Carla Zambelli faz Análise político do cenário após 7 de setembro

Carla Zambelli faz Análise político do cenário após 7 de setembro

“Eu estou fazendo esse vídeo sob pena de sofrer consequências e vocês sabem quais, porque a gente sabe com quem a gente está lidando, a gente sabe que tipo de armadilhas e que tipo de estratégias essas pessoas usam”.

Na contabilidade política das manifestações do dia 7 de setembro, a deputada federal Carla Zambelli, faz análise sobre a gigantesca manifestação em apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

“Acabei de assistir na CNN uma entrevista do Gilberto Kassab que tem um dos maiores partidos, é um dos maiores articuladores políticos. Hoje nós tivemos a maior manifestação popular de apoio ao presidente Bolsonaro na história dos últimos 2 anos e 8 meses 9 meses.



<p>Nós tivemos essa manifestação em meio à ou no final de uma pandemia, espero que seja no final ou pode ser no meio de uma pandemia a gente nunca sabe o que está acontecendo na verdade em relação a essa pandemia, algo incerto. É, o Bolsonaro mostra nas ruas apesar da narrativa que tenta imprimir à esquerda, mostra nas ruas, em várias cidades como Fortaleza, Recife, Salvador no Rio de Janeiro, cidades que sequer estavam previstas manifestações um extremo apoio popular. E na manifestação que houve em Brasília falei agora há pouco para vocês com detalhes, quem quiser mais detalhes vai na outra live que eu fiz há pouco sobre a possibilidade de chamar o conselho da República. É, basicamente, esse conselho é formado por várias pessoas é um conselho muito plural não é um conselho pró governo do qual ele falaria sobre a estabilidade das instituições nós estamos vivendo uma instabilidade nas instituições. E, as possibilidades que se abrem pra gente nos próximos nos próximos dias nas próximas semanas elas são gigantescas e são de proporções grandiosas desde catastróficas até solucionadoras. Então a gente tem: de um lado uma possibilidade de uma reunião da República para poder tentar estabilizar os poderes e isso a gente vai saber amanhã por exemplo quando o ministro Fux como presidente do STF dê o seu tom a respeito do que ele achou das manifestações e, a respeito do que ele acha que tem sido feito das decisões arbitrárias dos inquéritos inconstitucionais que tem sido levado, enfim a pé e a cabo dentro do STF, então isso vai dar um tom. A gente também tem uma outra questão que é a narrativa da imprensa de tentar dizer então e a gente tem aqui é uma reunião da República e pode acontecer está previsto na Constituição a gente tem uma tentativa de solucionar o problema através de negociação política de olho no olho, de uma bandeira branca para que a gente possa solucionar através de atitudes os problemas que nós estamos tendo com presos políticos com arbitrariedades que estão sendo cometidas por um dos poderes – contra inclusive a um poder que é o legislativo e eu digo isso porque sou uma das vítimas – e, a gente tem a narrativa da esquerda, e de diversos meios de comunicação, inclusive de pessoas como por exemplo, eu entendi que o Kassab é uma delas de tentar imprimir ao Bolsonaro uma tentativa de colocá-lo como golpista, de colocá-lo como ditador, quando na verdade é o contrário, o que o Bolsonaro fez hoje, foi pedir a liberação dos presos presos &nbsp;políticos, foi tentar mostrar as arbitrariedades que vêm sendo cometidas em atitudes dentro, é atitude de pessoas que fazem parte do Supremo Tribunal Federal. E aí eu digo para vocês, a gente tem diversas soluções dentre elas, por exemplo, mais uma que seria uma das mais legítimas, seria os senadores mostrarem a suas responsabilidades. O quanto eles devem representar os seus cargos ao por exemplo questionar institucionalmente o Supremo Tribunal Federal, porque dentro da moderação de poderes o poder moderador do STF é o Senado. Mas quando você tem no Senado o presidente dessa casa que sequer analisa um pedido e simplesmente arquivou o pedido sem dar qualquer satisfação para o público juridicamente falando e as arbitrariedades continuam a gente tem um problema institucional e esse problema institucional pode ser resolvido por exemplo com uma reunião desse conselho da República. Então vocês percebem que nós temos nos próximos dias diversas coisas que podem acontecer de forma institucional, e nós temos 2 possibilidades que teoricamente estão fora da Constituição: a gente tem um golpe que pode ser dado pelo presidente Bolsonaro e é essa a narrativa que eles querem pregar na sua mente de que o presidente vai aplicar um golpe fora da Constituição fora do que está previsto a lei e através dessa narrativa, esse outro fato que é o impeachment do presidente Bolsonaro, esse impeachment não é algo que talvez possa quem sabe acontecer, é algo que já está sendo desenhado ele é algo que mal acabou a manifestação aqui em São Paulo e o Kassab já estava ao vivo na CNN dizendo que tudo indica que o PSD vai apoiar junto com outros partidos o impeachment do presidente Bolsonaro. Isso significa, vou dizer para vocês, isso significa que nada disso foi traçado hoje, nada disso foi conversado hoje nas últimas horas. Isso é algo que está sendo tramado há muito tempo e como deputada que participante do último impeachment de Dilma Rousseff, eu digo pra vocês uma coisa, não existe impeachment de presidente popular como o que vimos hoje nas ruas. Quando eu fui a primeira pessoa a me levantar contra Dilma Rousseff em janeiro de 2015 disseram que eu era maluca porque ela tinha apoio popular ela tinha a economia andando a passos normais com todas as condições né de temperatura e pressão diferente do que a gente vê hoje a gente está no meio de uma pandemia e com, não só a economia crescendo como empregos crescendo como investimentos externos crescendo como concessões, privatizações, autorizações de portos, aeroportos, rodovias ferrovias. O Brasil está andando de vento em polpa no meio de um dos momentos mais críticos da história desde a Segunda Guerra Mundial, então a gente está falando de um presidente da República e consegue ser popular no meio de uma crise mundial e tem uma pessoa que vem falar em impeachment. Isso é de uma… é de uma… é tão mafioso, é tão mafioso isso que que eu chego a pensar o quanto esses homens estiveram reunidos orquestrando este golpe contra o presidente Bolsonaro. E aí, hoje eu assisti uma frase que dizia assim atos antidemocráticos do presidente Bolsonaro e mostraram a esplanada dos ministérios lotada como nunca vi na história recente do país, nunca vi na história nem recente nem antes de existir, bom Brasília recente. E do lado a gente via uma outra manchete falando sobre manifestações democráticas e que em sua faixa estava falando sobre a ditadura do proletariado. Porque são deles. Então pessoal, quero que vocês tirem o dia de hoje para refletir e vou pedir que vocês por favor compartilhem esse vídeo, não só nas suas redes sociais mas copie o link desse vídeo e mande nos grupos de WhatsApp porque é algo muito importante que as pessoas precisam ter o todo enxergar o todo o que que está acontecendo. Não é fácil estar na pele do presidente, porque todos nós brasileiros fomos pras a ruas com esse sentimento, esse grito entalado aqui na garganta de revolta com a censura que a gente está vivendo e depositando todas as nossas fichas no Bolsonaro, eu disse para vocês outro dia eu não tenho como depositar todas as nossas fichas no Bolsonaro porque ele é Messias ele não é Jesus. Sem Deus, mas também o povo ao lado do presidente Bolsonaro ele não tem como sair dessa trama em que estão tentando colocar o nosso presidente. Eu estou fazendo esse vídeo sob pena de sofrer consequências e vocês sabem quais, porque a gente sabe com quem a gente está lidando, a gente sabe que tipo de armadilhas e que tipo de estratégias essas pessoas usam. Mas, o que seria de mim representantes do povo se não puder dizer para vocês e fazer essa análise do que está acontecendo em tudo em volta. Então por favor pessoal compartilhe esse vídeo e entendam que eu sei que muitos de vocês foram pra rua hoje como um último ato. Mas não é fácil tá na pele do presidente para decidir o que pode ser feito até porque a retaguarda deles somos nós e Deus. Ele está quase sem retaguarda porque ele está lutando contra todas as organizações criminosas que se formaram nas últimas décadas nesse país e não é fácil derrubar um sistema criminoso, mafioso como esse que se formou em todos os poderes do nosso país e eu não estou falando das instituições eu estou falando de pessoas que formam instituições algumas delas. Um abraço para vocês e muito boa noite”.</p>

Faça seu Comentário