Ex-conselheiro de Trump John Bolton apela à OTAN para ‘enfrentar a Rússia’

Ex-conselheiro de Trump John Bolton apela à OTAN para ‘enfrentar a Rússia’

Segundo Bolton, a União Europeia acredita que a “paz relativa pós-1945” na região se deve ao bloco e não à aliança da OTAN.

John Bolton ocupou o posto de conselheiro de Segurança Nacional no governo do anterior presidente dos EUA, Donald Trump. Ele sempre teve uma posição dura relativamente à Rússia, rotulando sua suposta interferência nas eleições de 2016 de “um ato de guerra” e apelando a uma forte “dissuasão” para conter Moscou.

O ex-conselheiro de Segurança Nacional dos EUA sugere, em um artigo de opinião publicado no portal 19FortyFive, seu ponto de vista sobre os erros e equívocos cometidos pelo Ocidente em relação à Rússia e à “agenda hegemônica” que, segundo Bolton, está sendo seguida pelo Kremlin.

De acordo com o antigo conselheiro de Trump, o Ocidente “cometeu dois erros fundamentais nos anos desde que a nova bandeira da Rússia foi hasteada pela primeira vez sobre o Kremlin”.

“Em uma pressa compreensível para juntar à OTAN Estados que escaparam do extinto Pacto de Varsóvia e que retomam seus legítimos lugares no Ocidente, a América, em particular, falhou em definir onde a expansão iria acabar”, escreve Bolton.

“Pode-se debater onde esse ponto final deve ser, mas ao não decidir a questão de maneira explicita, criamos uma ‘zona cinzenta’, uma ambiguidade que a Rússia está agora explorando. Hoje, nós e as nações da zona cinza, como a Ucrânia, estamos pagando o preço”, aponta ele no artigo.

Segundo Bolton, a União Europeia acredita que a “paz relativa pós-1945” na região se deve ao bloco e não à aliança da OTAN.

Panorama internacionalExigências da Rússia de pôr fim à expansão de OTAN para leste são inaceitáveis, diz Borrell03:3045

“A UE não venceu a Guerra Fria e o seu papel desproporcionado ao lidar com a Rússia dificulta hoje a determinação do Ocidente”, observou ex-conselheiro de segurança dos EUA.

Criticando a decisão de Moscou de exigir garantias de segurança da OTAN (particularmente a garantia de não se expandir para leste e não implantar armas ofensivas em países que fazem fronteira com a Rússia), Bolton, no entanto, diz que “[o presidente russo Vladimir] Putin está superando seus homólogos ocidentais” e propõe seu próprio plano de resposta à Rússia.

Ele sugere que a OTAN deve decidir sobre quais países ela está disposta a aceitar e quais os países que não está. Além disso, de acordo com Bolton, a União Europeia deve “levar a sério” a “ameaça renovada” da Rússia, observando que a suposta “ameaça” não está perto da fronteira dos EUA.

Fonte: Sputnik

Faça seu Comentário