Estratégia com empresas garante ocupação de postos de trabalho em Porto Velho

Atendimentos acontecem de forma presencial e remota no sine.

O último balanço do Sistema Nacional de Emprego (Sine) de Porto Velho aponta tendência de recuo do desemprego na capital. Os números positivos são uma resposta às estratégias adotadas pela Prefeitura para garantir a ocupação de postos de trabalho.

O número de pedidos de seguro-desemprego recuou cerca de 6% quando comparado os meses de maio e abril desse ano. Uma tendência que, segundo Davi Castiel, diretor do Sine Municipal, se vê desde o início de 2021. “Os pedidos diminuíram em relação ao primeiro trimestre desse ano. Isso permite concluir que as pessoas estão permanecendo mais nos empregos. Caso contrário, teríamos o caminho inverso, com mais pessoas dando entrada no tipo de benefício”, explica.

O seguro-desemprego é um dos principais termômetros da economia local. O outro é a oferta e ocupação de postos de trabalho. Hoje, o Sine Municipal oferece vagas para diversos perfis e diferentes graus de qualificação.

No entanto, a direção do Sine aponta um fenômeno que retarda a ocupação de alguns postos no mercado. “Muitas vagas continuam abertas por falta de mão de obra qualificada. Enviamos os perfis dos candidatos, mas algumas empresas exigem qualificação específica ou experiências anteriores”, explica Castiel.

Para driblar o problema, o Sine Municipal está estreitando o diálogo com as empresas. A estratégia é convencê-las a contratar pessoas e capacitá-las para que permaneçam por mais tempo nos postos de trabalho.

“Sugerimos que as empresas contratem pessoas, mesmo sem experiência, e deem a elas a chance de uma capacitação. Dessa forma, o empregador molda o colaborador de acordo com a sua necessidade e diminuímos a rotatividade desse cargo”, explica o gerente do Sine.

A estratégia do Sine tende a beneficiar principalmente a população de 18 a 25 anos, que tende a não possuir longa experiência no mercado de trabalho.

O Sine Municipal de Porto Velho está localizado na rua Brasília, 2512, bairro São Cristóvão. O horário para atendimento é das 7h30 às 13h30, de segunda à sexta-feira.

A Prefeitura também dispõe de canais remotos para atendimento. Os contatos podem ser feitos através dos números (69) 3901-3181 (fixo) e (69) 98473-7437 (WhatsApp)

O usuário também pode consultar as ofertas de vagas diariamente pelo site do Sine.

Fonte: Sine Municipal

Senadores do “G7” tramam “novas estratégias”

Sem rumo, devem convocar Arthur Weintraub e Luana Araújo para depor na CPI

Aproximando-se do fim dos trabalhos da famigerada CPI da Covid-19 e sem ter como acusar o presidente Jair Bolsonaro de ter cometido crime de responsabilidade, a cúpula da Comissão Parlamentar de Inquérito mais mal falada do Brasil se reuniu, neste domingo (23), para decidir quais serão as próximas ações do grupo.

O intitulado “G7”, o grupo de sete senadores que se dizem “independentes”, participantes da “CPI do Circo” – Omar Aziz, Renan Calheiros, Tasso Jereissati, Randolfe Rodrigues, Otto Alencar, Humberto Costa e Eduardo Braga – não têm vergonha de divulgar que estão “avaliando estratégias” para conduzir novos depoimentos.

Para culpar Bolsonaro, vale até chamar, mais uma vez, o ex-Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. O General do Exército já havia respondido a “santa inquisição” dos senadores por dois dias seguidos. Mas, pelo visto, o “grupo do bem” acha que conseguiu algum fato novo que poderá prejudicar Bolsonaro e o ex-chefe da pasta. Por isso, querem chamá-lo, novamente.

Além disso, o petista Humberto Costa (PT-CE) apresentou requerimento, também neste domingo, para convocar o ex-assessor da Presidência da República, Arthur Weintraub, para depor à CPI. A comissão quer investigar um “disse-me-disse” acerca da suposta participação dele no comando de um “ministério paralelo” da Saúde. Como provas para questionar o irmão mais novo do ex-Ministro da Educação, Abraham Weintraub, os senadores vão mostrar aos presentes lives em que Arthur participa e defende o tratamento precoce ao lado dos médicos Luciano Azevedo, Nise Yamaguchi e Paulo Zanotto.

A médica Luana Araújo, que chefiava a recém-criada Secretaria de Enfrentamento à Covid-19, também deverá ser chamada a “prestar esclarecimentos”, segundo apontou o petista.

A pressão para encontrar alguma “prova” contra Bolsonaro se intensifica, na medida em que o teatro tem prazo para terminar.

Fonte: O Globo

Reunião estratégica da Prefeitura alinha ações para a retomada pós-covid em Porto Velho

Uma das metas é a desburocratização do processo de empreender.

Com a proposta de contribuir com a excelência na gestão pública e com a eficiência dos serviços públicos e do ambiente de negócios, a Prefeitura de Porto Velho aderiu ao Programa Cidade Empreendedora, coordenado pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Rondônia (Sebrae).

A liderança municipal ocorre sob a responsabilidade da Agência de Desenvolvimento de Porto Velho (ADPVH). Desta forma, foi viabilizada na sexta-feira (19), a segunda reunião de alinhamento para o estabelecimento da governança e do planejamento das próximas ações junto à Secretaria Geral de Governo (SGG), visando o envolvimento, participação e monitoramento de resultados de todas as secretarias municipais nos eixos temáticos propostos pelo programa Cidade Empreendedora.

Para o presidente da ADPVH, Marcelo Thomé, “É um esforço da Prefeitura em preparar a cidade para que esse momento assim como a geração de empregos e de renda seja o mais rápido possível, tão logo, a pandemia passe e retomemos a normalidade das atividades”, disse com tom de expectativa Thomé.

Adicionalmente ao Programa Cidade Empreendedora, um cronograma está em construção para a realização de encontros com os setores econômicos e cadeias produtivas buscando entender como a Administração Municipal pode contribuir visando aprimorar e agilizar os processos às entregas de forma que haja a desburocratização do processo de empreender.

Desta forma, o empreendedor [empresário] poderá perceber que a Prefeitura é parceira e não um obstáculo a ser vencido. Já avançamos desde a primeira gestão do Hildon Chaves. O próximo passo agora é avançar no acolhimento ao investimento escutando o nosso cliente”, completou o presidente.

Segundo o secretário-geral de Governo, Fabrício Jurado, o prefeito tem uma preocupação constante em promover o desenvolvimento do município. “O que depender da gente, estamos à disposição da ADPVH para alinhar ações. Temos um absoluto compromisso com os setores produtivos e de desenvolvimento”, declarou.

Em apresentação feita pelo diretor técnico da ADPVH, Guilherme Gonzales, demonstrou a estrutura temática do Programa Cidade Empreendedora que está estruturada em dez eixos, como: Gestão Municipal, Lideranças Locais, Desburocratização, Sala do Empreendedor, Compras Governamentais, Empreendedorismo na Escola, Inclusão Produtiva, Marketing Territorial e Setores Econômicos, Cooperativismo e Crédito, Inovação e Sustentabilidade. A execução dos trabalhos (ações), segundo ele, vai ocorrer após diagnóstico a ser realizado em cada uma das Secretarias Municipais já nas próximas semanas.

Estiveram na reunião, o presidente da Câmara de Vereadores de Porto Velho, vereador Edwilson Negreiros (PSB), a secretária Rosineide Kempim, a Secretaria Municipal de Resolução Estratégica de Convênios e Contratos (Semesc), o diretor técnico do Sebrae, Samuel Almeida.

Fonte: Comdecom

Estado e município antecipa estratégias para atender famílias atingidas pela cheia do rio Madeira

Dados apurados pelo Comitê da Sala de Situação, que trata do assunto apontam que as cheias devem atingir 1.804 famílias ribeirinhas.

O Corpo de Bombeiros Militar, em parceria com a Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (Cmpdec) da prefeitura de Porto Velho, já concluiu a programação da estratégia de trabalho para atender as centenas de famílias atingidas pela cheia do rio Madeira, que todo ano ultrapassa os  limites, deixando desabrigados moradores ribeirinhos.

O grupo trabalha com dados atualizados diariamente e por conta disso, pode se antever aos problemas atuando de modo mais eficiente, para evitar transtornos maiores às famílias atingidas por enchentes. O Corpo de Bombeiros está reunindo seus equipamentos, revisando as estratégias de cada equipe envolvida no trabalho e adiantando a parte burocrática, para que as ações comecem o mais breve possível.

O comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Gilvander Gregório de Lima, comenta que o trabalho de monitoramento da Força Militar Estadual e de acordo com os dados fornecidos pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) do Governo Federal. Ele explica ainda que o trabalho é feito de forma exclusivamente técnica, realizando cruzamento de dados entre períodos anteriores, a fim de se elaborar um comparativo de comportamento do rio.

A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), que compõe a estrutura do Corpo de Bombeiros Militar, fez um levantamento dos últimos oito anos para se obter uma média do nível do rio Madeira. No ano de 2014 (uma das maiores cheias que se tem registro), entre os dias 25 e 26 de fevereiro, o volume de água chegou a marca de 18.53 metros; no ano seguinte, em 2015, foi de 16.57 metros; em 2016, 12.52 metros; em 2017, 13.49 metros;  em 2018, 16.23 metros; em 2019, 16.74 metros, no ano passado, foi registrado 15.47 metros e neste ano de 2021, já passou dos 15.8 metros. A média de volume da água dos últimos oito anos foi de 15.67 metros.

A partir do momento em que o nível do rio atinge a marca de 17 metros, o Governo de Rondônia, por meio do Corpo de Bombeiros ganha a função de agente principal na política de assistência às famílias atingidas, bem como na fiscalização acerca do nível da água. Geralmente a Secretaria de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social (Seas) inicia as ações no mesmo sentido, distribuindo água e cestas básicas às famílias e na execução de ações de suporte às pessoas afetadas que precisam de assistência médica periódica.

Dados apurados pelo Comitê da Sala de Situação, que trata do assunto apontam que as cheias devem atingir 1.804 famílias ribeirinhas. Na última terça-feira (23) a Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil, decretou em Porto Velho estado de alerta. O posicionamento se deu porque o Madeira atingiu a cota de transbordo, que é de 15 metros. O trabalho de assistência às famílias atingidas pelo fenômeno natural é uma ação conjunta de diversas forças públicas. Cada qual no seu setor está responsável por monitorar a movimentação hidrológica para antecipar o atendimento às pessoas.

Fonte: Secom-RO

Governo Estadual se reúne com municípios para tratar sobre novas estratégias no combate ao Covid-19

A reunião aconteceu por vídeoconferência

O governo do Estado reuniu nessa terça-feira (5), por vídeoconferência, o Comitê Interinstitucional de Prevenção, Verificação e Monitoramento dos Impactos da Covid-19, liderado pela Casa Civil.

O foco maior da reunião foi avaliar o atual cenário em Rondônia, estudar a massificação das estratégias a serem compartilhadas com as prefeituras dos municípios. O secretário chefe da Casa Civil, José Gonçalves da Silva Júnior enfatizou a importância dessa discussão, visando reforçar ainda mais a comunicação sobre as medidas preventivas, através dos cuidados com a higienização e o distanciamento social, a fim de evitar a proliferação do vírus.

“Nossa finalidade é analisar os próximos passos na luta contra à Covid-19, trazendo os municípios para mais perto, a fim de tentarmos um alinhamento e unir forças. Buscamos da melhor forma possível desenvolver esse planejamento na intenção de subsidiar o governador do Estado nas decisões”, detalha Júnior Gonçalves.

As propostas para esta nova etapa de enfrentamento à doença, serão apresentadas aos prefeitos eleitos dos 52 municípios, durante reunião por videoconferência nesta quarta-feira (6), juntamente com o Comitê Interinstitucional de Prevenção, Verificação e Monitoramento dos Impactos da Covid-19.

Fonte: Secom-RO

Seduc adere à estratégia de Busca Ativa Escolar do Fundo das Nações Unidas para a Infância em RO

Gestores das redes estadual e municipal de ensino terão acesso à plataforma para identificar alunos que estão afastados da escola

O Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), lança nesta terça-feira (20), às 16h, a adesão à estratégia de Busca Ativa Escolar do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) com o tema, “Fora da escola não pode!”.

A tática acontece em parceria com o Ministério Público do Estado de Rondônia (MP), Tribunal de Contas do Estado (TCE) e União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e será transmitida pelo canal da Mediação Tecnológica Rondônia.

Por meio da plataforma social gratuita acessível, agora, o Estado de Rondônia pode realizar o trabalho de identificação e controle de estudantes que estão afastados, por algum motivo, da escola.  Gestores das redes estadual e municipal de ensino terão acesso ao programa  e poderão através de áreas como educação, saúde, assistência social atuar para a eficiência deste projeto que culmina, basicamente, na identificação, matrícula ou rematrícula do estudante.

De acordo com Kary Jean Falcão, chefe do Núcleo de Planejamento e Avaliação Externa, através da Busca Ativa Escolar, municípios e estados terão dados concretos que possibilitarão planejar, desenvolver e executar políticas públicas que contribuam para a inclusão escolar.

A ferramenta funciona com o acesso de ‘agentes comunitários’ que buscam saber a situação daqueles que estão fora dos estabelecimentos educacionais, coletando as informações básicas sobre as causas que contribuíram para que estes se evadissem da escola ou que nunca frequentaram.

“Com base na notificação destes dados, a plataforma ‘Busca Ativa Escolar’ produz sinal de alerta às Secretarias Municipais de Educação dos 52 municípios do Estado indicando a necessidade de medida para que estas crianças e adolescentes sejam (re)matriculados, seja na rede municipal, seja na estadual”, complementa, Kary Jean Falcão.

Fonte: Seduc

Governo define estratégias para auxiliar prefeituras quanto ao uso do sistema ‘Cartão Cidade’

Em videoconferência, a sefin junto com os delegados regionais auxiliem e acompanhem os usuários na habilitação do sistema.

Com o intuito de sanar dúvidas, o Governo de Rondônia, por intermédio da Secretária Estadual de Finanças (Sefin), esclarece dúvidas sobre acesso aos dados da movimentação de cartão de débito e crédito dos contribuintes do Imposto Sobre Serviço (ISS), realizado pelo sistema Cartão Cidade. O sistema analisa a arrecadação e combate à sonegação fiscal no Estado. Contudo, apenas cinco prefeituras têm ou já solicitaram acesso.

O auditor e gestor do Cartão Cidade, Gilberto de Oliveira Júnior, explica que o sistema é divido por três abas: sintético, analítico e por operadora. O sintético apresenta o resumo geral, mensal, com o somatório de todas as empresas de CNPJ, CPF e beneficiários de pagamento. O analítico expõe movimentações diárias detalhadas, focado apenas em único contribuinte escolhido. Já por operadora é apresentado o resumo pelos tipos de cartões utilizados.

As prefeituras não estão conseguindo ter acesso completo aos dados detalhados da movimentação, sendo disponibilizado apenas o montante total de cada administradora, impossibilitando identificar eventuais sonegações. O que pode estar acontecendo é que durante o acesso, o agente responsável não busca pela aba analítica, clicando apenas na sintética em que apresenta o montante total da operação no município. Por essa razão, Gilberto Oliveira Júnior pontua que na plataforma estão disponíveis vídeos tutoriais com duração de apenas oito minutos, para auxiliar o usuário explicando em passo-a-passo o funcionamento do sistema.

Além disso, muitas prefeituras que ainda não são cadastradas, podem estar tentando entrar sem antes solicitar a liberação que se dá por meio do Certificado Digital. Porto Velho foi o primeiro município a fazer uso da plataforma, depois Vilhena e Ji-Paraná. Santa Luzia d’Oeste, que havia realizado a solicitação, estava com uma pendência que já foi sanada.  Pimenta Bueno fez o pedido, cujo processo já foi deferido, aguardando apenas a liberação no sistema.

Para garantir o ingresso, as prefeituras têm que solicitar inclusão e apresentar requerimento, termo de responsabilidade, documento de identificação com CPF do servidor a ser cadastrado, termo de posse do prefeito e do servidor e demais documentos comprobatórios destacados na Seção II da Instrução Normativa nº 41 de 2020. Nesta instrução estão todos os formulários necessários para efetivação. O Governo realiza o controle dos pedidos por um bloco interno inserido no Sistema Eletrônico de Informação (SEI).

De acordo com assessor da coordenação da receita, Edilson Quintela, a plataforma tem todo um sigilo fiscal das informações dos contribuintes, por isso existe um termo de responsabilidade para o servidor que tenha acesso ao sistema fique responsável pela informação e sua não divulgação. Todo esse procedimento é realizado com a finalidade de garantir a segurança jurídica dos dados.

Em casos de maiores dúvidas, como possível dificuldade para entrar no sistema, por parte dos agentes de renda, o coordenador geral da receita estadual, Antônio Carlos do Nascimento, orienta que a prefeitura entre em contato com a Sefin, a fim de solucionar prováveis objeções. Persistindo o problema e havendo necessidade, a Sefin determinará um técnico tributário para verificar o certificado digital e realizar o treinamento junto ao servidor.

Em videoconferência, o coordenador solicitou que delegados regionais auxiliem e acompanhem os usuários localizados nos municípios para habilitação do sistema. Além disso, já foi pedido apoio ao Programa de Modernização e Governança das Fazendas Municipais e Desenvolvimento Econômico-Sustentável dos Municípios de Rondônia (Profaz) e Associação Rondoniense de Municípios (Aron) para que também possam prestar auxílio às prefeituras.

De acordo com a Sefin, está sendo criado um grupo no Whatsapp especialmente com as duas entidades para informar sobre as novas atualizações do Cartão Cidade, para que assim comuniquem aos municípios, se for o caso.

Conforme o gestor do sistema, o aplicativo é inédito no país e um grande ganho para o Estado. Mas como ainda está no início, é preciso que os agentes responsáveis pelo acesso explorem o sistema, e no caso de encontrar algum problema na plataforma, encaminhe o feedback à Secretaria a fim de melhorar o sistema.

Fonte: Secom-RO

Governo alinha estratégias para regulamentação do garimpo em RO

De acordo com o estado a regulamentação é que possa ser no Rio Madeira, do ponto que era a Cachoeira de Santo Antônio até a divisa com o Estado do Amazonas.

O governo de Rondônia, em mais uma videoconferência discutiu sobre estratégias que possam favorecer critérios técnicos para um desfecho que possa ser explorada de forma legal novamente, a atividade garimpeira sem que prejudique o meio ambiente e equilibrar a atividade econômica sem causar danos. Mas é preciso criar condições legais e técnicas para que a atividade econômica aconteça de forma a dar dignidade às famílias rondonienses.

O garimpo é um ramo que gera muitos empregos diretos e indiretos, e se regulamentado corretamente, assim como outros setores, é capaz de aquecer a economia da sociedade rondoniense.

A proposta apresentada pela cooperativa de garimpeiros ao Governo do Estado é a revogação do decreto de 1991, que restringe a atividade garimpeira de um trecho do Rio Madeira, que correspondia da Cachoeira de Santo Antônio até a divisa com o Estado do Amazonas. A matéria apresentada já foi encaminhada para parecer jurídico e avaliada.

De acordo com o procurador do Estado de Rondônia (PGE), Matheus Carvalho Dantas, o Estado já emitiu quatro pareceres e agora a minuta de Lei encontra-se robusta, de forma a sustentar essa regulamentação de adequadamente.

ALINHAMENTO TÉCNICO

A equipe técnica composta por integrantes da PGE e da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental (Sedam) debruçou-se para estabelecer os requisitos da minuta do novo decreto. A cópia dos processos foram encaminhados ao Ministério Público Estadual (MPE) e ao Ministério Público Federal (MPF-RO). Este último, consultou o órgão em Brasília, avaliando que juridicamente não há problemas, e enviou sugestões técnicas que estão sendo apreciadas pela PGE e serão encaminhadas para a Casa Civil.

Representantes do setor também pediram reunião, para alinhar detalhes pertinentes à atividade garimpeira, e agradeceram ao Governo por manter o diálogo.

Construir conjuntamente mudanças para Rondônia que beneficie a sociedade, inclusive considerando o que diz os órgãos de controle, é uma determinação do Executivo. ‘

Para o superintendente Estadual de Desenvolvimento Econômico e Infraestrutura (Sedi), Sérgio Gonçalves, a regulamentação da atividade econômica é avaliada de forma positiva, ele destacou ainda que Rondônia tem destacado-se entre os estados brasileiros e tem sido a escolha de muitos investidores, devidos às condições que foram criadas para que o desenvolvimento aconteça de fato. Só em 2019, o Governo recebeu 900 empresários que fizeram consultas junto à Sedi, e, mesmo neste ano de pandemia, empresários continuam demostrando interessem em prospectar negócios no Estado.

Fonte: Secom-RO

Governo e BNDES se reúnem para alinhar futuras concessões sobre o marco do Saneamento em RO

Em videoconferência presidente do BNDES coloca instituição a disposição do Estado para o desenvolvimento do saneamento básico.

 O Governo do Estado de Rondônia participou de videoconferência com Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no último sábado, em prol da retomada das tratativas para celebração de acordo de cooperação, visando o apoio técnico do banco com a contratação de consultorias especializadas para remodelagem do saneamento básico em Rondônia.

“Nosso sonho é fazer o saneamento básico com qualidade no Estado, é o objetivo do Governo do Estado resolver os problemas que temos aqui com o saneamento. Já estávamos tratando do assunto juntamente com o governo federal, mas com um alinhamento e adesão dos municípios e a contribuição do BNDES poderemos concretizar este objetivo,” descreve o governador de Rondônia Coronel Marcos Rocha.   

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, explicou que o banco é conhecido pelos financiamentos de longo prazo e investimentos em diversos segmentos da economia brasileira, além disso conta que formou uma equipe especialmente para a prestação de serviço e apoio aos governos. 

“Capacitamos o banco para prestar serviço, a gente presta serviço ao Governo Federal e a todos os estados brasileiros, principalmente nessa parte de assessoria de concessão, privatização e entre outros serviços financeiros. Estamos oferecendo a disponibilidade e a vontade do banco de trabalhar com o Estado nessa parte de assessoria, nesse primeiro momento, e mais pra frente no financiamento. Queremos que o saneamento aconteça, iniciando pelos estudos com objetivo de verificar os eventuais caminhos para levar água e esgoto para a população de Rondônia,” destaca Gustavo Montezano.  

Segundo o secretário Estadual de Finanças do Estado de Rondônia (Sefin), Luis Fernando Pereira da Silva, que vem acompanhando as tratativas, isso só está sendo possível por causa do novo marco regulatório, que foi aprovado recentemente e sancionado pelo presidente da república e encontra-se em fase de regulamentação por decreto. 

“O novo marco regulatório direciona e busca atrair investimento privado para o sistema de saneamento dos estados brasileiros. Embora a titularidade da concessão do serviço de abastecimento de água e o serviço de esgoto sejam dos municípios, com marco regulatório será possível ao Estado exercer a organização dos municípios em blocos de regionalização para às concessões,” explica o secretário da Sefin, Luis Fernando. 

Por outro lado, Luis Fernando disse que o Estado de Rondônia para tornar-se possível de atração de grandes atores e de empresas privadas que atuam no segmento, “precisa encontrar solução para o problema do saneamento no Estado, que passa pela preparação de novas concessões, por meio da desestatização. É isso que a gente deve fazer a partir de agora com esse apoio que o BNDES está nos oferecendo,” conta.

Fonte: Secom-RO

Governo apresenta mudança de critérios para aprimorar estratégias do Plano Todos por Rondônia

Estado irá publicar decreto com alteração da variável da matriz de categorização de fases

A mudança na matriz de classificação que irá refletir diretamente em uma nova forma de cálculo seguindo critérios técnicos para aprimorar o enquadramento dos municípios nas fases do Plano Todos por Rondônia, no combate ao coronavírus, foi apresentada na noite de quinta-feira (9), pelo governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, durante reunião por videoconferência com prefeitos de municípios do Estado que aprovaram por unanimidade a alteração nos critérios de avaliação que passa de casos confirmados para casos ativos na metodologia de categorização elaborada para definir as medidas e ações de enfrentamento ao coronavírus.

Todas as medidas estão sendo rigorosamente analisadas pelo Comitê Interinstitucional de Prevenção, Verificação e Monitoramento dos Impactos da Covid-19, coordenado pelo governo do Estado. O Comitê tem mantido constantes reuniões por videoconferência buscando melhor alternativa que possa ser implantada a cada ciclo de fases visando o aprimoramento das estratégias com critérios técnicos e embasamento científico.

O governador iniciou a reunião fazendo um breve apanhado da situação da Saúde e os avanços que já foram conquistados falando das atenções para a construção do Hospital de Emergência e Urgência. Além de ações que estão em andamento no combate ao coronavírus. Marcos Rocha também enalteceu a questão dos municípios estarem garantindo o kit medicamento para as pessoas que são detectadas com a Covid-19.

O componente da matriz está sendo apresentado nas recentes reuniões por videoconferência realizadas com a participação de parlamentares, organismos de fiscalização, prefeituras, empresários de vários setores da economia rondoniense e contando com a presença do governador Marcos Rocha que tem definido como prioridade os trabalhos técnicos com critérios que buscam equalizar a economia do Estado e vidas.

O indicador apresentado durante a reunião traz a proporcionalidade entre a ocupação de leitos de UTIs e o número de casos ativos, ou seja, quanto mais casos ativos, maior a taxa de ocupação em leitos e quanto menos casos, menor a taxa, controlando esses indicadores, pode-se evitar o colapso do sistema de saúde.

Os prefeitos ouviram atentamente as explanações do secretário de Estado de Finanças, Luís Fernando, na expectativa de como ficaria a nova classificação que será apresentada no final do ciclo. A presidente da Associação Rondoniense de Municípios (Arom) e prefeita de São Francisco do Guaporé, Gislaine Clemente (Lebrinha), lembrou que o novo aprimoramento analisado pelo governo do Estado vem ao encontro da solicitação da Associação e traz uma transparência efetiva das ações de enfrentamento à Covid-19 com novos critérios para enquadramento dos municípios. A prefeita ainda destacou o fato de Rondônia liderar o ranking de testes realizados para o diagnóstico de Covid-19.

”O nosso agradecimento ao governador Marcos Rocha que tem dialogado muito com a gente esses dias, é importante esse diálogo, obrigada por ter dado espaço a Arom de fazer parte do Comitê. Estamos há uma semana dialogando todos os dias, agradeço também a toda equipe. Cada município tem o seu papel e a gente precisa estar trabalhando em conjunto, e isso o que o senhor tem feito. Parabenizo pela notícia que saiu em nível nacional de que Rondônia é o estado que mais testa a população proporcionalmente. Os pleitos da Arom estão contemplados nessas planilhas apresentadas, e nós prefeitos temos que intensificar o nosso dever de casa, a questão dos protocolos. Temos que reforçar a prevenção, a Atenção Básica”

O governador Marcos Rocha fez um comentário sobre a afirmação da presidente da Arom e prefeita de São Francisco destacando ser possível controlar o avanço da Covid-19, evitar o colapso do sistema de saúde e continuar as atividades comerciais nas regiões que apresentam uma incidência controlada dos casos. ”Estamos seguindo critérios técnicos para poder vencer não só a questão da Covid-19, mas os demais problemas que assolam o estado de Rondônia, assim como cada um dos municípios. O estado de Rondônia que foi tão criticado no passado é o que mais testa no Brasil, nós conseguimos criar leitos de UTI enquanto muitos estados não conseguiram fazer, é o primeiro colocado em transparência, e isso trabalhando bastante, não sou eu sozinho, mais uma equipe que trabalha ao lado e também os prefeitos que vão conduzindo a população da melhor forma”.

O prefeito de Pimenta Bueno, Aurismar Araújo, representando a Zona da Mata, avaliou de forma positiva a mudança proposta pelo Governo. ”Agradeço ao governador pelo equilíbrio, pela sensatez, é momento que o senhor está mostrando o seu poder de comando, e de tomar decisões ouvindo a nós, prefeitos. Isso é o que nos faz ficarmos otimistas, mesmo passando por esse momento difícil”, considera.

Todos os prefeitos que participaram da videoconferência foram unânimes ao destacar a atenção dada pelo governador aos municípios nessa fase difícil que tem afetado as área de saúde e econômica. A exemplo do prefeito de Vilhena, Eduardo Japonês, que argumentou que o momento é de união e agradeceu pela forma que o Estado tem tratado a questão do enfrentamento ao coronavírus e lembrou que a região de Vilhena foi atendida em todas as demandas solicitadas.

O governador Marcos Rocha deixou claro que tudo está sendo trabalhado com critérios técnicos e que a palavra como foco é a responsabilidade com a vida de cada um. O chefe do Executivo Estadual lembrou que Rondônia é o que mais testa no Brasil e segue entre os primeiros colocados em transparência. “É importante dizer que estamos analisando todos os critérios de mudanças implementados. O setor produtivo também foi muito importante nesse momento. Nós vamos vencer essa crise. Essa fórmula de cálculo que foi apresentada é uma fórmula que consegue atender cada uma das prefeituras e a vontade que tenho de não deixar nada fechar, mas nós precisamos seguir critérios técnicos. Temos trabalhado firmes com vontade de vencer as dificuldades geradas por essa doença”, enfatizou o governador Marcos Rocha.

Fonte: Secom