O Campeonato Grego de futebol foi suspenso nesta segunda-feira por tempo indeterminado em resposta ao incidente acontecido durante o duelo de ontem entre PAOK Salônica e AEK Atenas, conforme anunciou o ministro dos Esportes da Grécia, Georgios Vassiliadis, depois de uma reunião com o primeiro-ministro Alexis Tsipras.

Vassiliadis anunciou que serão realizadas consultas com todos os envolvidos e que a competição não será retomada até que cheguem a um acordo.

A decisão do governo grego chega depois que o presidente do PAOK, Ivan Savvides, um dos homens mais ricos da Grécia, entrou armado no gramado com uma pistola durante o duelo com o AEK.

O dirigente invadiu o campo do estádio logo depois que o árbitro anulou um gol do PAOK, nos acréscimos, quando o placar marcava 0 a 0.

O zagueiro cabo-verdiano Fernando Varela balançou as redes, a favor do time do lateral-direito Léo Matos, ex-Flamengo, do lateral-esquerdo Márcio Azevedo, ex-Botafogo, e do volante Maurício, ex-Fluminense. O lance, no entanto, acabou invalidado por causa de posição irregular do defensor.

Foi quando Savvides invadiu o gramado, junto a um grupo de pessoas. As imagens da transmissão da partida mostraram, diversas vezes, o dirigente levando a mão à cintura, até que, foi possível verificar que ele portava uma arma.

O presidente do PAOK tentou, por diversas vezes, se aproximar do árbitro, mas foi contido, por homens que pareciam seus seguranças. Enquanto isso, os jogadores do AEK partiram para o vestiário, temendo um conflito maior.

Posteriormente, a equipe de arbitragem também conseguiu deixar o campo de jogo e foi anunciada a suspensão da partida, com o placar em branco. Enquanto isso, os atletas do time de Salônica seguiram esperando a retomada do duelo, no gramado.

Posteriormente, via Twitter, o PAOK divulgou que o árbitro decidiu validar o gol e que a informação constaria na súmula.

O resultado positivo levaria o time presidido por Savvides ao segundo lugar do Campeonato Grego, com 52 pontos, dois atrás, justamente do AEK, time que conta com o ala-direito Rodrigo Galo, ex-Avaí, que começou jogando, mas foi substituído pouco antes da confusão.

No entanto, o fato de Savvides, um magnata industrial russo de origem grega, ter entrado armado no campo de jogo desencadeou uma onda de indignação não só no mundo do esporte.

A polícia grega emitiu uma ordem de prisão contra o dirigente e outras quatro pessoas, provavelmente seus seguranças, que invadiram o campo de jogo junto com ele.

“O governo lutou durante os últimos três anos para sanear o futebol grego. Conseguimos muitas coisas, mas resta muito mais a fazer. Não permitiremos um retorno à situação anterior, mesmo se isso representar um custo político para o governo”, afirmou Vassiliadis.

O ministro acrescentou que o governo está em contato permanente com a UEFA e que tentará evitar que as equipes gregas fiquem excluídas das competições europeias.

Quando foi questionado sobre como a UEFA vê a entrada de homens armados no campo, Vassiliadis disse que os europeus estão “surpresos”, assim como as autoridades da Grécia.

Há dois anos o governo interrompeu durante várias semanas os campeonatos profissionais de futebol na Grécia após um enfrentamento entre torcedores do Panathinaikos e do Olympiacos, que impediu a disputa do clássico.

Da Agência EFE