Matéria-prima para fabricação de vacina deve atrasar, diz Fiocruz

Paralelamente, fundação aguarda importação de 2 mi de doses prontas da Índia para que Ministério da Saúde inicie vacinação

A chegada ao Brasil do insumo farmacêutico ativo (IFA) necessário para a produção pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) da vacina contra covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca, que estava prevista inicialmente para sábado (9), agora deve ocorrer até o final do mês, informou nesta sexta-feira (8) a instituição.

De acordo com a Fiocruz, o prazo foi estendido por “precaução”, mediante trâmites burocráticos para a importação proveniente da China.

Ao mesmo tempo, a Fiocruz está negociando a importação de um número adicional de doses prontas do imunizante, além dos 2 milhões já negociados com o Instituto Serum, da Índia. Segundo a Fiocruz, caso seja possível adquirir mais doses, elas provavelmente também virão da Índia.

As 100,4 milhões de doses previstas para produção em Bio-Manguinhos no primeiro semestre deste ano serão feitas com IFA importado da China, a partir de uma fábrica da AstraZeneca já inspecionada e certificada pela Anvisa no fim do ano passado. 

Somente a partir de julho é que a Fiocruz terá concluído as adaptações necessárias para produzir o princípio ativo da vacina. A partir de então, será possível a fabricação de outras 100 milhões de doses. 

Pedido de uso emergencial

A Fiocruz encaminhou nesta sexta-feira à Anvisa o pedido de uso emergencial das 2 milhões de doses da vacina que chegarão da Índia.

O objetivo é disponibilizá-las, assim que aprovadas pela agência, ao Ministério da Saúde para que inicie o plano de vacinação.

O governo trabalha, na melhor das hipóteses, em começar a vacinação no país entre 20 da janeiro e o início da fevereiro.

O processo, diferente do registro sanitário (mais amplo e definitivo), tem prazo estipulado pela própria agência para ter um desfecho nos próximos dez dias, desde que não haja pendências.

Ontem, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que o Brasil depende basicamente da produção nacional da Fiocruz e do Butantan (CoronaVac) para suprir a demanda. 

Segundo ele, as importações de vacinas como da Pfizer/BioNTech, Janssen e Moderna resultariam em quantidades muito pequenas para um programa de vacinação de mais de 150 milhões de pessoas. 

Eficácia e segurança

A vacina desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford tem eficácia média de 70,4% para proteger contra a covid-19 e “perfil de segurança aceitável”, de acordo com uma análise preliminar dos resultados da última fase de testes em humanos publicada na revista científica The Lancet.

A proteção foi de 62,1% para os voluntários que receberam duas doses completas do imunizante e subiu para 90% entre aqueles que receberam meia dose seguida de uma dose completa no intervalo de um mês.

Entretanto, a AstraZeneca admitiu que o esquema que mostrou maior eficácia ocorreu devido a um erro.

A infectologista Rosana Richtmann, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo, afirmou, em entrevista, que a constatação mais importante é a de que nenhum dos participantes que tomou a vacina teve quadros graves de covid-19.

“Então, é uma vacina que se mostrou altamente eficaz para as doenças graves, diminuindo assim a necessidade de hospitalização”, explicou.

Ainda segundo a análise dos estudos clínicos, a vacina tem poucos efeitos colaterais e eles “são menores em intensidade e número em adultos mais velhos, com doses mais baixas, e após a segunda dose”.

Fonte: R7

Spread the love

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *