Fale conosco pelo WhatsApp(69) 99916-3250

Polícia Ambiental resgata Tamanduá ferido em RO

Animal buscou abrigo em uma residência após ser atropelado.

Uma tamanduá fêmea foi encontrado por uma família da capital na última sexta-feira (14). o animal silvestre estava ferido na garagem da residência, embaixo do automóvel. O animal foi atropelado na BR-319 (avenida Governador Jorge Teixeira) e se refugiou na casa de Zaíra. Havia sinais de luta entre ele e o cachorro da família, Thor. O cão sofreu vários arranhões na cara e boca, sendo socorrido pela enfermeira, Zaíra Camelo Correa, dona do animal, entretanto o cachorro passa bem.

O Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) foi acionado para fazer o resgate do tamanduá. Na clínica, o mamífero passou pelo exame de raio-X, que detectou fratura na perna esquerda traseira.

Animal foi atropelado na BR-319 (avenida Governador Jorge Teixeira) e se refugiou em Residência

O médico veterinário do Batalhão de Polícia Ambiental, Marcelo Andreani explica que nesta época do ano onde as queimadas são constantes pela ausência de chuva, os animais procuram abrigos no desespero de fugir da morte e acabam vindo parar na cidade, colocando-se em risco de serem atropelados ou capturados.

O Batalhão de Polícia Ambiental fez parceria com uma clínica veterinária particular, para atender casos como este. O ortopedista veterinário e cirurgião geral, Carlos Henrique Tibúrcio Maio não encontrou nenhuma mordida do cão no tamanduá, além da fratura na perna, o animal tinha apenas escoriações.

A cirurgia ortopédica foi realizada de imediato, onde foram colocados uma placa e pinos para corrigir a fratura. O tamanduá estava em estado de choque e desidratado. A fêmea tem aproximadamente um ano de idade. Os médicos estabilizaram o quadro clínico com soro eletrolíticos e monitoraram a frequência cardíaca pelo computador.

Após a cirurgia, o sargento Marcelo Andreani levou o tamanduá femêa para o Centro de Recuperação de Animais Silvestres (Cras), que fica nas instalações do Batalhão de Polícia Ambiental, em Candeias do Jamari, onde deve tomar antibióticos pelos próximos sete dias e ficar em observação durante 15 dias até ser liberada e solta ao habitat natural.

Fonte: Sesdec

Acusados de mata ciclista em racha são denunciados pelo MP de Porto Velho, RO

Além da imputação dos crimes, o MP também requereu indenização por danos morais e materiais aos ascendentes de Thiago.

Parte frontal do veículo que atingiu o ciclista em Porto Velho ficou completamente amassada.  — Foto: Mary Porfiro/Rede Amazônica
Cicilista morto após ser atropelado durante racha em Porto Velho

Acusados que participaram de racha que matou o ciclista Thiago da Silva Santos, de 22 anos, atropelado foram denunciadas pelo Ministério Público Estadual (MP-RO).O caso aconteceu no último dia 24 de julho, no Espaço Alternativo de Porto Velho.

Conforme a denúncia do MP, momentos antes do atropelamento, Gabriel Vilela Dantas Lima Pinto, de 24 anos, conduzindo um veículo Onix, e Vitor Renato Lopes da Silva, 18 anos, na direção de um Corolla, “após prévio acordo de vontades, assumindo o risco de produzir o resultado morte, conduziram seus respectivos veículos em alta velocidade em disputa automobilística ilegal [racha]”.

A acusação, na tentativa de um ultrapassar o outro, Gabriel e Vitor agiram com “total indiferença ao bem jurídico vida” quando “conscientes do risco” trafegaram em alta velocidade pela Avenida Jorge Teixeira, que costuma ser usada por adultos e crianças para a prática de lazer e atividades físicas.

De acordo com o registro policial do acidente, em determinado ponto da via, Thiago tentou atravessar a pista em uma faixa de pedestres e foi atropelado pelo veículo conduzido por Gabriel. O corpo do ciclista foi lançado a cerca de 30 metros e ele morreu na hora.

No documento, o promotor Gerson Martins Maia destacou que após perceber a morte do jovem, Vitor fugiu usando o veículo Corolla. Ele se apresentou na delegacia dias depois e foi liberado. O outro motorista está preso desde o dia do acidente.

Segundo a Polícia Civil, o carro foi um presente de uma familiar a Vitor no aniversário de 18 anos. Ela chegou a ser indiciada por entregar o veículo a pessoa não habilitada, mas não foi denunciada.

Um terceiro envolvido, que também está entre os acusados, é o carona do Corolla, que segundo o MP, concorreu com o crime por ter instigado a prática do racha como “platéia” para “estimular e alimentar o ego de Vitor de querer se exibir e mostrar quem é o melhor”.

Gabriel Vilela Dantas Lima Pinto, Vitor Renato Lopes da Silva e o carona foram denunciados pelo crime de homicídio com as qualificadores de emprego de meio que resultou em perigo comum e uso de recurso que tornou impossível a defesa da vítima, conforme o MP.

Além da imputação dos crimes, o MP também requereu indenização por danos morais e materiais aos ascendentes de Thiago. A denúncia foi recebida na sexta-feira (14) pela 2ª Vara do Tribunal do Júri da capital.

Thiago da Silva Santos tinha 22 anos e morreu atropelado durante racha em Porto Velho na sexta-feira (24).  — Foto: Reprodução/Instagram
Thiago da Silva Santos tinha 22 anos e morreu atropelado

No dia seguinte ao acidente, um amigo que acompanhava Thiago no passeio de bicicleta contou que ele ainda tentou sinalizar antes de atravessar. Os dois retornavam para casa no momento do atropelamento.

Durante a coletiva de imprensa que anunciou a conclusão do inquérito do caso, o delegado Sandro Moura, lembrou que a vítima tinha o sonho de trabalhar de carteira assinada e era responsável por cuidar do pai, que usa cadeira de rodas.

Fonte: G1/RO

Jovem ciclista morre atropelado durante disputa de racha na Avenida Jorge Teixeira

Um dos motoristas foi preso e o outro fugiu do local em alta velocidade. Vítima estava acompanhada de um amigo na Av. Jorge Teixeira na noite de sexta-feira (24) quando foi atropelada.

Thiago da Silva Santos tinha 22 anos e morreu atropelado durante racha em Porto Velho na sexta-feira (24).  — Foto: Reprodução/Instagram
Thiago da Silva Santos tinha 22 anos e morreu atropelado durante racha em Porto Velho na sexta-feira (24)

Um ciclista morreu após ser atropelado durante uma suposta disputa de racha na Avenida Jorge Teixeira, em Porto Velho. O acidente ocorreu por volta das 22h de sexta-feira (24). A vítima foi identificada como Thiago da Silva Santos, de 22 anos.

Um dos suspeitos envolvidos foi preso. Já o outro motorista conseguiu fugir do local em alta velocidade. Segundo testemunhas, Thiago foi arremessado por cerca de 30 metros após o impacto e morreu na hora.

De acordo com o boletim de ocorrência, o amigo da vítima contou que ambos pedalavam no Espaço Alternativo da capital e que, instantes antes do acidente, já seguiam para casa.

A testemunha contou também que Thiago sinalizou para fazer a travessia na via, mas foi atingido por um veículo em alta velocidade que disputava racha com outro. Com o impacto, a bicicleta da vítima ficou destruída, enquanto a parte frontal do carro amassada.

O amigo do rapaz disse que ambos planejavam passar em uma pizzaria e depois irem para casa, pois já estava tarde. “A gente ia voltar para casa, falei que era melhor por causa do horário. Moramos um pouco longe. Mas o carro do racha pegou ele [Thiago] na faixa de pedestre”, relembrou Carlos Douglas.

“Vi tudo, morreu na minha frente. Menino tão bom, trabalhador, e acontece isso, só com as pessoas mais boas”, disse o amigo de Thiago.

Após o acidente, um dos motoristas fugiu, enquanto o outro condutor de 24 anos, que atingiu o ciclista, foi preso.

Parte frontal do veículo que atingiu o ciclista em Porto Velho ficou completamente amassada.  — Foto: Mary Porfiro/Rede Amazônica
Parte frontal do veículo que atingiu o ciclista em Porto Velho ficou completamente amassada.

O responsável pelo acidente passou pelo teste de etilômetro, que deu negativo, e foi encaminhado à Central de Flagrantes da cidade na sequência. Já na delegacia, ele negou que tenha participado de um racha, alegando que a vítima atravessou a rua repentinamente.

Porém, segundo o delegado que atendeu o caso, testemunhas confirmaram que o motorista estava em alta velocidade disputando uma corrida. Com isso, foi mantido preso e permanece à disposição da Justiça.

A polícia não informou se o outro envolvido na disputa foi detido. Até a última atualização desta reportagem, o corpo de Thiago ainda aguardava liberação do Instituto Médico Legal (IML) da capital para o sepultamento.

Fonte: G1/RO