Dessa vez, não foi conversa de compadres! Debate da SicTV foi quente, com ataques e contra ataques

Foi muito diferente. Dessa vez, não houve conversa entre compadres, como aconteceu no primeiro debate da TV, na TV Alamanda. O pau cantou durante o confronto de seis dos nove candidatos ao Governo, realizado na sexta à noite, na SICTV/Record.

Mesmo com a ausência de Acir Gurgacz, o candidato do PTB que enfrenta problemas legais (explicações mais adiante!), o debate foi quente, com ataques, contra ataques, ironias, acusações e até um palavrão soft, solto pelo candidato Coronel Charlon, do PRTB, que entrou na última hora, depois de ser aprovado pelos outros candidatos, como determinavam as regras do debate, quando ficou oficializada a ausência de Acir. O principal alvo da maioria dos candidatos, para surpresa geral, não foi o líder das pesquisas, Expedito Júnior, porque isso até seria comum. Foi o presidente da Assembleia, Maurão de Carvalho, cuja candidatura tem crescido bastante, que ficou sob ataque duro de praticamente todos os demais candidatos. O único que atacou Expedito com mais força foi Marcos Rocha, do PSL, ao lembrar da condenação do tucano por crime eleitoral. Expedito retrucou, dizendo que é ficha limpa e que jamais se envolveu em problemas com dinheiro público. Seu único caso foi relacionado com questões eleitorais. Maurão foi fustigado duramente pelo candidato da Rede, Vinicius Miguel; por Pimenta de Rondônia e, com menor intensidade, pelo próprio Expedito. Ao final  do debate, Maurão comentava que parecia ter havido um acordo dos demais concorrentes para atacá-lo, mas avaliou como positiva sua participação no encontro.

No geral o debate teve emoção e organização, com raros momentos de pequenos problemas técnicos, imediatamente resolvidos. Houve até uma tentativa de forçar a barra! O candidato Pedro Nazareno, do PSTU, chegou a dizer que iria entrar no debate, porque teria conseguido uma liminar no TRE. Invenção. A Justiça Eleitoral negou o pedido e, claro, por não estar dentro das regras, o candidato ficou fora. Não se sabe se ele teve alguma informação errada ou se apenas tentava tumultuar mesmo.  O certo é que ficou ruim para Nazareno... No final, o encontro na SICTV/Record chegou perto da perfeição. Um auditório lotado, com mais de 150 pessoas, entre autoridades e convidados especiais, acompanhou muito de perto todo o desenrolar do confronto, que durou  duas horas e dez minutos e, ainda, foi reapresentado neste sábado, ao partir do meio dia e 25. Foi um evento importante, entre tantos que a rede de emissoras (incluindo a rádio Parecis FM), promoveu, para dar espaço aos candidatos debaterem e também serem questionados. Tanto na TV quanto na Parecis, todos os nove concorrentes participaram de sabatinas individuais de uma hora, entrevistados pelos Dinossauros Beni Andrade, Domingues Júnior, Everton Leoni, Jorge Peixoto e Sérgio Pires. Foi um amplo e competente serviço prestado à democracia. A SICTV e a Parecis FM fizeram a sua parte. Resta agora ao eleitor fazer a dele e escolher bem aquele que vai nos governar. Antes da eleição, ainda haverá um debate na TV Rondônia/Globo, na terça à noite, dia 2.

A DURA BATALHA DE ACIR

A ausência dele, no principal debate antes da eleição de 7 de outubro, que aconteceu nesta sexta, na SICTV/Record, em rede estadual para mais de 20 emissoras, resume  bem as imensas dificuldades que o senador Acir Gurgacz está enfrentando, para tentar manter sua candidatura, depois da decisão do STF de não acatar seus recursos e determinar que ele cumpra pena a que foi condenado, num processo de crime contra o sistema financeiro nacional. Desde a terça-feira, quando saiu a decisão que surpreendeu tanto a Acir como a seus advogados e aliados, a situação tem ficado cada vez mais tensa. Nesta quarta, o Ministério Público entrou com pedido no TSE, para que a candidatura dele fosse negada e até que sua foto, nome e número fossem retirados da urna eletrônica, o que, na verdade, não é mais possível fazer. Na quinta o TSE julgaria o caso Gurgacz, mas o transferiu para a próxima semana, ainda sem data definida. Até lá, o candidato ao Governo continua na disputa, mas permaneceu  em Brasília, até o meio da tarde de sexta,  para acompanhar todos os eventos que surgirão até meados da semana que chega, quando só então saberá se vai poder ou não continuar na campanha. Por isso ele ficou impossibilitado de participar do debate, pois não chegaria a tempo. Para Gurgacz, resta ainda uma pesada batalha judicial. Seus correligionários e eleitores torcem por ele. Mas, infelizmente, a situação está cada vez mais difícil! Provavelmente ainda se passarão alguns dias nesse sofrimento, até que o TSE dê sua palavra final. Até lá, há que apenas esperar...

APARTAMENTOS MILIONÁRIOS

Sobre o assunto, vale registrar que as declarações do senador Acir Gurgacz, dirigidas ao ministro Alexandre de Moraes, na semana passada, foram extremamente fortes. Poucas vezes, nos últimos tempos, se ouviu, de alguma autoridade, ataques tão diretos e direcionados a um membro do Supremo. Trecho do texto dizia: “o ministro que relatou o caso no STF, Alexandre de Moraes, sempre teve ligações políticas com o PSDB. Foi filiado do partido, secretário de governos do PSDB e também foi advogado de Eduardo Cunha – deputado do MDB, cassado e preso pela Lava Jato. Não seria a primeira polêmica que envolve o nome do ministro do STF indicado pelo presidente Temer. Quando de sua indicação, Moraes participou de uma reunião extraoficial em uma chalana no lago Paranoá, em Brasília. A embarcação de luxo do senador Wilder Morais (PP-GO) serviu de cenário de uma “sabatina" feita por um grupo de senadores, vários deles envolvidos na Operação Lava Jato. Moraes também ficou conhecido pelos apartamentos milionários que adquiriu em São Paulo apenas com vencimentos de servidor público e com poucos prováveis lucros da venda de livros de sua autoria.” É coisa grave, sem dúvida. Esperemos os próximos capítulos.

O TALENTO DE MEIRY SANTOS

Na política local, portanto, a grande notícia desta sexta, foi a realização do debate na SIC TV. Comandada com muito talento e dedicação pelo jovem diretor geral Marlon Leoni, capitaneando uma equipe de mais de 50 pessoas, que deram duro a semana toda, para que tudo funcionasse, o confronto ainda teve uma atração especial:  o comando da jornalista e apresentadora Meiry Santos, um dos grandes nomes da TV rondoniense. Na emissora da Record, ela é pioneira no comando de um debate como esse. Meiry é uma das atrações da SICTV, como jornalista e como apresentadora de um dos programas de maior audiência na mídia do Estado, o SIC News, ao lado de Everton Leoni. Ela teve que usar todo o seu aprendizado, experiência e talento profissional, numa carreira que já tem 18 anos, para mediar um evento que é considerado um dos mais importantes em todo o contexto da eleição. Toda a Rondônia certamente ficou grudada na TV, durante as  duas horas e 10 minutos, enquanto os  candidatos ao Governo responderam questionamentos, fizeram perguntas entre si e apresentaram seus planos. Foi mais uma vez um golaço da emissora, que tem sido um espaço escancarado para o amplo debate democrático. E a estrela de Meiry Santos brilhou, assim como a organização do evento.

SOBRINHO VOLTA À POLÍTICA

O ex prefeito Roberto Sobrinho, que estava sumido, ao menos publicamente, da política local, reapareceu essa semana nas redes sociais, pedindo votos para o candidato a deputado federal, o Padre Ton, do seu partido. Sobrinho disse que seu companheiro de PT o ajudou muito quando foi Prefeito, elogiou a atuação dele no parlamento  e incitou a militância a dar todo seu aval ao nome do candidato. Durante sua fala, empolgado, o ex Prefeito, contudo, cometeu dois exageros. Primeiro, disse que a reforma trabalhista causou mais de 15 milhões de desempregados, o que não tem nada de real, na medida em que quando ela foi votada, já haviam 13 milhões de brasileiros sem trabalho. Depois, afirmou que o Padre Ton vai votar contra a decisão de “acabar com a aposentadoria dos trabalhadores”, embora isso nunca tenha sequer sido aventado no Congresso. O que esteve em discussão, mas ainda não foi adiante, é uma reforma da previdência. Afora isso, o Sobrinho falou com o talento e o  entusiasmo de sempre. Não pediu voto para mais ninguém. Só para o Padre Ton.

O LEIGO ENLOUQUECE

Para quem é leigo, parece o samba do crioulo doido, se é que ainda se pode fazer esse trocadilho! A legislação eleitoral, muitas vezes por firulas jurídicas, condena algum político ou o absolve, em muitas decisões contraditórias. Uma decisão num tribunal eleitoral transforma um eleito em defenestrado do seu cargo, mas logo em seguida, decisão em nova instância muda tudo. É de enlouquecer, para quem não vive no mundo jurídico. O último episódio envolveu a prefeita de Pimenta Bueno, Juliana Roque. O TRE cassou o mandato dela e seus direitos políticos, por pagamentos irregulares na prestação de contas da campanha. Ela  recorreu e perdeu de novo, no tribunal rondoniense. Foi afastada e o presidente da Câmara assumiu. Nova eleição foi marcada. Até quem é leigo sabe o que representa uma decisão dessas, inclusive em termos de prejuízos financeiros para uma cidade. Dias depois, Juliana Roque recorreu ao TSE. Agora ganhou e deve voltar ao cargo, ao menos até seu recurso ser julgado pelo pleno. Ou seja, uma confusão geral. Pode assumir e depois sair de novo. Pode assumir e ficar até o fim do mandato. Pode perder os direitos políticos ou não. Não é de enlouquecer qualquer um?

TRE VETOU 104 CANDIDATURAS

As urnas para a eleição em Rondônia estão sendo lacradas e a conclusão dos trabalhos, na Capital, será nesta sexta. No interior, o trabalho continua até dia 3 de outubro, 96 horas antes da votação.  No resumo, os números do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) apontam que dos 655 pedidos de registros de candidaturas, 551 foram aprovados e 104 foram considerados inaptos. Onze dos candidatos foram impugnados. Aliás, o caso mais importante envolve o nome do senador Acir Gurgacz, que ainda se mantém candidato graças a uma liminar concedida pelo TSE.  Outra pendência muito importante, ainda indefinida, refere-se à candidatura para o Senado da petista Fátima Cleide. Sua chapa foi considerada inapta para a disputa e ela está recorrendo também ao TSE, mas, até agora, sem resultado definido.  Todas as dúvidas, provavelmente serão resolvidas até meados da semana que vem, no Tribunal Superior Eleitoral, incluindo os de Gurgacz e de Fátima.

A BARBÁRIE CHEGA AO ACRE

A barbárie começa a se instalar em algumas regiões do país, onde os criminosos, protegidos por várias leis, são atacados, surrados e muitas vezes escapam de um linchamento até a morte, graças a ação de policiais, que lhes salvam a vida. Não foi o que aconteceu nessa quinta, na cidade acriana de Capixaba, um pequeno município rural. Um homem acusado de matar três pessoas foi morto a golpes de foice e pauladas, depois de ser arrancado de dentro da delegacia da cidade, por um grupo revoltado de moradores. O criminoso, conhecido como Testinha, foi preso pouco tempo depois do triplo assassinato e colocado numa cela, em condições precárias, na pequena delegacia da cidade. Um grupo de populares, revoltado com as mortes do trio, invadiu o prédio, onde não haviam policiais e tirou o suspeito para fora do prédio. Testinha ainda tentou fugir, mas foi alcançado pelo grupo (não se sabe ainda quantas pessoas eram) e ferozmente morto com vários golpes. Uma coisa absurda, mas que no atual contexto do que está acontecendo no nosso país, onde a bandidagem é mais protegida das leis do que suas vítimas, começa a se repetir muito seguidamente.  Um terror!

PERGUNTINHA

Você acha que é correto permanecer dúvidas sobre impugnação de candidaturas até a última hora e  inclusive depois da eleição ou acha que a Lei Eleitoral deve mudar, nesse quesito?

- Por Sérgio Pires


Imprimir   Email

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar