Especialista explica por que Jesus não poderia ter sido sepultado onde muitos pensam

Especialista explica por que Jesus não poderia ter sido sepultado onde muitos pensam

Cristo teria sido enterrado em um túmulo de pedra pertencente a José de Arimateia

O local de sepultamento de Jesus aceito seria a Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, contudo, a localização do túmulo tem sido disputada entre arqueólogos e teólogos há vários séculos.

Esta questão de peso religioso considerável, debatida entre teólogos, arqueólogos e historiadores, teve várias sugestões como o lugar do eterno repouso de Jesus de Nazaré.

A primeira pista surge nos evangelhos canônicos – o primeiro dos quatro livros do Novo Testamento – sugerindo que Cristo teria sido enterrado em um túmulo de pedra pertencente a José de Arimateia, conforme referido nas passagens 15: 45-47 no livro de Marcos.

“E, tendo-se certificado pelo centurião, deu o corpo a José; O qual comprara um lençol fino, e, tirando-o da cruz, o envolveu nele, e o depositou em um sepulcro lavrado em uma rocha; e revolveu uma pedra para a porta do sepulcro. E Maria Madalena e Maria, mãe de José, observavam onde o puseram.”

No entanto, há quem acredite que o local onde Jesus foi enterrado antes de ressuscitar seria no Jardim das Tumbas, como é conhecido em Jerusalém.

Do Jardim das Tumbas em Jerusalém, em 2019

Haveria uma resposta certa?

De acordo com Tom Meyer, professor do Colégio da Bíblia Shasta na Califórnia, nos EUA, existem evidências bíblicas e arqueológicas que podem resolver esta grande questão.

“O Jardim das Tumbas, localizado bem do lado de fora da Cidade Velha de Jerusalém, também tem sido venerado como localização do túmulo vazio de Jesus. Na verdade, quase 500 mil peregrinos visitam o túmulo todos os anos. Mas a reavaliação dos fatos de acordo com as escrituras prova que é impossível que Jesus tenha sido enterrado neste túmulo”, afirmou Meyer, citado pelo tabloide Express.

Segundo o professor, após um estudo feito no Jardim das Tombas em 1974 pelo arqueólogo israelense Gabriel Barkay, foi determinado que o túmulo não era da época de Jesus.

Mulher e freiras participam da missa do Domingo de Páscoa liderada pelo Prelado Latino de Jerusalém Pierbattista Pizzaballa na Basílica do Santo Sepulcro, onde, segundo as crenças cristãs, Jesus teria sido crucificado, sepultado e ressuscitado, na Cidade Antiga de Jerusalém, 4 de abril de 2021

© AP PHOTO / ODED BALILTYMulher e freiras participam da missa do Domingo de Páscoa liderada pelo Prelado Latino de Jerusalém Pierbattista Pizzaballa na Basílica do Santo Sepulcro, onde, segundo as crenças cristãs, Jesus teria sido crucificado, sepultado e ressuscitado, na Cidade Antiga de Jerusalém, 4 de abril de 2021

Meyer explica que os resultados do estudo apontam que o túmulo indicado como pertencente a Cristo teria, na verdade, sido utilizado de 700 a 800 anos antes da sua morte. Vale destacar que, segundo a Bíblia, Jesus foi colocado em um túmulo nunca antes usado.

Deste modo, o Jardim das Tumbas não pode ser o local de repouso do Filho de Deus, pelo que, segundo o pesquisador, “todas as evidências apontam para a Igreja do Santo Sepulcro como sendo o túmulo do qual Jesus ressuscitou dos mortos”, citado pela mídia.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Faça seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: