Amazônia Azul 2018 – Patrimônio brasileiro a preservar e proteger

Preservar e proteger Embora o presidente eleito, Jair Bolsonaro, tenha mantido o caso sempre em aberto, o que na prática é um convite às.. Embora o presidente eleito, Jair Bolsonaro, tenha mantido o caso sempre em aberto, o que na prática é um convite às pressões, na métrica da boataria há uma tendência para a manutenção do Ministério do Ambiente separado da Agricultura. Atribui-se essa possibilidade mais cotada a duas influências altamente respeitáveis.

 

De um lado, os consumidores dos mercados interno e externo, que exigem extremos cuidados ambientais na produção dos artigos que compram para o uso de suas famílias. Eles não veem com bons olhos nada que possa representar desleixo com os cuidados de sustentabilidade.

De outro, os chefes militares que amam a Amazônia e jamais ocultaram suas apreciações sobre a realidade da região, dentre os quais pontificam naturalmente os generais Augusto Heleno e Oswaldo Ferreira.

Caso se confirme a manutenção do MMA, o mundo vai respirar aliviado. Aliás, há no exterior nesta hora amplo interesse pelas ações em torno da Amazônia Azul. Sobretudo expectativas positivas frente a um simpósio organizado pelo Centro de Estudos da Marinha.

Já pelo titulo do evento ficam bem claras as intenções que animam a promoção: “Amazônia Azul 2018 – Patrimônio brasileiro a preservar e proteger”.

Menos partidos

Com as chamadas cláusulas de barreira, dispondo sobre mínimas exigências eleitorais, 14 dos 35 partidos registrados atualmente no Tribunal Superior Eleitoral sucumbiram. Legendas, como o PSDC e outras com representação reduzida nas urnas no pleito de outubro foram barradas no baile e deverão buscar fusões com outras siglas no próximo ano. Os entendimentos já começaram. 

Distrito Industrial

Criado ainda na gestão do então governador Oswaldo Piana Filho, há quase 30 anos, o Distrito Industrial de Porto Velho até avançou na década passada. Mas carece de mais infraestrutura para atrair empresas, gerar empregos e renda. Espera-se que o futuro governador Marcos Rocha, preocupado com a criação de postos de trabalho invista na área industrial.

As suplementares

Com recursos correndo nas instâncias superiores, os prefeitos cassados de Rolim de Moura, Luizão do Trento (PSDB) e de Pimenta Bueno Juliana Roque (PSB) podem melar as eleições suplementares marcadas para o próximo dia 9 de dezembro. Como se sabe, Rondônia tem uma tradição de entra-e-sai de prefeitos  cassados por causas do esgotamento de recursos na justiça.

Era dos caciques

A era de ouro dos caciques políticos de Rondônia vai acabando. Lideranças do porte de Odacir Soares (Porto Velho), José Bianco (Ji-Paraná), Ernandes Amorim (Ariquemes), Amir Lando (Porto Velho), e a derrota nas urnas de Valdir Raupp (Rolim de Moura) e Expedito Junior (Rolim de Moura), Nilton Capixaba (Cacoal), Melki Donadon (Vilhena) indicam claramente a busca da renovação de lideranças no estado.

Uma limpa

Já se fala numa limpa do Diretório Estadual do MDB depois das eleições de outubro, que redundou nas derrotas de Maurão de Carvalho ao governo, na reeleição do senador Valdir Raupp, da deputada federal Marinha e  tantas outras lideranças que disputaram cargos eletivos.Depois de quase três décadas mandando no partido, Raupp que tomou a legenda de Bengala, cederá o controle para o cacique Confúcio Moura.


Imprimir   Email

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar