Com ameaça de nova paralisação, motoristas e cobradores esperam por salários atrasados

Com ameaça de nova paralisação, motoristas e cobradores esperam por salários atrasados

Os trabalhadores pedem o pagamento dos salários atrasados e vale-alimentação,..

Porto Velho, RO – Ainda com os salários atrasados motoristas e cobradores do transporte coletivo da capital poderá paralisar mais uma vez pelos funcionários das empresas que compõe o Consórcio SIM. Os trabalhadores pedem o pagamento dos salários atrasados e vale-alimentação, além da qualificação profissional. ‘Ninguém é obrigado a trabalhar sem receber’, a afirmação é de motoristas e cobradores ouvidos pela reportagem nesta sexta-feira (24).

Na ocasião, os funcionários que preferem não ser identificados, disseram que a paralisação dos serviços do transporte público é em resposta ao não cumprimento do acordo mediado pelo Ministério Público do Trabalho (RO), entre os empresários do Consórcio SIM, Prefeitura e a categoria. Além dos vencimentos, os trabalhadores alegam suspensão na prestação do serviço de saúde e atraso nos ticket-alimentação e qualificação profissional.

– O clima entre os trabalhadores que retomaram os trabalhos nesta quarta-feira (23), continua tenso mediante a possível paralisação das atividades e ameaças de demissão por parte do Consorcio SIM.

Na última paralisação, os trabalhadores do sistema de transporte coletivo urbano, ‘cruzaram os braços’ por conta do atraso salarial. Com a antecipação de um mês de salário trabalhado (Abril 2020), ainda assim, os trabalhadores não descartam uma nova paralisação da categoria.

Imagem correiodenoticia.com.br

De acordo com os trabalhadores, uma nova audiência entre o Consórcio SIM e a Prefeitura na 1ª Vara da Fazenda Pública, iria definir o novo destino dos trabalhadores. Principalmente a data da quitação dos salários em atraso.

Nos bastidores, os trabalhadores filiados ao Sindicato da categoria (SITETUPERON) criticaram a posição da diretiva da entidade que, em todas as paralisações, ‘tirou o corpo fora do movimento’ ao tornar publico que ‘o Sindicato não tem participação nas paralisações dos trabalhadores em processo de indicativo de greve’.

Luta

 – Em outros tempos, os dirigentes sindicais iam pras ruas, divulgar planilhas de custos e o conteúdo dos  acordos através de panfletagem pela cidade, na tentativa de chamar a atenção das autoridades envolvidas e da sociedade, afirmaram.

Atualmente, segundo os trabalhadores, a diretiva do Sindicato se vale apenas de anúncios em sites e emissoras de rádios de caráter corporativo e de forma aleatória, ‘se imiscuir das responsabilidades com categoria’, com as paralisações relâmpagos para que se pressionem as empresas, causa estranheza esse tipo de atitude dos dirigentes do Sindicato quanto esse jogo de empurra, que só favorece o patronato e a Prefeitura’.

Segundo os trabalhadores, nos últimos 3,5 anos, continuamos lutando por melhores condições de trabalhos, salários atualizados e o cumprimento do último acordo Coletivo de Trabalho (ACT-2019-2020). Além das reivindicações de cobrança de benefícios previstos na CLT e na Constituição Federal; como o ticket-alimentação, assistência médica, odontológica e qualificação profissional. Porém, adiantaram que ‘as paralisações previstas, podem ser retomadas a qualquer momento, ‘não é por reajuste salarial e sim, por recebimento de salários atrasados, arremataram os trabalhadores.

Da Redação/CN | com informações de Xico Nere

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *