Já está disponível 3ª parcela do benefício do programa ampaRO em RO

Pagamento começou nesta sexta-feira (11), programa beneficia famílias em situação de extrema pobreza.

O pagamento da terceira parcela aos beneficiários do Programa de Transferência de Renda Temporária (AmpaRO) já está liberado. O benefício estava previsto para acontecer na próxima semana, mas foi adiantado. Dessa forma, os beneficiários já podem acessar o recurso no aplicativo CAIXA TEM e, assim, realizarem pagamentos de boletos, transações e transferências bancárias ou compras via aplicativo.

A Secretaria de Estado da Assistência e do Desenvolvimento Social (Seas) informa ainda aos beneficiários do programa, que o saque do recurso estará disponível a partir da próxima quinta-feira (17), de acordo com o final de cada NIS, especificado no Calendário do Programa. Já os beneficiários não habilitados por inconsistência de dados, que realizaram a correção, farão parte do 3º lote. A lista do resultado será divulgada nos próximos dias.

SOBRE O PROGRAMA

O Programa AmpaRO foi criado pela Seas para beneficiar as famílias em situação de extrema pobreza, cadastradas no programa Bolsa Família e com renda per capta familiar declarada no Cadastro Único de até R$ 89. A primeira-dama e secretária da Seas, Luana Rocha destaca a importância do Programa AmpaRO para as famílias neste momento de pandemia, e ressalta a possibilidade de prorrogação. “O programa tem ajudado inúmeras famílias em Rondônia, por isso estamos estudando a possibilidade de prorrogação em benefício delas”, destacou a secretária.

COMO ACESSAR O CAIXA TEM

Para os beneficiários que não acessaram o aplicativo, segue abaixo as instruções de como proceder:

Após baixar o aplicativo nas lojas virtuais (App Store e Play Store), o usuário terá que fazer um pequeno cadastro (caso não tenha) e validar o dispositivo. Caso já tenha acesso ao APP basta clicar em Entrar. As seis primeiras etapas exigem atenção redobrada. O beneficiário deverá informar: o CPF (Etapa 1); Nome completo (Etapa 2); Número de telefone (Etapa 3); Data de nascimento (Etapa 4); o CEP (Etapa 5) e digitar o E-mail duas vezes (Etapa 6).

Após cumprir estas etapas, o beneficiário será direcionado para criar uma senha de acesso. Ela dever ter pelo menos seis números, sendo que não pode ser igual ao CPF. Não pode ter repetições em sequência com mais de dois dígitos, e não pode ser usada a data de nascimento. Logo após criar a senha, o beneficiário deve clicar em: “Não sou um robô”.

Automaticamente será enviado um e-mail com um link para confirmar a validação do dispositivo do beneficiário. Caso o beneficiário não encontre o e-mail deve verificar a caixa de Spam. Após esta etapa de confirmação, basta abrir o aplicativo e clicar em “Liberar acesso”; Será enviado um código via SMS para o telefone cadastrado, o beneficiário deverá digitar esse código e depois criar um nome qualquer para o dispositivo. Finalizada esta etapa é só utilizar os serviços. Lembrando que o código é para uso exclusivo e não pode ser repassado para terceiros.

CANAIS DE ATENDIMENTO CAIXA

Para dúvidas sobre como utilizar o aplicativo, fazer pagamentos, compras ou saque, o beneficiário pode acessar os canais oficiais da Caixa Econômica Federal ou ligar para os números de contato: 3004 1104 – Para capitais e regiões metropolitanas; 0800 726 0104 – Para demais regiões; 0800 725 7474 – Ouvidoria.

O pagamento estava previsto para acontecer na próxima semana, mas foi adiantado. Dessa forma, os beneficiários já podem acessar o recurso no aplicativo CAIXA TEM e, assim, realizarem pagamentos de boletos, transações e transferências bancárias ou compras via aplicativo.

A Secretaria de Estado da Assistência e do Desenvolvimento Social (Seas) informa ainda aos beneficiários do programa, que o saque do recurso estará disponível a partir da próxima quinta-feira (17), de acordo com o final de cada NIS, especificado no Calendário do Programa. Já os beneficiários não habilitados por inconsistência de dados, que realizaram a correção, farão parte do 3º lote. A lista do resultado será divulgada nos próximos dias.

COMO ACESSAR O CAIXA TEM

Para os beneficiários que não acessaram o aplicativo, segue abaixo as instruções de como proceder:

Após baixar o aplicativo nas lojas virtuais (App Store e Play Store), o usuário terá que fazer um pequeno cadastro (caso não tenha) e validar o dispositivo. Caso já tenha acesso ao APP basta clicar em Entrar. As seis primeiras etapas exigem atenção redobrada. O beneficiário deverá informar: o CPF (Etapa 1); Nome completo (Etapa 2); Número de telefone (Etapa 3); Data de nascimento (Etapa 4); o CEP (Etapa 5) e digitar o E-mail duas vezes (Etapa 6).

Após cumprir estas etapas, o beneficiário será direcionado para criar uma senha de acesso. Ela dever ter pelo menos seis números, sendo que não pode ser igual ao CPF. Não pode ter repetições em sequência com mais de dois dígitos, e não pode ser usada a data de nascimento. Logo após criar a senha, o beneficiário deve clicar em: “Não sou um robô”.

Automaticamente será enviado um e-mail com um link para confirmar a validação do dispositivo do beneficiário. Caso o beneficiário não encontre o e-mail deve verificar a caixa de Spam. Após esta etapa de confirmação, basta abrir o aplicativo e clicar em “Liberar acesso”; Será enviado um código via SMS para o telefone cadastrado, o beneficiário deverá digitar esse código e depois criar um nome qualquer para o dispositivo. Finalizada esta etapa é só utilizar os serviços. Lembrando que o código é para uso exclusivo e não pode ser repassado para terceiros.

CANAIS DE ATENDIMENTO CAIXA

Para dúvidas sobre como utilizar o aplicativo, fazer pagamentos, compras ou saque, o beneficiário pode acessar os canais oficiais da Caixa Econômica Federal ou ligar para os números de contato: 3004 1104 – Para capitais e regiões metropolitanas; 0800 726 0104 – Para demais regiões; 0800 725 7474 – Ouvidoria.

Fonte: Secom-RO

Governo prorroga novamente programa de redução de salários e jornada

Com medida, Benefício Emergencial será pago por até seis meses

O presidente Jair Bolsonaro editou um novo decreto hoje (24) à tarde para prorrogar mais uma vez os prazos da redução de jornada e de salário e da suspensão do contrato de trabalho para os trabalhadores afetados pela pandemia de covid-19. A medida será publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), segundo informou a Secretaria-Geral da Presidência da República. Em julho, um decreto anterior estendia o programa de 90 para 120 dias, agora esse prazo será de 180 dias.

“Acabei de assinar um decreto prorrogando por dois meses um grande acordo, onde o governo entra com parte do recurso, de modo que nós venhamos a preservar 10 milhões de empregos no Brasil”, afirmou Bolsonaro em vídeo publicado nas redes sociais. Na gravação, ele aparece ao lado do ministro Paulo Guedes e do secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco.

A proposta altera os períodos máximos de realização dos acordos para redução proporcional de jornada e de salário, suspensão temporária de contrato de trabalho e pagamento do benefício emergencial em razão da realização desses acordos.

Como funciona

Pago aos trabalhadores que aderem aos acordos, o Benefício Emergencial (BEm) equivale a uma porcentagem do seguro-desemprego a que o empregado teria direito se fosse demitido.

No caso de redução de jornada e salário em 25%, 50% ou 70%, o governo paga um benefício emergencial ao trabalhador para repor parte da redução salarial. As empresas podem optar ainda por pagar mais uma ajuda compensatória mensal a seus funcionários que tiveram o salário reduzido.

O benefício é calculado aplicando-se o percentual de redução do salário a que o trabalhador teria direito se fosse demitido e requeresse o seguro-desemprego. Se o trabalhador tiver jornada e salário reduzidos em 50%, seu benefício corresponderá a 50% do valor do seguro desemprego ao que teria direito, se tivesse sido dispensado. No total, o benefício pago pode chegar até a R$ 1.813,03 por mês.

No caso de suspensão do contrato de trabalho em empresas com faturamento anual de até R$ 4,8 milhões, o trabalhador receberá 100% do valor do seguro desemprego a que teria direito. Para empresas com faturamento maior, o valor do benefício pago pelo governo será 70% do seguro desemprego, enquanto a empresa pagará uma ajuda compensatória mensal de 30% do valor do salário do empregado.

Como o dinheiro vem do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), o Ministério da Economia informou que a prorrogação não terá impacto no orçamento do programa, estimado em R$ 51,3 bilhões.

Desde o início do programa, em abril, 16,3 milhões de trabalhadores já fecharam acordo de suspensão de contratos de trabalho ou de redução de jornada e de salário em troca de complementação de renda e de manutenção do emprego. As estatísticas são atualizadas diariamente pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia num painel virtual.

Fonte: Wellton Máximo A/B

%d blogueiros gostam disto: