A esquerda já não disfarça a clara intenção de fraudar o processo eleitoral

O comprovante impresso do voto NÃO SERÁ LEVADO PRA CASA, como estão espalhando. NÃO PODERÁ SER USADO PARA “VOTO DE CABRESTO”.

A esquerda é canalha!

Sei que fazer essa afirmação é chover no molhado, dizer mais do mesmo, mas não tem como não pensar EXATAMENTE nisso, quando vemos o que estão fazendo sobre o voto impresso.

MENTEM e mentem descaradamente. Exatamente como mandou Goebbels, o famoso ministro da propaganda do Partido do Nacional Socialismo Alemão; que apesar de a lacrolândia fingir repudiar, em público, segue fielmente seus ensinamentos.

O comprovante impresso do voto NÃO SERÁ LEVADO PRA CASA, como estão espalhando. NÃO PODERÁ SER USADO PARA “VOTO DE CABRESTO”. Se pudesse, aliás, talvez os partidos de esquerda estariam apoiando o projeto vorazmente; afinal, não é de hoje que sabemos a simpatia mútua de PSOL e PT com as facções criminosas. A relação é tão estreita e descarada que já vimos deputado federal defendendo “dosagem segura para uso de crack” e candidata ao governo do RJ afirmando que “existe lógica no assalto”.

Obviamente não podemos esquecer o ex presidente dizendo que “não se pode condenar um jovem porque roubou um celular”, mesmo que este crime cause inúmeras mortes de inocentes no país.

Imaginem como seriam as votações, nas comunidades dominadas pelo tráfico, se esse comprovante saísse da cabine de votação.

Freixo teria 100% dos votos no Babilônia. Márcia Tiburi seria eleita por unanimidade no Turano. Cada militante do Brasil estaria totalmente empenhado na aprovação do projeto.

Mas a verdade é JUSTAMENTE O CONTRÁRIO. O comprovante impresso ficaria dentro da urna de lona, dentro da cabine, possibilitando a contagem manual dos votos, coisa que a urna eletrônica – COMPROVADAMENTE INSEGURA – não possibilita.

O objetivo do voto impresso é SOMENTE EVITAR FRAUDES NAS ELEIÇÕES, garantindo segurança e transparência para o processo; coisas IMPRESCINDÍVEIS PARA A DEMOCRACIA.

Defender um método duvidoso, que deixa dúvidas sobre a vontade popular, é desprezar completamente a honestidade eleitoral. É nem disfarçar a clara intenção, desesperada, de fraudar o processo.

Mentir, descaradamente, dizendo que a mudança é que traria risco, tentando justificar a defesa do indefensável, é duvidar da inteligência do povo.

Mas a mentira é necessária para aqueles que, sabendo da morte certa de sua ideologia, não veem outra forma de voltar ao poder, senão por um golpe na democracia.

CANALHAS!

“Com o engodo da mentira, pesca-se uma carpa de verdade.” (SHAKESPEARE, William)

Foto de Felipe Fiamenghi

Por Felipe Fiamenghi*

*O Brasil não é para amadores.

Deputado apresenta PEC para acabar com fundão eleitoral e fundo partidário

A PEC vem de encontro às pressões populares que cobram mudanças.

O deputado federal Paulo Eduardo Martins (PSC-PR) apresentou uma Proposta de Emenda à Constituição que visa extinguir os fundos eleitoral e partidário, de forma permanente. A PEC vem de encontro às pressões populares que cobram mudanças.

“O povo já deixou claro que não aprova o atual modelo. Em 2019, eu já havia apresentado a proposta, mas não obtive as assinaturas necessárias. Desta vez, creio que o cenário seja mais favorável”, declara Martins.

O parlamentar tem usado o período de recesso para buscar apoio para a causa.

“Ninguém deve ser obrigado a financiar partidos e campanhas”, afirma o presidente do PSC paranaense.

O fundo eleitoral para 2022 no valor de R$ 5,7 bilhões foi aprovado junto com a Lei de Diretrizes Orçamentárias. E anualmente, é discutido. Se a PEC for aprovada, as legendas não terão mais verba pública.

Para Paulo Eduardo Martins, o fim desses fundos também acabaria com os partidos sem representatividade.

“Se essa verba não existir, sobreviverá apenas quem tiver popularidade e credibilidade para receber doações. Estará estabelecida a seleção natural, o Darwinismo partidário”.

Uma proposta de Emenda à Constituição precisa do apoio de um terço da Câmara, ou seja, 171 deputados.

Só com esse número mínimo de assinaturas ela segue tramitando nas comissões.

Fonte: JCO

MP Eleitoral recomenda que Assembleia Legislativa afaste Aélcio da TV e dê posse a suplente

Cassação do deputado estadual foi decidida pelo TRE/RO e até o momento decisão não foi cumprida pela Assembleia Legislativa de Rondônia

O presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia, Alex Mendonça Alves, recebeu nesta terça-feira (6) um ofício do Ministério Público Eleitoral para que cumpra imediatamente a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/RO) que cassou o diploma do deputado estadual Aélcio José Costa (conhecido como Aélcio da TV). O TRE determinou o afastamento do cargo e a posse do suplente. O prazo para responder o ofício recomendatório é de cinco dias, informando as medidas concretas tomadas.

Segundo o MP Eleitoral, os acórdãos TRE-RO 111/2021 e 73/2020 determinaram a cassação e todos os recursos foram esgotados, estando pendente apenas um recurso dirigido ao Supremo Tribunal Federal (STF), que não tem efeito suspensivo, de modo que não há qualquer impedimento para o imediato cumprimento da decisão do TRE/RO que determinou a cassação do mandato do parlamentar.

A partir da entrega da recomendação, o MP Eleitoral considera que o presidente da Assembleia Legislativa está ciente da situação. A recusa ao cumprimento da recomendação poderá resultar em outras providências por parte do MP Eleitoral.

Ex-prefeito Charles Gomes continua na corrida eleitoral em Rondônia

Ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, anulou acórdão do TCE-RO

Na última eleição municipal o então prefeito de Vale do Paraíso, Charles Gomes, que era candidato a reeleição e contava com mais de 70% de aprovação da população para permanecer como chefe do executivo municipal, decidiu deixar a corrida eleitoral em face de um Parecer prévio do Tribunal de Contas/RO.

Mesmo com a avaliação positiva, fruto do seu bom trabalho desenvolvido à frente da prefeitura e sem nenhum caso de corrupção no município, Charles optou por aguardar a decisão sobre as contas municipais, e no último dia 29 de junho, o Ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF) proferiu decisão que anula o acórdão do TCE/RO.

Como esperado pelo ex-prefeito, que respeitou as normas e cumpriu as exigências, a decisão saiu favorável e Charles, forte líder político em Vale do Paraíso, permanece apto a concorrer a cargos eleitorais.

“Sempre confiei na justiça e, principalmente em Deus. A certeza de que nunca fiz nada de errado me fez acreditar que sairia vitorioso dessa ação que considero ter sido um grande erro, que mesmo não concordando com a situação, optei por esperar a verdade se materializar e assim aconteceu! Por não concorrer a eleição, indicamos e apoiamos a candidata que hoje é nossa prefeita. Deus sabe o que faz”, concluiu Charles Gomes.

Veja a Decisão do recurso:

Decisão_Conhecimento-do-recurso_Charles-1

Fonte: Assessoria

Ação do MP Eleitoral gera cassação do diploma de Aélcio da TV

Decisão colegiada será comunicada à Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia

O Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia (TRE-RO) decidiu dar cumprimento à decisão que determinou a cassação do diploma do deputado estadual Aélcio José Costa (PP). A decisão decorre de ação de investigação judicial proposta pelo MP Eleitoral em razão do uso abusivo dos meios de comunicação durante a exibição do programa televisivo de Aélcio, o “Rondônia de Coração”.

O MP Eleitoral moveu a ação de investigação contra o deputado em dezembro de 2018. No julgamento, em abril de 2020, o Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia (TRE/RO) entendeu que houve abuso de poder por parte do deputado e cassou o seu mandato à época. Inconformado com a decisão da Corte Estadual, Aélcio da TV, como é conhecido no estado, recorreu da decisão junto ao Tribunal Superior Eleitoral – TSE.

Após ser comunicado pelo TSE acerca da decisão que indeferiu o recurso de Aélcio, ontem (17) o TRE-RO  determinou  dar cumprimento da decisão. Em sessão realizada por videoconferência, os desembargadores e juízes, por unanimidade, entenderam que o julgamento de cassação do diploma do deputado já deve ser cumprido. A Assembleia Legislativa de Rondônia será comunicada sobre a decisão.

Na ação de investigação judicial eleitoral, o MP Eleitoral analisou o conteúdo das programações das exibições na tevê em junho de 2018. Em quatro programas de 60 minutos, foi constatado que aproximadamente 46 minutos e quatro segundos foram destinados a exibição de clipes, comentários e reportagens a respeito de feitos políticos. Isso representou 76,7% da duração total do conteúdo.

Em todos os vinte e quatro programas exibidos ainda em junho de 2018, o MP Eleitoral verificou que Aélcio usou aproximadamente 570 minutos e 48 segundos para transmitir clipes, comentários e reportagens com tom promocional de sua imagem, por meio de apresentação de obras feitas com recursos vindos de emendas parlamentares, principalmente em escolas da capital.

Fonte: Assessoria MP

Voto impresso auditável é necessário para garantir que o povo tenha confiança no sistema eleitoral (veja o vídeo)

A ideia é aprovar o projeto antes de outubro deste ano

Parlamentares do PSL se reuniram no Salão Verde do Congresso, na quarta-feira (28), para defender a PEC do voto auditável, proposta pela deputada federal Bia Kicis. A ideia é aprovar o projeto antes de outubro deste ano.

A jornalista Berenice Leite conversou com exclusividade com o deputado federal Major Vitor Hugo, líder do PSL, sobre o tema:

“Na semana que vem, já há um compromisso do presidente da Câmara, Arthur Lira, de criar a comissão especial, e os partidos indicarão os membros. Estamos ansiosos para ver essa pauta avançar, anseio que corresponde ao de grande parte da população.

É mais uma trava de segurança, para garantir que a população tenha confiança no sistema, reforçando nossa democracia”, completou.

Confira:

Fonte: JCO

PF apura fraude em transferências suspeitas de domicílios eleitorais

De acordo com os investigadores, há pelo menos 75 casos suspeitos

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (14) a Operação Fake Adress, com o objetivo de investigar transferências de domicílio eleitoral suspeitas, devido ao uso de comprovantes de endereços falsificados.

De acordo com os investigadores, há pelo menos 75 casos suspeitos identificado pela 188ª Zona Eleitoral de Pinhais, no Paraná que teriam se aproveitado do fato de a Justiça Eleitoral ter permitido, devido à pandemia, que transferências de domicílio eleitoral fossem feitas por meio do sistema eletrônico Titulonet.

Neste momento estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão em endereços de investigados – entre eles no gabinete de uma vereadora na Câmara Municipal de Pinhais. Há, segundo a PF, evidências de que a estrutura dessa casa legislativa tenha sido usada para a prática de crime.

“Durante as investigações foi possível vincular tais pedidos a assessores de vereadora em exercício e candidata à reeleição”, informou por meio de nota a PF. Diante da situação, um inquérito policial foi instaurado em junho de 2020, após tratamento inicial dos requerimentos pelo Juízo Eleitoral, bem como pela análise e reunião de informações complementares pelo Ministério Público Eleitoral.

Segundo a PF, além de terem sido feitas transferências irregulares de domicílios, com utilização de documentação falsa, há indícios de que as multas eleitorais dos títulos com situação eleitoral irregular foram pagas pelos investigados.

Fonte: Agência Brasil

Denúncia bombástica fraudando o processo eleitoral ameaça democracia americana

“Isso é totalmente ilegal”, diz Trump sobre fraude eleitoral

A denúncia do Projeto Veritas já alcançou milhões de pessoas em pouco mais de uma hora e não há outro assunto sendo comentado nos EUA: um suposto coletor de votos, Liban Mohamed, irmão do vereador Jamal Osman, de Minneapolis, é mostrado em um vídeo bombástico vasculhando pilhas de cédulas em seu carro, ou seja, fraudando o processo eleitoral americano.

O assunto viralizou de tal maneira que o presidente da maior potência militar e econômica do mundo não podia ficar sem manifestar-se.

“Isso é totalmente ilegal. Espero que o procurador dos EUA em Minnesota tenha esse e outros de seus muitos crimes sob análise séria? Se não, porque não? Venceremos Minnesota por causa dela e da polícia”, afirmou Trump há alguns minutos.

A bombástica denúncia do Projeto Veritas já foi retuitada por inúmeros jornalistas da Fox News, New York Post e vários analistas políticos. Todos chocados com as declarações divulgadas por meio de uma câmera escondida. Essa denúncia poderá mudar o rumo das eleições e evitar inúmeras fraudes eleitorais.

Allan dos Santos – Portal Terça Livre

Hildon não vai tentar um segundo mandato e abre caminho para vários nomes na corrida municipal

Quem o Prefeito apoiará? Ele tem dito que ficará fora do processo eleitoral, ao menos no primeiro turno

Embora uma entrevista coletiva com a imprensa, programada para essa quinta tenha sido cancelada, para tratar do assunto, há muito pouca dúvida de que a decisão do prefeito Hildon Chaves já está tomada:  ele vai anunciar a decisão de não concorrer à reeleição, porque considera que o instituto da reeleição não é o melhor caminho; prefere um mandato único de cinco anos e defende a renovação na política. Acha que há gente com condições de gerir a Capital e que a hora é de ir em frente, com projetos pessoais, embora sua volta à política não tenha saído da pauta. Até porque 2022 está bem perto. Hildon fez um governo complicado no início, até porque herdou uma Prefeitura amarrada, inclusive com forte  protecionismo aos servidores, já que o ex prefeito Mauro Nazif fez o que mais sabe: sobreviver politicamente ligado ao funcionalismo. A herança também significou, entre outras coisas, um sistema de transporte coletivo destroçado e poucas obras estruturantes. Ao contrário do que prometeu na campanha, Nazif fez pouquíssimo para combater as alagações, que continuam infernizando a cidade até agora. A partir de uma reorganização na Prefeitura e com jogo de cintura político, Hildon Chaves começou também a cooptar o apoio de ex parlamentares federais, como Luiz Cláudio da Agricultura e Lindomar Garçon, trazendo-os (e suas muitas emendas) para seu lado, além de buscar apoio da atual bancada federal, Conseguiu imensos recursos, com os quais começou então a realizar obras vitais para a Capital. Resolveu a questão do transporte escolar, que era um inferno e está resolvendo a do transporte coletivo. Só não o fez até agora, porque a questão está judicializada. Um enorme pacote de obras está em andamento. Entre elas, a da total restauração da Praça Madeira Mamoré, certamente uma marca importante da atual administração, junto com o término dos viadutos e das pistas laterais da BR, feitas em parceria com o Dnit e da iluminação pública de Porto Velho, que melhorou muito. Nem todas ficarão prontas, mas não há dúvida de que a cidade, no geral, está bem melhor do que estava quando Hildon a recebeu. 

Quem o Prefeito apoiará? Ele tem dito que ficará fora do processo eleitoral, ao menos no primeiro turno. Mas certamente vai ficar ao lado de algum nome ligado a ele, à sua administração e ao seu partido, que lhe daria segurança de que suas obras, eventualmente alguma inacabada, serão concluídas no próximo mandato. Por enquanto, como surpresa, surge Thiago Tezzari, o competente homem da Emdur, que transformou a escura Porto Velho numa Capital iluminada. Mas há outras opções, como o parceiro Lindomar Garçon, ex deputado, que trouxe muitos recursos para o atual governo. E há os Carvalho (Mariana e Maurício), que também são sempre citados. Ao que se ouve nos bastidores, Mariana não quer, mas Maurício quer. Esperemos os próximos dias, para saber quem serão os candidatos governistas à sucessão do Prefeito que abriu mão de disputar, com grandes chances, um segundo mandato.

E AGORA, DEPUTADO LÉO MORAES?

Fica agora apenas uma dúvida: o jovem deputado federal Léo Moraes, que aparece sempre à frente, em praticamente todas as pesquisas na Capital, vai abrir mão do restante do seu mandato, para concorrer à Prefeitura e, se vencer, enfrentar a complexa administração municipal? Léo está, certamente, refletindo muito sobre o seu assunto. De um lado, há seu desejo pessoal de se manter em Brasília, onde tem sido um parlamentar de destaque em nível nacional, como líder do Podemos. Além disso, Léo tem ainda muitos projetos e emendas para o Estado. O problema é a cor local da política. A pressão duríssima que o deputado tem sofrido de aliados, parceiros, eleitores e daqueles que sonham em conviver com ele no poder é imensa. Léo tem colocado tudo isso na balança. Tem ainda alguns poucos dias para se definir. Mas, com a saída de Hildon da corrida, ele sabe: suas chances de ser o próximo Prefeito da Capital aumentaram muito.

MDB: ALIANÇA OU CHAPA PURO SANGUE?

A análise da sucessão municipal de Porto Velho, feita neste espaço, na edição da quarta-feira, excluiu, não sem motivo, uma candidatura que já vem com grandes chances, a ser homologada pelo MDB. O problema é que o partido tem o que falta para muitas siglas: nomes demais. Gente com peso eleitoral e com chances reais de chegar à vitória nas urnas. Por isso, sempre fica complicado se saber exatamente quais das lideranças serão as escolhidas para a próxima missão. Agora, pelo menos dois nomes podem ser citados como quentíssimos, nessa caminhada da sucessão: o do ex secretário de saúde, Williames Pimentel e do desembargador aposentado Walter Waltenberg. Mas há vários outros, como o ex secretário de Planejamento do governo Confúcio Moura (assim como Pimentel, que foi o secretário da saúde, do governo anterior), George Braga. Há sim outros pretendentes no partido, mas ao que tudo indica, a decisão final se dará em torno desse trio.

PIMENTEL NA CABEÇA, GEORGE OU JAIME DE VICE

Pelo que se tem ouvido nos bastidores, tudo se encaminha para que Pimentel seja o escolhido, porque Waltenberg só aceitaria a indicação se ela fosse por consenso, o que, certamente, está muito longe de acontecer. Não há consenso no MDB há muitos anos. Lembremo-nos, por exemplo, das cenas de pugilato da última convenção que escolheu Confúcio Moura e Valdir Raupp como candidatos ao Senado. O presidente regional, Lúcio Mosquini, está acompanhando o caso de perto. A partir de uma declaração dele, se pode entender como é difícil que as coisas tenham anuência generalizada num partido tão grande. Mosquini disse que o MDB vai se aliar a outras siglas e que não terá candidatura puro sangue. O problema é que há uma ala, inclusive apoiada pelo grupo do ex governador e senador Confúcio Moura, para a formação de uma chapa com uma dupla emedebista: o próprio Pimentel encabeçando a chapa, com o ex secretário de Planejamento, George Braga, como vice.  Caso a chapa não seja puro sangue, o vice de Pimentel, que na última eleição foi o candidato da Capital com maior votação, poderá ser Jaime Gazola. São alternativas, que ainda não estão claras, dentro do maior partido do Estado.

SEIS ANOS DEPOIS, A NOSSA PONTE TEM LUZ

Não é conversa. Dessa vez é a mais pura verdade. Habemos luz! Seis anos depois de construída e entregue, a ponte do rio Madeira, no bairro da Balsa,   recebe sua iluminação. Um trabalho, aliás, feito com grande rapidez e qualidade, pela equipe da Emdur, comandada por Thiago Tezzari, que a realizou em parceria com o Dnit . Nesses anos todos, atravessar a ponte era um perigo, principalmente para pedestres e ciclistas, vítimas de constantes assaltos. Ou seja, uma obra de extrema qualidade, que custou mais de 200 milhões de reais, ficava às escuras à noite, durante todos esses anos. Nessa quarta, contudo, as coisas mudaram. O prefeito Hildon Chaves e sua equipe entregaram a nova e moderna iluminação a Led, que deixou a ponte muito mais bonita e extremamente mais segura para a população que a usa à noite. É mais um avanço para a cidade, que está precisando mesmo de muitas coisas boas. Lamentavelmente, o mesmo não ocorrerá na ponte sobre o rio Madeira na Ponta do Abunã. Além de estar muito atrasada, o projeto não contempla iluminação. Mas esperar que se faça tudo direitinho, nesse país, já é esperar demais, não é?

CRIADORA DA VACINA A EXPERIMENTOU NOS FILHOS

Há, em todo o mundo, grande expectativa por uma vacina que, finalmente, nos tire do desespero da dor, da doença e das mortes causadas pelo coronavírus. De quase uma centena em estudos e de seis praticamente prontas para o uso da população, a que parece ter tido melhores resultados até agora é a de Oxford. O tipo de vacina que impede o vírus de se espalhar no organismo, foi descoberto pela dra Sarah Gilbert, PHD e Professora Emérita da Universidade de Oxford, no Reino Unido. Quando teve certeza de que a vacina que criou era viável e prevenia contra a doença que está apavorando o Planeta, a dra, Sarah fez algo até então inimaginável, para um experimento. Ela tinha tanta certeza de que a vacina era a cura para a Covid 19, que a aplicou em pessoas próximas. Seus filhos trigêmeos, ainda crianças, foram os primeiros a receber as doses. No Brasil, a vacina de Oxford está sendo desenvolvida em parceria com a Fiocruz, num dos seus braços, o Instituto Manguinhos, no Rio de Janeiro. O presidente Bolsonaro já liberou quase 2 bilhões de reais para o projeto, que pretende ter as primeiras 15 milhões de doses em dezembro; outras 15 milhões em janeiro de 2021 e atingindo 100 milhões de doses no final de maio do ano que vem. Até agora, todos os testes feitos com a vacina, inclusive nos filhos da cientista inglesa, demonstraram que ela protege mesmo o organismo contra o coronavírus.

GASTO DE 1 MILHÃO E 500 MIL EM OBRA QUE CUSTARIA 5 MILHÕES

O DER começa a mostrar serviço com muito mais força, em algumas obras importantes no Estado. Uma delas refere-se à ponte sobre o rio Urupá, em Ji-Paraná, que é daqueles que bem sintetizam como os serviços públicos são tratados normalmente tanto em Rondônia como no resto do Brasil. A nova ponte, de quase 150 metros de extensão, com 13 metros de largura, com facilidade para passagem de dois carros, foi concluída em 2017, ainda na gestão de Confúcio Moura, ou seja, há quase três anos. Desde lá, prontinha, para aliviar o trânsito no local, hoje feito numa ponte estreita, onde passa um só veículo de cada vez e um tem que esperar de um lado até que o outro atravesse, a obra, concluída, está lá parada. Simplesmente porque não foram construídos os acessos a ela. O governador Marcos Rocha determinou ao novo diretor geral do DER, Elias Rezende, que os acessos fossem feitos pelo próprio órgão estadual, para diminuição de custos e para que não se perdesse tempo com novas licitações. Trinta dias depois do início dos trabalhos, um dos acessos já está bastante avançado e o outro começa a crescer também. Metade da obra está concluída. Em breve (não foi fixado um prazo final, ainda), a ponte será aberta ao tráfego, ligando a RO 135, que liga importantes áreas de Ji-Paraná, inclusive à BR 429. O custo final do trabalho será de cerca de um terço do inicialmente previsto, caso fosse licitado. Dos mais de 5 milhões de reais, o custo caiu para próximo a 1 milhão e 500 mil.

JEAN AGRADECE POR UMA NOVA CHANCE

Do susto de uma situação gravíssima, com a vida correndo perigo, para uma recuperação total, depois de longo tempo internado numa UTI e se submetendo a vários tratamentos: foi isso que aconteceu com o jovem deputado Jean Oliveira. Nesta semana, ele fez um emocionado discurso, na Assembleia, agradecendo a Deus pelo que chamou de “segunda chance”, além de agradecer à sua família, aos amigos e todos os que oraram pelo restabelecimento dele, atingido por uma dura forma da Covid 19. Contou que no início, não imaginaria que fosse passar pelo perigo que passou. “Entrei no  hospital andando e conversando e horas depois estava internado numa UTI”, relatou. Jean Oliveira afirmou ainda que “a gente começa a entender que existe um propósito na vida; que Deus é o dono de tudo e que a nossa família é o nosso grande esteio. Tenho 31 anos e aqui nesta casa, tenho colegas de mais idade, considerados do grupo de risco, que contraíram a doença, mas que não tiveram, graças a Deus, tantas implicações”. Ele agradeceu também a todas as equipes que o atenderam, durante a enfermidade.

CORONA E SEUS TRISTES NÚMEROS: 981 ÓBITOS

Os números do coronavírus no Estado da segunda-feira assustaram, mas é bom destacar que as 22 mortes registradas no boletim da Sesau da terça-feira, não foram de 24 horas, mas sim de quatro dias, que não haviam sido computados e o foram num mesmo boletim. Já na quarta-feira, a situação ainda preocupou, porque os 15 óbitos, embora não tenham acontecido no mesmo dia (mas que não haviam também sido registrados no boletim diário)  eleva o número de rondonienses que perderam a vida para 981 Eram 966 na segunda. Os novos casos computados (sempre lembrando que não se referem a apenas um dia, mas incluem casos que até agora não estavam nas estatísticas), chegaram a 581. Há hoje, no total, desde o inicio da pandemia,  46.061 contaminados, dos quais 38.312, ou 83 por cento, já estão curados. Temos, então, segundo os números oficiais da Sesau, somente 6.768 de casos chamados ativos. O total de pessoas internadas se mantém em queda, em relação à semana passada: hoje são 396 leitos ocupados, entre os comuns e os de UTI. Quase 143 mil testes já foram realizados no Estado, tornando Rondônia a região do país que mais realizou testes para detectar a doença, em relação à sua população.  

PERGUNTINHA

Para tentar se imunizar e aos seus familiares contra o coronavírus, se pudesse optar, você usaria a vacina chinesa, a russa ou a de Oxford?

Por Sérgio Pires/Coluna Opinião de Primeira 

A urna eletrônica pode ser uma fonte devastadora de contágio do coronavírus

A quantidade estimada de novos infectados é superior a um milhão de novos casos,..

Teclado das urnas poderão ser tocados por mais de cem milhões de eleitores, expondo ao risco de contaminação direta mais de metade da população brasileira.

Se apenas um por cento dos eleitores se contaminarem através dos teclados das urnas eletrônicas, a quantidade estimada de novos infectados é superior a um milhão de novos casos.

O risco de contágio através do teclado da urna eletrônica é infinitamente maior do que através da cédula de votação, uma para cada eleitor, onde o risco de contaminação é próximo de zero se o eleitor levar a sua própria caneta.

Além disso, o custo do investimento nas urnas eletrônicas é cerca de 10 vezes maior que o das cédulas de votação, sem contar os custos de manutenção e do aparato existente em torno da urna eletrônica.

A realização do pleito eleitoral, com urnas eletrônicas, pode ser um erro tão perigoso quanto foi o carnaval.

Fonte: Jornal da Cidade