, ambientais, valorização cultural e muitas outras. O consórcio da Santo Antônio Energia será um dos grandes parceiros do município, para a concretização desse arrojado projeto, preparado para agora e para o futuro.  Não há ainda informações sobre se haverá chance de o trenzinho da Madeira-Mamoré, no trecho de sete quilômetros até Santo Antônio, voltar a circular. Em breve, contudo, a Prefeitura deve também tratar desse assunto. Pode até não acontecer muita coisa, mas só o fato de nos livrarmos de tantos chatos e palpiteiros, que enchem o saco falando sobre o patrimônio histórico, mas nada fazem, além disso, já é um alívio!

PERGUNTINHA

Neste ano que está começando, caso, como cidadão ou cidadã, você milagrosamente fosse consultado ou consultada, qual a principal obra que gostaria de ver realizada em sua cidade?

– Por Sérgio Pires 

    Imprimir       Email
  • Publicado: 3 semanas atrás, em 04/01/2018
  • De:
  • Última modificação: janeiro 4, 2018 @ 2:52 pm
  • Arquivado em: Colunas, Sergio Pires

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *