Polícia prende suspeitos durante patrulhamento na Fazenda Santa Carmem em Nova Mutum Paraná

Polícia prende suspeitos durante patrulhamento na Fazenda Santa Carmem em Nova Mutum Paraná

De acordo com a polícia, um dos suspeitos era foragido da justiça, e estava trabalhando como segurança patrimonial da fazenda.

O Batalhão de Polícia Militar de Fronteira e Divisas (BPFRON), com o apoio do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) e Força Nacional, realizam nesta quarta-feira (18), um trabalho de patrulhamento, na Fazenda Santa Carmem, no distrito de Nova Mutum Paraná, que resultou na prisão dos cinco foragidos Hanjecson R. F. Brasil., 29 anos, Osmar C., 56 anos, Luciel S. L., 29 anos, Paulo A. S., 52 anos, e Ozeias S. L., 26 anos.

De acordo com as informações, nessa mesma fazenda, onde existe uma decisão judicial que garante a reintegração de posse, três homens foram mortos a tiros, na última sexta-feira (13), após receberem os policiais do Batalhão de Choque a tiros, durante uma fiscalização.

Veja Também:

Já nesta terça-feira (17), os trabalhos continuaram na fazenda. O primeiro a ser preso foi o foragido Hanjecson, durante um patrulhamento da Polícia Militar. Ele estava trabalhando como segurança patrimonial da fazenda. Na consulta nominal, os policiais constataram que havia um mandado de prisão contra ele, que estava com uma espingarda calibre 12, com oito munições.

O patrulhamento continuou, e os policiais abordaram Osmar, Luciel, Paulo e Ozeias, que estavam em duas motocicletas e armado com facões, além de uma motosserra e combustível em um galão de plástico.

Os policiais constataram que os quatro homens saíram de uma área de mata nativa, onde já foi possível visualizar diversos sinais de desmatamento, o que caracteriza a conduta criminosa lesiva ao meio ambiente.

Além do crime de desmatamento, os homens estavam atuando em uma área particular, de forma ilegal.

O foragido da justiça, e os outros quatro homens receberam voz de prisão e foram encaminhados para a delegacia da região, onde ficaram à disposição da justiça.

Fonte: Rondônia Agora

Faça seu Comentário