Estudantes indígenas denunciam política de exclusão com implantação de aulas remotas

Nota de repúdio assinada pelo Centro Acadêmico Indígena Intercultural – CAII/UNIR-Ji-Paraná e por indígenas e quilombolas que frequentam diversos cursos nos campi da UNIR denuncia política de Exclusão com a implantação de aulas remotas promovidas pela Universidade Federal de Rondônia.

No último dia 03 de julho o Centro Acadêmico Indígena Intercultural – CAII/UNIR/Campus de Ji-Paraná e Estudantes indígenas e quilombolas dos campi da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) divulgaram NOTA DE REPÚDIO ÀS AULAS REMOTAS NA UNIR. A manifestação dos indígenas e quilombolas denuncia as medidas adotadas pela Reitoria da UNIR, que à toque de caixa quer implementar “Aulas Remotas” seguindo as orientações do MEC.

OS estudantes indígenas e quilombolas se manifestam “CONTRA as ‘possíveis aulas remotas/EaD’ tendo em vista que muitos estudantes indígenas retornaram para suas comunidades em decorrência da pandemia, e na maioria dessas comunidades indígenas não se tem acesso à internet e nem sinal de telefone, dificultando assim a participação nas aulas”. Ainda segundo o manifesto, “aqueles que ainda estão nas cidades, estão vivendo em situação de extrema vulnerabilidade social, não tendo acesso à internet de qualidade para participar de todas as aulas. Além disso, consideramos que todo processo linguístico que o material em EaD traz é muito superficial, além de não se ter resolvido, por exemplo, como será a oferta de material para que os alunos com deficiências possam acompanhar essas aulas?”

Os estudantes indígenas afirmam que: mesmo que a UNIR ou Departamentos dos cursos disponibilizem materiais impressos a cada 15 dias, não seria possível todos os estudantes terem acesso ao material, por ser difícil a locomoção da aldeia até o campus, além de gerar custos altíssimos de viagens. A título de exemplo, existem acadêmicos indígenas que moram há 02 dias de barco da aldeia até a cidade próxima e outros ainda que residem na área urbana de um município, porém estudam em outra cidade. Somado a isso existe a possibilidade de colocarmos a saúde da comunidade em risco, já que em Rondônia o número de infectados veem crescendo. Por fim, os estudantes indígenas destacam que o regime de aulas remotas/EaD na UNIR é “uma política de exclusão e desigualdade” e que a “implementação de aulas na modalidade EaD é um golpe contra a política de acesso e permanência na universidade”.

No último dia 30 de junho, após uma “pesquisa” de apenas 03 dias via formulários online que foi respondida por 44% dos estudantes, a reunião plenária do Conselho Superior da UNIR (CONSUN) aprovou um amontoado de dados sem qualquer análise qualitativa e de procedência duvidosa. Os estudantes ainda denunciam que o Reitor da UNIR, Ari Miguel Teixeira Ott, manobrou a votação do CONSUN, encerrando-a antes mesmo que houvesse outras manifestações contrárias (a sessão foi online). Também não concedeu pedido de vistas da matéria, contrariando o Art. 39, § 1º do Regimento Interno do CONSUN.

Segundo o DCE/UNIR, “Os estudantes da UNIR, que são em sua grande maioria pobres, não têm condições materiais mínimas de acesso à internet ou um aparelho eletrônico com um desempenho adequado para que possa acompanhar aulas à distância. Alguns defensores da EaD e das aulas remotas, pasmem, defendem que os estudantes literalmente ‘se virem’ para conseguir internet gratuita para acompanhar as aulas a distância ‘de forma plena e produtiva’”, conclui a Entidade. Há uma crescente mobilização dos estudantes contra as medidas consideradas excludentes, privatistas e autoritárias que permeiam a implantação das “aulas remotas” na UNIR.A NOTA DE REPÚDIO pode ser lida na íntegra em: https://dceunir.com.br/2020/07/04/nota-de-repudio-dos-estudantes-indigenas-e-quilombolas-da-unir-as-aulas-remotas/.

Fonte: DCE/UNIR

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Faça seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: