Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em maio

Também receberão hoje 236 mil novos beneficiários

Trabalhadores informais nascidos em maio começam a receber hoje (15) a nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos nesse mês.


Também hoje, a Caixa Econômica Federal depositará a revisão do auxílio emergencial para 236 mil novos beneficiários nascidos de janeiro a maio incluídos na nova rodada. Essas pessoas haviam sido excluídas por não se enquadrarem no público elegível, mas contestaram o benefício negado e conseguiram reaver o auxílio.

Os nascidos de junho a dezembro reincluídos no auxílio emergencial receberão conforme o calendário de pagamentos divulgado no fim de março. A relação dos incluídos na revisão do auxílio está disponível na página de consultas desenvolvida pela Dataprev, estatal responsável pelo cadastro dos beneficiários.

Calendário de pagamento das parcelas do auxílio emergencial.
Calendário de pagamentos das parcelas do auxílio emergencial

A primeira parcela será depositada nas contas poupança digitais e poderá ser movimentada pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a quatro semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta corrente.

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada (acesse abaixo link do guia de perguntas e respostas).

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do Número de Inscrição Social (NIS). O auxílio emergencial somente será pago quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Calendário de pagamento das parcelas do auxílio emergencial.
Calendário de pagamento das parcelas do auxílio emergencial para beneficiários do Bolsa Família 

Fonte: Graça Adjuto A/B

Mais 236 mil são aprovados para receber o auxílio emergencial

Os novos aprovados vão começar a receber a primeira parcela do benefício a partir do dia 15 de abril, no calendário do programa

A Caixa recebeu mais 236 mil nomes aprovados para o auxílio emergencial 2021. Esses novos beneficiados passam a receber a primeira parcela a partir do dia 15 de abril, no mesmo calendário já anunciado para o programa. As pessoas nascidas até maio receberão no dia 15, mas as demais vão ter o benefício depositado de acordo com os meses de nascimento.

O novo benefício começou a ser pago na terça-feira (6) para nascidos em janeiro. Nesta sexta-feira (9), foram beneficiados 2,17 milhões nascidos em fevereiro e, no domingo (11), será a vez de outros 2,45 milhões nascidos em março. O calendário é dividido em quatro ciclos, de créditos e de saques.

A nova rodada terá quatro parcelas, de abril a julho, com valor médio de R$ 250. Mulheres chefes de família receberão R$ 375 e pessoas que vivem sozinhas, R$ 150. O total de beneficiados atingirá 45,6 milhões.

Desde a última sexta-feira (2), as pessoas que se inscreveram pelos meios digitais da Caixa e os integrantes do Cadastro Único do governo federal podem conferir se têm direito a receber o benefício pelo site www.cidadania.gov.br/auxilio.

Caso o beneficiário tenha o cadastro negado e entenda que cumpre os critérios de elegibilidade, ele poderá contestar a decisão até a próxima segunda-feira (12), clicando na opção que aparece no Portal de Consultas. A Dataprev, empresa responsável pelo cruzamento de informações, ainda está analisando pedidos de contestações e pode liberar em breve novas aprovações.

Calendário do novo auxílio emergencial

Ciclo 1

Depósito em conta digital

6 de abril – nascidos em janeiro
9 de abril – nascidos em fevereiro
11 de abril – nascidos em março
13 de abril – nascidos em abril
15 de abril – nascidos em maio
18 de abril – nascidos em junho
20 de abril – nascidos em julho
22 de abril – nascidos em agosto
25 de abril – nascidos em setembro
27 de abril – nascidos em outubro
29 de abril – nascidos em novembro
30 de abril – nascidos em dezembro

Saque em dinheiro

4 de maio – nascidos em janeiro
6 de maio – nascidos em fevereiro
10 de maio – nascidos em março
12 de maio – nascidos em abril
14 de maio – nascidos em maio
18 de maio – nascidos em junho
20 de maio – nascidos em julho
21 de maio – nascidos em agosto
25 de maio – nascidos em setembro
27 de maio – nascidos em outubro
1º de junho – nascidos em novembro
4 de junho – nascidos em dezembro

Ciclo 2

Depósito em conta digital

16 de maio – nascidos em janeiro
19 de maio – nascidos em fevereiro
23 de maio – nascidos em março
26 de maio – nascidos em abril
28 de maio – nascidos em maio
30 de maio – nascidos em junho
2 de junho – nascidos em julho
6 de junho – nascidos em agosto
9 de junho – nascidos em setembro
11 de junho – nascidos em outubro
13 de junho – nascidos em novembro
16 de junho – nascidos em dezembro

Saque em dinheiro

8 de junho – nascidos em janeiro
10 de junho – nascidos em fevereiro
15 de junho – nascidos em março
17 dejunho – nascidos em abril
18 de junho – nascidos em maio
22 de junho – nascidos em junho
24 de junho – nascidos em julho
29 de junho – nascidos em agosto
1º de julho – nascidos em setembro
2 de julho – nascidos em outubro
5 de julho – nascidos em novembro
8 de julho – nascidos em dezembro

Ciclo 3

Depósito em conta digital

20 de junho – nascidos em janeiro
23 de junho – nascidos em fevereiro
25 de junho – nascidos em março
27 dejunho – nascidos em abril
30 de junho – nascidos em maio
4 de julho – nascidos em junho
6 de julho – nascidos em julho
9 de julho – nascidos em agosto
11 de julho – nascidos em setembro
14 de julho – nascidos em outubro
18 de julho – nascidos em novembro
21 de julho – nascidos em dezembro

Saque em dinheiro

13 de julho – nascidos em janeiro
15 de julho – nascidos em fevereiro
16 de julho – nascidos em março
20 de julho – nascidos em abril
22 de julho – nascidos em maio
27 de julho – nascidos em junho
29 de julho – nascidos em julho
30 de julho – nascidos em agosto
4 de agosto – nascidos em setembro
6 de agosto – nascidos em outubro
10 de agosto – nascidos em novembro
12 de agosto – nascidos em dezembro

Ciclo 4

Depósito em conta digital

23 de julho – nascidos em janeiro
25 de julho – nascidos em fevereiro
28 de julho – nascidos em março
1º de agosto – nascidos em abril
3 de agosto – nascidos em maio
5 de agosto – nascidos em junho
8 de agosto – nascidos em julho
11 de agosto – nascidos em agosto
15 de agosto – nascidos em setembro
18 de agosto – nascidos em outubro
20 de agosto – nascidos em novembro
22 de agosto – nascidos em dezembro

Saque em dinheiro

13 de agosto – nascidos em janeiro
17 de agosto – nascidos em fevereiro
19 de agosto – nascidos em março
23 de agosto – nascidos em abril
25 de agosto – nascidos em maio
27 de agosto – nascidos em junho
30 de agosto – nascidos em julho
1º de setembro – nascidos em agosto
3 de setembro – nascidos em setembro
6 de setembro – nascidos em outubro
8 de setembro – nascidos em novembro
10 de setembro – nascidos em dezembro

Fonte: R7

Novo auxílio emergencial: trabalhador saberá se tem direito amanhã

Consulta será feita no site da Dataprev

Trabalhadores poderão saber se foram incluídos no auxílio emergencial 2021 a partir de amanhã (2). Inicialmente prometida para hoje, a consulta teve de ser adiada “em função da necessidade de alinhamento dos canais de atendimento dos três órgãos diretamente envolvidos no programa – Ministério da Cidadania, Dataprev e Caixa”, explicou a Dataprev, em nota.

Consulta

A consulta poderá ser feita pelo Portal de Consultas da Dataprev. Para isso, o cidadão deverá informar CPF, nome completo, nome da mãe e data de nascimento.

Quem já recebe o Bolsa Família e inscritos no CadÚnico não estarão na lista da Dataprev já que, nesses casos, as parcelas serão depositadas automaticamente – desde que o beneficiário se encaixe nos critérios de elegibilidade do auxílio.

Depósitos

Segundo calendário divulgado pela Caixa, os pagamentos começam no dia 6 de abril para os trabalhadores que fazem parte do Cadastro Único e para os que se inscreveram por meio do site e do aplicativo Caixa Tem. Os depósitos serão feitos na conta poupança digital da Caixa, acessada pelo aplicativo Caixa Tem. O beneficiário do auxílio emergencial terá direito, primeiramente, à movimentação digital e, posteriormente, aos saques.

Para os beneficiários do Bolsa Família, os pagamentos começam em 16 de abril e seguirão o calendário de pagamento do benefício.

Números

Em 2021, serão pagos R$ 43 bilhões a 45,6 milhões de brasileiros que atendem aos requisitos exigidos. Do montante, R$ 23,4 bilhões serão destinados ao público já inscrito em plataformas digitais da Caixa (28,6 milhões de beneficiários), R$ 6,5 bilhões para integrantes do Cadastro Único do Governo Federal (6,3 milhões) e mais R$ 12,7 bilhões para atendidos pelo Programa Bolsa Família (10,6 milhões).

Critérios

Para conceder as quatro parcelas do auxílio emergencial este ano o governo definiu novas faixas de pagamento:

– Mulheres chefes de família: R$ 375

– Famílias com duas ou mais pessoas, exceto aquelas com mães chefes de família: R$ 250

– Auxílio para pessoas que moram sozinhas: R$ 150

Podem receber

– Famílias com renda per capita de até meio salário mínimo (R$ 550) e renda mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.300);

– Público do Bolsa Família poderá escolher o valor mais vantajoso entre os benefícios e receber somente um deles.

– Trabalhadores informais;

– Desempregados;

– Microempreendedor Individual (MEI).

Não podem receber o auxílio

– Trabalhadores com carteira assinada e servidores públicos;

– Pessoas que não movimentaram os valores do auxílio emergencial e sua extensão em 2020;

– Quem estiver com o auxílio do ano passado cancelado;

– Cidadãos que recebem benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista ou de programa de transferência de renda federal, com exceção do Bolsa Família e do Pis/Pasep;

– Médicos e multiprofissionais;

– Beneficiários de bolsas de estudo e estagiários e similares;

– Quem teve rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019 ou tinha, em 31 de dezembro daquele ano, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;

– Cidadãos com menos de 18 anos, exceto mães adolescentes.

– Quem estiver no sistema carcerário em regime fechado ou tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de auxílio-reclusão.

Fonte: Agência Brasil

Governo concede entrevista sobre pagamento do auxílio emergencial

Governo Federal confirmou o número de 4 parcelas, sendo R$ 250 para a maioria dos benefíciários, R$ 375 para mulheres chefes de família e R$ 175 para pessoas que vivem só

O presidente da República, Jair Bolsonaro, o ministro da Cidadania, João Roma, e os presidentes da Caixa, Pedro Guimarães, e da Dataprev, Gustavo Canuto, concedem entrevista coletiva sobre o pagamento do novo auxílio emergencial.

Acompanhe, ao vivo, o pronunciamento:

No último dia 26, foi publicado decreto que regulamenta o pagamento do auxílio emergencial 2021, instituído no último dia 18 de março por meio de Medida Provisória.

O apoio financeiro será pago a trabalhadores informais de baixa renda e aqueles inscritos em programas sociais como o Bolsa Família, caso o novo benefício seja mais vantajoso.

Fonte: Kelly Oliveira A/B

Nascidos em novembro podem atualizar dados no Caixa Tem

Procedimento pode ser feito a partir de hoje

Às vésperas de retomar o pagamento do auxílio emergencial, a Caixa Econômica Federal convida os usuários do aplicativo Caixa Tem a atualizar os dados cadastrais. Clientes nascidos em novembro podem fazer o procedimento a partir de hoje (30).

A atualização é feita inteiramente pelo celular, bastando o usuário seguir as instruções do aplicativo, usado para movimentar as contas poupança digitais. Segundo a Caixa, o procedimento pretende trazer mais segurança para o recebimento de benefícios e prevenir fraudes.

Ao entrar no aplicativo, o usuário deve acessar a conversa “Atualize seu cadastro”. Em seguida, é necessário enviar uma foto (selfie) e os documentos pessoais (identidade, CPF e comprovante de endereço).

O calendário de atualização segue um cronograma escalonado, conforme o mês de nascimento dos clientes. O cronograma começou no último dia 14 para os nascidos em janeiro e terminará amanhã (31), para os nascidos em dezembro.

Confira o cronograma completo abaixo:

Mês de nascimentoData de atualização
Janeiro14/3 (domingo)
Fevereiro16/3 (terça)
Março18/3 (quinta)
Abril20/3 (sábado)
Maio22/3 (segunda)
Junho23/3 (terça)
Julho24/3 (quarta)
Agosto25/3 (quinta)
Setembro26/3 (sexta)
Outubro29/3 (segunda)
Novembro30/3 (terça)
Dezembro31/3 (quarta)

No ano passado, a Caixa abriu mais de 105 milhões de contas poupança digitais, das quais 35 milhões para brasileiros que nunca tiveram contas em banco. Além do auxílio emergencial, o Caixa Tem foi usado para o pagamento do saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm).

Uma lei sancionada no fim de outubro autorizou a ampliação do uso das contas poupança digitais para o pagamento de outros benefícios sociais e previdenciários. Desde dezembro, os beneficiários do Bolsa Família e do abono salarial passaram a receber por essa modalidade.

Fonte: Graça Adjuto A/B

Prefeitura orienta que beneficiários do Auxílio Emergencial não precisarão fazer novo cadastro

O pagamento será automático para as famílias já inscritas

A Prefeitura de Porto Velho informa que ainda não há calendário definido para o pagamento do novo Auxílio Emergencial, programa do governo federal criado para assegurar renda mínima às pessoas em situação de vulnerabilidade durante a pandemia de Covid-19.

Segundo o secretário Claudi Rocha, da Secretaria Municipal de Assistência Social e Família (Semasf), um comunicado recente feito pelo Ministério da Cidadania, informa que a partir do dia 1º de abril os beneficiários poderão consultar quem vai poder receber o auxílio em 2021.

“O calendário ainda não foi disponibilizado. Só sabemos que será a partir do mês de abril, e que o pagamento do auxílio será automático para as famílias, sem necessidade de fazer novos cadastros”, explica o secretário.

CONSULTA

Para saber se têm direito ao benefício, o cidadão deve acessar o endereço eletrônico https://consultaauxilio.dataprev.gov.br/consulta, e preencher o formulário com o nome completo, CPF, nome da mãe e data de nascimento. Há ainda a opção Mãe Desconhecida. O procedimento, entretanto, só será liberado a partir de 1º de abril. “É importante mencionar que esse endereço eletrônico é destinado apenas para consulta”, enfatiza Claudi.

De acordo com a Medida Provisória nº 1039, não será preciso realizar novo cadastro para receber o auxílio este ano. Quem já recebe ajuda pelo Bolsa Família irá receber o auxílio emergencial, conforme o calendário deste programa social.

ORIENTAÇÕES

Sobre o acompanhamento que a Semasf irá realizar junto aos beneficiários, Claudi Rocha destaca que o município aguarda novas orientações do Governo Federal.
Claudi lembra ainda que as pessoas não receberão dois benefícios ao mesmo tempo, pois o Governo Federal opta por pagar o que for de maior valor.

Fonte; Comdecom

Governadores de 16 estados pedem auxílio de R$ 600 e critérios de 2020

Os gestores que assinaram a carta reforçam a dramaticidade do cenário no país com novos recordes de mortes diárias pela covid

Em carta aos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), governadores de 16 estados pedem que o Congresso disponibilize recursos necessários para que os valores da nova rodada do auxílio emergencial sejam superiores aos estabelecidos pelo governo federal em medida provisória, de R$ 175, R$ 250 e R$ 375. Eles defendem que a reedição do socorro a vulneráveis na pandemia repita a quantia mensal de R$ 600 e os critérios de acesso adotados nos oito desembolsos feitos em 2020.

Os gestores que assinaram a carta reforçam a dramaticidade do cenário no país com novos recordes de mortes diárias pela covid-19, lotação de leitos hospitalares, ameaça de falta de medicamentos para intubações de pacientes graves e esgotamento dos profissionais da saúde. Lembram, também, que o calendário de vacinação e a obtenção de novas doses dos imunizantes contra a doença estão mais lentos do que as respostas necessárias para reverter o quadro atual.

“Agir contra esse cenário requer medidas sanitárias e garantia de uma renda emergencial. Somente com essas medidas seremos capazes de evitar o avanço da morte”, escrevem os governadores. “Por isso, entendemos que a redução dos valores do auxílio emergencial é inadequada para a eficácia da proteção da população. Enquanto a vacinação não acontecer em massa, precisamos garantir renda para a população mais vulnerável.”

Os signatários apontam ainda que, não obstante sua reivindicação, entendem a importância de o País manter o compromisso com a responsabilidade fiscal para, “logo à frente”, voltar a uma trajetória de ajuste das contas públicas que compatibilize programas sociais com formas responsáveis de financiá-los. “É importante entender o esforço de mitigação da crise atual para os mais vulneráveis como extraordinário e temporário”, dizem.

A carta é assinada por Renan Filho (MDB), de Alagoas; Waldez Góes (PDT), do Amapá; Rui Costa (PT), da Bahia; Camilo Santana (PT), do Ceará; Renato Casagrande (PSB), do Espírito Santo; Flávio Dino (PCdoB), do Maranhão; Reinaldo Azambuja (PSDB), de Mato Grosso do Sul; Helder Barbalho (MDB), do Pará; João Azevêdo (Cidadania), da Paraíba; Ratinho Júnior (PSD), do Paraná; Paulo Câmara (PSB), de Pernambuco; Wellington Dias (PT), do Piauí; Fátima Bezerra (PT), do Rio Grande do Norte; Eduardo Leite (PSDB), do Rio Grande do Sul; João Doria (PSDB), de São Paulo; e Belivaldo Chagas (PSD), de Sergipe.

Ao menos por ora, ficaram de fora os governadores Gladson Cameli (PSDB), do Acre; Wilson Lima (PSC), do Amazonas; Ibaneis Rocha (MDB), do Distrito Federal; Ronaldo Caiado (DEM), de Goiás; Romeu Zema (Novo), de Minas Gerais; Mauro Mendes (DEM), de Mato Grosso; Cláudio Castro (PSC), do Rio de Janeiro; Coronel Marcos Rocha (PSL), de Rondônia; Antonio Denarium (PSL), de Roraima; Carlos Moisés (PSL), de Santa Catarina; e Mauro Carlesse (DEM), de Tocantins.

Fonte; R7

Cresce pressão no Congresso para auxílio emergencial de R$ 600

Parlamentares protocolam emendas que visam aumentar valor do benefício, recriado em 2021 com quatro parcelas de até R$ 375

Cresce pressão no Congresso Nacional para elevar para R$ 600 a nova rodada de auxílio emergencial, benefício dado a milhões de brasileiros que ficaram sem verbas em função da pandemia de covid-19. De acordo com a medida provisória editada pelo presidente Jair Bolsonaro, o valor é de até R$ 375, mas parlamentares tentam elevar o valor apresentando emendas ao texto.

O texto que abre caminho para o pagamento da nova rodada do auxílio emergencial foi assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na última quinta-feira (18). O benefício será dado durante quatro meses e atingirá 40 milhões de brasileiros – em 2020, o programa alcançou 67,9 milhões.

Desde que a medida chegou no Congresso, emendas para aumentar o valor já foram protocoladas. Entre os autores, estão José Nelto (Podemos-GO), Elias Vaz (PSB-GO) e José Guimarães (PT-CE).

O texto de Nelto, por exemplo, restabelece o valor inicial (R$ 600) e recria o benefício até o fim da pandemia de covid-19 no país. O vice-líder do Podemos na Câmara criticou a atual quantia do auxílio, que considera pouco se considerada a acelaração da inflação no país. 

NELTO ARGUMENTA QUE SEM VACINAS, O AUXÍLIO EMERGENCIAL SE TORNOU A MAIS IMPORTANTE MEDIDA ECONÔMICA PARA MANTER AS PESSOAS EM CASA COM ALGUMA CONDIÇÃO DE SOBREVIVER AO VÍRUS E À FOME. “O AUXÍLIO EMERGENCIAL É O MEIO QUE A CONTINUIDADE DOS PAGAMENTOS VAI FAVORECER AS MEDIDAS DE LOCKDOWN NECESSÁRIAS NESTE MOMENTO PARA EVITAR MAIS MORTES EM DECORRÊNCIA DA COVID-19”, AFIRMOU.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e o Palácio do Planalto articulam para deixar a MP do auxílio emergencial caducar, isso porque, caso seja votada, há o risco de o valor aumentar, justamente na votação dessas emendas apresentadas. 

Por se tratar de MP, a medida tem 120 dias para ser votada, mas como entra em vigor na data da publicação, ela perderá a validade depois que os pagamentos da nova rodada do auxílio emergencial já tiverem sido feitos, sem, portanto, prejuízo ao que já foi anunciado. 

Além disso, ao deixar a MP caducar, os presidentes das duas Casas Legislativas e o Planalto não precisam lidar com a retomada de discussão sobre o teto. Em função da aprovação da PEC Emergencial, ficou estabelecida uma reserva de R$ 44 bilhões para o auxílio, fora do teto. Se o Congresso elevar o valor de benefício, terá que promover cortes em outras áreas, pois o que exceder os R$ 44 bilhões precisa estar dentro do teto de gastos. 

Fonte; R7

Com regras mais rigorosas, auxílio emergencial não terá novo cadastro

Serão beneficiadas 45,6 milhões pessoas que já estavam cadastradas no programa realizado no ano passado

O auxílio emergencial deste ano tem regras mais rigorosas e não abrirá novo cadastro para quem ficou de fora do programa em 2020, mas agora precisaria da ajuda. Serão beneficiadas 45,6 milhões de pessoas que já estavam cadastradas pelo Cadastro Único, pelo aplicativo da Caixa ou Bolsa Família.

Com valores entre R$ 150 e R$ 375, o benefício será pago em quatro parcelas a partir de abril. O governo federal publicou em edição extra do Diário Oficial da União nesta quinta-feira (18) a Medida Provisória 1.039, que recria o benefício para a população de baixa renda durante a pandemia de covid-19.

O calendário com as datas de pagamento ainda será divulgado pelo Ministério da Cidadania, responsável pelo gestão do benefício, e pela Caixa. O grupo do Bolsa Família começa a receber no dia 16 de abril, de acordo com o cronograma do programa.

O benefício de 2021 será pago somente a famílias com renda per capita de até meio salário mínimo e renda mensal total de até três salários mínimos. A Medida Provisória do benefício ainda prevê outros critérios de elegibilidade.

Veja as regras para receber o novo auxílio emergencial


Quem pode receber

– Trabalhadores informais; 

–  Desempregados;

– Microempreendedores individuais (MEI);

– Contribuinte individual da Previdência Social;

– Famílias com renda per capita de até meio salário mínimo (R$ 550) e renda mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.300);

– Para o público do Bolsa Família, segue valendo a regra quanto ao valor mais vantajoso a ser recebido entre o programa e o auxílio emergencial 2021;

– Os integrantes do Bolsa Família receberão o benefício com maior parcela;

Quem não pode receber

– Os trabalhadores formais continuam impedidos de solicitar o auxílio emergencial;

– Cidadãos que recebam benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista ou de programa de transferência de renda federal, com exceção do Programa Bolsa Família e do PIS/PASEP, não fazem parte do público que receberá as parcelas de R$ 250;

– As pessoas que não movimentaram os valores do auxílio emergencial e sua extensão, disponibilizados na poupança digital em 2020, não terão direito ao novo benefício;

– Quem estiver com o auxílio emergencial de 2020 cancelado no momento da avaliação de elegibilidade para 2021 também não receberá

– Estão excluídos os residentes médicos, multiprofissionais, beneficiários de bolsas de estudo, estagiários e similares;

– Quem teve rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019, ou tinha em 31 de dezembro daquele ano a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil, ou tenha recebido em 2019 rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte superior a R$ 40 mil, não poderá solicitar o novo benefício;

– Pessoas com menos de 18 anos – exceto mães adolescentes;

– Quem estiver no sistema carcerário em regime fechado ou tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de auxílio-reclusão;

– Quem tiver indicativo de óbito nas bases de dados do governo federal ou tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de pensão por morte.

Pagamento

A maior parte do público do auxílio emergencial deve receber a menor cota do benefício, no valor de R$ 150. Serão cerca de 20 milhões de famílias – 43% do total de contemplados estimado na nova rodada – na categoria “unipessoal”, isto é, composta por apenas uma única pessoa.

Outras 16,7 milhões de famílias têm mais de um integrante e vão receber R$ 250. Já a maior cota, de R$ 375, deve ser paga a cerca de 9,3 milhões de mulheres que são as únicas provedoras de suas famílias. O pagamento das novas parcelas do auxílio começa em abril.

Fonte: R7

1 2 3 9
%d blogueiros gostam disto: