Amoêdo desiste de candidatura e critica falta de unidade no Novo

A decisão ocorre depois que uma ala do partido resolveu lançar o deputado Tiago Mitraud (Novo-MG) como pré-candidato ao Planalto

Um dos fundadores do Novo, João Amoêdo desistiu de disputar a Presidência da República pela segunda vez, em 2022. A decisão ocorre depois que uma ala do partido resolveu lançar o deputado Tiago Mitraud (Novo-MG) como pré-candidato ao Planalto, o que obrigaria os dois a disputarem internamente a vaga para a corrida presidencial. Ao justificar sua desistência, o quinto candidato mais votado na eleição de 2018 reclamou da falta de unidade e transparência da legenda.

Amoêdo tem adotado discurso duro contra o presidente Jair Bolsonaro, defendendo o seu impeachment. Embora faça críticas públicas ao presidente, a bancada do Novo é uma das mais alinhadas ao Planalto nas votações, conforme mostra o Radar do Congresso, ferramenta do Congresso em Foco que monitora o índice de governismo dos parlamentares.

“Após avaliar os acontecimentos subsequentes ao anúncio da minha candidatura em 01/06 decidi declinar ao convite anteriormente recebido. Na minha avaliação, a ausência de um posicionamento transparente, firme e célere da instituição, neste processo, demonstrou a falta de unidade do NOVO quanto ao propósito para 2022”, escreveu ele nas redes sociais.

Em nota, o partido agradeceu a Amoêdo. “Seguiremos trabalhando na construção de uma alternativa ao bolsopetismo para 2022. Agradecemos todo o inestimável esforço de João Amoêdo, que se dedica há mais de uma década para a construção e consolidação do Novo. Obrigado, João”, diz a legenda.

Veja a mensagem enviada por Amoêdo aos membros da Convenção Nacional do Novo:

“Após avaliar os acontecimentos subsequentes ao anúncio da minha candidatura em 01/06 decidi declinar ao convite anteriormente recebido. Na minha avaliação, a ausência de um posicionamento transparente, firme e célere da instituição, neste processo, demonstrou a falta de unidade do NOVO quanto ao propósito para 2022.

Muito me orgulharia representar o NOVO nesse momento tão importante para o nosso país, mas não há como iniciar essa dura caminhada sem a condição por mim citada quando da aceitação desse convite “mas aceito essa tarefa confiando que trabalharemos como um time, com resiliência, alinhamento, humildade e coerência, dentro dos princípios, valores e propósitos que justificaram a fundação do NOVO.”https://9eee0a059986c78a58296c0413fa3cf7.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Continuarei trabalhando na construção de um País melhor para todos.”

Fonte: Congresso Em Foco

Temer nega candidatura à presidência em 2022: “só me candidato à vacina”

A declaração foi dada pela rede social Twitter.

O ex-presidente da República Michel Temer disse, na noite de ontem (22), em sua conta no Twitter, que não lançou sua candidatura à presidência e rejeitou a possibilidade disso acontecer. Na mesma publicação, o ex-presidente relembrou que só tem uma candidatura atualmente: “A única candidatura a que me disponho é tomar a segunda dose da vacina. Nada mais!

A manifestação de Temer veio depois de o jornalista Ancelmo Gois, do jornal O Globo, publicar que alguns amigos de Temer lançaram sua candidatura a presidente, inclusive criando o grupo de WhatsApp “Michel Temer 2022.” Na sexta-feira (19), a Justiça Federal absolveu Temer das acusações de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do decreto dos portos.

O ex-presidente foi denunciado em 2018 pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que o acusou de ter recebido propina em troca da publicação de um decreto para prorrogar concessões e beneficiar a empresa Rodrimar, do setor portuário (decreto 9.048/2017).

“Não devemos abandonar a ideia de uma outra candidatura”

Em entrevista à CNN, na última quarta-feira (17), Michel Temer falou sobre as eleições de 2022 e a volta de Lula ao cenário político. “Eu acho que nós não devemos abandonar a ideia de uma outra candidatura”, disse referindo-se a uma alternativa entre o atual presidente Jair Bolsonaro e o provável candidato petista Lula.

“Eu acho com muita franqueza que haverá dois radicalismos, um do atual presidente, se for candidato à reeleição, e outro do ex-presidente Lula, se for candidato”, afirmou.

Para ele, porém, é muito cedo para se falar na eleição presidencial do ano que vem. Temer afirmou que seu partido, o MDB, só vai decidir se terá candidato próprio ou integrará outra chapa no ano quem.

Fonte: UOL

MDB deve definir candidatura no Senado nesta terça

Simone Tebet é a favorita

A bancada do MDB no Senado deve definir nesta terça-feira (12) quem vai escolher para concorrer à presidência da Casa. Concorrem à indicação os senadores Eduardo Braga (AM) e Simone Tebet (MS) e ambos trabalham para um acordo para que a candidatura seja definida hoje.

A ideia é anunciar o candidato nesta tarde, após reunião de recepção da bancada aos novos senadores filiados Rose de Freitas (ES) e Veneziano Vital do Rego (PB).

O principal concorrente do partido é o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que já conseguiu o apoio do PSD (11 senadores), PT (6), Pros (3), Republicanos (3) e PSC (1). Os partidos somam juntos 29 senadores.

No cenário atual, a senadora Simone Tebet é o nome com mais força para ser candidata pelo MDB. Ontem (11), o PT, que mantinha diálogo com Eduardo Braga, decidiu apoiar Pacheco.

Além da definição dos candidatos, os emedebistas tentam fechar nesta semana o apoio do Podemos (10 senadores) e do PSDB (7). Se confirmadas as alianças, o candidato do MDB lideraria um bloco de 32 senadores.

“Vamos tentar encaminhar a definição do MDB e o nosso candidato vai conversar com os partidos, será da competência do candidato conversar com os partidos”, disse o líder do MDB, Eduardo Braga, ao Congresso em Foco.

Simone crê que a disputa pelo comando do Senado está equilibrada e que o MDB pode avançar em apoios nesta semana. “Só somar as bancadas, MDB, PSDB e Podemos, fora demais … somam 30”, disse a senadora ao site.

Por Lauriberto Pompeu

Com apoio de Alcolumbre, Pacheco deve oficializar candidatura dia 18

Senador do DEM de Minas já tem sinalização de apoio da bancada do PSD e segue em conversas nas próximas semanas

senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) deve lançar oficialmente a candidatura à presidência do Senado em uma semana e meia, na segunda-feira (18). O lançamento só não irá ocorrer se o parlamentar perceber que não há apoio suficiente para que o seu nome seja competitivo. 

Por enquanto, nada indica a retirada da pré-candidatura. Com apoio de Alcolumbre, impedido de renovar o próprio mandato após decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), Pacheco tem conversado com os seus pares, que são também os seus eleitores, e recebido demonstrações de apoio. Ontem o PSD, partido comandado por Gilberto Kassab, anunciou apoio unânime da bancada de 11 senadores após encontro em Belo Horizonte, com a presença de Kassab e do senador baiano Otto Alencar, na casa do prefeito da capital mineira, Alexandre Kalil. 

Nos próximos dias, Pacheco pretende realizar encontros com senadores em Brasília, e em caso excepcionais viajar aos Estados para as conversas. Só tomará a decisão do lançamento oficial após essas conversas. 

As maiores bancadas no Senado são do MDB, com 13 senadores, do PSD, com 11, do Podemos com 10 senadores, seguidos de PP e PSDB, ambos com 7 senadores. O MDB pretende exercer a tradição da prerrogativa de indicar o presidente por ter a maior bancada, mas esse acordo só é possível quando há maioria. Na eleição passada, o MDB insistiu no nome do senador Renan Calheiros (AL) que tinha restrições na Casa, e acabou derrotado no voto por Alcolumbre, até então visto como azarão.

O revés levou a uma eleição atribulada, com briga dentro do plenário entre os senadores Renan Calheiros e Tasso Jereissatti e roubo da pasta da sessão pela senadora Kátia Abreu. 

Fonte: R7

Candidatura avulsa em debate no STF

E assim será talvez no caso da candidatura avulsa

O comodismo e a politicagem dos congressistas – que agem há muito tempo em interesses próprios, partidários ou de grupos que representam e deixam muitas vezes de legislar matérias de interesse da coletividade social – têm conferido protagonismo ao STF no seu ativismo judicial, fruto da crise política de identidade legislativa no papel fundamental de fazer as leis do país. 

Então, pela omissão do Legislativo, o STF, provocado, tem estabelecido regras, que, a rigor, competiriam ao Poder Legislativo. E assim será talvez no caso da candidatura avulsa – que já deveria ser objeto de reforma política ampla – à qual as excelências do Olímpio Legislativo Federal só esboçam movimentação diante da intervenção da Suprema Corte. 

Segundo indagou o ministro do STF Luís Roberto Barroso, “há uma discussão prévia, que é uma discussão importante, de saber se essa é uma escolha política que cabe ao Congresso ou se é uma matéria de interpretação constitucional, que pode ou deve ser de atuação do Supremo”. 

A matéria é de interesse nacional. E visa a combater a podridão dos partidos, que já não nos representam, tais são os desvios de condutas dos políticos filiados. Visa também combater as oligarquias partidárias, que têm imposto a candidatura de certos candidatos. 

Por outro lado, cabe enfatizar que não temos mais partidos políticos no Brasil, mas sim um cipoal de siglas partidárias, cuja maioria de seus membros não tem nenhuma identificação ideológica e política e estão sempre mudando de partidos. Partido político só serve para desfalcar o Tesouro Nacional. 

Assim como o voto distrital puro é a saída para a moralização política representativa, por aproximar o eleitor do político e vice-versa, a candidatura avulsa é mais democrática por não condicionar ou obrigar ninguém a vincular-se a partido político e por ser a forma mais barata de eleição. 

Não há necessidade de consultar a sociedade porque será posto à disposição dos eleitores uma alternativa democrática de candidatura política. 

Ademais, a matéria, considerada vedada por alguns com base no Art. 14 da CF, ainda não está pacificada no STF, e, portanto, padece de exegese constitucional. 

Por outro lado, o legislador ao condicionar a filiação partidária, ele se refere ao candidato que representará uma agremiação política de que trata o Art. 17 da CF. Se o candidato não representa nenhum partido político, a Constituição não impede expressamente a sua candidatura avulsa. 

Logo, não vejo impedimento de poder haver perfeitamente as duas condições: a candidatura avulsa sem vinculação e a candidatura vinculada a partido político.  

Por Júlio César Cardoso*

*Júlio é Servidor federal aposentado

Carla Redano tem registro de candidatura deferido pela Justiça Eleitoral

Na decisão, a magistrada alegou que houve erro no protocolo da impugnação no processo individual de candidatura

A Juíza Elizangela Nogueira, da 10ª Zona Eleitoral de Ariquemes/RO, julgou improcedente a ação que visava impugnar o registro de candidatura da candidata a prefeita Carla Redano.

Na decisão, a magistrada alegou que houve erro no protocolo da impugnação no processo individual de candidatura, pois neste, segundo a Juíza, somente poderia ser debatido a aptidão do candidato e o atendimento às condições de elegibilidade e de eventual causa de inelegibilidade.

A impugnação correta deveria ter sido protocolada no Demonstrativo de Registro de Atos Partidários – DRAP do partido Patriota, o que não foi feito.

Por fim, constou na decisão que não cabe à Justiça Eleitoral examinar os critérios internos pelos quais os partidos e coligações escolhem os candidatos que irão à disputa das eleições, como pretendia o impugnante, pertencente ao Partido dos Trabalhadores-PT.

Por esses motivos é que foi deferido o registro de candidatura de Carla Redano.

Procurado pela reportagem, o advogado de Carla Redano, Nelson Canedo, disse que a impugnação com base em atos praticados em convenção partidária não pode ser realizado no processo de registro individual, sendo esse um posicionamento pacifico perante o TSE. Aliás, segundo o advogado, o processo do DRAP do partido Patriotas já foi julgado e deferido, encontrando-se atualmente acobertado pelo manto da coisa julgada, portanto essa discussão se encerrou.

Veja a íntegra:

CARLA-3

Fonte: blogpainel

Em campanha, Herminio Coelho declara apoio à candidatura de Luiz Coelho

De olho em 2.022, Herminio Coelho entra na campanha para eleger o filho “Luiz Coelho”

Luiz Coelho (PV) conseguiu um aliado de peso para eleger uma nominata de vereadores do partido verde em Porto Velho, filho do ex-deputado estadual e ex-presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia Hermínio Coelho. Ele tem 28 anos e disputa um cargo eletivo pela primeira vez na política local.

Carismático e líder no combate a corrupção, o ex-deputado estadual Hermínio Coelho é a esperança do PV para eleger Luiz Coelho e fortalecer a bancada de vereadores nas eleições deste ano em Porto Velho, capital de Rondônia.

Depois de cumprir três mandatos de deputado Estadual e dois mandatos de presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia, Hermínio Coelho, entrou na campanha para ajudar eleger seu filho, Luiz Coelho conseguir uma vaga de Vereador pelo (PV). Herminio Coelho (PV), terá um papel importante nesta eleição. Além de ajudar eleger o filho, Herminio Coelho está de olho na Assembleia Legislativa em 2.2022.

Luiz Coelho, é graduado em Engenharia Florestal, trabalhou nas Secretarias Municipal de Meio Ambiente (SEMA), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (SEDAM), e no Sistema de Proteção da Amazônia (SIPAM). Atualmente era Conselheiro Tutelar, cargo do qual se afastou para disputar a eleição para Vereador.

“Coloco o meu nome à disposição dos eleitores de Porto Velho, porque me sinto preparado para exercer as funções de um mandato legislativo. Sabemos que a função do Vereador é legislar, sugerir e também fiscalizar as ações do Poder Executivo Municipal; além de elaborar e aprovar projetos de interesse do Município e da coletividade”, disse Luiz.

da Redação/CN

Prefeito ganha apoio de motoristas e cobradores para reeleição em RO

Hildon Chaves se reuniu com apoiadores na sede do sindicato (Sitetuperon).

Em uma ação inesperada, os motoristas e cobradores do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Transportes Urbano (Sitetuperon) declararam apoio à candidatura de reeleição do prefeito Hildon Chaves, que concorre com o número 45.

Reunidos na sede do sindicato, a categoria fez questão de adesivar seus veículos particulares. Na ocasião, o prefeito destacou que Porto Velho vive um novo momento no setor de transporte público.

“Todos sabem que o transporte coletivo do nosso município entrou em colapso com a saída do consórcio SIM, que simplesmente abandonou a cidade e todos os que dependiam dela. Hoje a nossa realidade é encantadora. A população está sendo atendida com ônibus novos, linhas inteligentes com integração e acima de tudo com respeito e comprometimento”, disse.

Hildon Chaves ressaltou, ainda, que o município não podia ficar sem transporte coletivo. “É um direito social garantido pela Constituição Federal. Ao todo, a frota será composta por cerca de 140 ônibus e todos as linhas e trajetos poderão ser visualizados na palma da mão, através do aplicativo de celular Cittamobi, disponível nos sistemas Android e IOS. Após baixar o aplicativo no celular é possível verificar as linhas que passam por um ponto de embarque e o tempo de espera até a chegada do próximo ônibus”, explicou.

Em nome da categoria, o presidente do Sitetuperon, Francinei Oliveira agradeceu o prefeito Hildon Chaves e ressaltou que esse momento de transição estava sendo aguardado há muito tempo, tendo em vista as péssimas condições de trabalho ofertadas pela empresa anterior. “Graças o Dr. Hildon Chaves, hoje os pais de família que vinham sofrendo podem enfim ter um momento de sonho, de futuro”, relatou.

A nova empresa transporte coletivo, que começou a operar em Porto Velho no dia 1 de outubro, contará com linhas de ônibus coletoras, radiais e arteriais.

A Secretaria Municipal de Trânsito, Mobilidade e Transportes (Semtran) e a empresa JTP Transportes, organizaram a divisão dos trajetos da seguinte forma:

Linhas coletoras

São aquelas que circulam somente dentro dos bairros e iniciam com o número “2”. Zona Leste: Ulisses Guimarães, Mariana, Orgulho do Madeira, Jardim Santana, Cristal da Calama, Planalto, União da Vitória, Presidente Roosevelt, Presidente Roosevelt Cemetron, Ulisses Via BR, Bairro Novo. Zona Norte: Nova Esperança e Alphaville. Zona Sul: Novo Horizonte, Cidade do Lobo, Cidade Nova e Cohab. Centro: Circular.

Linhas radiais

São as que interligam os bairros à região central e podem ser identificadas pela numeração que inicia com “3”. Zona Leste: Santa Marcelina e Guajará Zona Norte: Vila Dnit e Nacional Zona Sul: Campus Unir e Triângulo.

Linhas arteriais

São aquelas que fazem trajetos expressos, também ligando os bairros às regiões centrais de Porto Velho, porém mais ágeis, segundo a Semtran, utilizando a integração com as linhas coletoras e radiais. Essas iniciam com o número “1”. Zona Sul: Expresso Campos Sales, Expresso Norte Sul, Expresso Shopping. Zona Leste: Expresso Cantuária, Expresso CPA, Expresso Caúla, Expresso Guajará e Expresso Hospital de Base Via Shopping.

Fonte: Rondônia Agora

Candidatura de Evaldo da Agricultura recebe apoio de lideranças

O campanha do candidato a vereador continua crescendo e recebendo adesões importantes de lideranças.

A cada dia o candidato a vereador Evaldo da Agricultura, ganha proporcionalidade e apoios de lideranças em Porto Velho, a campanha do candidato continua crescendo e recebendo adesões importantes de lideranças.

Nesse domingo (11/10), Evaldo da Agricultura, esteve reunido com novas lideranças, entre elas, os lideres Ivanir Guerreira, Osmar do Joana Darc presidente da linha 17 e Vanderlei, além de outras lideranças e populares que acompanharam o encontro.

Durante o encontro, Evaldo da Agricultura ouviu queixas das lideranças sobre as dificuldades que cada um tem enfrentado para resolver os problemas diários da comunidade. “Nós queremos um vereador conversando com as pessoas” ressaltou Ivanir.

Já Osmar do Joana Darc garantiu que o retrospecto de vida de Evaldo da Agricultura é um dos pontos que podem garantir às lideranças que elas terão fácil acesso ao prefeito, caso Evaldo seja eleito. 

O candidato a vereador agradeceu os importantes apoios recebidos, destacando que além dos homens, as mulheres estarão bem representadas em seu grupo. “São duas lideranças que lutam por Porto Velho e para dar visibilidade às necessidades das mulheres”, disse Evaldo.

Veja o vídeo:

da Redação/CN

Bolsonaro confirma apoio a Russomanno em São Paulo

Celso Russomanno lidera as intenções de voto na capital paulista em um embate direto com o atual prefeito Bruno Covas.

Jair Bolsonaro confirmou apoio à candidatura de Celso Russomanno (Republicanos-SP) nesta segunda-feira (5). O presidente esteve em São Paulo e disse que não pretendia entrar nas decisões de eleições municipais, mas que Russomanno “é um amigo de velha data” e que está “pronto para ajudá-lo no que for preciso”. A informação é da Folha de S. Paulo.

Celso Russomanno lidera as intenções de voto na capital paulista em um embate direto com o atual prefeito Bruno Covas (PSDB). A coligação tucana conta com 11 partidos e chancela do governador João Doria (PSDB), concorrente direto de Bolsonaro nas próximas eleições de 2022.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Russomanno recepcionou Bolsonaro nesta tarde no Aeroporto de Congonhas. O candidato estava acompanhado do publicitário de sua campanha, Elsinho Mouco. O presidente está em São Paulo para participar, à noite, de culto em ação de graças pelo aniversário do Pastor Wellington Bezerra da Costa, presidente das Igrejas Evangélicas Assembleia de Deus do Brasil. O candidato do Republicanos também irá ao evento.

Em São Paulo, Bolsonaro retornou ao hospital Hospital Albert Einstein, após cirurgia realizada no fim do mês passado para retirada de um cálculo da bexiga. De acordo com os médicos, o presidente encontra-se “assintomático e em excelentes condições clínicas”.

A comitiva de Bolsonaro contou com o ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente e Damares Alves, da Família e Direitos Humanos, além do secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Fabio Wajngarten. O presidente retorna a Brasília ainda na noite desta segunda-feira.

Fonte: Congresso em Foco