Carregando...
Você está aqui:  Home  >  Coluna do Dia  >  artigo atual

A sabedoria do realismo

De   /  29/06/2018  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

Oscar D’Ambrosio*

Dirigido por John Carroll Lynch, ‘Lucky’ é um filme para fortes. Última filmagem do ator Harry Dean Stanton, célebre, entre outros pela sua atuação, não menos que excepcional, em ‘Paris Texas’, de Wim Wenders, a obra centra as atenções num protagonista que, embora fume feito uma chaminé, tem excelente saúde, mas, numa manhã, tem um desmaio repentino.

O médico alerta que a máquina de seu físico deu um primeiro sinal de que pode falhar a qualquer momento. O que poderia ser o primeiro passo de uma tragédia interior para muitos; torna-se, para Lucky, apenas mais um motor para a existência, que inclui uma disciplinada rotina e algumas reflexões existenciais não menos do que polêmicas.

É preciso ter serenidade e estômago para ouvir as falas do protagonista sobre o significado do realismo, como começo, meio e fim de tudo sem espaço para a existência de alma ou algo semelhante; e ainda para acompanhar o entendimento da realidade de Lucky como uma construção mental de quem a enuncia, ou seja, só existe aquilo que eu acredito que existe. E, nesse aspecto, alguns diálogos do filme são autobiográficos do ator, como o depoimento feito pelo personagem sobre a sua participação como marinheiro/cozinheiro numa embarcação durante a Segunda Guerra Mundial

Dessa maneira, viver/morrer ou interpretar o mundo se dá dentro de parâmetros muito pessoais. Um dos amigos do protagonista, por exemplo, tem uma tartaruga que foge e o sofrimento dele termina quando ele se convence de que ela não abandonou, mas apenas foi buscar algo melhor. E pode voltar a qualquer hora… Quanta sabedoria!

Por Oscar D’Ambrosio*

*Oscar D’Ambrosio, mestre em Artes Visuais e doutor em Educação, Arte e História da Cultura, é Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

    Imprimir       Email
  • Publicado: 3 semanas atrás, em 29/06/2018
  • De:
  • Última modificação: junho 29, 2018 @ 8:50 am
  • Arquivado em: Coluna do Dia, Colunas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *