Líder do governo diz que Brasil está em situação ‘confortável’

Deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) afirmou que país está em 22º lugar em número de óbitos por milhão de habitantes

O deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, afirmou nesta quarta-feira (17), em entrevista à emissora “Globonews”, que o Brasil vive uma situação “até confortável” na pandemia, se comparado a outros países.

A afirmação se dá um dia após o Brasil bater recorde de mortes por covid-19, com 2.842 óbitos. No total, o país tem 282.128 mortes registradas desde a chegada do novo coronavírus ao país.

Barros, que já foi ministro da Saúde no governo de Michel Temer, comparou mortes por milhão de habitantes e indicou que o país está em 22º lugar, registrando 1.314 óbitos a cada 1 milhão de pessoas.

“Nossa situação não é tão crítica assim comparada a outros países. É uma situação até confortável”, afirmou.

Outra lista da universidade aponta o Brasil como líder em números absolutos de casos diários de covid-19 no mundo, tendo ultrapassado os Estados Unidos, que por meses lideraram a lista.

O ministro falou em repique da doença no mundo. “É natural que haja nesse momento, de pico de pandemia, um repique da pandemia. Não esperávamos ter esse aumento de casos, e acontece mundialmente. Já estamos com o sistema de UTIs mais estruturado, mas ainda assim temos tido, em alguns lugares, o esgotamento da rede”, disse.

Fonte: R7

líder do governo mantém pressão sobre a Anvisa sobre vacinas

Deputado Ricardo Barros defende que “Congresso tem a velocidade do povo” e diz que Bolsonaro vai sancionar MP que fixa 5 dias para agência aprovar imunizantes

Apesar da dura reação do comando da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP/PR), um dos principais interlocutores do presidente Bolsonaro, mantém a pressão para que a agência acelere a aprovação para uso emergencial de vacinas que já tenham recebido sinal verde de outros 9 organismos análogos no mundo.

“A Anvisa tem seu ritmo e sua visão de velocidade, e o Congresso tem a velocidade do povo”, declara Barros. Atualmente, há 11 imunizantes em aplicação no mundo, dos quais o Brasil tem autorização para uso de apenas dois.

Entre os argumentos dos defensores da ampliação da oferta de vacinas está o fato de que a demora ao acesso a vacinas custa vidas: o Brasil tem registrado índice superior a mil óbitos por dia motivados pela covid-19.

O diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, declara que o prazo fixado pelo Senado é “inexequível” e defende que o presidente Bolsonaro vete a MP, parcial ou integralmente.

A agência prepara argumentos para encaminhar à Casa Civil para justificar sua posição. Mas esta atitude pode levar constrangimento ao presidente, que ficaria com o ônus político pelo veto.

Fonte: R7

MP cumpre mandados em escritório do deputado Ricardo Barros

Líder do governo também atuou como ministro da Saúde de Temer

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) cumpre na manhã de hoje (16) oito mandados de busca e apreensão em Curitiba, Maringá, Paiçandu, no Paraná e em São Paulo. Um dos mandados foi cumprido no escritório do líder do governo na Câmara dos Deputados, deputado federal Ricardo Barros (PP-MA), em Maringá. O MP investiga crimes de lavagem de dinheiro e corrupção para facilitar negócio no ramo de energia eólica. As acusações são referentes ao ano de 2019 – período em que Barros não era, ainda, líder do governo.

A investigação está a cargo do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). De acordo com a assessoria do MP, as ordens judiciais, expedidas pela 12ª Vara Criminal da capital paranaense, estão sendo cumpridas num escritório de contabilidade e em outros três endereços comerciais, além de quatro residências.

“A investigação no Ministério Público do Paraná foi iniciada a partir da remessa de peças por parte do Supremo Tribunal Federal, em novembro de 2019, decorrentes de colaboração premiada feita no âmbito da Operação Lava Jato. A apuração refere-se a fatos ocorridos entre o final de 2011 e o ano de 2014”, informou o MP.

Em nota, o deputado Ricardo Barros, que também foi ministro da Saúde durante o governo de Michel Temer (MDB), disse estar tranquilo e em total em total colaboração com as investigações. Barros disse ainda repudiar o que chamou de “ativismo político do judiciário.”

“O parlamentar reafirma a sua conduta ilibada , e informa que solicitou acesso aos autos do processo para poder prestar mais esclarecimentos à sociedade e iniciar sua defesa”, disse o deputado.

Fonte: Pedro Ivo de Oliveira A/B

%d blogueiros gostam disto: