Nova presidente da Caixa assume cargo na terça-feira

Daniella Consentino assinou hoje o termo de posse

A economista Daniella Marques Consentino teve o nome aprovado hoje (1º) pelo Comitê de Elegibilidade da Caixa Econômica Federal e assinou o termo de posse. Ela assumirá oficialmente o cargo na próxima terça-feira (5), em cerimônia oficial no Palácio do Planalto.

Ex-secretária especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Daniella Consentino substituirá Pedro Guimarães, que pediu demissão nessa quarta-feira (29), após denúncias de assédio sexual que estão sendo investigadas pelo Ministério Público Federal e pelo Ministério Público do Trabalho. Ele negou as acusações na carta de renúncia.

No governo desde janeiro de 2019, Consentino foi chefe da Assessoria Especial de Assuntos Estratégicos do Ministério da Economia. Uma das principais assessoras do ministro Paulo Guedes, ela assumiu a Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade no início do ano.

Com formação em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), a nova presidente da Caixa tem MBA em Finanças pelo Ibmec e uma carreira no mercado financeiro. Foi diretora-executiva da Oren Investimentos e diretora de Risco e Compliance, sócia e gestora de Renda Variável da Mercatto Investimentos. Antes de entrar no governo, foi sócia do ministro Guedes na Bozano Investimentos, onde foi diretora de Compliance e Operações e Financeiras.

Fonte: Aline Leal A/B

CN

Apoiados por Lula, governadores petistas vão à justiça para impedir queda no valor dos combustíveis (veja o vídeo)

Os governadores do Nordeste estão unidos contra você, contra o contribuinte, contra o trabalhador.

Em sua tradicional live realizada nesta quinta-feira (30), o presidente Jair Bolsonaro utilizou reportagens para revelar quem são os nove governadores que estão ‘lutando com unhas e dentes’, em uma tentativa nefasta para impedir a queda dos valor dos combustíveis, do gás de cozinha e da energia elétrica.

A redução que já ultrapassa R$ 1,50 em alguns estados, e que tende a ser ainda maior, é observada na maior parte do país, após a entrada em vigor, no início da semana, da nova lei que zerou o valor dos impostos federais e estabeleceu um teto de 17% no valor do ICMS, padronizando a cobrança nos estados.

Há, entretanto, uma resistência por parte de governadores de partidos de esquerda, todos da região Nordeste.

“Esses nove governadores entraram na justiça para não diminuir o preço dos combustíveis. E são dos seguintes estados: Pernambuco, Maranhão, Paraíba, Piauí, Bahia, Sergipe, Rio Grande do Norte, Alagoas e Ceará. Ou seja, os governadores do Nordeste estão unidos contra você, contra o contribuinte, contra o trabalhador.

Esse pessoal que diz que está ajudando o pobre, mentira. Ele quer mais que o pobre se exploda. E eu confirmei essa notícia aqui, disse o presidente, mostrando uma matéria em que Rui Costa, o governador petista da Bahia diz que não vai respeitar a nova lei.”

Bolsonaro também exibiu uma outra reportagem em que o ex-presidiário e atual pré-candidato do PT à presidência critica a medida que já beneficia milhões de brasileiros:

“Lula critica redução do ICMS como tentativa de baixar preço dos combustíveis. É esse cara que diz que vai baixar os combustíveis se for eleito presidente, mas ele é contra a redução dos impostos”, concluiu Bolsonaro

Um ato desesperado dos esquerdopatas, que estão vendo suas chances de voltar ‘à cena do crime’ cada vez mais distantes, em função das medidas pontuais do atual governo, que estão salvando a economia do país no auge da maior crise mundial nos últimos 50 anos.

Vale lembrar ainda a crescente popularidade de Jair Bolsonaro no Nordeste, em um fenômeno que desmonta qualquer pesquisa comprada e sem credibilidade!

Veja o vídeo:

Fonte: JCO

CN

Governo Bolsonaro entrega novidade que vai revolucionar o país

O novo modelo já havia sido anunciado em fevereiro deste ano e usará o Cadastro Nacional de Pessoa Física (CPF).

O presidente Jair Bolsonaro entregou as primeiras carteiras de identidade nacional (CIN) com registro único na segunda-feira (27), durante evento no Palácio do Planalto. O novo modelo já havia sido anunciado em fevereiro deste ano e usará o Cadastro Nacional de Pessoa Física (CPF) como número de identificação.

Entre os primeiros a receber o documento, estavam os ministros Paulo Guedes, da Economia, e Anderson Torres, da Justiça e Segurança Pública. Pessoas de outras unidades da federação que participaram do projeto piloto da CIN também receberam a nova carteira durante a cerimônia.

A partir de 4 de agosto, a carteira de identidade nacional será emitida em um único modelo, independentemente de qual estado em que seja produzida. Inicialmente, os brasileiros que têm CPF e moram no Acre, Pernambuco, Goiás, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e no Rio Grande do Sul poderão solicitar a CIN aos institutos de identificação de seu estado.

Os demais estados estarão aptos a emitir o novo modelo até março de 2023. 

A nova identidade vem com um QR Code que pode ser lido por qualquer dispositivo apropriado, como um smartphone. Dessa forma, será fácil confirmar a autenticidade do documento e saber se foi furtado ou extraviado.

Segundo o governo, com essas mudanças, a identidade nacional será o documento mais seguro do Brasil e um dos mais seguros do mundo. Além da versão física, que será gratuita, a CIN terá uma versão digital.

“O Brasil recebeu a classificação digital do melhor governo digital das Américas no ranking do Banco Mundial. De sétimo melhor governo digital do mundo e maior governo digital das Américas, à frente de Estados Unidos e Canadá”, destacou o ministro Paulo Guedes, ao comentar a emissão da nova CIN.

O governo também destacou que a nova carteira nacional de identidade passará a ser documento de viagem, por causa da inclusão do código no padrão internacional, que pode ser lido por equipamento.

Trata-se do código MRZ, o mesmo usado em passaportes. Até o momento, porém, o Brasil só tem acordos para uso do documento de identidade nos postos imigratórios com países do Mercosul. Para os demais países, o passaporte continua sendo obrigatório. 

Fonte: Agência Brasil

CN

Superfície de Marte é totalmente fotografada por sonda chinesa

Tianwen-1 passou um ano na superfície do planeta e completou tarefas.

O planeta vermelho foi todo registrado em imagem pela sonda chinesa Tianwen-1. Depois de um ano na superfície de Marte, a Agência Espacial Chinesa (CNSA) anunciou que a sonda tinha completado todas as tarefas, incluindo a captura de imagens de média resolução de todo o planeta.

É o resultado das tarefas da sonda Tianwen-1. O nome atribuído à sonda significa “busca da verdade celestial”, e ela foi lançada em 2020, pousando em Marte em maio deste ano.

O rover Zhurong, que seguia a bordo, iniciou a missão de patrulha e exploração da superfície marciana, enquanto o módulo em órbita estabelecia e retransmitia as comunicações entre o veículo de exploração e a Terra.

Em comunicado, a Agência Espacial Chinesa explicou que a Tianwen-1 concluiu os objetivos desta fase, especialmente a captura de imagens de média resolução que cobrem todo o planeta.

As imagens foram registradas pelo módulo em órbita que circundou Marte 1.344 vezes em 706 dias, captando o planeta vermelho de todos os ângulos, numa ação combinada com o rover que explorava a superfície, indicou a CNSA.

O veículo de superfície, com seis rodas, transportou instrumentos científicos para reunir informações sobre a estrutura geológica, a atmosfera, o meio ambiente e o solo de Marte.

De acordo com a CNSA, “a sonda recolheu 1.040 gigabytes de dados científicos brutos, que foram processados por cientistas na Terra e entregues a equipes de investigação para estudos adicionais”. 

A agência acrescentou que as informações de voo do módulo em órbita foram partilhadas com a Nasa, a agência espacial norte-americana, e a Agência Espacial Europeia. os dados científicos estarão disponíveis para cientistas internacionais “no momento apropriado”.

O rover entrou em modo inativo em 18 de maio e assim permanecerá durante o inverno marciano, que se caracteriza por baixas temperaturas e más condições, com areia e poeira.

Por RTP – Lisboa

CN

Aneel leiloa 13 lotes de transmissão de energia

Investimentos devem chegar a R$ 15,3 bilhões.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) realizou hoje (30) um leilão para a construção, operação e manutenção de 5.425 quilômetros de linhas de transmissão e de 6.180 mega-volt-ampères (MVA) em capacidade de transformação de subestações. O leilão foi dividido em 13 lotes, com investimentos previstos da ordem de R$ 15,3 bilhões e geração de 31.697 empregos diretos em 13 estados: Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rondônia.

As instalações de transmissão fazem parte do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República.

As empresas vencedoras do leilão terão de concluir as obras entre 42 a 60 meses, contados da assinatura dos contratos. Já o prazo de concessão das linhas será de 30 anos.

O valor global da Receita Anual Permitida de referência (RAP máxima) a ser paga aos empreendedores é de aproximadamente R$ 2,2 bilhões.

A diretora-geral substituta da Aneel, Camila Bonfim, disse que o sucesso do leilão foi possível porque há um ambiente seguro e atrativo para investimentos no setor elétrico, construído ao longo de anos com governança bem estruturada, segurança jurídica, estabilidade e previsibilidade regulatória.

“Trabalhamos com regulamentos que incentivam a competição e a inovação para assegurar serviço de qualidade e tarifa justa. Vamos continuar com esse propósito que tem resultado no sucesso de leilões de transmissão”, garantiu.

O secretário adjunto do Ministério de Minas e Energia, José Roberto Bueno Júnior, afirmou que as obras concedidas hoje contribuirão de maneira relevante com a continuidade da operação confiável do Sistema Interligado Nacional, promovendo suprimento adequado aos consumidores de energia do país sempre em linha com a busca pela modicidade tarifária na indicação de novas soluções de expansão.

“As expansões leiloadas hoje são relevantes porque proporcionarão também a abertura da margem de conexão para empreendimentos de geração renovável no estado de Minas Gerais, cujo potencial para energia fotovoltaica se mostrou viável e com aproveitamento benéfico para o sistema elétrico brasileiro”, destacou.

Veja o que foi arrematado:

O vencedor do Lote 1, que tem extensão de 1.269 km e potência de 1.350 MVA, abrangendo cidades nos estados de Minas Gerais e São Paulo, com a finalidade de expandir a capacidade de transmissão da Região Norte de Minas Gerais, foi o Consórcio Verde, pelo valor de R$ 283,3 milhões , com deságio de 47,34% sobre a RAP de R$ 538.002.334,19.

O vencedor do Lote 2 foi a NeoEnergia. Neste lote, a extensão é de 1.707 km, nos estados de São Paulo e Minas Gerais, com a finalidade de expansão da capacidade de transmissão da região Norte de Minas Gerais. O valor oferecido foi de R$ 360 milhões, o que representa um deságio de 50,33% sobre o valor de referência de R$ 724.733,986,08.

O Lote 3 foi arrematado por R$ 285,7 milhões, com deságio de 46,7% sobre o RAP de R$ 536.601.473,45, pelo CTEEP. A extensão desse lote é de 1.139 km, nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, com a finalidade de expansão da capacidade de transmissão da região Norte de Minas Gerais.

O Lote 4, que tem extensão de 217 km, no estado do Amapá, tem o objetivo de dar uma solução estrutural para aumento da confiabilidade do atendimento a Macapá, foi arrematado por R$ 38,893 milhões pela Zopone Engenharia e Comércio LTDA. O deságio com relação ao RAP (R$ 40.940.124,37) chegou a 5%.

Com extensão de 113 km, o Lote 5, que abrange os estados da Bahia e Sergipe, foi arrematado pelo consórcio Sterlite Brazil Participações por R$ 22 milhões, com deságio de 26,52% em relação ao valor de referência de R$ 29.941.042,18. A finalidade deste lote é a de aumentar a capacidade de transmissão e atendimento às cargas no estado do Sergipe.

O Lote 6, com potência de 600 MVA, no município de Guarulhos, em São Paulo, foi vendido por R$ 13,4 milhões para a CTEEP, com deságio de 59,21% em relação ao valor de referência de R$ 32.932.281,21.

O Lote 7, que deve atender ao crescimento de carga na região Sudeste do Pará, com potência de 450 MVA, foi arrematado pelo Consórcio Engie Brasil Transmissão, por R$ 6.484.596,00, o que representa um deságio de 59,9% com relação à RAP de R$ 16.171.062,27

O Lote 8, com extensão de 11 km, em Rondônia, e finalidade de integrar o Humaitá ao SIN, dando aumento da capacidade de atendimento à região de Porto Velho, ficou com a empresa Centrais Elétricas do Norte do Brasil que pagou R$ 12.252.258,58. O deságio foi de 38,57% com relação a RAP de R$ 19.946.015,82.

O Lote 9, que tem extensão de 505 km no Mato Grosso e Pará, para suprir as regiões de Cláudia e Novo Progresso e valor de referência de R$ 130.666.279,71, foi arrematado pela Sterlite Brazil Participações por R$ 87,6 milhões , com deságio de 32,96%.

O vencedor do Lote 10, com extensão de 159 km, em Santa Catarina, para atendimento elétrico à Região Oeste do estado de Santa Catarina e região Sudeste, bem como garantir o controle de tensão no Sistema de São Paulo, foi a Taesa com o valor de R$ 18,7 milhões, o que gerou um deságio de 47,96 % sobre o valor de referência que era de R$ 36.104.540,82.

O Lote 11, com extensão de 291 km no Mato Grosso do Sul, com potência de 300 MVA foi arrematado por R$ 38,2 milhões pela Neoenergia S.A.. Com relação ao valor de referência de R$ 70.406.099,76, o deságio foi de 45,74%.

O Lote 12, com extensão de 13 km e atendimento à região metropolitana de Manaus, no Amazonas, e valor de referência de R$ 32.306.394,47, foi vencido para Energisa Transmissão de Energia, pelo valor de R$ 17,6 milhões, com deságio de 45,26%.

O Lote 13, que fica no Acre foi vencido por R$ 22,4 milhões. Nesse caso, no qual a finalidade é o controle de tensão no sistema elétrico do estado do Acre, o valor de referência era de R$ 32.500.233,13 e o deságio foi de 31%, oferecido pelo Consórcio Norte.

Por Flávia Albuquerque

CN

Rio de Janeiro confirma sexto caso de varíola dos macacos

Rio de Janeiro confirma sexto caso de varíola dos macacos

Subiu para seis os casos confirmados de monkeypox no estado do Rio de Janeiro. Cinco são pacientes da capital, incluindo o primeiro, que veio de Londres para a cidade; e um em Maricá, na região metropolitana do Rio.

Este sexto caso foi confirmado na noite dessa quarta-feira (29) pela Secretaria de Estado de Saúde. Ao todo, 31 casos suspeitos da doença já foram notificados no estado. Oito seguem em investigação e 17 foram descartados.

Em todo o país, segundo informou o Ministério da Saúde nesta quinta-feira (30), os casos confirmados de monkeypox chegam a 37: 28 em São Paulo, dois no Rio Grande do Sul, um em Minas Gerais e os seis no Rio de Janeiro.

A Fundação Oswaldo Cruz já concluiu o sequenciamento genético do vírus monkeypox. A coleta foi feita em uma amostra do primeiro caso positivo confirmado em meados deste mês de junho no Rio de Janeiro.

O vírus encontrado no paciente pertence ao grupo genético com a maior circulação atualmente e é responsável pelo surto que já atingiu mais de 40 países e infectou pelo menos 4.700 pessoas.

Fonte: Leila Santos/ Renata Batista

CN

Brasil visita Uruguai pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de Basquete

Penúltimo jogo da 1ª fase será nesta quinta, às 20h10, em Montevidéu.

AOs jogos contra Uruguai e Colômbia, fora de casa, que encerram a primeira fase das eliminatórias da Copa do Mundo de basquete masculino, são o começo de uma sequência de compromissos que a seleção brasileira terá pela frente até o fim do ano, decisivos para o calendário de 2023. O time de Gustavo de Conti pode encerrar a temporada classificado – ou com a vaga encaminhada – ao Mundial, que será realizado em Japão, Filipinas e Indonésia, além de assegurado nos Jogos Pan-Americanos de Santiago (Chile).

O duelo contra os uruguaios será nesta quinta-feira (30), às 20h10 (horário de Brasília), em Montevidéu. No domingo (3), às 21h40, os adversários serão os colombianos, em Barranquilla. Com vitórias nos quatro jogos anteriores e oito pontos (dois por triunfo), o Brasil lidera o Grupo B, já está garantido na segunda fase, mas sabendo que vencer os dois compromissos é fundamental a longo prazo, pois as seleções carregam a pontuação da primeira fase para a seguinte.

Os três melhores times da chave passam de fase. O Uruguai também está garantido, enquanto Chile e Colômbia brigam pela terceira vaga. Na próxima etapa, essas seleções (que não voltarão a se enfrentar) estarão no grupo de México, Porto Rico e Estados Unidos, contra quem atuarão em jogos de ida e volta. Quatro rodadas serão disputadas entre agosto e novembro e duas finais em  fevereiro do ano que vem.

Neste momento, o Brasil iniciaria a segunda fase com a melhor campanha da nova chave. Um segundo grupo reunirá mais seis seleções (Venezuela, Argentina, Canadá e República Dominicana estão assegurados até agora). Os três primeiros de cada, mais o melhor quarto colocado, classificam-se para o Mundial.

“É importantíssimo sairmos com as duas vitórias, contra Uruguai e Colômbia, para mantermos essa vantagem e chegarmos com confiança e moral [na próxima fase]”, destacou o pivô Lucas Mariano.”

Armador Marcelinho Huertas é o mais experiente entre os 14 convocados pelo técnico Gustavo de Conti para os duelos pelas Eliminatórias (Uruguai e Colômbia) e AmeriCup – Thierry Gozzer/CBB/Direitos Reservados

“Na próxima fase, enfrentaremos rivais muito difíceis. Estamos com alguns desfalques [como o armador Yago, que defenderá a seleção sub-23 em um torneio no Canadá] para esses jogos fora de casa. O Uruguai, por exemplo, veio com força máxima, com jogadores que atuam na Europa, mas nossa equipe está muito boa, competitiva, para tentarmos ganhar esses dois jogos”, completou o armador Marcelinho Huertas, o mais experiente dos 14 atletas convocados por Gustavo de Conti, que se prepararam, durante a última semana, no ginásio Antônio Prado Júnior, do Paulistano, em São Paulo.

Em meio às rodadas da segunda etapa das eliminatórias, o Brasil será anfitrião da edição 2022 da AmeriCup. A Copa América da modalidade será disputada entre 2 a 11 de setembro, em Recife e Brasília, com 12 equipes separadas em três chaves. Os brasileiros dividem o Grupo A com Uruguai, Colômbia e Canadá. Os dois primeiros colocados, além dos dois melhores terceiros, passam às quartas de final. As sete melhores seleções garantem lugar no Pan.

Lucas Mariano, pivô da seleção (camisa~28), foi campeão pelo Sesi Franca na edição 2021/22 do Novo Basquete Brasil (NBB) , assim como Lucas Mariano e Lucas Dias – Fiba/Divulgação

O Brasil vem de três campanhas abaixo na competição, da qual é tetracampeão e não conquista desde 2009. O décimo lugar na última edição, em 2017, com um grupo reformulado em relação ao da Olimpíada do Rio de Janeiro, um ano antes, custou o lugar no Pan de Lima, em 2019. Foi a primeira vez na história que a seleção ficou fora do torneio.

As convocações dos demais jogos das eliminatórias e da AmeriCup podem não ser as mesmas, mas a expectativa é que boa parte dos nomes se repitam. Casos do trio campeão do último Novo Basquete Brasil (NBB) pelo Sesi Franca, formado por Lucas Mariano, pelo ala-pivô Lucas Dias e pelo armador Georginho. Se isso acontecer, eles praticamente não terão férias até o começo da próxima temporada da liga nacional, em outubro.

“Tenho falado isso com o Lucas e o George: a gente escolheu estar aqui [com a seleção]. A gente quer representar bem nosso país. É uma honra e queremos dar valor a isso. Depois a gente terá um tempinho [de folga] aí, mas o foco, agora, é esse, na felicidade e prazer de vestir essa camisa”, concluiu Mariano.

Por Lincoln Chaves

CN

Daniella Marques assume a presidência da Caixa após denúncias contra Pedro Guimarães

Daniella era secretária especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia; Guimarães pediu demissão

Daniella Marques será a nova presidente da Caixa Econômica Federal. Braço direito do ministro Paulo Guedes, ela era secretária especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia e assume o posto no lugar de Pedro Guimarães em meio a acusações de assédio sexual no banco. A mudança foi confirmada em edição extra do Diário Oficial da União. 

Formada em administração pela PUC (Pontifícia Universidade Católica) do Rio de Janeiro e com MBA em finanças pelo IBMEC, ela atuou por 20 anos no mercado financeiro, na área de gestão independente de fundos de investimento. Marques ainda foi sócia-fundadora e diretora de fundos de investimento antes de ingressar no governo.

Em 2019, ela era chefe da Assessoria Especial de Assuntos Estratégicos de Guedes e, em fevereiro deste ano, assumiu a Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade, em substituição a Carlos da Costa. Guedes teve influência na indicação de Daniella Marques ao cargo. A reportagem busca contato com ela.

Demissão de Pedro Guimarães

O economista Pedro Guimarães pediu demissão da presidência da Caixa Econômica nesta quarta-feira (29), após denúncias de assédio sexual. O Ministério Público Federal (MPF) investiga os casos, que teriam ocorrido com funcionárias do banco.

De acordo com fontes ouvidas no MPF, as diligências ocorrem sob sigilo na Procuradoria da República no Distrito Federal, já que Guimarães não tem foro privilegiado. Conforme apontam as denúncias, os assédios ocorreram durante viagens para tratar de projetos da Caixa.

As diligências estão na fase de coleta dos depoimentos, e Guimarães ainda deve ser chamado para participar de uma oitiva. O MPF apura se ele se valeu do cargo que ocupa, desde o início do mandato de Jair Bolsonaro, para coagir funcionárias.

Entre os relatos, existem acusações de aproximação física e toques indesejados. Pedro já é alvo de um processo por constranger funcionários quando os obrigou a realizar flexões no horário de trabalho.

Investigação

Pedro Guimarães estava na presidência da Caixa por três anos e seis meses no cargo. O MPF investiga Guimarães em denúncias de assédio sexual. As acusações foram reveladas pelo portal Metrópoles. De acordo com a apuração, os casos teriam ocorrido com empregadas do próprio banco. Em entrevista ao site, as mulheres relataram que se sentiram abusadas pelo economista em diversas ocasiões, sempre em eventos ou viagens de trabalho.

Há denúncias de aproximação física e toques indesejados. As investidas teriam ocorrido durante viagens realizadas por Pedro Guimarães e funcionários do banco, especialmente em ações do Caixa Mais Brasil, programa criado pelo executivo para dar visibilidade à Caixa em todo o país.

Em evento do banco para o Plano Safra de 2023, a primeira aparição pública após a divulgação de que ele é investigado por suposto assédio sexual a funcionárias da Caixa, Guimarães agradeceu à mulher, Manuella Guimarães, que estava na plateia, e aos funcionários do banco e disse que sua vida é pautada pela “ética”.

“Tenho muito orgulho do trabalho de todos vocês e da maneira como sempre me pautei em toda a minha vida. Quero agradecer a presença de todos vocês, da minha esposa. São quase 20 anos juntos, dois filhos e uma vida inteira pautada pela ética.”

Leia a carta de demissão de Pedro Guimarães

“À população brasileira e, em especial, aos colaboradores e clientes da CAIXA:

A partir de uma avalanche de notícias e informações equivocadas, minha esposa, meus dois filhos, meu casamento de 18 anos e eu fomos atingidos por diversas acusações feitas antes que se possa contrapor um mínimo de argumentos de defesa. É uma situação cruel, injusta, desigual e que será corrigida na hora certa com a força da verdade.

Foi indicada a existência de um inquérito sigiloso instaurado no Ministério Público Federal, objetivando apurar denúncias de casos de assédio sexual, no qual eu seria supostamente investigado. Diante do conteúdo das acusações pessoais, graves e que atingem diretamente a minha imagem, além da de minha família, venho a público me manifestar.

Ao longo dos últimos anos, desde a assunção da Presidência da CAIXA, tenho me dedicado ao desenvolvimento de um trabalho de gestão que prima pela garantia da igualdade de gêneros, tendo como um de seus principais pilares o reconhecimento da relevância da liderança feminina em todos os níveis da empresa, buscando o desenvolvimento de relações respeitosas no ambiente de trabalho e por meio de meritocracia.

Como resultados diretos, além das muitas premiações recebidas, a CAIXA foi certificada na 6ª edição do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), além também de ter recebido o selo de Melhor Empresa para Trabalhar em 2021 – Great Place To Work®️, por exigir de seus agentes e colaboradores, em todos os níveis, a observância dos pilares Credibilidade, Respeito, Imparcialidade e Orgulho.

Essas são apenas algumas das importantes conquistas realizadas nesse trabalho, sempre pautado pela visão do respeito, da igualdade, da regularidade e da meritocracia, buscando oferecer o melhor resultado para a sociedade brasileira em todas as nossas atividades.

Na atuação como Presidente da CAIXA, sempre me empenhei no combate a toda forma de assédio, repelindo toda e qualquer forma de violência, em quaisquer de suas possíveis configurações. A ascensão profissional sempre decorre, em minha forma de ver, da capacidade e do merecimento, e nunca como qualquer possibilidade de troca de favores ou de pagamento por qualquer vantagem que possa ser oferecida.

As acusações noticiadas não são verdadeiras! Repito: as acusações não são verdadeiras e não refletem a minha postura profissional e nem pessoal. Tenho a plena certeza de que estas acusações não se sustentarão ao passar por uma avaliação técnica e isenta.

Todavia, não posso prejudicar a instituição ou o governo sendo um alvo para o rancor político em um ano eleitoral. Se foi o propósito de colaborar que me fez aceitar o honroso desafio de presidir com integridade absoluta a CAIXA, é com o mesmo propósito de colaboração que tenho de me afastar neste momento para não esmorecer o acervo de realizações que não pertence a mim pessoalmente, pertence a toda a equipe que valorosamente pertence à CAIXA e também ao apoio de todos as horas que sempre recebi do Senhor Presidente da República, Jair Bolsonaro.

Junto-me à minha família para me defender das perversidades lançadas contra mim, com o coração tranquilo daqueles que não temem o que não fizeram.

Por fim, registro a minha confiança de que a verdade prevalecerá.”

Nota

A Caixa confirmou que recebeu denúncias de assédio e informou que estava investigando o caso desde maio deste ano. Em comunicado divulgado para a imprensa na noite desta quarta-feira (29), o banco destacou que o tema vinha sendo tratado de forma interna e em sigilo.

“A Caixa repudia qualquer tipo de assédio e informa que recebeu, por meio do seu canal de denúncias, relatos de casos desta natureza na instituição. A investigação corre em sigilo, no âmbito da Corregedoria, motivo pelo qual não era de conhecimento das outras áreas do banco”, divulgou.

O banco ainda afirmou na nota que fez contato com a pessoa que realizou a denúncia e promoveu “diligências internas que redundaram em material preliminar”. Esse material está em processo de avaliação. “Portanto, a Corregedoria admitiu a denúncia e deu notícia ao/à denunciante, se colocando à inteira disposição para colher o seu depoimento, mantendo seu anonimato.”

Fonte: R7

CN

Brasil lança nova campanha de incentivo à vacinação

Meta é reverter queda de índices de vacinação de diversas doenças

Todas vacinas oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) são testadas, aprovadas e seguras; e notícias falsas devem ser desmentidas porque levam muitas pessoas à morte. Tendo por base esses princípios, foi lançada hoje (29), em Brasília, a campanha de incentivo à vacinação “Vacina Mais”, promovida pela Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas e OMS), em parceria com conselhos de saúde de âmbito nacional, estadual e municipal.

“Estamos trabalhando para desfazer falsas notícias que levam à morte”, disse o presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Fernando Pigatto, durante a cerimônia de lançamento da nova campanha, que conta, também, com as parcerias do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

Segundo o CNS, o Brasil é um dos “poucos países que oferecem um extenso rol de vacinas gratuitas à sua população”, com um Programa Nacional de Imunizações (PNI) que disponibiliza anualmente cerca de 300 milhões de vacinas contra mais de 30 doenças em aproximadamente 38 mil salas de vacinação espalhadas pelo território nacional.

O Conselho Nacional de Saúde reafirmou que a vacinação “é uma das intervenções de saúde pública mais eficazes, custo-efetivas e que salvam vidas”. O objetivo da campanha é o de “unir esforços para conscientizar a população do Brasil sobre a importância de aumentar a cobertura vacinal”.

Direito e responsabilidade

Segundo a representante da Opas no Brasil, Socorro Gross, a campanha chama atenção para a necessidade de que as pessoas se vacinem “mais do que estão fazendo hoje”. “Ela mostra também que esse “Mais” – usado na campanha – simboliza a soma de esforços que precisamos para alcançar o aumento da cobertura de vacinação para termos pessoas mais saudáveis”, enfatizou.

Acrescentou que “a campanha destaca, também, que as vacinas estão disponíveis gratuitamente pelo grandioso SUS em todos estados e municípios brasileiros para que as pessoas façam uso desse direito, o que envolve também responsabilidades”.

Segundo Gross, as vacinas são “uma das medidas de saúde pública mais efetivas”, sendo, portanto, necessário que continuem sendo “um bem público mundial que não pode ser retirado da população porque mantém todos saudáveis, ajudando-nos a eliminar doenças”. “As vacinas salvam vidas, são seguras e previnem enfermidades, além de proteger comunidades mais vulneráveis”, complementou.

Queda de cobertura

O CNS lembra que, graças às vacinas, a varíola foi erradicada do mundo em 1980. “E a região das Américas foi a primeira do planeta a eliminar doenças como poliomielite (em 1994), rubéola e síndrome da rubéola congênita (em 2015) e tétano neonatal (em 2017)”, destacou.

No entanto, segundo Fernando Pigatto, a alta taxa de cobertura vacinal vem caindo nos últimos anos, deixando milhões de pessoas em risco.

De acordo com o Ministério da Saúde, entre 2015 e 2021 o número de crianças vacinadas com a primeira dose contra a poliomielite caiu de 3.121.912 para 2.089.643. Já para a terceira dose, no mesmo período, os números reduziram de 2.845.609 para 1.929.056. Com isso, a cobertura vacinal contra esta doença recuou, no período, de 98% para 67%.

Para o CNS, a imunização insuficiente resultou também no retorno do sarampo ao Brasil. “O país havia ficado livre da transmissão autóctone [que ocorre dentro do território nacional] do vírus causador dessa doença em 2016. Porém, a combinação de casos importados de sarampo e a baixa cobertura vacinal levaram o Brasil a ter um surto, que, desde 2018, tirou a vida de 40 pessoas, principalmente crianças”, frisou o CNS.

“Vacina Mais”

Por meio da campanha “Vacina Mais”, o conselho pretende motivar a população a ampliar o uso desse tipo de imunizante, levando a diferentes públicos informações relevantes sobre a segurança, importância e efetividade de todas as vacinas disponibilizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Calendário Nacional de Vacinação.

Em seu pronunciamento, o ministro da Saúde substituto, Daniel Pereira, destacou que, graças ao esforço conjunto envolvendo as autoridades de saúde nos âmbitos federal, estadual e municipal é que foi possível distribuir mais de 500 milhões de doses de vacinas para o combate à pandemia.

“Cada brasileiro que quis se vacinar teve uma vacina à sua disposição onde quer que fosse. A vacina foi o que nos permitiu chegar, hoje, a um cenário muito mais tranquilo do que no passado, quando faltavam leitos nos hospitais do país”, disse Pereira.

“Mas isso não quer dizer que estejamos em um ambiente de normalidade. A pandemia está aí e temos de ficar atentos”, finalizou.

Fonte: Kleber Sampaio A/B

CN

Em meio a cenário global terrível, Guedes garante que Brasil vai pelo caminho oposto e reagiu “fulminantemente” à crise

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira (28) que, em meio a um cenário global marcado por desaceleração e recessão, o Brasil vai pelo caminho oposto, com crescimento próximo de 2% em 2022, e de 3% a 4% nos anos seguintes.

A afirmação foi feita durante a abertura do Painel Telebrasil Summit 2022, em Brasília.

Segundo o ministro, estão sendo planejadas medidas visando a reduções significativas de tributos que incidem nos setores industriais, o que deverá compensar a perda de poder aquisitivo dos cidadãos, além de favorecer um novo ciclo de investimentos no país.

No discurso, Guedes descreveu cenários extremamente pessimistas para o exterior e muito otimistas no âmbito interno. “

“A inflação começou a subir nos Estados Unidos e vamos ter de conviver com isso. Os Estados Unidos passaram por um longo ciclo de crescimento que chegou ao fim, enquanto nós, no Brasil, estamos saindo do centro de reabilitação, iniciando um ciclo de crescimento anual de 3% a 4 %, que será por vários anos, se continuarmos nesse ritmo”, disse.

E acrecentou:

“Agora, não se assustem com os problemas lá de fora. Teremos alta de inflação nos Estados Unidos e teremos recessão. O barulho será ensurdecedor. Mas não para a economia brasileira, que é uma das mais fechadas do mundo. Faremos agora a reindustrialização do Brasil”.

E complementou:

“Vamos crescer 1,7%, devendo quase chegar a 2% [em 2022]. Diziam que o mundo ia crescer 5% e reviram. Já estão falando que vai haver recessão. Eles estão só começando a enfrentar os problemas. Nós já conseguimos atravessar a onda e vamos crescer, com desemprego e inflação caindo”.

“O Brasil reagiu fulminantemente, e vamos continuar reagindo (…).”

Fonte: JCO

CN
1 2 3 220