Manaus pede ajuda do Exército para conter onda de ataques

Manaus pede ajuda do Exército para conter onda de ataques

Ao menos 21 veículos e quatro agências bancárias foram incendiadas por traficantes. Dezesseis pessoas foram presas e uma criança, apreendida

O prefeito de Manaus (AM), David Almeida (Avante), defendeu o uso das Forças Armadas para combater a onda de ataques na capital. Até o início da noite desse domingo (6/6), ao menos 21 veículos e quatro agências bancárias foram incendiadas por traficantes.

O chefe do Executivo manauara conversou com o comandante Militar da Amazônia, general Luís Carlos Gomes Mattos, e com o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), sobre as atitudes que devem ser tomadas pelo Estado para enfrentar os ataques.

“Se estão fazendo isso durante a luz do dia, o que virá durante a noite pode ser muito pior. Delegacias já estão sendo atacadas.

Temos que invocar a GLO [Garantia da Lei e da Ordem]. Está mais do que na hora de o Exército entrar nas ruas. Não se pode deixar que os marginais tomem conta”, disse ele.

David Almeida disse também que pretende fornecer armas à Guarda Municipal de Manaus para evitar a depredação de espaços públicos pelos traficantes.

Leia também: Após morte de traficante, onda de violência leva pânico a Manaus

“Só não armamos ainda em função de alguns decretos que impedem a criação de novas estruturas. Eu vou encontrar o caminho necessário, porque se estou com a minha Guarda Municipal armada aqui, isso não teria acontecido”, afirmou, ao lamentar os incêndios causados na rotatória Umberto Calderaro Filho, conhecida como “Bola das Letras”.

Nesse domingo, o governador Wilson Lima determinou reforço no policiamento em Manaus e região metropolitana.

Informações do departamento de inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSPAM) apontam que a motivação para o início das ações de vandalismo foi a morte, na madrugada desse domingo, do traficante de drogas Erick Batista Costa, o Dadinho.

A ordem de depredação teria partido, ainda segundo a pasta estadual, de dentro de um presídio por membros do mesmo grupo criminoso do traficante.

Dezesseis pessoas já foram presas e uma criança de 11 anos – apontada como olheiro do crime –, apreendida.

Fonte: Metrópoles

Faça seu Comentário