Bolsonaro diz que Sinovac ofereceu vacina pela metade do preço

Presidente disse que a laboratório que produz a CoronaVac entrou em contato com o governo para vender imunizantes por US$ 5 

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (22), em uma entrevista transmitida em seu Facebook à rádio Banda B de Curitiba (PR), que o laboratório chinês Sinovac ofereceu ao governo federal a vacina CoronaVac pela metade do preço cobrado pelo Instituto Butantan. 

Segundo Bolsonaro, o governo enviou a proposta à CGU (Controladoria-Geral da União), ao Ministério da Justiça e ao Tribunal de Contas da União para apurar por que existe essa diferença nos preços e se há irregularidade no acordo de aquisição da vacinas.

“Por que a matriz nos oferece a vacina pronta a US$ 5 e eles, Butantan, ao receber o IFA da China, nos revende a US$ 10, pode ser que não haja nada de errado nisso tudo, mas o Butantan nunca nos apresentou a planilha de preço. Pelo que tudo indica no momento é algo assustador.” 

O Instituto Butantan, que também teria sido acionado para se explicar, costuma dizer que o preço de US$ 10 inclui não só o preço do imunizante, mas também o armazenamento e o transporte do produto.

O chefe do Executivo afirmou que o governo não respondeu à Sinovac. “Vou conversar de novo com o [ministro da Saúde, Marcelo] Queiroga hoje, mas antes vamos investigar.”

“Não vou comprar algo que a população não quer tomar”, disse o presidente, dando a entender que a CoronaVac não tem qualidade e é rejeitada pelos brasileiros.

Bolsonaro citou que “a CoronaVac não deu certo no Chile” e, por isso, talvez não desperte mais o interesse do governo federal.

“Em São Paulo, o pessoal pergunta [antes de se vacinar] qual vacina está disponsível, e se é CoronaVac, a tendência é não tomar.”

Ele declarou que se o governo chegar à conclusão de que vale a pena investir na CoronaVac, a proposta da China pela metade do preço pode interessar. 

“Não estou acusando de corrupção, de desvio, de nada, apenas uma documentação que chega aqui e nos traz enorme preocupação do que acontece no Butantan”, disse Bolsonaro.

Procurado, o Butantan, por meio de sua assessoria de imprensa, pediu para a reportagem procurar a Sinovac “para saber se realmente existe essa oferta”. O instituto ficou de checar se foi ou não apresentada uma planilha explicando ao governo como chegou ao preço de US$ 10 por dose de vacina e não respondeu se algum órgão federal o procurou para ouvi-lo na investigação citada por Bolsonaro.

Fonte: R7

Em entrevista à Itatiaia, Bolsonaro anuncia Bolsa-Família de R$ 300

Presidente falou exclusivamente por quase 40 minutos à emissora, dois dias após ter alta

Em sua primeira entrevista a uma emissora de rádio após ter alta hospitalar, no último domingo, após quatro dias de internação por uma obstrução intestinal, o presidente Jair Bolsonaro anunciou à Rádio Itatiaia o aumento do valor do Bolsa-Família para R$ 300, a partir de novembro deste ano. O anúncio foi feito, ao vivo, nesta manhã, em entrevista à repórter Edilene Lopes, no Palácio da Alvorada, em Brasília, durante o Jornal da Itatiaia Primeira Edição. No horário, a média de ouvintes da emissora chega a 250 mil pessoas, por minuto. A Itatiaia alcança cerca de 800 dos 853 dos municípios mineiros. A Rede ITASAT de Comunicação, que retransmitiu a entrevista, conta com mais de 60 rádios do interior de Minas.

“Vai ser um aumento de mais de 50%. Sei que é pouco, mas é o que a Nação pode dar. Estamos prevendo em torno de 22 milhões de pessoas recebendo o Bolsa-Família a partir de dezembro. É um número assustador. Esperamos pacificar a questão do Bolsa-Família, com esse valor, a partir de novembro”, garantiu o presidente. Os principais trechos da entrevista irão ao ar novamente, a partir de 12h30 desta terça-feira, 20 de julho, no Jornal da Itatiaia Segunda Edição, e ao longo da programação. A entrevista também pode ser vista no site da emissora (www.itatiaia.com.br) e no perfil da rádio no Instagram (@itatiaiaoficial) e no Facebook.

Durante os 40 minutos de conversa, o presidente da República confirmou que irá vetar o Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos, conhecido como Fundo Eleitoral, que é uma forma de financiamento público dos partidos políticos no Brasil. Bolsonaro disse que a oposição fez uso estratégico da votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para tentar deixar nas mãos do governo a responsabilidade pelo aumento dos recursos do Fundo, que passaram a R$ 5,7 bilhões, conforme aprovação do Congresso Nacional, na semana passada. “Extrapolou o valor, então eu tenho a liberdade de vetar e vou vetar. Espero não ter problemas com o Parlamento. Após o nosso veto eles que decidam lá se mantêm ou não”, afirmou.

Para o vice-presidente de Operações e Rede da Itatiaia, jornalista João Vítor Xavier, a entrevista exclusiva de Bolsonaro confirma a tradição da emissora em cobrir de perto os grandes fatos da política no Brasil e no mundo. “Cumprimos mais uma vez esse papel ao fazer a primeira entrevista exclusiva com o Presidente da República, após sua internação médica”, disse.

Para a diretora de jornalismo da Rádio Itatiaia, Maria Cláudia Santos, a emissora novamente cumpriu seu papel como porta-voz legítima dos mineiros. “A rádio segue defendendo que é preciso conversar, questionar, ouvir explicações e cobrar providências, se colocando como a porta voz legítima de Minas, em especial dos nossos ouvintes”.

Ao falar sobre a CPI da Covid, classificada por Bolsonaro como “palhaçada”, o presidente da República disse que o relatório do senador Renan Calheiros “é pra jogar no lixo”. Ele voltou a insistir que o lockdown adotado em muitos municípios brasileiros não foi a melhor medida contra a disseminação do vírus.  “A CPI não quer investigar nada. Só desgastar o governo”.

Outros temas – Na entrevista à Rádio Itatiaia, o presidente ainda falou sobre outros temas como voto impresso e fraude eleitoral. Afirmou que, em 2014, Aécio Neves foi o vencedor da eleição presidencial e que vai encaminhar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) provas de que houve fraude. Bolsonaro também comentou o projeto do clube-empresa e disse que quer dar liberdade aos clubes para tratar do tema, citou as polêmicas envolvendo o ministro Paulo Guedes e vários outros assuntos de interesse de Minas.

Fonte: Assessoria

Bolsonaro interrompe entrevista, reza o “Pai Nosso” e dá lição em jornalistas (veja o vídeo)

Os repórteres e apoiadores presentes atenderam ao pedido do presidente

Na última segunda-feira (12), o presidente Jair Bolsonaro surpreendeu os jornalistas com quem conversava, ao pedir que o acompanhassem em uma oração.

A situação inusitada ocorreu quando o presidente foi questionado se estaria ‘arrependido’ das declarações que fez contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, com quem vem travando uma batalha na defesa do voto impresso auditável.

“Parem de falar de arrependimento, que coisa feia. Vai acabar a entrevista. Vai acabar. Depois vocês me chamam de grosso. Vamos rezar um Pai Nosso? Vamos lá, me ajudem…”, disse Bolsonaro.

Confira:

Os repórteres e apoiadores presentes atenderam ao pedido do presidente e o acompanharam na oração do Pai Nosso.

Bolsonaro finalizou a entrevista reafirmando sua defesa ao voto impresso auditável, e refletindo que até mesmo a oposição deveria defender a implementação do sistema:

“Imagine que o Lula perca as eleições: o pessoal dele não vai gostar, afinal de contas ele teria 60% de intenções, segundo o Datafolha. E o nosso lado diz que a pesquisa de rua, dado como as pessoas me recebem em qualquer lugar que eu vou, temos aceitação enorme. É coisa rara alguém me xingar, me ofender, me chamar de um palavrão ou qualquer coisa”, argumentou o presidente.

Fonte: JCO

Bolsonaro confirma que deputado Luís Miranda será investigado

Em tensa conversa com repórteres em Sorocaba (SP), presidente citou erro em contrato de compra da Covaxin, já corrigido 

O presidente Jair Bolsonaro deu uma entrevista coletiva tensa na manhã desta sexta-feira (25) em Sorocaba (SP). Pouco antes do depoimento do deputado Luís Miranda (DEM-DF) à CPI da Covid, marcado para as 14h, o chefe do Executivo afirmou que o parlamentar será, sim, investigado a pedido do governo federal.

Ele não falou, no entanto, se a denúncia do deputado passaria por alguma investigação. O presidente deu a entender o contrário, na verdade, quando disse que não havia superfaturamento na negociação e que a empresa confirmou que o valor cobrado do Brasil estava na média do que pagavam os outros países que se interessaram pelo imunizante.

O presidente reiterou que nenhuma dose chegou a ser comprada.

Bolsonaro comentou que o contrato para aquisição das vacinas indianas apresentou um erro, que já foi sanado. “Era um documento que estava feito de forma equivocada, em vez de 300 mil doses eram 3 milhões e isso foi corrigido no dia seguinte. ” Não deu datas.

Ele admitiu ter conversado com Luís Miranda em 2020 (o deputado, aliado do governo, teria tentado alertá-lo sobre irregularidades na negociação), mas minimizou a importância da conversa. “Falei com ele o ano passado, foi lá e falou um montão de coisa, como recebo uma infinidade de pessoas que não conheço: 99% das pessoas eu não conheço”, comentou.

O presidente, que foi a Sorocaba inaugurar um centro de tecnologia, reclamou que a denúncia é aproveitada pela imprensa, que não consegue elogiá-lo por “dois anos e meio sem corrupção”.

Bolsonaro brigou com uma repórter que insistiu em saber se as vacinas seriam compradas. Ele também xingou um jornalista de ridículo, mandou ele voltar para a faculdade e depois disse que o rapaz deveria nascer de novo.

Voto auditável

Na mesma entrevista, o presidente garantiu que se passar no Congresso o voto auditável, ele será utilizado em 2022 mesmo se o Judiciário questioná-lo.

“Se o Congresso Nacional aprovar, teremos o voto auditável e ponto final.”

Bolsonaro afirmou que já conversou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e a União já tem os R$ 2 bilhões necessários para acolplar a impressão do voto ao lado das urnas eletrônicas.

Segundo o presidente, dois ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) estão “fazendo militância” contra seu governo.

“Tiraram o Lula [ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva] da cadeia, tornaram Lula elegível pra quê? Pra elegerem o presidente na fraude?”

Fonte: R7

Pastor Ock Soo Park participou de entrevista ao vivo na Rede Super de Televisão.

Ao terminar o Pastor Ock Soo Park desejou que o Brasil seja abençoado e que possa se tornar uma nação ainda mais resplandecente.

No dia 20 de junho, às 18h00, o pastor Sul-coreano, fundador da Igreja Missão Boa Notícia e do Congresso de Líderes Cristãos-CLF, Pastor Ock Soo Park, participou de uma entrevista ao vivo no programa Super Live com a apresentadora Luzinalva Aguiar, pela Rede Super de Televisão e também pelo YouTube e  Facebook.

O tema da live foi: “Uma boa notícia da Coréia do Sul para o mundo” e trouxe  um bate-papo sobre o ministério mundial de evangelização pela internet e pela televisão.

O convite para a live aconteceu devido a grande audiência e a forte repercussão da   transmissão dos eventos “Congresso de líderes Cristãos-CLF” e o “ Grande Seminário Bíblico”, realizados no mês de março deste ano.

O pastor participou da entrevista de Orlando. Ele tomou a vacina corona e viajou  para os Estados Unidos em 5 de junho, e tem pregado nas principais cidades por três semanas, onde no dia (21) concedeu  a entrevista.

Começando, a apresentadora perguntou sobre o início da trajetória do pastor, ele  falou do seu nascimento em 1944 e o sofrimento durante a sua adolescência. Em 1962 pode se encontrar com a verdade de que  Jesus Cristo perdoou seus pecados e a convicção de que era justo.

A maioria das pessoas conhece Rm. 3:23 que diz que somos pecadores, porém não fala sobre  Rm 3:24 que diz que somos justos.”, respondeu o pastor.

Foi perguntado ao pastor Ock Soo Park como ele viu o Crescimento da igreja no Brasil e os dois bilhões de telespectadores alcançados  no mundo todo através do Grande Seminário Bíblico, “…Assim que a pandemia acabar, quero ir ao Brasil e ver todos os grandes trabalhos que Deus tem feito, […]através disto, posso ver que Deus está muito presente no Brasil, respondeu o pastor Ock Soo Park.

Ao terminar o Pastor Ock Soo Park desejou que o Brasil seja abençoado e que possa se tornar uma nação ainda mais resplandecente.

Haverá a re-transmissão da entrevista dia 23, quarta-feira às 22h30, no canal de TV  Rede Super.

Mais informações: missaoboanoticia.org.br

Youtube Rede Super: https://m.youtube.com/user/tvredesuper/featured

Facebook Rede Super: https://m.facebook.com/redesupertv/

Fonte: Assessoria

Hildon chaves fala sobre decreto estadual que liberou eventos com até 999 pessoas na capital

Prefeito citou ainda que as festas de final de ano, por exemplo, provocaram a segunda onda da Covid-19.

O prefeito Hildon Chaves (PSDB) disse em entrevista, nesta sexta-feira (18), que Porto Velho vai publicar um decreto municipal para proibir os eventos com até 999 pessoas, liberados pelo governo estadual.

“Está sendo confeccionado um novo decreto e nós deveremos estar divulgando via imprensa durante a tarde desta sexta-feira. Depois de praticamente um ano confiando na condução, nos decretos do governo estadual, e em razão da excessiva abertura nesse momento de absoluta gravidade [da pandemia], nós não podemos cometer o mesmo erro, ou concordar que se repita o erro da abertura excessiva”, afirmou Hildon ao vivo no Jornal de Rondônia.

Hildon citou ainda que as festas de final de ano, por exemplo, provocaram a segunda onda da Covid-19, que o estado enfrenta nesse momento.

“Todos os especialistas do mundo apontam a ocorrência de uma terceira onda nas próximas semanas. E nós vamos ajustar algumas questões, revendo o decreto do governador, no sentido principalmente da liberação com eventos de até 999 pessoas. Isso é bizarro. Boates vão continuar sem poder funcionar pelo nosso decreto. O momento ainda de muita cautela. Nós só temos quase 8% da população vacinada em Rondônia com a segunda dose”, explica Hildon.

Segundo Hildon Chaves, o novo decreto municipal não vai fechar os bares e restaurantes da capital, pois o grande problema nesse momento seria a reabertura das boates.

“Na questão dos restaurantes e bares, a tendência é que nós estendamos um pouco o prazo para que ele funcione, inclusive com bebida alcoólica. Provavelmente, eu acredito que vai ficar até 1h da manhã o funcionamento dos bares e restaurantes. 1h da manhã encerra, fecha tudo. Então, com isso, nós atendemos e esse setor vai estar com 95% dos seus faturamento, seus empregos e suas demandas atendidas”, diz.

Para o chefe do executivo municipal, a reabertura de boates poderia impactar e fechar o comércio dentro de algumas semanas, devido ao número de infecções por coronavírus, que tenderia a aumentar.

Na quinta-feira (18), o estado publicou um decreto permitindo eventos com até 999 pessoas e reuniões e casamentos com 150 convidados.

Para ser realizado o evento com distribuição de bebidas alcóolicas (bares, boates e casas de shows), o estado afirmou que os organizadores devem fornecer álcool gel 70%, teste para Covid-19, aferição de temperatura, espaçamento entre as mesas, sendo 1,20 metro de distância.

O documento determina que nos eventos não será permitido a participação de pessoas com temperatura superior 37,8°C ou sintomas gripais.

Fonte; Rede Amazônica

Bolsonaro marca a história concedendo entrevista a TV local e faz da política a arte do governo visível (veja o vídeo)

A primeira vez que veio em Rondônia ainda estava na campanha de 2018.

A segunda vez que veio entregou a ponte do Abunã. Nem precisa dizer que essa ponte parecia impossível, mas Bolsonaro inaugurou dando uma volta de moto com o Ministro Tarcísio na garupa.

Todavia, a surpresa maior, foi quando desceu num posto de gasolina na pequena cidade de Candeias do Jamari. Um marco na história da cidade.

Pois é, esta semana ele surpreendeu novamente. Pela primeira vez na história de Rondônia um presidente da República concedeu entrevista à uma TV local, SICTV, afiliada da Rede Record.

A entrevista durou cerca de quarenta e cinco minutos sendo direcionada por Everton Leoni, apresentador, proprietário do canal.

Assim, Bolsonaro faz da política a arte do governo visível. Um líder que respeita, cativa e ama sua terra.

Doravante, quem desejar a política assume a responsabilidade de não se esconder atrás do trono.

Em nome de Rondônia, obrigado Bolsonaro.

Confira:

Foto de Josinelio Muniz

Joselito Josinelio Muniz*

*Josinelio é Formado em Teologia pela Faculdade Teológica Logos (FAETEL), matéria em que leciona na Comunidade Internacional da Paz – Porto Velho, RO. Bacharel em Direito pela (UNIRON) e Docente Superior pela (UNINTER).

Hildon Chaves destaca evolução da agricultura e pecuária em programa nacional de TV

Prefeito revelou que a agricultura e pecuária seguem em franco crescimento

Hildon Chaves diz que o desenvolvimento no setor mantém compromisso com qualidade e sustentabilidade

Porto Velho foi destaque nacional durante entrevista concedida pelo prefeito Hildon Chaves ao Canal Rural, de São Paulo. Ele revelou que a agricultura e pecuária seguem em franco crescimento e que a localização estratégica do município facilita o acesso aos mercados.

Segundo o prefeito, a evolução do setor é resultado de amplo trabalho realizado pela Prefeitura nos últimos anos com a coordenação da Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Semagric).

Outros pontos destacados pelo prefeito durante a entrevista foram os recordes de exportação e o compromisso com a sustentabilidade e qualidade.
De acordo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a produção que vem do campo representa 21% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado.
A capital segue a mesma direção. Como consequência, as terras estão cada vez mais valorizadas.

“A evolução da produtividade atinge também os grãos, como a soja e o milho. Na pecuária o confinamento é uma prática que também está em expansão. O rebanho bovino é composto, atualmente, por 1,1 milhão de cabeças”, destacou o prefeito, que citou a posição estratégica do município como outro detalhe favorável. “O acesso para outros mercados, inclusive para o exterior, é facilitado”, acrescentou.

Para o desenvolvimento do setor, a Prefeitura de Porto Velho também investe na agricultura familiar. Foram distribuídas gratuitamente 2 milhões de mudas de café de 2017 a 2020, além de transporte de calcário para a correção de solo em pequenas propriedades.

Fonte: Comdecom

Em entrevista, Marcos Rocha fala sobre “Operação do MP” que prendeu Júnior Gonçalves em RO

Em conversa com jornalistas, Governador diz ter sido pego de surpresa.

O governador Marcos Rocha, durante um evento na cidade de Vilhena (RO) na sexta-feira (14), falou sobre a denúncia de corrução feita contra o secretário-chefe da Casa Civil, Júnior Gonçalves investigada pelo MP. Em conversa com jornalistas, Rocha diz ter sido pego de surpresa com a notícia quando estava no hotel.

“Eu soube hoje sobre essa questão. Aí eu fiz contato com a Procuradoria Geral do Estado [ assim que soube] para que os advogados do estado levantassem todas as questões do que está se buscando, para que a gente pode ter subsídio até para poder falar. Eu saí do hotel e vim pra cá”, contou.

Júnior Gonçalves foi denunciado pelo Ministério Público, nesta sexta-feira, como suposto líder de um grupo criminoso especializado em fraudes nos procedimentos licitatórios e corrupção dentro do governo.

“Eu sou um coronel da PM, fui oficial de engenharia do Exército. Sempre defendi e protejo a lei. Todas as pessoas têm direito à presunção de inocência. Então eu vejo que temos que respeitar isso, a pessoa acusada de algo tem direito de defender. Cada um vai responder pelo seu CPF”, reiterou o governador.

O governador de Rondônia afirmou ainda que cada secretário, independente do cargo de confiança que exerce, precisa responder por qualquer ato ilícito no poder público.

“Eu não autorizei e nem autorizo ninguém a fazer algum ato ilegal, de jeito nenhum. Cada um dos nossos secretários tem direito de se defender e responde pelo seu CPF. Governador não condena e nem absolve ninguém, quem faz isso é a justiça e eu respeito. Vamos aguardar os procedimentos, as provas”, disse Marcos Rocha.

Após o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), através da operação Propagare, revelar o esquema de corrupção na Casa Civil, Júnior Gonçalves foi afastado do cargo. Inicialmente esse afastamento deve ser por seis meses.

Perguntado por jornalistas sobre quem deve assumir a Casa Civil, o governador de Rondônia foi enfático.

“Isso ainda temos que pensar, mas há um monte de gente boa dentro do estado. Como fui pego de surpresa hoje, é algo que vou pensar, refletir e analisar”, afirma.

Fonte; G1/RO

Com a liberdade de expressão cerceada, deputado dá entrevista e agora tem 48 horas para se explicar a Moraes

Na ocasião, ele pediu desculpa pelas manifestações contra a Corte.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, mandou a defesa do deputado federal, Daniel Silveira (PSL-RJ), esclarecer, em até 48 horas, “o motivo e as circunstâncias da entrevista prestada por ele, sem autorização judicial, ao jornal Folha de S. Paulo”.

O parlamentar cumpre prisão domiciliar desde o dia 14 de março e estaria proibido de se comunicar e também utilizar redes sociais; desde que foi preso, em fevereiro deste ano, por postar vídeo na internet; criticando os integrantes da Corte.

Silveira chegou até a participar de uma sabatina na Câmara dos Deputados, na qual se mostrou bastante abalado e emocionado pelos motivos que levaram à sua prisão repentina. Na ocasião, ele pediu desculpa pelas manifestações contra a Corte.

Em entrevista publicada pela Folha, nesta terça-feira (13), Silveira alegou que está “em uma prisão inconstitucional”.

O deputado foi preso por ordem de Alexandre de Moraes no âmbito do famigerado inquérito das Fake News. Ele protocolou, na segunda-feira (12), uma proposta de alteração da Lei Antiterrorismo, que propõe classificar desta forma o “ato praticado com motivação criminal” que pretende impor “terror social ou generalizado”.

Também, na terça-feira (13), o parlamentar apresentou outro projeto sobre a liberdade de expressão e informação na internet. Uma das sugestões é que as redes sociais só possam excluir conteúdo dos usuários com autorização da Justiça.

Fonte: Folha