Próximo do fim: sem dizer pra que veio

Próximo do fim: sem dizer pra que veio

Na terra da paralisia, governador sem tirar o pé do freio tem que ter talento.

Por Edilson Neves*

De quatro em quatro anos, temos eleições gerais, que valem para vários cargos do Executivo e do Legislativo federal e estadual. Um desses cargos é o de governador, que é eleito para chefiar um Estado. Dessa forma, o Poder Executivo estadual possui a função de atuar de diversas formas. Ele deve representar o Estado em todas as suas relações, sejam elas jurídicas, políticas ou administrativas. Além de articular políticas públicas junto ao governo federal e defender os interesses do estado.

Bem como responsabilizar-se sobre toda a infraestrutura estadual, criada e mantida sob sua competência: segurança pública, saúde e educação – rodovias e portos estaduais, por exemplo, precisam receber atenção especial do governador. Ele também precisa ficar de olho nos serviços de transporte intermunicipal e interestadual, bem como, angariar investimentos federais para o Estado e seus municípios.

Agora que você entendeu a função do governador de estado dentro da federação, vamos falar um pouco sobre o governador Marcos Rocha. Em primeiro lugar, vale lembrar que o governador precisa cumprir os requisitos que já explicamos acima!

O coronel Marcos Rocha foi eleito governador de Rondônia, com as seguintes propostas: Agilizar a construção de moradias, celeridade na articulação política com os prefeitos na criação e geração de empregos, conclusão das obras já em andamento, promover os valores culturais, ecológicos e gastronômicos, dentre outros que possam gerar fluxo nacional e internacional de turismo no estado, melhorar a remuneração salarial dos professores, investir na Tecnologias da Informação, saúde e educação, além da redução da violência e da criminalidade no Estado de Rondônia.

Chegando ao final do seu mandato, faltando apenas um pouco mais de sete meses para a conclusão de sua metamorfose ascensão! O que realmente foi feito?

“É nítido a ineficiência do governo e sua equipe” – de lá para cá, o tempo foi passando, e, a dúvida continua: o que realmente Marcos Rocha tem feito como governador?

“Uma gestão completamente estagnada, desprovida de projetos e planejamento administrativo”.

Em todo caso, a questão é simples: Marcos Rocha, governa ou apenas foi eleito governador?

Nem mesmo uma ascensão meteórica, foi capaz de estimular o coronel governador trabalhar para o povo. Não se ver uma obra concluída, pouquíssimas realizações, nada expressiva. Arrecada muito e gasta mal. A saúde está “falida”, educação também, a segurança pública, nem se fala. Não há projeto de desenvolvimento, nem um hospital foi construído, não há boas estradas, praticamente nada foi feito. A única coisa que salva o estado de Rondônia é a agricultura, o agronegócio.

E, a cada dia a situação dos contribuintes fica mais dramática. Um Estado tão rico e promissor, com tantas oportunidades – um povo ordeiro e trabalhador, porém, o governo não contribui. 

Talvez eu tenha sido excessivo nas minhas reflexões. Contudo, não poderia ser injusto ao desconhecer que o governador Marcos Rocha, vem se esforçando muito para executar seu programa casca de ovo. Como todos sabem, o governador Marcos Rocha vem se virando nos trinta para cumprir o seu grande programa de governo, o “Tchau Poeira” que tem como objetivo asfaltar, recuperar e sinalizar vias públicas urbanas nos 52 municípios do Estado de Rondônia.

Na terra da paralisia…

…entretanto, falta tirar o pé do freio. O tal projeto, ainda tem sido motivo de muita insatisfação e críticas em todo estado, inclusive na capital de Rondônia.

Parece que a lerdeza se tornou marca registrada – tudo indica que sua equipe ainda continua tropeçando na inoperância. Tudo indica que sua equipe continua batendo cabeça e tropeçando na falta de habilidade de fazer a máquina pública funcionar.

A pergunta é: trapalhada ou marketing?

Certamente falta gestão política, se não este artigo estaria falando de futebol. E não adianta botar a culpa nos outros! Porém, os resultados só são alcançados quando a equipe está em sintonia.

Falar para preguiça correr é a mesma coisa que dizer pra tartaruga: Corra!

Perguntar não ofende…

…Procede os comentários de que a execução do programa “Tchau Poeira” está tudo dentro da normalidade, esperando às proximidade das eleições para colocar lenha na locomotiva? Ou seja, acelerar as obras! É bom lembra que, tem gente de olho no cronograma eleitoral e o concorrente se preparando pro jogo do ‘vale tudo’.

“Os políticos e as fraldas devem ser trocados frequentemente e pela mesma razão”, Eça de Queiróz

O fim está próximo

Todavia, não custa lembrar que, os governantes têm um patrão, que é o povo e quem não respeita o patrão, que é o povo, a opinião pública, deve ser exonerado – portanto, para que o seu voto seja feito da forma mais consciente possível, é preciso saber em quem votar.

A democracia é isso! As eleições estão chegando. É preciso, ter muita consciência para exercer o nosso direito e o nosso dever cívico para escolher os nossos governantes.

Com a palavra o senhor governador…

CN