Secretaria de Saúde confirma oito casos da variante Delta em São Paulo

O primeiro caso de transmissão comunitária foi confirmado no dia 9

A Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo confirmou hoje (20) que a capital já registra oito casos da variante Delta do novo coronavírus, que teria surgido na Índia. Na semana passada, a prefeitura já havia confirmado que a cidade enfrentava transmissão comunitária da variante delta.

O primeiro caso autóctone (transmissão comunitária) da variante Delta em São Paulo foi confirmado no dia 6 de julho, referente a um homem de 45 anos, sem histórico de viagem e que apresentou sintomas leves da covid-19, sem necessidade de internação. Até então, só um caso importado havia sido identificado em São Paulo, de um morador da cidade de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, que desembarcou no aeroporto de Guarulhos vindo da Índia.

O surgimento de mutações, segundo a secretaria, é um evento natural e esperado dentro do processo evolutivo dos vírus. Desde a caracterização genômica inicial do SARS-CoV-2, que causa a covid-19, o vírus se dividiu em diferentes grupos genéticos. Algumas dessas mutações podem dar vantagens biológicas que facilitam a propagação dos vírus ou até provocar casos mais graves.

Atualmente, quatro variantes são consideradas “variantes de atenção” pelas autoridades sanitárias devido à possibilidade de aumento de transmissibilidade ou gravidade da infecção. São elas: gamma (P.1), alpha (B.1.1.7), beta (B.1.351) e Delta (B.1.617.2). A Delta é uma variante de preocupação no mundo todo, sendo responsável pelo aumento de casos em diversos países, inclusive na Europa.

Além desse primeiro caso identificado de transmissão comunitária, outros quatro foram registrados na zona leste e dois na zona norte. Um oitavo caso foi verificado em uma paciente de um hospital privado. Todos esses pacientes diagnosticados com a variante Delta, segundo a prefeitura, estão bem.

Desde maio, a prefeitura de São Paulo tem intensificado estudos para monitorar o surgimento de novas variantes na cidade. 

“Seguiremos com as medidas de rastreamento de todos esses casos, que serão acompanhados pelos nossos técnicos e profissionais para saber se houve contato com viajantes”, disse o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido. “Seguimos enviando os testes, por amostragem, para os institutos Butantan, Adolfo Lutz e de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (USP)”, disse.

Ontem (19), o Ministério da Saúde confirmou 110 casos da variante Delta em todo o país. Desses, cinco casos evoluíram para quadro grave.

Fonte: Maria Claudia A/B

Estado do Rio de Janeiro registra 44 casos da variante Delta

Ao todo são 74 casos em 12 municípios do estado

A Secretaria estadual de Saúde do Rio de Janeiro (SES) informou no sábado (17) o registro de mais 63 casos da variante Delta do coronavírus, do total de 380 amostras processadas. São 74 casos em 12 municípios do estado.

Os novos municípios com identificação de casos da variante Delta são Duque de Caxias, Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Maricá, Mesquita, Niterói, Nova Iguaçu, Queimados. Em Seropédica, São João de Meriti e Rio de Janeiro, já foram identificados casos anteriormente.

As secretarias municipais já foram notificadas e farão a investigação epidemiológica, com apoio da Secretaria de Saúde.

“A confirmação foi possível graças aos últimos resultados do projeto Corona-Ômica-RJ, um dos maiores do país, que realiza a análise mensal de cerca de 800 amostras de todo o estado”, disse a pasta.

Nessa última rodada de exames, a variante Delta representou 16,57% do total de 380 amostras processadas. O relatório final do último levantamento está em finalização e, em breve, ficará disponível no link de publicação de rotina.

Segundo a Secretaria de Saúde, os dados recentes do monitoramento mostram a presença da variante Delta (B1.617.2), entretanto, a linhagem P.1 (Gama/Brasil) continua sendo a mais frequente no estado. Há registro em baixa frequência da VOC B.1.1.7 (Alfa/Reino Unido), além do declínio da P.2, desde novembro do ano passado.

Cidade do Rio

Dos 74 casos da variante Delta, 23 foram registrados na capital fluminense. Ontem (17), o secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, informou que mais 15 casos da variante Delta foram confirmados na cidade do Rio, elevando o total para 23. 

A variante Delta foi identificada pela primeira vez na Índia e se tornou a quarta variante de preocupação sinalizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), ao lado da Alfa, Beta e Gama. As três anteriores tiveram seus primeiros casos sequenciados no Reino Unido, na África do Sul e no Brasil. 

As variantes de preocupação recebem atenção especial das autoridades de saúde porque têm potencial maior de transmissão.

“Independentemente da cepa do vírus ou linhagem, as medidas de prevenção e métodos de diagnóstico e tratamento da covid-19 seguem os mesmos. Sendo assim, não há alteração nas medidas sanitárias já adotadas, como uso de máscaras e álcool em gel, lavagem das mãos e distanciamento social. Além disso, é importante que os municípios continuem avançando no processo de vacinação contra a covid-19 e que a população retorne para receber a segunda dose. Estudos mostram que todas as vacinas disponíveis no Brasil são eficazes contra as variantes identificadas até o momento”, alerta a Secretaria estadual de Saúde.

Fonte: Fernando Fraga A/B

A confirmação do afastamento de Maju Coutinho do Jornal Hoje

É Maju Coutinho, felizmente “O choro é livre”…

A última semana não foi das melhores para a apresentadora Maju Coutinho.

O seu afastamento do Jornal Hoje foi confirmado pela Rede Globo.

A princípio a informação é de que a âncora deverá se ausentar por alguns dias, por conta de sua participação no Criança Esperança, no dia 23 de agosto.

Porém, corre a ‘boca pequena’ que sua saída em definitivo do JH são favas contadas, vez que há pelo menos 6 meses César Tralli vem sendo apontado como futuro âncora do programa.

De todo modo, os números negativos deverão ser fundamentais para definir o destino de Maju.

Ela se mostrou incapaz de subir a audiência do JH.

No dia 7 de julho, quando o seu afastamento foi confirmado, o telejornal foi mais uma vez derrubado nos números e atingiu apenas 8,6, enquanto costumava brilhar na casa dos 10. Na Record, Gênesis se destacou com 13,0 e no SBT, Chiquititas brilhou com 7,4.

Fonte: TV Foco

Marco Aurélio Mello, do STF, tem aposentadoria confirmada

Jair Bolsonaro já antecipou que escolherá o atual advogado-Geral da União, André Mendonça, para o cargo

O ministro Marco Aurélio Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), teve a aposentadoria confirmada pelo Diário Oficial desta sexta-feira (9). A última votação com a participação dele na Corte aconteceu em 23 de junho, quando o Supremo considerou o ex-juiz Sérgio Moro parcial ao condenar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva,

A determinação é assinada pelo presidente Jair Bolsonaro, que já antecipou que escolherá o atual advogado-Geral da União, André Mendonça, para o cargo.

A oficialização da nomeação de Mendonça deve ocorrer em breve, mas sofre rejeição por parte dos senadores, que precisam confirmar a indicação. O ex-presidente da Casa e atual comandante da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), Davi Alcolumbre (DEM-AP), tentou convencer Bolsonaro a indicar outro nome para a vaga.

Assim que for indicado, o nome de Mendonça será inicialmente analisado pela CCJ do Senado antes de chegar ao plenário da Casa. Para conquistar a vaga, é necessário obter mais da metade dos votos dos parlamentares presentes na sessão.

Mello permaneceu no cargo até a data-limite com a intenção de reduzir o acervo de processos pendentes ao sucessor. Mello completará 75 anos em 12 de julho, quando não poderá mais integrar a Corte.

Em sua sessão de despedida, no último dia 1º de julho, Mello lembrou da trajetória de 55 anos dedicados ao serviço público. “Estava talhado para fazer a faculdade de engenharia, mas há o destino”, recordou.

Fonte; R7

Semusa informa que público deve ficar atento à confirmação do agendamento para vacinação

Antes de ir ao ponto de vacinação o agendamento é feito no aplicativo SASI. É possível verificar no Portal Imuniza a consulta do agendamento.

Nesta quarta-feira (23), o público com mais de 45 anos, sem comorbidade, continua sendo atendido no Campus I da Faculdade Uniron. A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) reforça que o atendimento é para pessoas cadastradas e com agendamento confirmado pelo aplicativo SASI.

As pessoas que fazem parte deste público, e que ainda não receberam a confirmação do agendamento, devem aguardar, pois o público com mais de 45 anos é amplo na capital. “O atendimento está sendo feito apenas para esse público que recebeu o agendamento porque temos um grupo muito grande nessa faixa etária”, explica Elizeth Gomes, gerente da Divisão de Imunização.

Todos serão agendados para a vacinação, mas para isso é importante baixar o aplicativo SASI, fazer o cadastro e aguardar a confirmação do agendamento.

Para baixar o aplicativo no sistema Android, basta acessar o link: https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.sasi.app.

Para baixar no sistema IOS, clique no link: https://apps.apple.com/br/app/sasi/id1467748272.

CONSULTA

O Portal Imuniza, da Prefeitura de Porto Velho, também oferece o serviço de consulta de agendamento de vacinação. Basta acessar o site aqui.

Dados preliminares mostram que nesta terça-feira foram vacinadas 3.300 pessoas com a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

Até o momento, 184.228 doses foram aplicadas em Porto Velho, 137.407 pessoas receberam a primeira dose e 46.821 receberam a imunização completa.

Das 220.346 doses recebidas pelo município do Ministério da Saúde, cerca de 83% já foram utilizadas.

Fonte: Semusa

Prefeitura aguarda confirmação do MS para iniciar vacinação em profissionais da Educação em Porto Velho

Mais de 8 mil profissionais da Educação aguardam pela 1ª dose da vacina contra a Covid-19.

Em Porto Velho, mais de 8 mil profissionais da Educação aguardam para tomar a primeira dose da vacina contra a Covid-19. Na última semana, o Ministério da Saúde (MS) definiu, em nota técnica, a ordem de prioridade para vacinação desses profissionais.

Conforme o documento, professores de creches e pré-escolas deverão ser os primeiros da fila, e os da educação superior, os últimos.

Na capital rondoniense, 4.564 trabalhadores fazem parte da educação básica e 4.257 integram a educação superior.

A Prefeitura de Porto Velho disse que ainda não recebeu um posicionamento do Ministério da Saúde quanto à imunização dos profissionais da educação.

“Oficialmente as unidades federativas ainda não foram notificadas da nova orientação pelo MS. Para um posicionamento efetivo, precisamos da emissão da norma técnica, pois nela estão contidas as diretrizes de como os entes federados (estados e municípios e o DF) devem agir, ou seja, não há como se programar sem saber que diretrizes seguir”, explicou.

Além disso, a administração municipal esclareceu que as aulas só voltam a acontecer de forma presencial quando 100% dos trabalhadores da Educação estiverem vacinados.

Os profissionais da educação são o 18º e o 19º grupos prioritários da imunização, conforme a edição mais recente do Plano Nacional de Operacionalização (PNO) da vacinação contra a Covid-19.

Fonte: Comdecom

Bolsonaro confirma intenção de reajustar valor do Bolsa Família

Presidente condicionou alta ao fim das políticas de restrição ao comércio. Intenção é subir valor após fim do auxílio emergencial

O presidente Jair Bolsonaro confirmou na manhã desta quinta-feira (20) que o governo trabalha no reajuste do Bolsa Família para o início do segundo semestre deste ano. Em fevereiro, o benefício médio chegava a R$ 186, conforme o governo federal.

“Estamos trabalhando para que após o quarto mês dessa etapa do auxílio emergencial [que termina em julho], suba o valor médio do Bolsa Família, porque sabemos que houve inflação, os preços dos alimentos aumentaram”, disse o chefe do Executivo durante inauguração de ponte sobre o Rio Parnaíba, em Santa Filomena, na divisa entre os estados do Piauí e Maranhão.

Bolsonaro, contudo, afirmou que o reajuste só será possível com o fim das medidas de restrição ao comércio adotadas por governadores e prefeitos para frear o contágio da pandemia. “Mas isso passa pela não destruição de empregos, pelo não fechamento de comércios, pela coragem de decidir ao lado da realidade.”

O presidente voltou a comparar a política de transferência de recursos durante a crise sanitária ao programa que virou slogan das administrações do PT. “Grande parte dos brasileiros vive da informalidade, não tem carteira assinada. E foram esquecidos por estes que mandaram fechar comércios e destruíram empregos. Fizemos o possível. De auxílio emergencial ofertamos a 64 milhões de brasileiros em 2020, mais do que os 8 primeiros anos dos PT [gestão Luiz Inácio Lula da Silva], somado aos meia-dúzia [de anos] daquela senhora [Dilma Rousseff, que sucedeu Lula].

Nesta semana, o governo federal anunciou que o Bolsa Família bateu novo recorde histórico, com 14,69 milhões de famílias contempladas em maio. A maior marca anterior havia sido registrada no mês passado, com 14,61 milhões de benefícios, conforme o Ministério da Cidadania.

Sobre a crise econômica que assola o país devido à pandemia, o presidente negou que tenha qualquer responsabilidade sobre o problema. “A conta é de quem fechou tudo sem qualquer responsabilidade, sem comprovação científica, apenas para posar. Defendemos distanciamento e higiene, mas emprego é tão ou mais importante a nossa preocupação do que lutar pelo vírus. Pedimos a Deus para ficarmos livres desse maldito vírus. Temos que enfrentar os problemas. Como diz a passagem bíblica, ‘se no momento da aflição você for frouxo, sua força será pequena'”, afirmou.

Ao lado de ministros e senadores, o presidente revelou aos presentes que “namora” um retorno ao Partido Progressistas (PP). “Agradeço ao senador Ciro [Nogueira, do PP pelo Piauí]. Fui do Partido Progressista durante muito tempo. Ele não está apaixonado por mim, não, pessoal. Mas ele está me namorando. Ele quer que eu retorne ao partido dele. Quem sabe… Se ele for bom de papo, quem sabe a gente volte para lá. Não estou me fazendo de dfícil. É um grande partido”, disse Bolsonaro.

Conforme o colunista Thiago Nolasco publicou em seu blog, apesar de cogitar uma legenda maior para o presidente, como o PP dos aliados Arhtur Lira (presidente da Câmara) e Ciro Nogueira, uma pessoa próxima à Bolsonaro e que tem acompanhado as negociações garante que o foco ainda é em partidos pequenos.

O objetivo, neste caso é que o presidente e seus filhos possam assumir o comando da legenda, “a ideia é ir para um partido pequeno. O presidente não quer campanha milionária”, diz uma fonte. Sem filiação desde novembro de 2019, o presidente está entre duas legendas para a disputa da reeleição no ano que vem: PMB (Partido da Mulher Brasileira), que recentemente mudou de nome para Brasil 35, e PRTB (Partido Renovador Trabalhista Brasileiro), do vice Hamilton Mourão.

CPI da Covid

Sem citar a CPI da Covid em seu discurso, coube ao ministro das Comunicações, Fábio Faria, defender a gestão do presidente e criticar os trabalhos da comissão, que ouve nesta quinta-feira o ex-ministro Eduardo Pazuello pelo segundo dia consecutivo.

Depois de citar o quantitativo de recursos repassados pelo governo federal aos estados e municípios no ano passado para o combate à pandemia, o titular da pasta afirmou que o colegiado não passa de uma estratégia da oposição para desestabilizar o Planalto, “porque não tem como combater um governo honesto”.

“O governo gastou no ano passado 8,5% do PIB (Produto Interno Bruto), R$ 700 bilhões investidos pelo governo Bolsonaro para combater a pandemia, R$ 294 bilhões só para a auxílio emergencial. O Pronampe (programa que fornece crédito a micro e pequenas empresas), salvamos empresas e empregos”, disse. “E até hoje não tem nenhum escândalo. Governo honesto. Aí o que fizeram: vamos criar uma CPI porque não tem como combater um governo honesto. Aí a gente olha para a CPI e o que se discute: cloroquina, a Pfizer e o lockdown.”

Sobre o uso de cloroquina, medicamento sem eficácia científica comprovada até o momento para combater a covid, Faria engrossou o coro do presidente ao criticar gestões estaduais e defender a liberdade do médico em receitar o remédio.

“Para começar, a CPI tem que chamar o governador de São Paulo (João Doria, do PSDB) que deu entrevista dizendo que quem levou cloroquina para o Ministério da Saúde teria sido o médico David Uip, médico dele, que era o coordenador (do centro de contingência de combate à doença) de São Paulo. Tem que chamar o governador do Pará, o do Maranhão, vai ter que chamar os governadores do meu estado. Porque quem decide quem toma cloroquina ou não é o médico”, afirmou.

A respeito das medidas restritivas para frear o contágio da pandemia, o ministro disse que a estratégia na Argentina não funcionou, uma vez que o número de mortes no país vizinho vem aumentando. E voltou a criticar o governo de São Paulo.

“Não tem que fazer lockdown. A Argentina fez [durante] seis meses e, anteontem, infelizmente, foi o dia que teve o maior número de mortes. O governador de São Paulo liberou tudo lá atrás, ninguém deu um piu. O presidente, uma semana antes, pediu para liberar cultos, liberar igrejas, o que aconteceu? Todo mundo foi para cima dele. Uma semana depois São Paulo libera e o que acontece: ninguém bate. Porque querem bater no presidente Bolsonaro”, afirmou.

Fonte: R7

Destroços do foguete chinês caem no Oceano Índico

Queda foi confirmada pela Agência Espacial chinesa

Uma parte dos destroços do foguete chinês Longa Marcha CZ-5B caiu no domingo (9), no Oceano Índico, a oeste das Ilhas Maldivas. As informações são da agência argentina Telam. A queda da peça, de 30 metros de altura e 20 toneladas, foi confirmada pela Agência Espacial chinesa. 

“De acordo com monitoramento e análise, às 10h24 (0224 GMT) de 9 de maio de 2021, o primeiro estágio do foguete 5B Longa Marcha voltou à atmosfera”, disse a agência espacial em comunicado.

De acordo com a agência, a maior parte do segmento se desintegrou ao entrar na atmosfera. Havia a expectativa de que o segmento do foguete pudesse cair em alguma parte habitada, causando prejuízos. As autoridades chinesas haviam afirmado que a queda do segmento do foguete representava pouco perigo.

A queda também foi confirmada pelo Comando Espacial dos Estados Unidos, que disse que o segmento entrou na atmosfera pela Península Arábica aproximadamente às 22h15.  

“#USSPACECOM confirma que o chinês #LongMarch5B reentrou na Península Arábica aproximadamente às 10:15 pm EDT em 8 de maio. Não se sabe se os destroços impactaram a terra ou a água”, disse o perfil do comando no Twitter.

O foguete Longa Marcha CZ-5B tem, no total, 57 metros. Ele foi lançado em 29 de abril, com a missão de levar ao espaço o primeiro módulo da nova estação espacial da China. O seu compartimento de carga, na “ponta” do foguete, tem bem menos, cerca de 27 metros e 25 toneladas. O restante do foguete, se desprende do compartimento de carga assim que sua função no lançamento é cumprida. Após o desacoplamento, esses estágios podem voltar à órbita da Terra.

Fonte: Agência Brasil

Ministro Tarcísio confirma data e presença do Bolsonaro na inauguração da ponte sobre o rio Madeira em Abunã, RO

O anúncio foi dado pela rede social Twitter. A ponte vai facilitar o acesso ao estado do Acre.

Dnit adia para 2020 entrega de ponte entre Rondônia e Acre | GERAL |  Rondonoticias.com.br
Ponte sobre o rio Madeira, em Abunã

O Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, anunciou pelo Twitter que a ponte sobre o rio Madeira no distrito de Abunã, em Porto Velho, será inaugurada no dia 7 de maio. A ponte, localizada na BR-364, vai facilitar o acesso ao estado do Acre.

A estrutura de quase 2 km de extensão é construída desde 2014 e tem o objetivo de facilitar o acesso ao estado vizinho, que atualmente é feito através de uma balsa. Para a obra foram gastos cerca de R$ 140 milhões.

A estimativa do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) é de que mais de 2 mil veículos passem pela ponte por dia assim que for liberada. A expectativa é de também agilizar e baratear o transporte de mercadorias entre Rondônia e Acre.

“Com certeza as pessoas no Acre vão plantar soja, milho e outras culturas e vai incrementar bem o tráfego da ponte. Estima-se um crescimento no tráfego de 3% a 5% por ano”, disse André Lima, superintendente do Dnit-RO.

Fonte; G1

Bolsonaro vai se submeter à sétima cirurgia após facada

Trata-se de mais uma correção de hérnia após a facada que ele sofreu em setembro de 2018, durante a campanha eleitoral 

O presidente Jair Bolsonaro informou, na noite de sexta-feira (16), que vai passar por nova cirurgia para corrigir uma hérnia. Trata-se da sétima operação de Bolsonaro após a facada que ele sofreu em setembro de 2018, durante a campanha eleitoral. A confirmação de que o presidente terá de ser mais uma vez internado ocorreu durante conversa com apoiadores, na entrada do Palácio da Alvorada.

“É verdade que o senhor vai passar por uma nova cirurgia?”, perguntou um eleitor bolsonarista. “Está muito curioso, hein, cara?” respondeu Bolsonaro. “Eu estou ficando muito barrigudo aqui. Acho que vai ser lipoaspiração. Pega mal, né? Botox. É ou não é? Pega mal”, afirmou, rindo.

Foi então que ele admitiu a necessidade de nova intervenção. “Talvez, neste ano, mais umazinha aí. Mas é tranquilo, hérnia. Eu tenho uma tela aqui na frente, está saindo o bucho pelo lado. Então, tenho que botar uma tela do lado também”, comentou. 

Após sofrer uma facada de Adélio Bispo, Bolsonaro passou por uma cirurgia em Juiz de Fora (MG), onde estava fazendo campanha para a Presidência. Quarenta e oito horas depois, ele teve de ser submetido a uma operação para reconstrução do trânsito intestinal. Há quase dois anos, o presidente também retirou uma hérnia que se formou na cicatriz da cirurgia no intestino. Em setembro do ano passado, removeu um cálculo na bexiga.

Na conversa com apoiadores, Bolsonaro repetiu que será o último a tomar a vacina contra covid-19. Aos 66 anos, o presidente já poderia ter sido vacinado há 15 dias, sem furar fila. A imunização de idosos nesta faixa etária, no Distrito Federal, começou no último dia 3, chegou a ser suspensa 48 horas depois, por falta de doses, mas foi retomada.

“Deixa as pessoas tomarem na minha frente. Eu vou vacinar, mas por último”, disse Bolsonaro. “Tem muita gente apavorada, aguardando a vacina. Tem gente que não sai de casa”, emendou o presidente, que é crítico de medidas de isolamento social para conter a disseminação do coronavírus.

Fonte; R7