Polícia Federal apreende 100 toneladas de minério irregular no Pará

Uma tonelada de tantalita foi apreendida domingo no Amazonas

Policiais federais apreenderam, na noite desta quinta-feira (6), duas carretas carregadas com cerca de 100 toneladas de minério de manganês. Os veículos foram autuados em um posto fiscal da Secretaria da Fazenda do Pará, em Conceição do Araguaia, na divisa com o Tocantins.

Segundo a PF, fiscais estaduais acionaram os agentes federais da delegacia de Redenção (a cerca de 100 km de distância de Conceição do Araguaia) após identificarem aparentes irregularidades na documentação necessária para o transporte da mercadoria.

Em nota, a PF diz que a licença para pesquisa mineral da empresa que emitiu a nota fiscal está vencida.

Um inquérito policial foi instaurado para apurar se os responsáveis pela companhia, cujo nome não foi divulgado, cometeram os crimes de execução de lavra sem autorização (Artigo 55 da Lei 9.605/1998) e usurpação de patrimônio da União (Artigo 2ºda Lei 8.176/1991).

Amazonas

No Amazonas, policiais militares apreenderam, no último domingo (2), aproximadamente uma tonelada de minério de tantalita, matéria-prima de alto valor para a indústria de ponta, que a emprega na produção de telefones celulares, circuitos de computadores e em componentes eletroeletrônicos automotivos, militares e de equipamentos médicos, entre outros produtos.

A Polícia Militar informou que a carga foi encontrada a bordo de uma embarcação, no Porto de São Raimundo, em Manaus. A corporação diz que recebeu uma denúncia anônima sobre a carga, supostamente extraída ilegalmente de terras indígenas.

Dois homens foram conduzidos à delegacia da Polícia Federal. O responsável pela carga tinha consigo apenas um alvará de pesquisa expedido pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), com prazo de validade vencido há quatro meses, e notas fiscais com aparentes irregularidades. Já o dono da embarcação foi conduzido na condição de testemunha.

Fonte: Nádia Franco A/B

PRF apreende 4,5 quilos de drogas em Rondônia

Droga poderia render aos traficantes até R$ 25 mil

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Ji-Paraná, durante fiscalização ostensiva, flagrou duas ocorrências de tráfico de drogas neste último domingo, (17).

A primeira apreensão ocorreu durante abordagem a um ônibus interestadual, linha de Guajará-Mirim/RO para Cuiabá/MT. Uma adolescente, 17 anos, transportava cloridrato de cocaína em um fundo falso de sua bagagem.

Na segunda ocorrência um casal, em uma motocicleta, fugiu ao visualizar a viatura policial, porém, logo foram alcançados. Durante fiscalização, a equipe policial encontrou tabletes de maconha na mochila e os dois ocupantes da moto foram presos.

Todos os infratores e as drogas ilícitas foram encaminhados à Polícia Civil da cidade de Ji-Paraná.

No total, 2.22 Kg de cloridrato de cocaína e 2.52 Kg de maconha foram apreendidos; quantidade que poderia render ao crime organizado quantia superior a R$ 250 mil, segundo levantamento do Departamento de Polícia Rodoviária Federal.

Ministra do Supremo silencia sobre apreensão de 70 mil toneladas de minério de manganês com destino a China

Uma carga ilegal de 70 mil toneladas de minério de manganês foi apreendida pela Agência Nacional de Mineração (ANM), no Pará.

O destino? A China!

O material foi interceptado no dia 21 de agosto, no Porto de Vila do Conde, principal porto de exportação paraense, no município de Barcarena (PA), cerca de 40 km ao sul de Belém.

Segundo informou a ANM, em nota, a carga de minério é avaliada em R$ 60 milhões e teria sido extraído no sul do Pará de forma ilegal.

Ao todo, foram aplicados quatro autos de apreensão contra as empresas Sigma Extração de Metais (37 mil toneladas), Timbro Comércio Exterior (18 mil), RMB Manganês (3 mil) e Chin Vest Comércio Importação e Exportação (12 mil toneladas).

Ainda conforme a ANM, nenhuma dessas empresas possui autorização de extração para manganês.

A Timbro tinha autorização para garimpo — mas manganês não pode ser lavrado por garimpo.

A RMB chegou a pedir renovação de título minerário, que ainda não foi concedido pela ANM.

A Sigma e a Chin Vest expediram nota fiscal do Estado de Goiás, mas não há registros de entrada do material no Pará, o que caracteriza que a lavra estava sendo feita no estado paraense, informa a agência.

Os fiscais recolheram amostras para analisar o material, as empresas serão processadas e o material será disponibilizado em leilão.

O minério de manganês é considerado material essencial na fabricação de ligas metálicas, como ferro-manganês, usadas na produção de aço.

Pode ser utilizado ainda em ligas de cobre, zinco, alumínio, estanho e chumbo.

Grande parte da exportação deste tipo de minério vai para o mercado chinês.

No meio de toda essa bela ação da ANM, um fato chamou a atenção…

Recentemente, a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o governo “preste informações” sobre a atuação das Forças Armadas na Amazônia.

A requisição da ministra é em atendimento a uma ação movida pelo PV (Partido Verde) que “na teoria” se destinava ao combate a ilícitos ambientais.

Porém nada disse Cármen Lúcia e o PV sobre essa apreensão de carga que seria destinada a China…

Silêncio Total!

A preocupação dessa turma é só com os militares na Amazônia e nada mais.

Lamentável.

Fonte: Valor Econômico