Contra tudo e contra todos

Contra tudo e contra todos

.

Bolsonaro tenta sobreviver

Por Edilson Neves*

Desde que assumiu o governo, o presidente Jair Bolsonaro luta “Contra tudo e Contra todos”. Para chegar à presidência, foi até esfaqueado. Eleito presidente, fez o oposto de seus antecessores, para escapar da barganha clássica do toma lá dá cá, montou uma equipe de qualidade, aparentemente sem concessões.

Resistências

Apesar das resistências articuladas de políticos e da grande mídia, além de setores do próprio governo que jogam pesado contra a atual administração, Bolsonaro vem tentando governar o Brasil.

Ascenção

Assistimos à ascensão de um personagem que desperta sentimentos contraditórios, mas é tratado por seus admiradores de “mito”. Segundo os dicionários, mito é uma ficção, um ser sobrenatural, um herói, uma figura cuja existência não pode ser comprovada e domina o imaginário coletivo. Contudo, Bolsonaro, tem como marca registrada as posições extremas, comportamentos constante de enfrentamento e discursos agressivos.

Com isso, colocam em xeque o respeito e o compromisso com a democracia e as instituições democráticas, além de gerar confronto entre apoiadores.

“Nós e eles”

Vale lembrar que, quem iniciou essa divisão ideológica que antes não existia no nosso país foi o Lula e a Dilma, descarados com sua política mequetrefe de dividir para governar, criando o “nós” e “eles”, jogando uns contra os outros.

Donos do povo

Quem realmente desrespeita a vontade das urnas que derrotou a esquerda e seus aliados em 2018 e elegeu um presidente de direita, são os perdedores inconformados porque já se achavam donos definitivos da vontade do povo brasileiro.

Conluio

A desarticulação do esquema montado ao longo da dominação da esquerda (de Fernando Henrique, passando por Lula e Dilma) foi iniciada por Bolsonaro, revelam os fatos. Percebe-se que havia um conluio silencioso entre os três poderes da República, incluindo a grande mídia, cuja simpatia foi comprada a peso de ouro para manutenção de uma convivência onde todos ganhavam. Menos o povo brasileiro.

Porque tudo que Bolsonaro fala desperta muita controvérsia?

Bolsonaro conviveu no Congresso Nacional, por muitos anos, pelo que se sabe, sempre fez política da forma mais simples possível, falando a verdade, com integridade, sem recursos públicos para suas campanhas, sem financiamento de campanha e simplicidade acima de tudo. E isso, fez com que fosse eleito com ampla maioria.

Rabo preso

A grande questão é: quando você se torna presidente da República, mesmo que suavize sua fala, tudo repercute muito mais. Até aí tudo bem, isso é um processo natural da democracia, porém, a autenticidade do presidente da República incomoda muita gente. O que eu posso dizer: ou ele é uma pessoa extremamente honesta, imbuída dos melhores propósitos públicos, não tem rabo preso com ninguém, até porque se tivesse, já o tinham tirado da presidência. Não tenho a menor dúvida.

Contudo, há quem diga que o cara é louco. Para muitos, o sujeito acaba sendo mesmo! E, no fundo, eles não deixam de ter razão. O exercício do poder é solitário e muito difícil. Para governar esse país cheio de ladrões, tem que fazer pacto com a insanidade e ser meio maluco, se não, ele não consegue governar.  Pode acreditar.

Luz do dia

Diariamente, assistimos a maior campanha de desestabilização de um governo eleito democraticamente, já mais vista na historia desse país. A palavra, democracia tem sido usada como escudo de qualquer tipo de interesse, perdeu sua essência, se tornou jargão político de interesses agora não mais ocultos.

Em nome da democracia

Uma verdadeira farsa em nome da democracia, tirar poderes de um governo eleito democraticamente tornou-se prioridade. montou-se uma estrutura (tática que consiste em utilizar forças com ataques rápidos e surpreso, com o intuito de evitar que o presidente governe, nesse caso, Bolsonaro tenha tempo de organizar a defesa e governe o país). Ou seja, eles querem voltar para seguir dominando e saqueando o país.

Bombardeio

Sabendo que esse quadro de desestabilização do governo pode gerar reações não mensuráveis, os mesmos autores do bombardeio pregam o “diálogo” entre os poderes, acusando o presidente de ser o responsável pelo cenário atual.

Campanha

Durante todos esses anos de jornalismo, compromissado com a verdade (sujeito a erro, é claro) nunca assisti uma campanha tão organizada contra um presidente, (bandidos condenados por trás), incluindo os poderes legislativo e judiciário (em suas cúpulas e ramificações muito bem aparelhadas) e a mídia saudosa e dependente das verbas públicas, cujas torneiras estão fechadas.

Viúva

Uma coisa é certa, o “nós” e “eles” trazidos irresponsavelmente à luz do dia e estimulados por alguém que sistematizou todo o esquema, do qual foi tirado o Executivo, mas remanesce no Judiciário e no Legislativo (com a cumplicidade da viúva negra das verbas públicas) “a mídia”.

Onde isso vai parar? Quem sobreviver ao covid, verá!

Edilson Neves – Sou jornalista
Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Faça seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: