Procon de Rondônia Orienta população sobre golpe do FGTS Emergencial

Segundo coordenador, o golpe da facilidade do recebimento para colher dados da pessoa, através de plataformas é antigo. E já lesou milhares de brasileiros.

O Programa de Proteção e Defesa do Consumidor de Rondônia (Procon) está orientando a população e chamando a atenção do consumidor sobre o risco de ficar exposto a esta nova estratégia dos criminosos o golpe do recebimento facilitado do dinheiro (R$ 1.045,00) do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Conforme o coordenador estadual do Procon, Ihgor Rego, este é um golpe antigo, que foi aprimorado pelos criminosos e já lesou milhares de brasileiros que repassaram seus dados por meio de aplicativos, como WhatsApp, Facebook Messenger e SMS, e foram surpreendidos com pesadas dívidas feitas em seu nome, como abertura de contas, saques de cartão, empréstimos e uma série de outros serviços bancários, devidamente “autorizados”, sem que o consumidor tenha legalmente proposto.

Ele explicou que, na versão aprimorada, os golpistas estão se aproveitando do início do novo saque emergencial de R$ 1.045,00 do FGTS para enganar beneficiários, prometendo facilitar o recebimento do valor, que é creditado pela Caixa Econômica Federal, de acordo com o mês de nascimento, em contas poupanças sociais digitais abertas em nome dos trabalhadores, e assim, na ânsia de receber os valores antecipadamente, eles arriscam e passam seus dados aos criminosos.

O golpe é aplicado por meio de aplicativos e SMS

Segundo ele, este é um crime afeto à Delegacia de Crimes contra o Consumidor, mas que é papel do Procon alertar a população, repassando orientações importantes para evitar o golpe. Ele disse que autoridades e empresas especializadas em segurança digital, como o PSafe (dfndr lab) já identificaram vários novos links do golpe que promete o saque do FGTS. Em geral, na página falsa, os golpistas solicitam dados pessoais das vítimas e, em seguida, pedem o compartilhamento do link falso com seus contatos, como uma suposta garantia para o recebimento do dinheiro.

COMO O CONSUMIDOR DEVE AGIR?

Ihgor Rego chegou a ser didático ao informar que o consumidor, não deve, por nada, repassar seus dados pessoais por meio de aplicativos como WhatsApp, Facebook Messenger e SMS, por que isso facilita o trabalho dos criminosos. Ele fez questão de lembrar que a rede bancária não se comunica por aplicativos com seus clientes, o que feito diretamente no site de cada banco, e que o consumidor ainda tem que checar se aquela página é oficial e tem segurança, se não é falsa.

De acordo com pesquisa publicada pela Revista Exame, e recomendada pelo coordenador do Procon, o consumidor deve atentar para três dicas importantes para se proteger do golpe: “1 – Os aplicativos de conversa são os principais meios utilizados para disseminar golpes digitais. Utilize soluções de segurança no celular, como o dfndr security, que oferecem proteção em tempo real contra links maliciosos compartilhados por meio de WhatsApp, Facebook Messenger e SMS e no navegador; 2 – Evite fornecer seus dados pessoais sem antes saber se o site é oficial e confiável, e por fim, 3 – Tenha cuidado ao clicar em links compartilhados no WhatsApp ou nas redes sociais. Antes de compartilhar informações, procure em veículos confiáveis e fontes oficiais, jornais e sites para confirmar se aquilo é realmente verdadeiro”.

Ihgor Rego afirmou, por fim, que usou a publicação para explicar que quando a vítima informa seus dados no link malicioso, ela fica vulnerável ao vazamento de suas informações pessoais, que podem ser usadas pelo cibercriminoso para realizar todo tipo de crime. Disse também que outro problema é que, quando a vítima compartilha o link malicioso com seus contatos, ela torna-se um vetor de disseminação da ação, o que garante aos cibercriminosos um crescimento acelerado do golpe que, como consequência, explica o ataque a mais de 100 mil brasileiros lesados só no golpe do FGTS.

Fonte: Procon-RO

Idaron alerta contato com morcegos e animais mortos e doentes podem transmitir raiva

Pessoas que sofreram ferimentos que tiveram contato com algum animal silvestre, devem procurar um médico.

O alerta é feito pela Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron), sobre o contato com morcegos e com animais doentes ou mortos por raiva pode transmitir a doença para humanos. Toda pessoa que sofreu ferimentos causados por morcego ou algum outro animal silvestre ou doméstico deve procurar, imediatamente, o serviço de saúde, para orientações e possível tratamento profilático.

De acordo com o médico veterinário Dalmo Bastos Sant’Anna, do Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros e das Outras Encefalopatias, casos da doença não têm sido registrados em humanos há vários anos em Rondônia, mas a morte de um adolescente de 14 anos, no Rio de Janeiro, chamou a atenção da Agência e fez ascender o alerta.

Segundo notícia veiculada, um adolescente de 14 anos, morador de uma comunidade rural, em Angra dos Reis, morreu em março, mas o caso só se tornou público nesta semana com a divulgação de um relatório da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro.

Conforme foi noticiado, o menino foi atacado por um morcego, após encontrá-lo no chão e chutá-lo, no final de janeiro. Os sintomas só apareceram em 22 de fevereiro. Em 7 de março, a vítima foi internada e posteriormente, transferida para a UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) do Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira (IPPMG/UFRJ), na capital carioca, já com suspeita de raiva humana. O diagnóstico foi confirmado em 20 de março e o jovem morreu dez dias depois.

“Atualmente, no Brasil, o morcego, tanto o hematófago quanto o não hematófago, tem se destacado na transmissão da doença para os seres humanos e, para evitar o contágio, é importante que as pessoas evitem manipular qualquer morcego encontrado, mesmo que esteja morto. Ressalta-se que morcegos voando durante o dia, ou encontrados pousados em locais iluminados ou claros, são considerados suspeitos de estarem doentes, portanto, nesses casos, o cuidado deve ser maior e também devem ser evitados”, informou Dalmo Bastos.

CONTROLE DA RAIVA

O Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), em todo território nacional, busca diminuir a prevalência da doença nos herbívoros domésticos, que são os bovinos, bubalinos, caprinos ovinos e equídeos, mas, devido a vários fatores, a raiva continua a se disseminar de forma preocupante, no meio rural, tendo o morcego hematófago, papel de destaque, como principal transmissor da doença.

“Além dos prejuízos econômicos, a raiva tem outro lado ainda mais preocupante, que é a possibilidade de transmissão às pessoas, através do contato com os herbívoros doentes ou mortos, como também com morcegos infectados”, alerta o médico veterinário. Para controlar a doença, o PNCRH tem como estratégias a vigilância epidemiológica, a orientação para a vacinação dos herbívoros domésticos, o controle de morcegos hematófagos da espécie ‘Desmodus rotundus’ e a educação sanitária.

PREVENÇÃO

  • Evite contato com animais que apresentam sinais de raiva ou que já estejam mortos;
  • Informe a morte de animais à Idaron;
  • Não toque em morcegos;
  • Quando detectar mordedura em seus animais, aplique a pasta vampiricida ao redor da ferida, por no mínimo três dias seguidos.

Fonte: Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril

Procon-RO alerta ao novo golpe envio de links falsos

Através de um link enviado por mensagens através das redes sociais, tem seus dados expostos que efetua compras online, abre contas, solicita cartões de crédito e faz empréstimo em nome das vítimas.

Golpe através de Whatsapp

Fraudadores estão se aproveitando da pandemia do coronavírus para roubar dados dos cidadãos por meio do envio de links falsos, as informações são do Programa de Orientação, Proteção e Defesa do Consumidor em Rondônia (Procon-RO), que também orienta sobre os cuidados necessários ao usar os aplicativos bancários para evitar futuros problemas financeiros. Através de um link enviado por mensagens através das redes sociais, tem seus dados expostos que efetua compras online, abre contas, solicita cartões de crédito e faz empréstimo em nome das vítimas.

Segundo o coordenador do Proncon-RO, Ihgor Rego, devido à limitação que temos hoje com a dificuldade de ir até ao banco realizar pagamentos e outros serviços, estamos conhecendo novos instrumentos, que já existiam antes da pandemia, mas eram pouco utilizados, para realização dessas transações.

 “ Todas as instituições bancarias que temos no Brasil tem um site próprio e aplicativo para auxiliar o consumidor no manuseio das suas contas, realização de transações, consulta de saldo e todas essas atividades e finalidades que, por ventura, tem no caixa eletrônico, também temos na palma da mão. A única diferença é que não conseguimos, por meio de aplicativo, sacar o dinheiro. Mas você pode movimentar, realizar pagamentos, contratar serviços e realizar consultas simples como saldo e extrato”.

Para o coordenador do Procon, o consumidor precisa ficar atendo ao utilizar a internet, pois pode existe um fraldador tentando tirar vantagem da inexperiência do usuário.

Golpe através de SMS

“ Vale lembrar que os bancos e as instituições financeiras não enviam SMS, e-mail ou mensagem de Whatsapp alarmando que suas contas serão encerradas por não atualizar o cadastro. Essa situação chama atenção do consumir, e por algum motivo, pedem a ele que preencham algumas informações pessoais para regularização do cadastro. O banco não cobrará isso de você , portanto é muito importante que o consumidor tenha consciência dos seus direitos, mas tomem os cuidados necessários para não informar os seus dados aos golpistas”.

Quando o consumidor cair em um golpe, deve imediatamente denunciar à polícia e entrar em contato com a instituição financeira para romper com o ciclo da fraude.

“ A pessoa precisa pedir o cancelamento do cartão de crédito, de algum serviço que seja alvo de ataque fraudulento e comunicar às autoridades policiais. Se o banco se recusar a restituir o dinheiro, que de alguma forma foi objeto de fraude, o cliente poderá procurar o Procon para mediar a situação ou o Poder Judiciário para obter o dinheiro, que foi desviado ilicitamente, de volta”, orienta o coordenador do Procon-Ro, Ihgor Rego.

Em caso de dúvidas, o consumidor poderá entrar em contato por meio dos canais de atendimento do Procon: Telefone 151; Whatsapp (69) 98491-2986 ou (69) 98482-0928, ou pelo perfil no Facebook Procon Rondônia.

FIQUE ATENTO ÀS ORIENTAÇÕES

– Utilize antivírus no computador, tablet e smartphone;

– Em caso de dúvidas ou dificuldades, procure um familiar ou amigo que possa ajudar;

– Baixe aplicativos apenas das lojas oficiais;

– Não preencha formulários que não estejam nos sites oficiais;

– Não confie e não compartilhe links e informações dos quais não tenha certeza da origem;

– Não acredite em ofertas de ajuda, auxílio, dinheiro, entre outros serviços, enviadas pelo WhatsApp, redes sociais, e-mails e não clique nesses links;

– Para obter informações sempre acesse os sites oficiais dos bancos ou do serviço que desejar.

Fonte: Procon