Carreata pede “paz no campo” contra invasões na região da BR-429

A carreata começou às 8h e foi encerrada às 13h30 e percorreu de São Domingos a São Miguel do Guaporé

Foi realizada, nesta sexta-feira (21), na BR-429, uma carreata visando chamar atenção das autoridades estaduais e federais para resolver a situação das invasões às propriedades rurais na região, que são promovidas por autodenominados “movimentos sociais” que, nas ações, utilizam práticas que, segundo os moradores da região, podem ser consideradas terroristas, pois invadem, destroem, matam animais e até agridem os moradores.

“Estamos vivendo inseguros, pois nossas propriedades, assim como todas as demais que já foram invadidas na região, são superprodutivas e, se acontece uma invasão, esses grupos nos trará um enorme prejuízo”, disse Misael Alves de Souza, representantes do Sindicato dos produtores Rurais de Costa Marques.

Trajeto

Edson Afonso, pecuarista e integrante dos três sindicatos de produtores rurais

A “Carreata pela Paz no Campo” foi iniciada em São Domingos, distrito de Costa Marques, passou pelos municípios de São Francisco e Seringueiras e foi encerrada em São Miguel do Guaporé.

“O agronegócio é responsável por mais de 50% do nosso PIB estadual e boa parte disso advém de nossas produções aqui da região do Vale do Guaporé. Se não temos paz e segurança, isso nos desestimula. Nosso estado precisa nos proteger dessas ações criminosas que ocorrem aqui na região”, enfatizou Edson Afonso, pecuarista e integrante dos três sindicatos de produtores rurais que existem ao longo da BR-429.

A careta contou com a participação de pecuaristas, pequenos e grandes agricultores, famílias, empresários e autoridades políticas.

“Para além desse problema, nossa carreata também visou dar ênfase à luta de muitos de nós que ainda não contamos com a titularização de nossas propriedades, o que nos impede de avançar economicamente, inclusive de ter acesso ao crédito para poder fazer mais e mais investimentos, e produzir mais e gerar mais renda e riqueza tanto à região quanto ao estado como todo”, pontuou Edson Afonso.

Comissão de Segurança já discute o tema

Ismael Crispin, deputado estadual e presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa

Ismael Crispin, deputado estadual e presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa, disse que o tema já vinha sendo debatido na Comissão e que agora o assunto ganha mais peso ainda com a carreata.

“O que vamos buscar é um meio de garantir que a invasão não aconteça porque, a partir do momento em que ela acontece, o clima de tensão se estabelece. Nossos produtores não podem mais viver essa situação aqui na região e no estado como um todo, e vamos lutar com mais afinco para isso. O estado precisa de mais policiais, de mais recursos no orçamento, de mais equipamentos para que essa salvaguarda ocorra de forma eficiente. Essa é uma situação que, em não havendo efetiva ação proativa doe estado, pode descambar para algo pior, e é o que não queremos”, pontuou o deputado.

Trajeto final

Antes de fazer o encerramento da carreata no pátio do posto de combustíveis que fica na saída de São Miguel para Seringueiras, os manifestantes deram uma volta pelo centro da cidade e passaram em frente ao 11° Quartel da Polícia Militar e, na sequência, em frente à Delegacia de Polícia Civil. A carreata começou às 8h e foi encerrada às 13h30.

Por Fernando Pereira

Motoristas fazem pequena carreata em protesto após assassinato de colega morto em Porto Velho

A vítima foi identificada como Francisco Raimundo de Araújo, de 55 anos.

Cortejo percorreu as principais ruas de Porto Velho — Foto: Jheniffer Núbia/ G1
Cortejo percorreu as principais ruas de Porto Velho

Taxistas e mototaxistas se reuniram em um cortejo no final da manhã desta quinta-feira (29), a ação é um protesto pelo assassinato de um companheiro de profissão que foi morto com mais de 20 facadas em um possível roubo em Porto Velho.

Veja Também:

O crime é investigado pela Delegacia de Patrimônio. A vítima foi identificada como Francisco Raimundo de Araújo, de 55 anos. O sepultamento será no cemitério Santo Antônio.

“A gente quer Justiça pelo nosso amigo e segurança para trabalhar. Fizemos esse cortejo e manifestação. Iremos enterrar nosso amigo, esse é um crime muito bárbaro. Estamos todos revoltados com a falta de segurança”, disse.

O corpo de Francisco Raimundo de Araújo foi encontrado pela polícia na manhã de quarta-feira (28) em uma estrada rural de Porto Velho. A polícia informou que ele foi golpeado com 23 facadas. O carro da vítima foi abandonado próximo ao local onde o corpo foi achado.

Fonte: G1/RO

Em Brasília, povo se revolta e faz Carreata e protesto em frente a casa do Governador (veja o vídeo)

.

Criatividade para protestar e se manifestar marca mega evento em Brasília, contra medidas restritivas do Governador Ibaneis Rocha.

A partir deste domingo (28), uma série de medidas restritivas do governador para conter a falta de leitos no Distrito Federal entraram em vigor.

Os mais afetados foram os trabalhadores do comércio e do setor de serviços, como bares, restaurantes, academias e salões de beleza, entre outros, que deverão manter as portas fechadas por pelo menos 15 dias.

Indignado, o povo foi às ruas em Brasília protestar.

Imagem em destaque

Só que desta vez, a manifestação foi marcada para acontecer em frente a casa do Governador.

Às ruas do Lago Sul em Brasília, bairro onde ele reside, foram tomadas por cerca de 10 mil carros. Isto mesmo, cerca de 10 mil carros.

No início da pandemia, a justificativa era ganhar tempo para que o sistema de saúde ganhasse fôlego e ampliasse a sua capacidade de leitos.

E agora? Qual será a justificativa? Incompetência? Má gestão dos bilionários recursos disponibilizados pelo Governo Federal?

Aguardemos o resultado da manifestação de hoje!

As cenas dos próximos capítulos prometem, já que a paciência do povo parece que chegou ao limite.

Veja o vídeo:

Fonte: JCO

Comerciantes promovem carreata em protesto pelo fim do isolamento e pedem reabertura do comércio em Porto Velho

Além de fechar bares, restaurantes e demais serviços considerados não essenciais, o governador decretou toque de recolher durante 10 dias.

Na manhã desta terça-feira (26), empresários realizam uma carreata percorrendo as ruas da capital protestando contra o fechamento do comércio e pedindo a reabertura e também a criação de novos leitos para pacientes infectados com o covid-19.

No dia 17 deste mês, um novo decreto colocou 28 municípios na fase 1 do distanciamento social como forma de enfrentamento da doença. Com isso, o comercio da Capital e das demais cidades que regrediram de fase tiveram que fechar.

Além de fechar bares, restaurantes e demais serviços considerados não essenciais, o governador decretou toque de recolher durante 10 dias.

Por conta disso, os empresários decidiram chamar atenção do Estado e organizaram uma carreata nas principais avenidas da cidade, passando ainda na frente do CPA.

A comerciante Sofia Andrade, que trabalha com churrasquinho, disse que toda população está sendo prejudicada com o decreto. “É muito fácil para os nossos governantes, dentro de suas salas, decidirem a vida de um povo que trabalha de noite para comer de manhã. Nós estamos aqui por todos, pelas pessoas que estão precisando de um leito e não tem”, disse.

Fonte: Assessoria