De fato, “O choro é livre”…

É verdade, Maju, “o choro é livre”

O choro é livre quando o governo federal reduz drasticamente a verba destinada à publicidade oficial, e do que sobra corta em quase 60% a que é destinada à Globo, acabando com a mamata e o financiamento da sua emissora.

“O choro é livre” quando por conta disso a Globo reduz o salário dos seus colegas de emissora ou simplesmente começa a mandá-los embora, sejam eles técnicos, artistas famosos, jornalistas e etc.

“O choro é livre” quando, sem verba, o padrão de qualidade da sua emissora cai absurdamente e a audiência despenca, afastando inclusive grandes anunciantes, que migram para outras emissoras, reduzindo ainda mais a receita da empresa.

“O choro é livre” quando a Globo perde privilégios ou exclusividades de transmissões, como no caso do futebol e da Fórmula 1, perdendo ainda mais a receita… que já não era muito boa.

“O choro é livre” quando a Globo depende de um governo contra o qual ela faz oposição, para renovar sua concessão.

“O choro é livre” quando os níveis de confiança e de credibilidade do jornalismo da Globo aparecem como quase inexistentes, sendo que só os muito idiotas ainda dão algum crédito às suas pautas.

“O choro será livre” quando chegar a sua vez de ter que bater um papo no RH sobre a vantagem de ficar em casa… A menos que você aceite trabalhar por um salário bem reduzido…

E nesse dia, “Maju”, o riso será livre também. Pelo menos o nosso.

Foto de Marcelo Rates Quaranta

Por Marcelo Rates Quaranta | Articulista

%d blogueiros gostam disto: