No Brasil não há mais dúvida. E em Rondônia, tucanos terão como mudar a vantagem do candidato de Bolsonaro?

Está chegando a hora da verdade! Na eleição presidencial, institutos aparecem com pesquisas que dão até vontade de rir, tentando aproximar Haddad de Bolsonaro, coisa que parece piada. A diferença tem sido ampliada e não tem diminuído, pela voz muito clara das ruas. Em todos os recantos do país (embora em algumas partes do nordeste haja muita  gente que ainda acha que o PT é solução para o Brasil), é óbvio que a vitória do capitão do Exército será fácil e acachapante.

Não que Bolsonaro seja o Presidente dos sonhos de milhões e milhões de brasileiros. Não é. Mas o é a única esperança de que, ele sim, pode acabar de vez com o lulopetismo, com a roubalheira, com a corrupção institucionalizada, com as leis de proteção a bandidos e não às suas vítimas; com a ideologização esquerdista das escolas. Enfim, Bolsonaro não é o ideal, mas é o possível. Eles não. Adeus ao radicalismo de esquerda, às mentiras, à enganação. Claro que não se pode generalizar, porque há muita gente dentro do PT que é decente e merece todo o respeito por suas crenças e escolhas. Mas o problema é a cabeça do partido e as cabeças dos seus aliados. Foram elas que ajudaram a quase destruir o país. Está na hora de cortá-las, claro que não no sentido literal. Que venha Bolsonaro e que nossas esperanças não sejam frustradas!

Já em Rondônia, temos dois bons nomes concorrendo ao Palácio Rio Madeira/CPA. Expedito Júnior representa a história e tem todos os méritos para almejar ser o novo Governador. O Coronel Marcos Rocha, também ficha limpa, é o nome novo, ancorado no fenômeno Bolsonaro, que se apresenta igualmente com boas propostas, para   melhorar a vida do rondoniense, tal qual faz seu adversário. Ambos pedem que o eleitor analise os dois lados e que faça a sua escolha consciente, de que está optando realmente pelo melhor para sua terra. Nos últimos dias, infelizmente, a campanha baixou de nível. Não era isso que nós, rondonienses, queríamos. Espera-se que, na reta final, os dois homens públicos, do alto de suas histórias, contenham seus seguidores e voltem à uma batalha de propostas e debates sobre os grandes temas do nosso Estado. Ataques só servem para estimular os que sempre estão ávidos pelo pior. Precisamos, na verdade, é do melhor! Enfim, a eleição em Rondônia está decidida? Pelos números da única pesquisa do Ibope até agora, Marcos Rocha já estaria eleito. Mas os tucanos garantem que reagiram com força nos últimos dias. Claro que quem sai na frente com tanta vantagem nos números, como mostrou o Ibope, tem muito mais chance. Mas é sempre bom lembrar, aliás, o que tanto Expedito como o Coronel Marcos Rocha pregam: eleição só se decide quando for contado o último voto da última urna. Portanto, vamos aguardar a noite de domingo!

QUEM SÃO OS DOIS DEPUTADOS?

O assunto rendeu. Comentário do candidato Marcos Rocha no programa Papo de Redação, da Rádio Parecis FM, nessa semana, teve repercussão imediata. Resumido num curto texto, nessa coluna, o caso esquentou, depois que Rocha disse que já haviam sido descobertos ao menos dois deputados que estariam envolvidos na criação de fakes, mentiras e calúnias contra ele. Foi claro: o caso vai adiante e a composição atual da Assembleia ainda pode mudar, quando o braço da Justiça cair sobre os que teriam atacado o candidato do PSL com mentiras. Poucos minutos depois que a coluna OPINIÃO DE PRIMEIRA foi ao ar, ainda na  noite de quarta-feira, o vereador e deputado eleito Jair Montes reagiu. Emitiu nota protestando contra as declarações do candidato. Ele disse que como não foram citados nomes, todos os 24 parlamentares eleitos poderiam se sentir ameaçados e exigiu que fossem divulgados os nomes de quem teria cometido algum tipo de crime. Ainda ironizou: “se apenas como candidato ele já ameaça parlamentares, imagine-se se for eleito”! O tema é muito polêmico e, sem duvida, ainda vai render muito debate e bate boca.

QUATRO APARTAMENTOS

Parece inacreditável, mas não é invenção. É a pura verdade. Para o conserto da base das Caixas D´Água da Praça histórica, no centro e Porto Velho, foi apresentado pelo Iphan um orçamento à Prefeitura da Capital no valor astronômico de 800 mil reais. Isso mesmo! O valor de quatro apartamentos pequenos de dois quartos, em algumas áreas da cidade. Ao receber o orçamento, o prefeito Hildon Chaves disse, com todas as letras: “esse valor absurdo aí eu não pago de jeito nenhum. Isso é um exagero. Daria para comprar a praça e outras três caixas d´água gigantes”, chegou a ironizar.  O assunto foi abordado durante entrevista que ele gravou para o programa Direto ao Ponto, da Record News Rondônia, que vai ao ar neste sábado, 11h da manhã e, a noite, já estará também no site Gente de Opinião. Na conversa com Sérgio Pires, o Prefeito fala de suas principais obras, diz que em menos de dois anos foram colocadas mais de 20 mil lâmpadas na iluminação pública (até antes da sua posse, havia um total de 40 mil); falou das obras da Estrada de Ferro e não fugiu de assuntos polêmicos, como a saúde pública, a sucessão estadual e o fenômeno Jair Bolsonaro. Vale a pena acompanhar!

CIRONE CHEGA COM TUDO

Entre as caras novas na Assembleia Legislativa, o deputado eleito Cirone da Tozzo chega cheio de planos. Ele é novo no parlamento, mas não na política. Vice prefeito de Cacoal, eleito junto com a prefeita Glaucione Rodrigues, Elcirone Moreira Deiró (o nome real do néo deputado), já tem uma longa experiência como empresário e se destacou em ações sociais e do esporte, temas que vão, aliás, basear também sua atuação na ALE/RO. Cirone fez quase 10 mil votos, é do Podemos e avisa: não vai para o parlamento estadual para fazer número. Quer atuar forte, pensa em participar da Mesa Diretora (embora prefira dizer que seu partido não está pensando na Presidência da Casa) e pretende batalhar também por todas as ações que representem apoio ao empresariado e ao empreendedorismo. Aos 47 anos de idade, 42 dos quais vivendo em Rondônia, primeiro em Vilhena e depois em Cacoal, Cirone da Tozzo tem uma vida pública recente, mas sua atuação pessoal e profissional foi sempre de se integrar às lutas das comunidades, em todos os setores possíveis. Chega, esse mato-grossense que chegou a Rondônia quando tinha apenas sete anos de -idade, cheio de planos e projetos para sua atuação na Assembleia. Quem o conhece, acha que ele não tem só o presente, por ter amealhado 10 mil votos, mas tem também grande futuro na política do Estado. Esperemos para ver!

O ÚLTIMO CONFRONTO

Ainda tem mais um! Nessa sexta, a TV Alamanda/SBT apresenta o último debate entre os dois candidatos ao Governo de Rondônia. Segundo a emissora, tanto Expedito Júnior quanto Marcos Rocha já confirmaram presença. O mediador do encontro será o jornalista Daniel Adjunto, que vem especialmente de Brasília para comandar a atração da emissora.  Depois da Band, SICTV e TV  Rondônia (que foi realizado na noite desta quinta), o SBT encerra o ciclo de debates. A única inovação deste ano foi na SIC TV, onde, durante todos os blocos, os candidatos faziam perguntas entre si, sem temas pré escolhidos e sem participação de jornalistas ou do público perguntando. Só confronto direto. No caso do SBT, hoje, o esquema será o tradicional. Temas escolhidos, tempo para resposta, réplica e tréplica e essas coisas que já se sabe. O único diferencial é que o confronto se realiza a pouco mais de 30 horas da eleição do domingo. A essas alturas dos acontecimentos, só um grande evento poderia mudar os rumos do voto. Mas, enfim, quanto mais os candidatos falarem dos seus planos e propostas, melhor. É assim que funciona a democracia.

TEATRO E TALISMÃ VÃO SER LOCAIS DAS POSSES

Serão os deputados da atual legislatura, presidida por Maurão de Carvalho, que darão posse ao novo governador de Rondônia. O evento está marcado para o final da tarde de 1º de janeiro der 2019, uma terça-feira, daqui a 67 dias e está agendada para ser realizada no Palácio das Artes, o Teatro Estadual, que comporta um público de aproximadamente mil pessoas. Naquela data, a sede da Assembleia Legislativa será transferida provisoriamente para o teatro, onde o eleito será empossado, numa sessão extraordinária do parlamento. Logo após, o novo Governador se dirigirá ao Palácio Rio Madeira/CPA, quando ocorrerá outra solenidade, a de transmissão do cargo  quando Daniel Pereira passará a faixa de Governador para aquele que os rondonienses escolherem nas urnas nesse domingo. Os deputados reeleitos e eleitos em 7 de outubro, só começam a cumprir seus mandatos de quatro anos um mês depois.  Numa sexta-feira, dia 1º de fevereiro, os membros da legislatura 2019/2022 tomarão suas cadeiras numa reunião também extraordinária e festiva, que será realizada na casa de shows Talismã. Lá, contudo, não haverá apenas festa. A sessão de posse é também a de eleição do novo Presidente da Casa e da nova mesa diretora. Ou seja, o parlamento já pode começar com votação muito disputada e nervosa, se não forem fechados acordos por antecipação.

RONDÔNIA COBRA 1 BI DA UNIÃO

Desde 2012, milhares de servidores rondonienses foram considerados aptos e com direito a serem transpostos para os quadros da União. Mesmo assim, na maioria dos casos, a transposição começou quatro, cinco e até seis anos depois. Durante todo esse período, o Estado continuou pagando todos os salários, num vultoso investimento que pode superar 1 bilhão de reais. É todo esse dinheiro que Rondônia quer de volta. O governador Daniel Pereira enviou correspondência ao presidente Michel Temer, informando essa situação e solicitando que, num prazo máximo de 15 dias, a União assuma sua responsabilidade no caso. Se não o fizer, Rondônia vai ao STF, ingressando com uma ação declaratória, pedindo que o Supremo considere o governo central como em estado de mora com os cofres rondonienses, devendo reparar todos os pagamentos feitos aos servidores, num período em que eles já deveriam estar recebendo da União e, por culpa da burocracia e da morosidade, isso não ocorreu. O que Rondônia quer é que receba  ressarcimento de valores salariais pagos desde o momento em que os servidores assinaram o termo de opção, para entrar nos quadros da União, quando foram considerados aptos pela comissão da transposição, mas que somente quatro ou cinco anos depois passaram efetivamente a ser pagos pelo governo. É briga de cachorro grande...

PERGUNTINHA

Você já decidiu seus votos para domingo ou vai esperar até a última hora para definir se escolhe Jair Bolsonaro ou Fernando Haddad para a Presidência ou entre Expedito Júnior e o Coronel Marcos Rocha para o Governo do Estado?

(Sérgio Pires/BLOG: https://www.facebook.com/opiniaodeprimeira?fref=ts)


Imprimir   Email

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar