O polêmico Olavo de Carvalho

Afinal, para falar, bem ou mal, é preciso minimamente conhecer

AGENDA DO DIA: veja o que você precisa saber hoje

BC atua, dólar recua e fecha abaixo de R$3,90: veja no MSN Dinheiro

Estado de Sítio

Insegurança perante o futuro? Ameaça de autoritarismo? Incertezas? Tudo isso está na peça teatral 'Estado de Sitio', do Prêmio Nobel de Literatura Albert Camus. Encenada pela primeira vez em 1948, ganha agora direção de Gabriel Vilela e fica em cartaz no SESC Vila Mariana, em São Paulo, SP até 16/12.

AGENDA DO DIA: veja o que você precisa saber hoje

O astronauta norte-americano Buzz Aldrin, o piloto da missão da Nasa que pousou na Lua em 1969 - Rússia vai verificar se EUA realmente pisaram na Lua

Um mundo volátil

Ainda é muito comum que se tente separar heróis e vilões ou que se busque definir limites rígidos entre arte abstrata e figurativa; ou entre criadores acadêmicos e contemporâneos. É preciso lembrar que o mundo, desde a década de 1990, não comporta mais distinções fáceis.

Palestra com Gil Giardelli reúne mais de 250 pessoas

O Conexão Sebrae terminou sábado, dia 24, no shopping de Vilhena

Manchetes dos jornais desta segunda-feira (26)

A ideia do futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), de criar um exame de qualificação para médicos formados no Brasil, ao estilo da prova da OAB aplicada a advogados, foi rechaçada pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro. “Sou contra Revalida para médicos brasileiros, está ok? Ele (Mandetta) está sugerindo um Revalida até com uma certa periodicidade”.

Arte como indagação política

A 33ª Bienal de Arte de São Paulo tem artistas que nos obrigam a repensar o cotidiano. Talvez o principal deles seja o guatelmateco Aníbal López (1964 – 2014), que assina parte de seus trabalhos como A-1 53167, número de seu documento de identidade. Era uma forma de questionar nossa posição no mundo apenas como seres anônimos de um grande sistema.

Artigos do Puggina - OBSCURANTISMO? FALA SÉRIO!

Bastou alguns membros do futuro governo fazerem referências espontâneas a Deus para um novo adjetivo ser acrescido aos que, de hábito, lhe são lançados. Houve gente que surtou, escandalizada. O governo de Bolsonaro, antes de assumir, já era acusado, em tom grave e teatral, ou a gritos histéricos, de ser misógino, machista, fascista, nazista, homofóbico e racista. Com as imperdoáveis menções a Deus, passou a ser injuriado, também, como obscurantista. Tem gente tão “empoderada” de si mesmo que não admite concorrência.