Funcionários do Estado de Rondônia já estão com salários atrasados

Cerca de 50 funcionários da Companhia de Mineração de Rondônia (CMR) estão com salários atrasados desde novembro de 2018. Embora tenha receita própria, a empresa tenta superar a crise financeira, mas os salários atrasados vêm atormentando o ambiente interno da mineradora. Segundo informações apuradas pelo site CORREIO DE NOTÍCIA, os funcionários não recebem há três meses (novembro, dezembro e janeiro). Vale lembrar que o décimo terceiro salário e as rescisões, também, não foram pagos.

A Companhia de Mineração de Rondônia foi criada e organizada pelo Decreto Lei Estadual, n. 017 de maio de 1982, é uma Sociedade Anônima, tendo como principal acionista o Governo do Estado.

Com o objetivo de desenvolver pesquisas, lavra e beneficiamento, exploração industrial e comercial de aproveitamento econômico de minérios, bem como a formulação e execução de estratégias, planos, programas e projetos com vistas à organização, à expansão e ao desenvolvimento, da atividade mineral, além de garantir ao Estado de Rondônia e à população, o acesso aos benefícios gerados pelo aproveitamento de seus recursos minerais.

De acordo com informações, o valor da dívida gira em torno de R$ 500 mil somente com folha de pagamento, 13º salário do ano passado e os salários referentes aos meses de novembro, dezembro, além de varias rescisões em atraso. Ainda, de acordo com informações apuradas pela reportagem, outras dívidas estão ocupando a lista de prioridades pela atual diretoria, como contrato com empresas terceirizadas pela estatal.

“Fatalmente, seria incompetência, inoperância, ou, até, mesmo, negócios escusos, principalmente o Diretor João, que, pasmem, pagou rescisão de contrato no valor de 10.000 sem ao menos ter processo”, disse o denunciante que, por motivo de represália prefere ficar no anonimato.

Operação Hathor

Apesar de ser uma empresa importante para o estado de Rondônia, infelizmente a CMR perdeu sua identidade. No ano passado, precisamente, no dia 19 de dezembro, quarta-feira, foi deflagrada pelo Ministério Público de Rondônia (MP-RO), uma Operação chamada Hathor, com o objetivo de investigar irregularidades e possíveis crimes contra a administração pública praticados na estatal de Mineração, com o objetivo de encontrar materiais que provem os possíveis crimes.

O nome da operação foi inspirado na mitologia egípcia, sendo Hathor a deusa padroeira dos mineradores. “Os diretores são os mesmo da época da operação e o atual governo não faz nada”.

Ao contramão de grandes estados que enfrentam grandes dificuldades para equilibrar as contas, Rondônia foi um dos poucos que conseguiu fechar o último ano em uma situação fiscal consideravelmente boa, segundo informações do próprio governo.

No entanto, apesar de o novo governador ter assumido o governo com as contas no azul, Marcos Rocha terá grandes desafios pela frente. Além, de manter as contas do estado em dia, Marcos Rocha terá que mudar muita coisa inclusive substituir alguns burocratas que não valorizam os funcionários, e o nosso dinheiro, mas buscam apropriar-se de cada centavo que há no cofre.

Ainda, de acordo com informações apuradas pela reportagem, os funcionários cobram o pagamento das dívidas, mas o departamento financeiro da companhia prefere não estabelecer prazo para saldar os débitos. “A situação está bem complicada. Muitas pessoas estão passando dificuldades”, disse um funcionário que prefere não ser identificado. “Ninguém quer falar nada; não sabe que data vai sair o dinheiro”, disse ele.  O funcionário da empreiteira reclamou, até, da falta de comunicação. “A empresa não dá posição para ninguém. Salário, Férias, 13º, rescisão ta tudo atrasado. Eles, simplesmente, viraram as costas para nós e não dão satisfação pra ninguém”, informou.

Outro funcionário que preferiu não se identificar disse que seu aluguel está atrasado há dois meses e o dono já pediu a casa. Segundo ele, circulam boatos de que a atual administração não cumpre com os pagamentos salariais, prefere dar prioridade às empresas terceirizadas.

A reportagem tentou, por varias vezes, entrar em contato com o senhor Renê Hoyos Suarez, diretor-presidente, através do numero 99260-2030, mas não teve êxito. A equipe, também, tentou contato pelo telefone (69) 3223-4477, mas a atendente informou que o presidente estava viajando.

 

 

Spread the love

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *