Grãos, café e pecuária são destaques da 1ª edição do Informativo Agropecuário de Rondônia de 2021

.

Publicação da Embrapa apresenta estimativas, comparativos de produção, produtividade e preços ao longo dos anos. 

A primeira edição do Informativo Agropecuário de Rondônia de 2021, produzido pela Embrapa, destaca as estimativas positivas para a produção de grãos e café no estado. Também ressalta o aumento das exportações de carne e soja em 2020, gerando receitas de US$ 713,3 milhões e US$ 420,8 milhões, respectivamente. Esta publicação traz ainda dados detalhados e análises sobre a produção de mandioca e banana, assim como o acompanhamento da produção, produtividade, preços de produtos agropecuários e o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de Rondônia. Esta e as demais edições do Informativo estão disponíveis no portal da Embrapa Rondônia, é possível baixar a publicação diretamente no link:https://bit.ly/3uyYl7X 

Por meio desta publicação, a Embrapa Rondônia disponibiliza à sociedade o acompanhamento periódico da produção agropecuária no estado, com análises do comportamento do setor como um todo.  As edições deste periódico reúnem um conjunto de informações sobre a agropecuária do estado que está disperso em diversas fontes de dados oficiais, permitindo ao leitor acessar dados de maneira agregada e com análises. Além disso, a citação das fontes consultadas possibilita ao leitor se aprofundar no assunto, consultando-as diretamente.  

Os dados apresentados são obtidos de fontes secundárias, como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a Emater-RO, entre outros. 

Produção de grãos – o Brasil deverá colher sua maior safra de grãos da história, com estimativa de produção de 264,8 milhões de toneladas, 3,1% maior do que a safra 2019/2020. Já em Rondônia, a produção de grãos na safra 2020/2021 está estimada em 2,4 milhões de toneladas, se mantendo estável quando comparada à safra anterior e correspondendo a 0,9% da safra nacional. Os detalhes de cada cultura estão no Informativo. 

Café – Questões climáticas, aliadas à bienalidade negativa para a espécie arábica, influenciam nacionalmente a estimativa de queda entre 21,4% e 30,5% na safra de 2020/2021. Em Rondônia, a expectativa nesse primeiro levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) é que sejam colhidas entre 2,3 e 2,4 milhões de sacas de 60 kg de café beneficiado, indicando redução de 2% a 6% sobre o volume produzido na safra passada. A produtividade deve reduzir na mesma proporção, variando entre 36,15 e 37,6 sacas por hectare. 

Mandioca – a produção estimada na safra 2020 é de 519,6 mil toneladas, 10,1% menor da que foi obtida na safra de 2019. A área colhida deve apresentar retração de 4,5%, com perda de produtividade de 5,9%. Porto Velho se destacou como principal município produtor de mandioca do estado em 2019, respondendo por quase 30% da produção. Jaru e Machadinho d’Oeste vieram a seguir, com 6% e 5,5% de participação, respectivamente (IBGE, 2020). 

Banana – Tanto a produção quanto a área colhida apresentaram crescimento em 2020 em relação a 2019, de 4,3% e 4,8%, respectivamente. Por outro lado, a produtividade estimada deve ser reduzida em 1,6% (IBGE, 2021). Buritis, Governador Jorge Teixeira e Porto Velho foram os principais municípios produtores de banana do estado em 2019. 

Preços de produtos agrícolas pagos aos produtores – Foram considerados para a análise: arroz, feijão, milho, soja, café, mandioca de mesa e farinha de mandioca. Com exceção dessa última, os demais produtos apresentaram aumentos de preços reais, descontada a inflação do período, tendo sido utilizado como base de comparação a variação dos preços entre os anos de 2019 e 2020. O feijão foi o produto que apresentou a maior variação de preços no período analisado, de 58,8%, seguido pelo milho (41,7%) e pela soja (36,8%). 

Preços de produtos da pecuária pagos aos produtores – Entre 2019 e 2020, o boi gordo à vista apresentou a maior variação positiva de preços, com evolução de 27,6%, seguido do boi gordo com prazo de pagamento de 30 dias e do leite in natura. O aumento dos preços dos bovinos (boi gordo) teve como motivo principal a maior exportação do produto, principalmente para a China, cujos preços foram favorecidos pela forte desvalorização do real no ano. No caso do leite e de ovos, demanda interna aquecida, provavelmente em virtude da pandemia do coronavírus, que manteve a pessoas mais tempo em casa, além do auxílio emergencial do Governo Federal, foi a responsável pelo aumento observado nos preços. 

Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) – Em 2020 foi 17,3% maior do que o obtido em 2019. Os produtos agrícolas de melhor desempenho foram a soja, o milho e o café. A mandioca e a banana apresentaram resultados desfavoráveis, com redução de 33,2% e 7,6% do VBP, respectivamente. No tocante à pecuária, bovinos apresentaram acréscimo no VBP de 15,1%, enquanto o do leite teve aumento de 10,5%. 

Exportações – Destaque para a carne bovina e a soja nas exportações em 2020, que geraram receitas de US$ 713,3 milhões e US$ 420,8 milhões, respectivamente. O desempenho positivo da carne pode ser explicado pelo maior volume exportado e pela desvalorização do Real, influenciados pela demanda maior, advinda principalmente da China. Isso, dada sua maior demanda por proteína animal, em virtude dos casos de peste suína, que exerceu forte pressão nos preços internacionais, beneficiando assim o produto exportado pelo estado. Já o desempenho da soja foi influenciado também pelos preços melhores, devido principalmente à desvalorização do Real frente ao Dólar.     

Por Renata Silva (MTb 12361/MG)

Manhã com CN Rondônia: destaques desta sexta-feira, 26 de junho

O Correio de Notícia acompanha as notícias mais importantes desta sexta-feira (26), no Brasil e no Mundo, marcada pelo número crescente de mortes por COVID-19, pela nuvem de gafanhotos no sul do Brasil, pela nova resolução sobre a anexação da Cisjordânia por Israel e pela alteração do regime de exportação de armas nos EUA.

Brasil tem 1.180 mortes por COVID-19 em 24 horas

O Brasil registrou 1.180 novas mortes em função do coronavírus nas últimas 24 horas, de acordo com a atualização do levantamento feito pelo consórcio de veículos de imprensa (meios de comunicação que formaram parceria para dar transparência a dados da COVID-19) junto às secretarias estaduais de Saúde. Com os números atualizados, o país chegou a 55.054 óbitos em razão da pandemia do novo coronavírus. Os estados com maior número de óbitos são São Paulo (13.759), Rio de Janeiro (9.450), Ceará (5.875), Pará (4.803) e Pernambuco (4.488).

Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante cerimônia em Brasília, Brasil, 23 de junho de 2020
© REUTERS / ADRIANO MACHADOPresidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante cerimônia em Brasília, Brasil, 23 de junho de 2020
SC e RS emitem alerta fitossanitário por causa de nuvem de gafanhotos

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) declarou emergência fitossanitária de caráter preventivo no Rio Grande do Sul e Santa Catarina em função da praga de gafanhotos oriunda da Argentina, que atualmente já está no território do Uruguai. Na noite de quinta-feira (25), o ministério informou que os insetos não entraram em território brasileiro, devido a uma frente fria que mudou a direção da nuvem de insetos, e que o órgão segue monitorando a situação junto aos estados. Com o decreto de emergência sanitária, os estados poderão fornecer aos agricultores métodos para combater a praga, caso esta chegue ao Brasil. Leia mais sobre o avanço dos gafanhotos

Governo Bolsonaro tem reprovação de 44% e aprovação de 32%

Segundo última pesquisa Datafolha, publicada pelo jornal Folha de S.Paulo no final da noite desta quinta-feira (25), o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem 32% de aprovação contra 44% de reprovação. A pesquisa foi feita a partir de uma amostra de 2.016 brasileiros em 23 e 24 de junho, com margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. No levantamento anterior, feito em 25 e 26 de maio, a porcentagem de aprovação foi de 33% contra 43% de reprovação.

Palestinos comemoram resolução belga condenando anexação de parte da Cisjordânia por Israel

O ministro das Relações Exteriores da Autoridade Palestina, Riyad Al-Maliki, saudou hoje (26) a resolução recém-adotada pelo Parlamento belga, pedindo medidas punitivas contra Israel caso este venha a anexar partes da Cisjordânia ocupada. O ministério palestino indicou que a resolução do Parlamento belga está alinhada com a criação de uma ampla frente internacional que rejeita a anexação, cujo objetivo é “criar um regime de apartheid na Palestina”.

Palestino discute com soldado israelense durante protesto contra o plano de Israel de anexar partes da Cisjordânia ocupada, no Vale do Jordão, em 24 de junho de 2020
© REUTERS / MOHAMAD TOROKMANPalestino discute com soldado israelense durante protesto contra o plano de Israel de anexar partes da Cisjordânia ocupada, no Vale do Jordão, em 24 de junho de 2020
EUA consideram acabar com autorização do Congresso na exportação de armas

O governo do presidente Donald Trump está considerando terminar com um sistema de quase 40 anos de notificação do Congresso sobre a revisão e proibição de vendas de armas ao exterior. A Casa Branca, frustrada com os atrasos nas vendas para a Arábia Saudita em particular, está considerando a possibilidade de mudar esse processo, embora não tenha tomado uma decisão final. Assessores do Congresso disseram na noite de quinta-feira (25), que o fim do processo de revisão foi contestado por membros de ambos os partidos, tanto no Senado quanto na Câmara de Deputados dos EUA, segundo a revista Foreign Policy. Leia mais sobre a autorização

Pompeo: redução de tropas na Alemanha visa combater ameaça chinesa à Índia

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, atribuiu nesta sexta-feira (26) a medida para reduzir as tropas americanas (em quase dez mil soldados) na Alemanha à necessidade de enfrentar ameaças em outros países, incluindo a suposta ameaça chinesa à Índia e ao Sudeste da Ásia. Ao enfatizar a importância de reposicionar as tropas de acordo com a natureza atual dos conflitos, Pompeo falou sobre as “ações militares provocativas” do Exército Popular de Libertação da China (PLA) e os “confrontos mortais nas fronteiras da Índia”.

Homenagem em Nova Deli aos soldados do Exército indiano mortos em confronto na fronteira com tropas chinesas na região de Ladakh, em 26 de junho de 2020
© REUTERS / ANUSHREE FADNAVISHomenagem em Nova Deli aos soldados do Exército indiano mortos em confronto na fronteira com tropas chinesas na região de Ladakh, em 26 de junho de 2020
Índia acusa China de concentrar armas e tropas perto da fronteira

Nova Deli afirmou que “o lado chinês tem concentrado um grande contingente de tropas e armamentos ao longo da Linha de Controle Real (LAC) desde o início de maio”, indo na contramão dos acordos bilaterais entre os dois países. O Ministério das Relações Exteriores da Índia declarou na noite de quinta-feira (25) que o envio pela China de tropas e armamentos pesados e as “mudanças de comportamento” também foram agravadas por reivindicações injustificadas e insustentáveis”. Enquanto a Índia já perdeu 20 soldados durante os confrontos, a China ainda não revelou o número de baixas.

Com Informações da Sputnik

%d blogueiros gostam disto: