Jair Montes diz que Rondônia é explorada para gerar energia, mas paga tarifa mais cara do país

Ele disse ainda que o Governo está ‘patinando’ nesse início de mandato

O deputado estadual Jair Montes (PTC) usou a tribuna na sessão ordinária desta quarta-feira (20), para manifestar a sua preocupação com o fato de Rondônia ter cedido o rio Madeira para a geração de energia para o país, mas segue pagando uma das mais caras tarifas de energia.

“Rondônia cedeu suas riquezas para a construção de usinas, mas a energia gerada, praticamente não serve à população de Rondônia. Somos uma ‘barriga de aluguel’ para a geração de energia, mas hoje estamos lutando para tentar superar esse aumento abusivo na conta de luz. As pessoas não podem mais ligar um aparelho eletrônico em suas casas, pois o valor da energia é um absurdo”, desabafou.

Montes denunciou que os moradores dos residenciais Cristal da Calama e Orgulho do Madeira, em Porto Velho, por exemplo, pagam R$ 70 a R$ 80 de prestação do imóvel, mas muitos receberam as contas de energia em valores superiores a R$ 300.

“Como pode um absurdo desses? É inaceitável e prejudica às famílias pobres e sem condições de arcar com essa despesa. Onde vamos chegar? A capital ainda sobrevive de contracheque e a produção agropecuária enfrenta dificuldades com a regularização fundiária e entraves ambientais”, acrescentou.

Jair Montes disse também que após a construção das usinas, as cheias se tornaram constantes. “Teremos ainda o ápice das cheias, mas as usinas nada fazem. Está na hora desse Parlamento endurecer a fiscalização e a cobrança. Chegou a hora. Nunca é tarde”.

O parlamentar aproveitou para comentar sobre o início do Governo Marcos Rocha (PSL), que ele classificou como bem intencionado, mas ainda inexperiente administrativamente.

“O Governo está patinando e precisa iniciar suas atividades, precisa mostrar serviço. O DER não disse a que veio, a Sejucel não consegue liberar o estádio Aluizão para sediar jogos, por falta de pagamento da taxa de Bombeiros, a escola João Bento da Costa não tem merenda”.

Ao finalizar, ele disse que “venho do parlamento municipal e Porto Velho tem seus problemas. Chegando aqui à Assembleia Legislativa, nos deparamos com problemas mais abrangentes ainda, que atingem todas as regiões, cada um com suas peculiaridades. E aqui na Casa, temos representantes de diferentes segmentos e essa pluralidade é muito bom”.

 

Faça seu Comentário