A França vai pagar um preço muito alto pela fraqueza e omissão de Emmanuel Macron

Longe dos discursos delirantes, mentirosos e ‘humanitários’ da esquerda para justificar a enorme invasão da Europa por muçulmanos, a imigração descontrolada e permitida tem razões muito mais práticas e mundanas.

Uma delas é a do uso dos muçulmanos como mão de obra barata, estratégia de décadas, praticada especialmente pela França.

Giorgia Meloni, prima ministra da Itália, já cansou de denunciar esse tipo de exploração colonialista dos franceses e outros países europeus.

Exploração que, evidentemente, está cobrando seu preço.

O que esses países europeus atraem como imigrantes é simplesmente a escória das regiões muçulmanas: os vagabundos, os bandidos, aqueles que apenas querem benefícios, os parasitas sociais.

O resultado está aí: o caos, hoje, espalhado pelo país, com destruição e violência.

É o resultado óbvio do golpe a la francesa de um presidente fraco e omisso, Macron, que entrega hoje a nação à esquerda e à dominação árabe, cada vez mais crescente.

Se a França perderá totalmente sua soberania e se transformará num país muçulmano dentro da Europa como muitos analistas preveem, não é certo.

Mas o certo é que o preço pela incompetência dos que imaginavam poder contratar escravos para resolver os problemas da França – e são muito – será alto.

Muito alto, como se observa.

Foto de Marco Angeli Full

Por Marco Angeli Full

https://www.marcoangeli.com.br

Artista plástico, publicitário e diretor de criação.

 

*A opinião expressa neste artigo é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Correio de Notícia não tem responsabilidade legal pela “OPINIÃO” que é exclusiva do autor.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

0
Would love your thoughts, please comment.x
×

Olá!

Clique em um de nossos contatos abaixo para conversar no WhatsApp

× Canal de denúncias