Ernesto Araújo revela motivo para o Congresso pedir sua saída

Ernesto Araújo revela motivo para o Congresso pedir sua saída

Um gesto em relação ao 5G

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, utilizou as redes sociais, neste domingo (29), pra fazer um desabafo: o chanceler acredita que a pressão do Congresso para demiti-lo seria em virtude de interesses de alguns senadores na licitação da tecnologia 5G, que será realizada este ano.

Araújo citou uma reunião que teve com a senadora Kátia Abreu (PP-TO), atual presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, em que ela teria solicitado “um gesto em relação ao 5G”.

“Em 4/3, recebi a Senadora Kátia Abreu para almoçar no MRE. Conversa cortês. Pouco ou nada falou de vacinas. No final, à mesa, disse: “Ministro, se o senhor fizer um gesto em relação ao 5G, será o rei do Senado.” Não fiz gesto algum. Desconsiderei a sugestão, inclusive, porque o tema 5G depende do Ministério das Comunicações e do próprio Presidente da República, a quem compete a decisão última na matéria”, relatou no post.

Após a publicação do ministro, parlamentares censuraram a senadora e outros membros do Centrão, acusados de lobby a favor da big tech chinesa Huawey.

Diante do desabafo do chanceler, a senadora emitiu uma nota à imprensa, ainda no domingo (28), na qual afirma que Araújo seria um “marginal”, resumiu “três horas de um encontro institucional a um tuíte que falta com a verdade” e faz coro por sua demissão.

“Em 4/3, recebi a Senadora Kátia Abreu para almoçar no MRE. Conversa cortês. Pouco ou nada falou de vacinas. No final, à mesa, disse: “Ministro, se o senhor fizer um gesto em relação ao 5G, será o rei do Senado.” Não fiz gesto algum. Desconsiderei a sugestão, inclusive, porque o tema 5G depende do Ministério das Comunicações e do próprio Presidente da República, a quem compete a decisão última na matéria”, relatou no post.

“No momento em que há um grande esforço para a pacificação e o entendimento, lamento muito que justamente o responsável por nossa diplomacia venha a criar mais um contencioso político para as instituições. O Brasil e o povo brasileiro não merecem isso”, escreveu o presidente nacional do PP, o senador Ciro Nogueira, crítico contumaz da gestão de Araújo.

Integrantes do Centrão “subiram o tom” contra o chanceler e passaram a exigir a sua demissão.

“Ou sai a ala ideológica ou a guerra está declarada”, ameaçou o deputado Fausto Pinato (PP-SP).

A pressão do Congresso é nítida e deve haver um bom motivo para isso. Certamente, o tempo dirá

Fonte: JPNews

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Faça seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: