Cientistas afirmam que testes de vacina chinesa para Covid é segura e induz resposta imune

Versão está na fase 2 e foi testada na China com mais de 500 pessoas. Anúncio foi feito no mesmo dia em que pesquisadores de Oxford anunciaram que vacina da universidade também é segura e induziu anticorpos.

Pesquisadores chineses anunciaram, nesta segunda-feira (20), que uma vacina para Covid-19 que ainda está em testes na China é segura e induziu resposta imune.

  • Os resultados foram identificados na fase 2 de estudo
  • A fase 2 envolveu testes em 500 pessoas
  • O objetivo principal do estudo foi avaliar a resposta imune e a segurança para determinar a dose mais adequada para um estudo de fase 3, última dos testes
  • Ensaios da fase 3 são necessários para confirmar se a vacina protege efetivamente contra a infecção por SARS-CoV-2 em um grupo mais amplo da população

O estudo envolvendo a vacina chinesa constatou que 95% (241/253) dos participantes no grupo que recebeu doses altas e 91% (118/129) dos integrantes do grupo de doses baixas apresentaram respostas imunes às células T ou aos anticorpos no dia 28 após a vacinação.

O anúncio foi feito no mesmo dia em que a Universidade de Oxford, no Reino Unido, anunciou que a vacina testada pela instituição também teve resultados preliminares seguros e induziu resposta imune.

Mais de 160 vacinas contra Covid em testes

De acordo com a OMS, há 163 vacinas sendo testadas contra o coronavírus, sendo que 23 delas estão na fase clínica, que é o teste em humanos. Os números são do balanço da organização com dados até 14 de julho.

As etapas de produção de uma vacina envolvem 3 fases:

  • Fase 1: avaliação preliminar com poucos voluntários adultos monitorados de perto;
  • Fase 2: testes em centenas de participantes que indicam informações sobre doses e horários que serão usados na fase 3. Pacientes são escolhidos de forma randomizada (aleatória) e são bem controlados;
  • Fase 3: ensaio em larga escala (com milhares de indivíduos) que precisa fornecer uma avaliação definitiva da eficácia/segurança e prever eventos adversos; só então há um registro sanitário

Embora os estudos avancem em todo o planeta, o prazo de 12 a 18 meses para liberação é considerado um recorde. A vacina mais rápida já criada, a da caxumba, levou pelo menos quatro anos para ficar pronta.

Outra hipótese contra a qual todos os pesquisadores lutam é a de que uma vacina efetiva e segura nunca seja encontrada. O vírus do HIV, que causa a Aids, é conhecido há cerca de 30 anos, mas suas constantes mutações nunca permitiram uma vacina.

Fonte: G1

Faça seu Comentário