Prevent Senior: MP-SP avalia dossiê da CPI e convoca depoimentos

Prevent Senior: MP-SP avalia dossiê da CPI e convoca depoimentos

Documentos vão subsidiar primeiros passos da investigação da força-tarefa em torno da conduta da operadora de planos de saúde

O Ministério Público de São Paulo começou a receber os documentos sobre a Prevent Senior reunidos pela CPI da Covid no Senado.

O dossiê levantado pelos senadores vai subsidiar os primeiros passos da investigação da força-tarefa paulista em torno da conduta da operadora de planos de saúde na pandemia.

Por ordem do procurador-geral da Justiça do Estado, Mário Sarrubbo, a apuração deverá receber “atenção total” nos próximos meses.

Enquanto estruturam o inquérito, os oito procuradores deslocados para o caso também analisam quem deverá ser ouvido em breve. A expectativa é que os depoimentos comecem a ser tomados entre o fim desta semana e o início da semana que vem.

As suspeitas que atingem a Prevent Senior vieram a público a partir da comissão parlamentar que investiga a gestão da crise da Covid-19 pelo governo federal.

Médicos disseram ter sofrido pressão da operadora de planos de saúde para administrar remédios ineficazes contra o novo coronavírus – o chamado “kit Covid” – em pacientes diagnosticados com a doença, sem o seu consentimento. Os profissionais também afirmam ter recebido orientação para ocultar mortes em estudo.

Em depoimento à CPI nesta terça-feira (28), a advogada Bruna Morato, representante dos médicos que denunciaram a Prevent Senior, acusou o governo federal de firmar um “pacto” com a operadora de saúde para validar o “tratamento precoce” e usar o estudo fraudado para confirmar o discurso do Planalto contra o isolamento social.

A investigação do Ministério Público de São Paulo tramita no DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) e apura se a aplicação de remédios sem eficácia comprovada contra a Covid-19 em pacientes da Prevent Senior que vieram a óbito configura crime de homicídio.

Em nota divulgada ontem, a empresa negou o que chamou de “acusações mentirosas levadas anonimamente à CPI e à imprensa”.

“A Prevent Senior estranha o fato de a advogada manter no anonimato os supostos médicos autores da acusação. A empresa ainda não teve acesso aos autos da CPI para fazer sua ampla defesa”, relatou a empresa.

A Assembleia Legislativa de São Paulo também vai apurar o caso, em uma CPI proposta pelo deputado Paulo Fiorilo (PT).

Fonte: R7

Faça seu Comentário