Oportunistas querem o impeachment do presidente Bolsonaro

Espalhar a Notícia
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Supremo Tribunal Federal da poder a estados e municípios para atuar contra covid-19 e impõe revés a Bolsonaro     

Desde que a mídia vem cobrindo a tragédia de Manaus, os oportunistas de plantão e oposição vem pedindo o afastamento por via de impeachment do presidente Bolsonaro. Por decreto ele se tornou além de presidente do Brasil o governador do Amazonas e prefeito de Manaus.

Vocês podem não acreditar, mais existe gente decente na direita e na esquerda, no entanto, existe gente canalha dos dois lados do Jordão. “Não sou Bolsonarista, mais tenho um grande defeito, um apreço sem igual pela verdade dos fatos e pelos números. São sempre os mesmos, oportunistas desde 1990, eles mamam na teta do governo e depois vem cuspir no prato que comeu da forma mais judas que existe.

O pior é que a grande mídia e uma boa parte da população vai atrás do judas. Um direito deles né mesmo? Mais o mínimo que poderia pedir para eles é que sejam o mínimo decente possível, pelo menos com a observação dos fatos e dá realidade.

Uma coisa é acreditar que seu herói não tem defeitos; outra coisa é dizer que ele voa sem que nunca tenha saído do chão, depois das evidencias apresentadas, condenar o presidente Bolsonaro por genocídio ou pedir seu impeachment não passa de mero oportunismo e sem-vergonhismo. Em fim, vamos aos números que são os únicos que nos trazem a verdade bem além dos canalhas.

No dia 15 de abril de 2020, o Brasil é uma Federação e como tal o supremo tribunal federal entendeu que as políticas de combate ao covid-19, deveria ser competência dos Estados e Municípios e não do governo Federal.

No dia 30 de junho de 2020, a secretaria de saúde do amazonas, Simone Araújo de Oliveira Papaiz, é presa pela polícia federal por fraude na compra de respiradores e o governador Wilson Lima foi alvo de buscas e teve seus bens bloqueados e pedido de prisão pela policia Federal.

No dia 31 de julho de 2020, o cadastro nacional dos estabelecimentos de saúde do Brasil o CNES, solta um relatório com os leitos de UTI por 10 mil habitantes em todos os estado do Brasil, a primeira constatação é que a correlação entre mais leitos e menos mortes não existe.

No dia 31 de outubro de 2020, o estado do Amazonas desativou 85% dos leitos de UTI entre julho e final de outubro de 2020. No dia 31 de dezembro de 2020, além dos repasses obrigatórios da União ao longo do ano de 2020 para o estado do Amazonas e seus municípios na questão da saúde, o governo Federal repassou mais 516 milhões de reais especificamente para o combate contra o covid-19.

No dia 15 de janeiro de 2021, a polícia descobre em dois lugares diferentes em Manaus, um total de 73 cilindros de oxigênio escondidos por empresários. Fica bastante claro nos eventos citado a total falta de culpabilidade do presidente Bolsonaro nos eventos ocorridos em Manaus.

Muitos estados estão acima da média nacional em número de óbitos por milhão de habitantes, como é o caso de São Paulo, Rio de Janeiro, Espirito Santo e até mesmo o Ceará e não ouvimos falar de genocídio por parte do presidente nesses estados. Por outro lado, os estados que estão abaixo da média nacional, não geram também para o presidente o título de Salvador de vidas. Portanto, essa dicotomia é uma falsa narrativa e fica demonstrado que o presidente não tem responsabilidade nem nos estados e nos municípios, como claramente declarado pelo próprio Supremo Tribunal Federal conforme a sua própria decisão no dia 31 de julho de 2020.

Podemos também ver que estados com o alto índice de mortes por milhão de habitantes tem poucos leitos e outros tem muitos leitos, ou seja, não existe conexão direta entre a quantidade de leitos e os mortos e qualquer medico pode atestar essa afirmação, cada ser humano é diferente e reage de forma diferente a todo tipo de doença, existe milhares de motivos para essas mortes serem tão diferentes de estado para estado, isolamento e quarentena não explicam essas diferenças, nem leitos de UTI e nem as políticas sanitárias, estado que aplicaram as mesmas medidas tiveram resultados completamente diferentes.

A explicação é simples, mesmo que complexa, a incidência de mortes na população tem a explicação multifatorial e ponto final. Se depois disso você ainda acha que o culpado de tudo isso é o presidente Bolsonaro, eu sugiro que você procure o psiquiatra mais próximo e se trate por Pinóquio-ismo avançado ou coisa pior.                         

Texto: Alex Bourgeois

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *