Mais de 600 pessoas em situação de rua já completaram o ciclo vacinal contra covid-19 em Porto Velho

Mais de 600 pessoas em situação de rua já completaram o ciclo vacinal contra covid-19 em Porto Velho

Outros serviços na área da saúde foram ofertados ao público também.

Foram aplicadas 743 doses de vacina em pessoas em situação de rua
Foram aplicadas 743 doses de vacina em pessoas em situação de rua



A Prefeitura de Porto Velho segue empenhada em promover um atendimento individualizado aos moradores em situação de rua com o serviço Consultório de Rua. A atenção vai além de um serviço médico, pois há uma busca ativa com a missão de levar vacinação contra a covid-19 a este público.

Conforme cronograma, a equipe multidisciplinar busca as vacinas na Central de Frios e sai com as doses e demais equipamentos necessários para o atendimento nos pontos estratégicos onde esse público costuma ficar, como, por exemplo, Mercado do Peixe, KM1 e Mercado Central. É importante lembrar que, por longos meses, os atendimentos foram realizados em parceria com a Paróquia Sagrada Família, no bairro Embratel.

Segundo a assistente social da Secretaria Municipal de Saúde, Iolanda do Remédio Souza Filho, até o momento já foram aplicadas 743 doses, sendo 78% em homens e 22% em mulheres. O balanço apresentado mostra que 125 pessoas receberam o imunizante da CoronaVac, sendo que 73% receberam as duas doses; já a Pfizer foi aplicada em 240 pessoas, sendo que 46% receberam as duas doses; e a Janssen, imunizante de dose única, foi aplicada em 378 pessoas.

“Há todo um cuidado com esse momento, pois é preciso pesquisar se o paciente já foi vacinado anteriormente no sistema. Às vezes, eles só sabem o nome e não possuem qualquer documentação e precisamos dos dados como, por exemplo, o cartão do SUS, há o preenchimento de ficha da próxima vacina, entre outros”, descreve Iolanda.

CONQUISTA

Apesar das dificuldades na execução do atendimento, o alto índice de cobertura com a segunda dose representa uma conquista muito grande para a equipe. A comemoração é motivada, pois a localização desses indivíduos específicos é bastante difícil, e em alguns casos, demora até quatro meses para completar o ciclo de imunização da CoronaVac, por exemplo.

MAIS ATIVIDADE

A assistente social contou que, ao mapear e localizar uma pessoa em situação de rua, o trabalho não é só vacinar. É feita a consulta médica, realização de testes rápidos para identificação de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), como: HIV, Sífilis e Hepatites B e C. “O atendimento envolve tudo relacionado à saúde, o que eles precisam naquele momento da abordagem, pois temos uma equipe composta por médico, assistente social, enfermeiro, odontólogo e o suporte de médicos residentes”, relata a assistente.

Fonte: Comdecom

Faça seu Comentário