Diretor de escola faz terror em “zap” para manter crianças longe das aulas presenciais

Diretor de escola faz terror em “zap” para manter crianças longe das aulas presenciais

Olhem como nossos governantes pensam no retorno dos nossos alunos

Parece que não satisfeitos com a decisão da justiça em liberar as aulas presenciais no estado de São Paulo, alguns funcionários de escolas, têm feito “terrorismo” em grupo de Whatsapp, composto por pais e responsáveis dos alunos mais a equipe de profissionais da instituição.

Na escola municipal “Carlos de Andrade Rizzini”, as mensagens “do bem” vêm do próprio diretor Paulo (cujo sobrenome não quis informar). Para manter os estudantes o mais longe possível do colégio, o diretor disparou mensagem no aplicativo, cujo grupo apenas o administrador pode encaminhar mensagens; amedrontando os pais sobre possível aumento no número de infecção e mortes após a volta às aulas.

“Olhem como nossos governantes pensam no retorno dos nossos alunos. Vejam o que teremos que notificar. Ou seja: já se sabe o que vai acontecer. Acredito que não ingressei no magistério para contar o número de alunos que vão morrer”, alarmou.

Mãe de um aluno procurou a redação do Jornal da Cidade Online e denunciou a atitude do gestor.

“O grupo de Whatsapp é da escola. Meu filho, por exemplo, tem acesso às mensagens, pois ele tem livre acesso ao meu celular. Agora, você imagina: eu e meu filho estamos passando por várias dificuldades psicológicas e financeiras, aí o meu filho lê uma mensagem dessas e as coisas, desde então, só pioraram”, lamentou.

Procurado pelo Jornal da Cidade Online, o diretor não negou que tenha encaminhado a mensagem. Mas, disse que “não era o momento para voltar às aulas”; porque, de acordo com ele, faltam as condições necessárias para garantir a segurança de todos.

“As crianças não respeitam todas as regras (de distanciamento), faltam funcionários de limpeza.. Que condição eu dou ao aluno para ele voltar às aulas?”, tentou justificar o teor da mensagem.

As escolas da capital paulista estão em fase amarela e seguindo os protocolos sanitários do estado foram autorizadas pela Justiça a retornar às aulas presenciais com até 70% do quantitativo.

Para o cumprimento das regras sanitárias de retomada das aulas, o governo de São Paulo garantiu ao TJ-SP que a secretaria de Educação conta com farto material de saúde, como máscaras, álcool gel e termômetros. Os itens serão distribuídos entre as unidades de ensino de todo o estado, para uso de alunos e funcionários.

Fonte: JCO

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Faça seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: