Carregando...
Você está aqui:  Home  >  Colunas  >  artigo atual

Socorro, Amazônia! A rainha das ONGs pode ser a nova presidente do Brasil 

De   /  02/02/2018  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

Com Lula fora do páreo, as fichas da esquerda festiva, a que opina e decide sobre a Amazônia em suas salas de ar condicionado, a alguns milhares de quilômetros, já tem sua nova musa. Trata-se de ninguém menos do que a Rainha das ONGs internacionais; a que se deita no barro, para que os grandes interesses do mundo sobre nossa floresta não sujem seus pés. Em pesquisas para a Presidência da República, sem Lula, a turma do esquerdismo festivo; das teorias superadas; do domínio do Estado sobre tudo; do quanto pior, melhor, vai ter em Marina Silva a sua principal opção. O problema é que, do outro lado, liderando as pesquisas sem Lula, está outro perigo para o país: o extremismo de Jair Bolsonaro. Será que nessa terra tão fértil, de tanta gente boa, de tantas possibilidades de se achar alguém competente e que nos tire do lamaçal para onde nos empurraram os últimos governos, vamos acabar entre o servilismo e a conversa fiada de Marina Silva ou a ultra direita de Bolsonaro? Marina é inimiga do desenvolvimento, do progresso, da visão de futuro e, principalmente, da Amazônia. Tem um discurso retrógrado e ineficiente, defendendo teorias antiquadas e que, na prática, jamais deram certo. Tem uma visão tacanha do país, mas seu discurso verde, em defesa do meio ambiente, cativa milhões de brasileiros. A grande maioria não sabe que ela serve a interesses internacionais, com sua parceira com ONGs que abundam na Amazônia, tentando nos tirar tudo o que podem. Alguém ouviu falar que Marina Silva tenha usado seu relacionamento com as ONGs do mundo inteiro para, por exemplo, propor ações que ajudem a salvar os miseráveis, que abundam no Nordeste brasileiro e que não têm ONGs para ajudá-los? Já na Amazônia não. Basta acessar o Google e perguntar quantas dessas entidades atuam nesta nossa maravilhosa e rica região.  A resposta é de apavorar: mais de 100 mil ONGs estão registradas por aqui. Quase zero no Nordeste. Deu pra entender, não deu?

E é com essa gente que Marina sonha governar, colocando nossas riquezas a disposição dos interesses do mundo. São eles que sonham em dominar toda nossa floresta, como já o fazem, aliás, muitos representantes estrangeiros, que circulam livremente em áreas em que nós, brasileiros, estamos proibidos de andar, em determinados horários, como ocorre na região da Reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima. A partir do anoitecer, brasileiro não podem circular na região. É esse o sonho de Marina e seus seguidores não só aqui dentro, mas principalmente fora do país. Americanos, ingleses, japoneses, chineses, russos, franceses e representantes de algumas dezenas de outras línguas vão invadir nossa floresta, com o aval da Dona Marina, levando tudo o que puderem, enquanto, para nós, ela defenderá seu gasto discurso da “sustentabilidade”. Socorro!

O BARULHO DE BRENO MENDES

Com uma mídia pessoal muito forte, tornando-se muitas vezes maior que os cargos que ocupou, pelo espaço tomado na mídia, o jovem advogado Breno Mendes uniu em torno de si alguns amigos, mas também muitos inimigos, durante sua passagem pela administração Hildon Chaves. Nesta quinta ele foi exonerado, voltou ao cargo uma hora depois e acabou sendo definitivamente defenestrado perto do anoitecer, quando sua saída da administração municipal foi, enfim, publicada no Diário Oficial do Município. Breno ocupou a chefia de gabinete nos primeiros meses do governo de Hildon e era praticamente o braço direito do Prefeito. Caiu do cargo, depois de ter sua cabeça pedida por vereadores e até por secretários, colegas seus. Foi para a Emdur, trabalhou duro, conseguiu iluminar boa parte da cidade, mas sua ânsia por espaços nas redes sociais, acabou por colocá-lo em confronto com vários setores, tanto na Câmara de Vereadores quanto dentro da própria administração. Provável candidato a deputado, Breno tornou-se alvo de outros políticos que também vão concorrer. Ele sai sob a suspeita de estar usando o cargo para fazer campanha. Mas desmentiu essa tese dos adversários, ao desfiliar-se ontem mesmo do PSDB e anunciar que não concorrerá a nenhum cargo nas eleições de outubro. Breno ainda vai ser assunto de muitos debates, apoios e críticas. Sua passagem pelo governo municipal certamente foi barulhenta e o som se ouvirá ainda por algum tempo, pelo menos.

SEIS MESES ANTES

Mesmo neste período de intensas chuvas, as obras dos viadutos da Campos Sales, sobre a BR 364, não param. A boa notícia foi dada pelo Dnit e confirmada pelo prefeito Hildon Chaves, num vídeo que ele postou nas redes sociais, essa semana. Ao lado do empresário Glauco Omar, da Madecon, empresa responsável pela obra, Hildon afirmou que mesmo com o cronograma prevendo que o trabalho poderia ir até dezembro, a estrutura que vai melhorar significativamente o trânsito em toda aquela área, provavelmente será entregue com grande antecedência, o que é incomum em obras públicas. O engenheiro Emanuel Nery, do Dnit, também já tinha comentado o assunto, em postagens feitas no Facebook, avisando que ao invés de dezembro, o complexo dos viadutos da Campos Sales será entregue entre o final de junho e meados de julho próximo, ou seja, em pouco mais de seis meses. O sistema de aterramento que está sendo feito, pode ser realizado mesmo no período de chuvas, o que vai possibilitar o andamento muito mais rápido dos trabalhos. Ou seja, parece que, finalmente, toda a estrutura dos viadutos e elevadas, programadas há mais de oito anos para Porto Velho, finalmente ficará pronta. Quem não acreditava nisso, como esse jornalista, quebrou a cara!

PEDÁGIO SÓ COM DUPLICAÇÃO

Já começou a contagem regressiva para a privatização da BR 364, em todo o trecho que começa no Mato Grosso e atravessa Rondônia, até o Acre. Nada menos do que 11 bilhões de reais deverão ser arrecadados pelo Governo Federal, quanto forem privatizados os vários trechos (a concorrência vai prever pelo menos uma dezena de trechos, cada uma podendo ficar sob o comando de uma empresa diferente). Ao menos na teoria, o objetivo principal com a privatização é que 364, que se transformou num verdadeiro matadouro, seja duplicada, melhorando o tráfego de veículos e diminuindo os incríveis índices de acidentes. Em seus 808 quilômetros, desde Comodoro até a fronteira com o Acre, na Ponta do Abunã, a rodovia que atravessa Rondônia de sul a norte, poderá ter até onze postos de pedágio. E aí é que entra o perigo. Já há informações que consórcios interessados estariam negociando a participação nos leilões dos trechos, já solicitando autorização para o funcionamento dos Pedágios antes das obras de duplicação, ou seja, já arrecadando apenas para “manutenção” da rodovia. É bom que o Governo de Rondônia e a bancada federal fiquem de olho, para que não sejamos enganados numa concorrência deste tipo e que não se permita a cobrança de nenhum centavo, nos trechos a serem privatizados e neles instalados pedágios,  sem que as obras de duplicação estejam concluídas.

METRALHADORA NAS RUAS

Num só dia, a quarta-feira, 31 de janeiro, resumiu muito bem a quantas anda a segurança pública em Rondônia. Em menos de 24 horas, a Polícia Militar registrou nada menos do que 122 ocorrências, apenas na Capital, Porto Velho. Numa delas, a PM descobriu que um foragido estava portando uma metralhadora, dessas capazes de disparar centenas de tiros e causar mortos e feridos. Aliás, entre a centena de casos policiais registrados, quase 20 por cento envolveram ou foragidos do sistema prisional ou presos, nas ruas, que receberam algum tipo de benefício legal. Enquanto o tráfico de drogas e de armas aumenta em toda a região, até pelas fronteiras desguarnecidas, a violência se multiplica na periferia, como nunca antes aconteceu. Vários assassinatos já foram registrados nas últimas semanas. Não há efetivo que chegue para atender tantas ocorrências em tão pouco tempo. A cada hora, pelo menos cinco ocorrências foram atendidas, muitas delas envolvendo violência, em apenas um dia. Até quando?

PARCERIA PELA SAÚDE

Ao menos uma boa notícia para a saúde pública municipal, em Porto Velho, que anda vivendo dias de noticiário extremamente negativo. A boa nova é que a Semusa fará uma parceria com a Secretaria de Saúde do Estado, para o reforço do atendimento médicos nas Unidades Básicas de Saúde durante o período de carnaval. Já é um passo importante. O ideal seria se essa parceria fosse ampliada também para o pós carnaval, porque os postos de saúde e as UPAs estão vivendo momentos muito ruins. Os secretários da Capital, Orlando Ramirez e o do Estado, Williames Pimentel, têm larga experiente e sabem que podem, juntos, ao menos amenizar a situação crítica em que se encontra a estrutura de atendimento da Prefeitura. Pimentel foi um secretário municipal bem sucedido e faz o mesmo sucesso comandando a gigantesca estrutura do Estado, com índices de avanços invejáveis. Tem muito a contribuir. Orlando Ramirez está tentando de tudo para resolver as coisas. Até agora não tem conseguido, mas com esse esforço concentrado e com o apoio da Sesau, as chances de uma melhora no setor crescem  bastante. Tomara que tudo dê certo, porque a população doente de Porto Velho já não aguenta mais tanto sofrimento.

ALMIR SURUÍ SERÁ CANDIDATO

Um personagem de Rondônia conhecido no mundo interior, o cacique Almir Suruí, está se preparando para enfrentar um novo desafio este ano. Ele é um dos 102 nomes escolhidos pelo Movimento Raps (Rede de Ação Política Pela Sustentabilidade), para receber o apoio de empresários e lideranças políticas de partidos que apoiam o grupo, todos liderados pelo fundador da Natura, o megaempresário Guilherme Leal, que chegou a se envolver diretamente na política, ao ser o candidato a vice presidente na chapa que era liderada por sua guru, Marina Silva. Almir Suruí está no pacote que recebe apoio, inclusive financeiro, junto com personalidades pouco conhecidas, como o jovem João Campos, filho do presidenciável Eduardo Campos, que morreu num acidente aéreo em São Paulo, quando andava pelo país em campanha. Outros personagens a serem apoio pelo Movimento Rapps: a transexual Giowana Gambrone Araújo; O diretor nacional da Frente Favela Brasil, Wanderson Maia e o ex ministro da cultura, Marcelo Calero, aquele que denunciou o então ministro Gedel Vieira Lima, que queria obrigá-lo a emitir um parecer favorável para construção de um prédio enorme, numa área proibida de Salvador. Todas essas figuras conhecidas aqui ou ali, mas distantes do grande eleitorado, terão apoio da entidade, apartidária, segundo o fundador da Natura. Vamos ver no que vai dar…

PERGUNTINHA

Você concorda ou não que, ao declarar que “e inadmissível e inaceitável agredir a Justiça”, na abertura do ano Judiciário, nesta quinta, a presidente do STF, ministra Carmem Lúcia, estava se dirigindo ao ex Presidente Lula, mesmo não tendo citado o nome dele?

 – Por Sérgio Pires 

    Imprimir       Email
  • Publicado: 4 meses atrás, em 02/02/2018
  • De:
  • Última modificação: Fevereiro 2, 2018 @ 9:31 am
  • Arquivado em: Colunas, Sergio Pires

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *