Prefeitura de Porto Velho amplia frota do transporte coletivo

Ampliação busca atender aos mais de 40 mil usuários do serviço

A demanda pelo transporte coletivo em Porto Velho tem registrado aumento no último ano. Para acompanhar esse crescimento, a Prefeitura ampliou o número de veículos. A frota conta, atualmente, com 86 ônibus divididos em 28 linhas para melhor atender aos 40 mil usuários diários.

A Secretaria Municipal de Trânsito, Mobilidade e Transporte (Semtran) exige da empresa responsável pela concessão a manutenção da qualidade e ampliação da frota. “Há uma demanda crescente, pois a população começou a migrar para o coletivo e nós precisamos responder a essa demanda”, considerou a diretora do Departamento de Transportes, Rosana Matos.

Segundo a diretora, o contrato é claro sobre as condições que os veículos devem oferecer para a prestação do serviço. A média de tempo de uso da frota deve ser de cinco anos e a idade máxima dos ônibus deve ser de 10 anos.

Além disso, os veículos devem, entre outras especificidades, oferecer rede wi-fi, ar-condicionado e acessibilidade com rampa para cadeirantes. “Nós temos um setor específico de fiscalização para acompanhar esse tipo de demanda e o transporte coletivo tem sido um dos mais fiscalizados para melhor atender”, declarou Rosana Mota.

Para denúncias e sugestões, a população pode ligar para a Ouvidoria no número 0800-647-5100, ou pelo e-mail dtr.semtran@gmail.com. “Durante a semana é feito o planejamento para as equipes fiscalizarem cada modal a que somos responsáveis, seja o coletivo, ou qualquer outro de nossa competência, como táxi e até mesmo os funerários”, completou.

CITTAMOBI

Uma dica muito útil para os usuários do transporte público coletivo é a utilização do aplicativo Cittamobi. Nele é possível acompanhar o itinerário de cada linha, saber qual linha atende ao destino desejado, os horários e os pontos de abrigo mais próximos de acordo com a sua localização.

Fonte: Comdecom

CN

Senado aprova ampliar atenção à mulher na prevenção ao câncer pelo SUS

Texto segue para sanção presidencial

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (29), por unanimidade, o projeto que amplia o atendimento de atenção integral à mulher pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na prevenção e no tratamento dos cânceres do colo uterino, de mama e colorretal. O texto segue para sanção da Presidência da República.

A proposta determina que a mamografia, a citopatologia e a colonoscopia sejam realizadas pelo SUS a todas as mulheres a partir da puberdade e não mais a partir dos 40 anos ou com o início da vida sexual. Até então, a legislação estabelecia que fossem feitas mamografias nas mulheres a partir dos 40 anos de idade.

Para o relator, senador Marcelo Castro (MDB-PI), a proposta permitirá às mulheres o acesso à mamografia, à citopatologia e à colonoscopia em tempo hábil para prevenir o surgimento desse tipo de doenças.

“A prevenção, o diagnóstico e o tratamento precoces dessas doenças ajudam a evitar ou minimizar os impactos devastadores que tais patologias podem causar na vida das mulheres e de suas famílias, ao mesmo tempo em que geram economia de recursos para o SUS, ao evitar tratamentos mais longos e complexos, além de mais inefetivos”, justificou o congressista.

Castro defendeu ainda a inclusão do câncer colorretal no projeto, ao ser analisado pela Câmara dos Deputados. Segundo o parlamentar, esse tipo de câncer apresenta grande incidência na população feminina, especialmente nas regiões Sudeste e Sul. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), ele ocupa o segundo lugar em termos de incidência entre as mulheres.

“Além de incluir a atenção ao câncer colorretal entre as ações previstas pela lei, o projeto emendado pela Câmara dos Deputados promove outras alterações relevantes, como a garantia de acesso à colonoscopia e a eliminação de referências etárias e ao início da atividade sexual como marcos a serem observados para fins de assegurar, respectivamente, o acesso aos exames mamográfico e citopatológico”, explicou o relator.

O texto estabelece ainda o início da puberdade como o critério a ser considerado para fins de acesso aos exames diagnósticos dos cânceres de que trata a lei. 

Fonte: Fábio Massalli A/B

CN

Porto Velho recorre a concessão comum para ampliar saneamento básico na capital e distritos

Objetivo é levar água tratada e esgotamento sanitário a 95% da população do município

O mais recente levantamento do Instituto Trata Brasil, divulgado na terça-feira (22), revelou a urgência de investimento em saneamento básico em Porto Velho. Hoje, o município está na fase final das audiências públicas que discutem os estudos de universalização de água tratada e esgotamento sanitário na capital e nos distritos.

Segundo o levantamento de 2022, Porto Velho é hoje a penúltima colocada no ranking geral que avalia as 100 maiores cidades do país, que juntas concentram cerca de 40% da população brasileira. No geral, o país registrou melhora na maioria dos indicadores, mas num ritmo abaixo do necessário.

Esse cenário resume bem o baixo progresso que Porto Velho registrou em mais de um século de história. O que obrigou a atual gestão municipal a recorrer a uma concessão comum com investimento na ordem de R$ 2,5 bilhões e sem qualquer gasto por parte da Prefeitura.

A decisão se deu após a falta de atendimentos de metas estabelecidas no contrato de programa que foi reeditado em 2009 junto à Companhia de Águas e Esgotos do Estado de Rondônia (Caerd), que na prática não conseguiu universalizar os serviços de água tratada e esgotamento sanitário na capital.

“O histórico centenário de Porto Velho nos motivou a recorrer a essa modalidade de contratação. Precisamos de urgência e eficiência para resolver esse cenário de uma vez por todas. Estamos falando de cidadania e de qualidade de vida à nossa população”, explica o prefeito em exercício, Maurício Carvalho.

SOLUÇÃO

O último levantamento revela que as cidades com os piores indicadores, concentradas principalmente nas regiões Norte e Nordeste e no Estado do Rio de Janeiro, gastam muito menos do deveriam para resolver o problema.

Pensando nisso, Porto Velho recorre a uma concessão comum de modo a solucionar o saneamento básico sem empenhar recursos dos cofres públicos do município. “Não se trata de privatização, mas viabilizar uma nova concessão a um serviço primordial e que esteve deficiente nas últimas décadas”, observa o secretário-executivo do Conselho Gestor de Parceria Público-Privada (PPP), Márcio Freitas Martins.

Ao analisar a relação dos municípios mais bem colocados, o Instituto Trata Brasil revela que outras regiões do país são historicamente mais bem-sucedidas na implementação de políticas públicas e no estabelecimento de metas do que outras.

Esse cenário fez o Congresso Nacional, no último ano, aprovar o novo marco do saneamento básico, permitindo que os municípios recorram a concessões junto à iniciativa privada, como fez Porto Velho.

“Quando analisamos as mudanças e evoluções em relação ao saneamento básico no Brasil percebemos que teríamos todas as condições de mudar a realidade de Porto Velho. Vamos levar água tratada e esgotamento sanitário sem comprometer nossos recursos e ainda ter a certeza de que as obras serão concluídas no tempo necessário”, explica o presidente do Conselho Gestor e secretário-geral de governo, Fabricio Jurado.

HISTÓRICO

As tratativas para o início do projeto iniciaram em 2017, na primeira gestão de Hildon Chaves, quando o município decidiu que levaria água e esgotamento sanitário ao núcleo urbano e também aos distritos. Em 2018, o município lançou o primeiro Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) sobre o assunto.

O projeto de soluções contempla estudos técnico, econômico-financeiro e jurídico que podem ser consultados pela população. A divulgação atraiu três das maiores empresas do ramo na América Latina. Em setembro de 2021, a Prefeitura anunciou a seleção do melhor estudo, que segue disponível para consulta pública (inserir).

Na quarta-feira (23), a Prefeitura realiza a segunda e última audiência pública para discussão dos estudos junto aos líderes e presidentes de bairros, conselhos e administradores de distritos. O objetivo é esclarecer cada fase do processo e o papel do município na execução do serviço.

Após a segunda audiência, será publicado o edital de licitação da obra. O último encontro acontece no Teatro Banzeiros, das 15h às 19h, podendo também ser acompanhado de forma virtual pela página da Prefeitura no YouTube.

Fonte: Comdecom

CN

Prefeitura amplia uso de teste e novo tratamento para malária em Porto Velho

Novo protocolo fará parte da rotina de 26 unidades básicas de saúde da capital

A segunda fase do estudo de implementação do teste G6PD e do medicamento tafenoquina, respectivamente utilizados para o diagnóstico e tratamento da malária do tipo vivax, chega à rede municipal de saúde. Agora, são 26 unidades de saúde de Porto Velho que disponibilizam o novo protocolo de tratamento para pacientes.

A tafenoquina é um medicamento de dose única para tratamento e prevenção de recaídas em pacientes com malária por plasmodium vivax e já foi aprovada pela Anvisa.

Nos pacientes em que o medicamento foi ministrado, se observou uma redução na duração do tratamento da malária em comparação ao tratamento padrão. O Brasil é pioneiro no uso deste novo regime de tratamento em larga escala.

O Ministério da Saúde utilizará os dados resultantes da utilização do novo tratamento para decidir quando e se este protocolo será implantado em todo o país por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

A análise dos primeiros tratamentos realizados revelou que os pacientes tratados para malária por plasmodium vivax em hospitais e policlínicas de Manaus e Porto Velho foram adequadamente tratados com a tafenoquina, tendo, como base, os resultados do teste G6PD.

CONSULTA

Em janeiro deste ano, após consulta às autoridades de saúde locais, o Ministério da Saúde autorizou a expansão dos testes de G6PD e uso da tafenoquina no município.

Conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o plasmodium vivax é o parasita da malária predominante na região das Américas, representando 75% dos casos notificados, e mais de 80% no Brasil.

INÍCIO

O município concluiu a primeira fase de utilização do teste de G6PD (que mede a quantidade de glicose-6-fosfato desidrogenase nas hemácias) e uso da tafenoquina entre os meses de setembro e dezembro de 2021. O trabalho aconteceu nas UPAs Leste e Sul, Policlínica Ana Adelaide e no Centro de Pesquisa em Medicina Tropical (Cepem).

“Realizamos capacitação dos servidores que atuam diretamente no diagnóstico e tratamento de malária. Eles estão habilitados para realizar o teste e prescrever o tratamento aos pacientes”, destaca Rosilene Ruffato, técnica do agravo da malária da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa).

Os resultados da primeira fase foram positivos. Os pesquisadores do Comitê Independente de Supervisão do Estudo (CISE), responsáveis pela avaliação, concluíram que os pacientes foram adequadamente tratados com a tafenoquina com base nos resultados do teste G6PD.

SEGUNDA FASE

Nesta etapa, os profissionais dos serviços de saúde da malária novamente se reúnem para recapitular assuntos abordados nas capacitações, como o uso correto do teste G6PD e seleção do tratamento mais adequado para os pacientes.

“Este segundo momento servirá para ampliar o esclarecimento de dúvidas e prática da execução do teste de G6PD”, frisa a técnica.

O tratamento e o teste de G6PD passará a ser feito também nas unidades básicas de saúde Vila Dnit, Vila Princesa, José Adelino, Nova Califórnia, Ronaldo Aragão, São Carlos, Mutum Paraná, Vila Extrema, Vista Alegre do Abunã, Jacy Paraná, União Bandeirantes, Fortaleza do Abunã, Abunã, Benjamin Silva, Jamary, Maria Nobre da Silva, Cujubim Grande, Palmares, Agrovila, Rio das Garças, Rio Pardo, Demarcação, Nazaré, São Carlos, Nova Mutum e Vale do Jamary.

MEDICAMENTO

O novo medicamento é uma primeira linha de tratamento que substitui o uso da primaquina, ministrada conjuntamente com a cloroquina, em pacientes com monoinfecção de malária por plasmodium vivax, com idade igual ou superior a 16 anos, não gestantes ou lactantes.

Fonte: Semusa

CN

EUA podem ampliar tropas no leste europeu se Rússia atacar Ucrânia

Fonte da Casa Branca diz que país pode enviar reforços para a região se aliados pedirem, mas confronto direto não é ‘prioridade’

Os Estados Unidos “responderão afirmativamente” a seus aliados da Europa Oriental se estes solicitarem uma maior presença militar em caso de um ataque russo à Ucrânia, disse na segunda-feira (6) um alto funcionário da Casa Branca.

“Haveria uma maior demanda de nossos aliados” no leste europeu para aumentar a presença de “tropas, capacidades e exercícios” em face de qualquer intervenção do Exército russo e, neste caso, os “Estados Unidos responderiam afirmativamente”, detalhou a fonte.

Contudo, o alto funcionário deixou claro que, neste momento, Washington descartava uma resposta militar direta em caso de ataque contra a Ucrânia.

“Os Estados Unidos não querem estar em uma posição na qual o uso direto das forças americanas seja o cerne de nosso pensamento”, enfatizou a fonte.

Washington pretende se concentrar em “uma combinação” de “apoio ao Exército ucraniano”, “fortes sanções econômicas” e “aumento substancial de apoio e das capacidades com os aliados da Otan”, em caso de conflito na Ucrânia.

O presidente americano, Joe Biden, se reunirá com o chefe de Estado ucraniano, Volodymyr Zelensky, “nos dias seguintes” a seu contato com o presidente russo, Vladimir Putin, informou o alto funcionário da Casa Branca, que também assinalou que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, manteria uma conversa com Zelensky nesta segunda.

Biden também se reunirá hoje “com aliados-chave da Europa para coordenar a mensagem” que será enviada por videoconferência a Putin nesta terça-feira (7), e para mostrar que encara esta conversa “em unidade com os aliados e em forte solidariedade transnacional”.  

Sem ‘avanços’

O Kremlin, por sua vez, adiantou hoje que não esperava “avanços” durante a reunião virtual com a Casa Branca. 

Está previsto que a conversa entre Biden e Putin — que se reuniram em junho em Genebra, na Suíça, e depois mantiveram conversas telefônicas em janeiro, abril e julho — gire em torno da Ucrânia, principalmente.  

Kiev e seus aliados acusam a Rússia de ter concentrado tropas e veículos blindados em sua fronteira oeste com a intenção de atacar a Ucrânia.

“Nós não sabemos se o presidente Putin já tomou uma decisão sobre uma eventual escalada militar na Ucrânia. Mas sabemos que ele já iniciou as capacidades para lançar tal escalada”, disse uma fonte americana.

Moscou, por sua vez, nega qualquer intenção belicosa, mas planeja algumas exigências, em particular um compromisso de que Ucrânia não se juntará à Otan, como fez com um grande número de países do antigo bloco soviético.

Nem Kiev, nem os Estados Unidos têm a intenção de assumir tal compromisso, apesar de que, na prática, o processo de adesão da Ucrânia à aliança militar, mesmo que esteja oficialmente aberto, parece congelado.

Além disso, o presidente democrata de 79 anos jamais mediu suas palavras em se tratando de Putin, pois já duvidou que o líder russo tivesse “alma” e, inclusive, o chamou de “assassino” em público.

Biden também quer se mostrar como o paladino da democracia no mundo, uma posição que será difícil de manter se os Estados Unidos fecharem os olhos para um novo ataque da Rússia contra a Ucrânia.

Não obstante, o presidente americano espera, ou pelo menos esperava até agora, estabelecer uma relação “estável e previsível” com Moscou.

Putin, por sua vez, deseja confirmar a posição da Rússia como uma potência no jogo geopolítico mundial, que hoje está dominado pela rivalidade entre China e Estados Unidos.

Desde 2014, a Ucrânia trava uma guerra contra milícias separatistas pró-Rússia na região de Donbass, no extremo leste do país, que já deixou mais de 13.000 mortos entre tropas governamentais e rebeldes, enquanto Moscou é acusada pelo Ocidente de envolvimento no conflito.

Os enfrentamentos começaram após a anexação militar da Península da Crimeia pela Rússia.

Fonte: R7

CN

Goebel solicita ampliação do quadro de vagas para consultas oftalmológicas e cirurgias de Catarata em São Miguel do Guaporé

Conforme o deputado estadual, as vagas disponibilizadas não tem sido suficiente para atender a demanda.

Preocupado com a preservação da saúde ocular dos rondonienses, o deputado estadual Luizinho Goebel (PV) solicitou ao Governo de Rondônia, a abertura de mais vagas para consultas oftalmológicas e cirurgias de Catarata, no município de São Miguel do Guaporé.

No documento, o parlamentar pede para que a Secretaria do Estado de Saúde – SESAU/RO disponibilize mais consultas oftalmológicas através do Sistema Único de Saúde – SUS no município, uma vez que as vagas disponibilizadas não tem sido suficiente para atender a demanda, devido ao grande número de idosos que precisam do serviço.

Para o deputado Luizinho Goebel, a parceria entre as unidades de saúde é de fundamental importância para descentralizar e suprir a elevada demanda de pacientes afetados por essas enfermidades, bem como de idosos de baixo poder aquisitivo, já que a grande maioria são aposentados e pensionistas que recebem um salário mínimo para sua sobrevivência e não possuem plano de saúde nos hospitais particulares.

“É sabido que já foi iniciado este serviço, mas as vagas disponibilizadas não têm sido suficientes para atender à população, sendo assim foi necessário fazer tal solicitação para o Governador e a Secretaria de Saúde”, destacou o parlamentar. 

Texto: Assessoria

CN

TSE amplia participação em teste de segurança das urnas eletrônicas

Número máximo foi ampliado de10 para 15 participações

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou hoje (26) as regras para o sexto teste de segurança das urnas eletrônicas, e neste ano decidiu ampliar o número máximo de participantes, de 10 para 15, entre outras novidades. Os interessados têm até 29 de setembro para fazer uma pré-inscrição.

Criado em 2009, o teste público de segurança das urnas disponibiliza o hardware e o software da urna eletrônica para serem escrutinados por especialistas, instituições acadêmicas e órgão públicos.

Neste ano, cada uma das 15 participações poderá contar com uma equipe de até cinco pessoas. Outra novidade é ampliação dos programas disponibilizados para investigação, que agora incluem sistemas de apoio à auditoria de funcionamento das urnas e outros softwares verificadores, além dos códigos da própria urna.

O prazo para os investigadores inspecionarem os códigos-fontes dos sistemas também foi ampliado de uma para duas semanas, informou o TSE. A previsão é que resultados preliminares dos testes sejam publicados em 27 de novembro.

Fonte: Maria Claudia A/B

CN

Governo celebra assinatura de termo que ampliará acesso à Justiça gratuita em RO

Após a assinatura, o documento será encaminhado ao Poder Legislativo, para apreciação e aprovação pelos parlamentares.

O Governo de Rondônia se reuniu na terça-feira (17), no Auditório Jerônimo Santana, do Palácio Rio Madeira, em Porto Velho, com diversos órgãos do Sistema de Justiça e Controle para celebrar a assinatura de dois Termos de Ajustamento de Gestão (TAGs). Os documentos, que têm validade de seis anos, têm por objetivo ampliar e promover melhorias na assistência jurídica gratuita aos cidadãos rondonienses, e também contemplar benefícios para profissionais que atuam no âmbito jurídico.

Durante a cerimônia de assinatura, foi firmado o primeiro TAG reconhecendo as despesas do Estado no pagamento de honorários (valores recebidos por serviços prestados) a advogados dativos, ou seja, que não pertencem à Defensoria Pública, mas que exercem o papel de defensor público auxiliando o cidadão beneficiário da chamada “Justiça Gratuita”.

O termo prevê, primordialmente, a destinação de recursos à Defensoria Pública do Estado (DPE), a fim de permitir ao órgão efetivar as medidas administrativas necessárias visando à contratação, ainda no atual exercício, de 16 novos defensores públicos substitutos.

Já, o segundo Termo de Ajustamento de Gestão visa o aperfeiçoamento e a implementação de rotinas adequadas de controle, garantindo o efetivo planejamento das despesas realizadas pelo Poder Executivo com o pagamento de honorários a peritos, tradutores, intérpretes e órgãos técnicos ou científicos nomeados pelo Judiciário do Estado, promovendo maior eficiência em gastos públicos.

Entre as medidas elencadas para a assinatura, foi decidida pela formalização de um convênio entre o Poder Judiciário e o Governo de Rondônia para aprimorar o procedimento quanto ao pagamento de despesas de honorários aos mencionados profissionais e órgãos técnicos ou científicos nomeados pela Justiça, fazendo constar as responsabilidades de cada instituição.

“Tenho a certeza da transparência e clareza dos recursos que o Governo do Estado disponibiliza para entidades que prestam atendimentos jurídicos à sociedade, disponibilizando o melhor serviço aos menos favorecidos”, pontou Marcos Rocha

Além do chefe do Executivo Estadual, assinaram os termos, o procurador-geral do Estado, Maxwel Mota de Andrade; a gestora da Secretária de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão (Sepog), Beatriz Basílio Mendes; o controlador-geral do Estado, Francisco Netto; o desembargador Paulo Kiyochi Mori e entre outras autoridades.

Fonte: Secom-RO

CN

Banco da Amazônia oferece linhas de crédito para ampliação e construção de silos e armazéns na região Norte

Agricultores familiares, produtores rurais e empresas de médio e grande porte podem solicitar o crédito para favorecer a comercialização da produção. 

A ausência de infraestrutura suficiente no agronegócio, o desperdício de alimentos e a logística demandam do produtor um esforço maior e um bom planejamento de armazenagem para não prejudicar a comercialização da própria produção. 

De acordo com dados extraídos do site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Brasil é um dos países com menor capacidade de armazenagem de grãos, em comparação com outros países. De acordo com o IBGE, o armazenamento agrícola no Brasil foi de 176,3 milhões de toneladas no segundo semestre de 2020, o que representa uma redução de 0,1% em relação ao semestre anterior, contendo apenas 7.900 armazéns convencionais e silos para toda produção, o que corresponde a 14% da capacidade de armazenamento de grãos nacional. 

Tendo em vista essa demanda, o Banco da Amazônia (Basa) disponibiliza recursos comerciais e linhas de crédito por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), pelo seu Plano Safra 2021/2022 cujo valor oferecido é de R$ 7 bilhões, destinado para o agronegócio da Amazônia, sendo que R$ 4 bi é voltado para minis, pequenos produtores e para agricultores familiares. 

Dentre os projetos a serem financiados, encontram-se para transportes e armazéns que se enquadram nos setores prioritários destacados pelo Conselho Deliberativo (Condel) da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM). Os outros setores prioritários são agricultura familiar, agropecuária, pesca e aquicultura. 

Especificamente para a construção e ampliação de armazéns, o Basa oferece linhas de crédito tanto para o setor rural como para o não rural. O FNO Amazônia Rural que favorece projetos que objetivam a ampliação, modernização, reforma e construção de novos armazéns dentro das atividades rurais e o PRONAF Agroindústria, para atividades que necessitam de armazenagem da produção agropecuária de produtores beneficiários do PRONAF.

Uma das vantagens de se contratar uma operação para investir em armazenagens na região Norte, é a isenção de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e prazos de até 15 anos, incluindo a carência de até seis anos, para projetos de armazenagem com juros de 5,17% ao ano. 

De acordo com o superintendente do Estado de Rondônia, Diego Campos, o Estado de tem a grande possibilidade de produção e escoamento de grãos, e a necessidade de armazenamento na localidade é de extrema importância. “Em 2021, destacamos a possibilidade do Estado se tornar um grande corredor de exportação, estando propício aos investimentos em portos, transportes, logística, armazéns e toda a cadeia relacionado ao escoamento da produção”, afirmou. 

Para o superintendente regional do Pará e Amapá, Edmar Bernaldino, o Basa tem apoiado o produtor com financiamentos para armazenagens adotando novas tecnologias. “Nós estamos em uma região que produz muitos grãos, com maior nível de produtividade e adoção de novas tecnologias que tem aumentando ano a ano, amplia também a necessidade de melhorar a infraestrutura de cada empreendimento”. Afirma

O superintendente também ressalta que o Banco está atento às necessidades da cadeia produtiva e apresenta as condições e taxa para financiamentos com essa finalidade. “O Banco da Amazônia está muito atento á este movimento e a cada Plano Safra, tem disponibilizado um maior volume de recursos para esta finalidade. Além do prazo do financiamento, para este plano safra, as taxas de juros estão bem atrativas”, completa.

Para saber mais sobre as linhas que contemplam construção e ampliação de armazéns na região Norte acesse: https://www.bancoamazonia.com.br/index.php/produtos-servicos/empresa/financiamentos 

Fonte: Assessoria

CN

Sine Municipal amplia espaço para empresas ofertarem vagas de emprego

Prefeitura facilita acesso das empresas aos candidatos aos postos de trabalho disponibilizados

Comerciantes que desejarem divulgar vagas efetivas e temporárias de emprego devem procurar o Sistema Nacional de Empregos (Sine Municipal) para realizar o recrutamento com Intermediação da Mão de Obra (IMO). O serviço, totalmente gratuito, é oferecido pela Prefeitura de Porto Velho através da Secretaria Municipal de Indústria, Comércio, Turismo e Trabalho (Semdestur).

Para cadastrar a empresa e facilitar a contratação da mão de obra, o empresário ou representante da empresa contratante deve ligar para o número 98473-8546, 98473-7437 (Whatsapp) ou enviar e-mail para o endereço sinemunicipalpvh@gmail.com e informar o nome da empresa, CNPJ, endereço e telefone de contato.

Além destes canais de comunicação com o Sine Municipal, a Semdestur disponibiliza também o número 3901-3181 (Whatsapp) para tirar dúvidas sobre o processo de recrutamento.

Após o cadastramento da empresa, a vaga ficará visível no site: www.portovelho.ro.gov.br/sine/vagas para quem optar por participar do processo seletivo de contratação.

Para participar, o candidato a um posto de trabalho deve entrar no site do Sine, selecionar a opção de vaga e preencher o currículo. Mesmo que não seja selecionado, o cadastro não perde a validade porque fica armazenado no banco de dados.

“De trinta a quarenta empresas por mês fazem o cadastro conosco e aproximadamente duas mil pessoas nos procuram para preencher uma das vagas disponibilizadas pelas empresas”, informa o diretor do Sine, Davi Castiel.

DISTRITOS

No dia 11 de maio passado, a secretária da Semdestur, Glayce Bezerra, o diretor do Sine, Davi Castiel, e o Superintendente da Superintendência Municipal de Integração e Desenvolvimento Distrital (SMIDD), Vinicius Miguel, se reuniram para definir estratégias de ação para integrar empregadores e candidatos às vagas de empregos nos distritos de Porto Velho.

No encontro ficou decidido que SMIDD fará a divulgação e intermediação entre os empresários dos distritos e o SINE Municipal, que fará a seleção e encaminhará os candidatos que atenderem aos requisitos exigidos pelo contratante, facilitando o acesso ao mercado de trabalho.

Fonte: Comdecom

CN