Câmara dos EUA inicia debates sobre impeachment de Trump

Trump é acusado de incitar a insurreição de correligionários contra o Congresso dos Estados Unidos, invadido há uma semana.

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos iniciou na tarde desta quarta-feira (13) os debates sobre o segundo pedido de impeachment de Donald Trump. Desta vez, o presidente é acusado de incitar a insurreição de correligionários contra o Congresso dos Estados Unidos, invadido há uma semana.

Os congressistas estão reunidos desde às 11h (9h, no horário local) e decidiram, por 221 votos a 203, que debaterão por duas horas sobre a possibilidade de impedimento.

Na sequência, a Casa deve votar e aprovar novamente um impeachment do presidente republicano – desta vez, com a possibilidade de que membros do próprio partido votem contra o presidente.

Em seu discurso, a presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi disse que o parlamento não poderia fugir à História. “O presidente dos EUA incitou essa insurreição, essa rebelião armada contra nosso país”, disse.

Aos 80 anos, Pelosi comandará a segunda votação de impeachment na Câmara em 13 meses. “Ele precisa ir. Ele é uma clara e presente ameaça ao país que amamos”, discursou.

O deputado republicano Jim Jordan afirmou haver uma tentativa de derrubar o presidente dos EUA desde o primeiro dia de Trump no cargo, em 2017.

“Eles querem cancelar o presidente. O presidente que cortou taxas, que reduziu regulação, que lutou contra a Covid, trouxe reféns da Coreia…mas é sobre política […] Isso é o impeachment, segundo round”, resumiu.

A votação deve ser mais rápida da que analisou o primeiro pedido de impeachment, no fim de 2019. Com menos artigos e um apoio maior por parte dos republicanos, há a expectativa de que a decisão seja tomada ainda nesta quarta.

Desta vez, há mais chances de o pedido prosperar no Senado – onde o líder do Partido Republicano, Mitch McConnell, parece ser favorável ao afastamento de Trump, que deixa o cargo em 20 de janeiro, com a posse de Joe Biden.

A votação é realizada após o vice-presidente, Mike Pence, rejeitar um ultimato da Câmara para afastar Trump com base na 25ª emenda à Constituição, que regulamenta como se dá a sucessão presidencial no país, em caso de “incapacidade” do presidente em cumprir seu mandato.  Nesta terça (12), Pence disse que não tomaria esta decisão.

Fonte: Congresso em Foco

Spread the love

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *