Ao vivo: Depoimento é retomado após discussão de senadores

Ao vivo: Depoimento é retomado após discussão de senadores

Ao chegar para o depoimento de hoje, o ex-ministro da Saúde solicitou à Polícia Legislativa do Senado que fizesse sua segurança.

O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, retoma nesta quinta-feira (20) seu depoimento à CPI da Covid. A fala do general, a mais aguardada até o momento na CPI, foi interrompida ontem pouco depois das 16h por conta do início da ordem do dia no Plenário do Senado. Durante o intervalo, o general passou mal e foi atendido pelo senador Otto Alencar (PSD-BA). Na saída do Senado, Pazuello negou ter sofrido da síndrome vasovagal, conforme alegou Otto.

Falta de oxigênio

No início da sessão desta quinta-feira (20), o senador Eduardo Braga (MDB-AM) pediu que Pazuello pedisse desculpas ao povo manauara por transitar em um shopping sem máscara.

Braga também questionou o ex-ministro sobre de quem é a responsabilidade pela falta de oxigênio no Amazonas e pelo fechamento do hospital de campanha de Manaus.

Pazuello novamente tentou explicar a origem do aplicativo Tratecov. “ É uma calculadora que facilita diagnóstico. […] A construção foi feita de 6 a 10 de janeiro. Ele não estava completo, precisava colocar os CRMs lá dentro. No dia que foi apresentado, ele foi hackeado. Existe um boletim de ocorrência. Ele alterou e colocou nas rede pública.” No fim das contas, disse o ex-ministro, nunca foi utilizado por nenhum médico.

“Havia conhecimento da questão do oxigênio, a própria secretaria disse que não faltaria e sua equipe esteve presente e faltou planejamento da sua equipe e ação para salvar vidas”, disse Eduardo Braga.

“Esse programa que o ministro diz ter sido hackeado foi divulgado pela TV Brasil”, advertiu Omar Aziz.

Cloroquina

Os governadores do consórcio Nordeste e João Doria, de São Paulo, foram citados na CPI da Covid pelo senador Marcos Rogério, que mostrou um vídeo com governadores falando sobre o uso da cloroquina. Omar Aziz rebateu o material dizendo que houve mudança no protocolo de uso do medicamento. “Isso era em março de 2020, os protocolos mudam”, afirmou o senador.

Primeiro dia de depoimento

A fala de Pazuello durante a quarta-feira (19) foi blindada por um habeas corpus que o permite se calar sobre atos relativos às suas ações diante da pasta. Mesmo assim, o general respondeu às perguntas dos senadores, de maneira considerada prolixa e tortuosa pelos parlamentares, que criticaram a postura.

“A grande dificuldade é que ele elaborou uma estratégia para não responder exatamente, dissimular e delongar estas respostas, se omitir e mentir”, disse Renan Calheiros, relator da CPI. “Foi uma opção que fez o ex-ministro e dessa forma está colaborando muito pouco com a investigação. Ele é a principal testemunha, mas resolveu mentir”. O senador alagoano chegou a sugerir a contratação de agências de checagem para rebater eventuais mentiras faladas pelos depoentes – porém não explicou como isso poderia ser feito.

Pazuello x imprensa

Ao chegar para o depoimento de hoje, o ex-ministro da Saúde solicitou à Polícia Legislativa do Senado que fizesse sua segurança deixando sempre ele por último e fora de vista da imprensa. “Não queria ser visto pela mídia”.

Flávio Bolsonaro

Com o nome citado do filho do presidente e  vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro, o senador Flávio pediu a palavra para defender o irmão. “É como se fosse crime um filho falar com o pai”. Carlos é acusado de integrar um gabinete paralelo que aconselha o presidente, o que fere a lei da impessoalidade na administração pública.

Segundo o senador, Carlos não aconselha o presidente. “Quer saber quem aconselha o presidente? Eu vou dar um nome! O pastor Silas Malafaia. Chama ele aqui!”.

Aliado de Bolsonaro, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) informou que vai apresentar um requerimento para convocar o pastor.

A Sessão foi suspensa por tumulto entre os senadores após a fala de Flávio.

“O senhor não sabe nada sobre o vírus.”

O senador Otto Alencar foi incisivo sobre a falta de conhecimento do general Pazuello sobre os combates a epidemia de covid-19.”Não poderia ser ministro da Saúde. eu no seu caso não aceitaria, o senhor não sabe nada sobre o vírus”, disse.

Otto Alencar é medico de formação e questionou o ex-ministro sobre os conhecimentos em relação ao coronavírus, mas ficou sem resposta. O senador também leu frases em que Bolsonaro disse que não ia comprar doses de vacina contra a covid-19. Pazuello negou que o presidente interferiu nas decisões do ministério.  “Eu no lugar do senhor não sentava nessa cadeira ai, confessava logo o crime”, disse sobre a gestão do general. 

Fonte: Congresso em Foco

Faça seu Comentário